.
.

21.7.17

Mãe é aquele ser inconveniente...

...que inspeciona seu bumbum mesmo que você já tenha uma década de vida.

19.7.17

8ºC contra 7

Não há desafeto que resista a temperaturas de um dígito.

14.7.17

119 leitores avaliam o melhor granulado higiênico

Tudo começou com um pedido de ajuda que eu postei no Facebook, porque Pimenta espirra com o pó da areia que a gente usa aqui em casa e, meia hora depois da faxina, os móveis já estão imundos de novo. Em vez de descobrir um receptor unânime para xixi e cocô de gato, porém, percebi que essa é uma questão totalmente subjetiva.

Listo, então, os argumentos positivos e negativos sobre os principais tipos disponíveis no mercado e quem tiver curiosidade pode ler os 236 comentários nestes posts: 1, 2 e 3.

Madeira
Vantagens: é excelente no controle de odores, não custa tão caro nem prejudica o meio ambiente.
Desvantagens: alguns gatos se incomodam com os pellets, dá mais trabalho separar os cocôs e, quando os toquinhos esfarelam com o xixi, grudam nas patas.
Marcas indicadas: Pellet Cat, Kets, Mimi Cat, Tutto Cat, Like Cat, Natural Cat e Kitty Cat (tem os pellets menores).

Serragem prensada
Vantagens: é barata, fácil de limpar, ecologicamente correta e absorve bem os cheiros.
Desvantagem: espalha por todo o recinto.
Marcas indicadas: qualquer uma da sessão de roedores do pet shop.

Mandioca
Vantagens: forma torrões firmes e é biodegradável.
Desvantagens: tem preço salgado, rende pouco e a casa vira praia.
Marcas indicadas: Dbest Bio e Hello Kitty (versões rosa e roxa, com milho na composição também) ― a DBest tradicional custa metade do preço, mas é feita de terra sedimentar originária de algas marinhas.

Trigo e cereais
Vantagens: faz torrões, disfarça bem os odores, é biodegradável e não custa tão caro.
Desvantagens: levanta poeira, tem gato que come e, se ficar guardada por muito tempo, dá bicho.
Marcas indicadas: Katbom, Limpi Cat Guabi e Carrefour (mais barata).

Argila
Vantagens: forma torrões firmes, é fácil de limpar e geralmente custa barato*.
Desvantagens: levanta poeira e prejudica o meio ambiente.
Marcas indicadas: Carrefour, Belo e Nina, Pipicat, Putz, Gatinho Cheiroso, Maz Cat, Mitzi, Condor, Puximim, Foficat, Le-Cat e Bio Cat.
*Há marcas importadas ou com tecnologia diferenciada que não se enquadram nessa categoria, como a Easy Clean, Tidy Cats, Pipicat Premium, Pipicat Ultra Dry e Intersand.

Sílica
Vantagens: não precisa jogar fora a cada limpeza e não custa tão caro.
Desvantagens: boa parte dos gatos se incomoda com os cristais e, se a população for grande, forma poça de xixi no fundo do banheiro.
Marcas indicadas: Chalesco, Perpet, Pipicat, Silipetix e Clear Choice.

Fibras vegetais
Vantagens: segura o cheiro, rende bem e não espalha tanto.
Desvantagens: não forma torrão direito e custa caro.
Marcas indicadas: Ecocatix, Cat's Best e Sand Cat.

:: Dicas ::

Menos cheiro
Acrescente um tico de bicarbonato de sódio no granulado escolhido ou farinha de mandioca (a da farofa mesmo) para reduzir a catinga.

Torrões mais firmes
A farinha de mandioca também ajuda nesse quesito. Tem gente que usa só ela no banheiro, aliás. Mas precisa tomar cuidado com a proliferação de bactérias ― sal e o bicarbonato de sódio lá de cima resolvem o problema. E a dita cuja gruda nas patas.

Bolso feliz
Misturar uma marca cara com outra barata permite aproveitar os benefícios da primeira e economia da segunda ― ao menos em parte.

Casa limpa, finalmente
Como a maioria dos granulados acaba espalhando pelos cômodos, vale colocar um tapete áspero na saída do banheiro. De tempos em tempos, basta tirar o pó, deixar de molho em um desinfetante bactericida e pendurar para secar.

Adaptação
Faça transições graduais a cada novo teste para evitar rejeição. Gatos são bichos de rotina.

12.7.17

O melhor esconderijo do mundo

Existem duas estratégias de sumiço no universo felino: a praticada pelos filhotes e a favorita dos adultos. O primeiro grupo faz a gente repensar conceitos como teletransporte e portal interdimensional ― eu nunca descobri onde Mercv se enfiava quando ficava meia hora sem aprontar na casa antiga. O segundo grupo usa o que estiver à mão para cobrir a cabeça porque sabe que os humanos já foram domesticados e não vão incomodar.

6.7.17

Gatos e amor no cinema

Pelas ruas de Istambul, perambulam milhares de bichanos. Mas eles são considerados sagrados para a população de maioria muçulmana e o tratamento que recebem não lembra nem de longe o que a gente costuma ver por aqui. Nascida na cidade, a diretora Ceyda Torun resolveu registrar essa relação em um documentário de depoimentos tocantes e fotografia caprichada.

Eu assisti "Gatos" em primeira mão hoje de manhã, a convite da Pet Delícia, parceira do Circuito Espaço de Cinema, e saí com vontade de apertar Sari, Bengü, Aslan Parçasi, Psikopat, Deniz e Gamsiz e Duman ― e de fazer uns mutirões de castração na Turquia. Obrigatório para gateiros e para quem não gosta dos peludos também, pela coleção de relatos de transformação (inclusive de marmanjos barbudos).

Vejam o trailer, babem nas fotos do telão (rs) e garantam ingresso para a estreia, no dia 13 (só em São Paulo e no Rio de Janeiro).

"Um gato miando aos seus pés e te olhando é a vida sorrindo para você."















5.7.17

Se nada der certo...

Eu ainda posso ser escritora de diários de papel. Inventora de nome de esmalte ― ou de operações da Polícia Federal. Crítica de trabalho alheio. Organizadora de papelada inútil. Pastora de ateus. Cantora espanta-insetos. Coreógrafa de quadrilha junina. Cobaia culinária dos amigos. Consultora de contramoda.

E poleiro de gato.


Foto de Leo Eichinger

29.6.17

Décimo quase-aniversário do Gatoca

Sim, faz uma década que eu criei este blog para escrever sobre gatos, descompromissadamente ― e só tive coragem de publicar o primeiro post 42 dias depois, por isso o quase-aniversário. Será o primeiro ano sem Simba (snif). E, talvez, sem festinha (vida em ebulição por aqui).

Mas quero comemorar em grande estilo e não há estratégia melhor do que dar o texto a vocês, que transformaram uma iniciativa de ego em um projeto de mundo mais bacana. ♥

Compartilhem boas ações inspiradas pelo Gatoca, episódios que ficaram marcados na memória, causos engraçados (porque ninguém é de ferro, né?), aprendizados que fizeram diferença. No dia dez de agosto, eu publico a coletânea-amor ― e saio correndo para chorar no banheiro.


Festinhas anteriores: 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

21.6.17

Coração de gato

Procurar imagens abstratas nas nuvens é brincadeira de criança. Adulto que se preze enxerga formas em objetos do cotidiano. E coração em montinho de gato.


Não conseguiu ver? Aí vai a sobreposição com ilustra da Marcella Briotto, que nem eu sabia que sabia fazer. rs

16.6.17

Pesadelo que não espera a gente dormir

Quando o interfone toca perto da meia-noite, a lista mental de tragédias cresce mais rápido do que as passadas para atendê-lo. E eu pensei até na irmã que vive na Suíça, porque ela poderia facilmente pegar um avião para morrer em casa. Mas como, raios, o pessoal da favela do nosso mutirão de castração descobre onde eu moro? Para completar o filme de terror, o pedido de ajuda era para este frajola, sem um pedaço da boca.


E a tutora, catadora de latinha, estava tratando o coitado com antibiótico neste barraco ― porque lógico que eu fui até lá de pijama.


Vou pular direto para o final feliz e poupar vocês de passar pela mesma agonia. O gatão foi operado pela Drª. Maria Eugênia Carretero, na Canto da Terra, que aproveitou a anestesia e já emendou a castração. Como ele perdeu parte do tecido da boca, uma carne esponjosa recobrirá a região, sem prejuízo da qualidade de vida.

O peludo também tinha uma fratura na pata direita dianteira, antiga e mal-consolidada, que só daria para consertar quebrando de novo, sofrimento desnecessário. Saiu medicado para a dor e para evitar contaminação. Ah! Como a ONG fica na zona norte e não consegui cancelar a reunião de trabalho esperada há duas semanas, mandei dona Maria José de Uber.

Agora, preciso pagar a conta (R$ 450) ― e colocar o sono em dia. Help: contato@gatoca.com.br? :)

14.6.17

Aniversariantes do mês... passado (maio de 2017)

As bigodas mais novas da casa completaram uma década. Sim, aquelas bolinhas de pelo que a Guda pariu ontem! Nestes dez anos, eu escrevi incontáveis posts sobre a arisquice das meninas, que nunca sofreram qualquer tipo de crueldade, exceto ter o acesso a minha cama vetado por causa da alergia (ironia divina) a gatos.

Quando a gente se mudou para o apertamento, talvez por falta de espaço, elas pararam de fugir das tentativas de aproximação. E até passaram a aceitar uns carinhos duros, daqueles sem piscar. Mas nunca, nem no mais otimista dos sonhos, daria para imaginar a Jujuba rolandinho sob meus dedos ― Jujuba, para quem chegou agora, é a felina assassina.


Resolvi, então, comemorar estes 3.653 dias (com 23 de atraso) eternizando os tão esperados cafunés. Se você tem um bichano antissocial, não desista. :)







*Novelinha: conheça a história das Gudinhas

Outros aniversários: 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009

9.6.17

Amassador de pãozinho profissional procura emprego!

Nestes cinco meses de vida, se tem coisa que ZéZo aprendeu com maestria foi afofar um colo humano. E não precisa ser macio e quentinho, não! Ele também trabalha em taco, piso frio, laminado, gramado. Seu nome de batismo é José Zorêia, por causa da pontinha roubada por uma provável mordida de cachorro.


O pequeno apareceu na garagem do escritório do meu contador (sim, existem empresários pobres), há 18 dias, tremendo de frio e de medo. Julio e Gabi o acolheram, vermifugaram, despulgaram, castraram. Mas o coitado passa o fim de semana inteiro sozinho, vagando entre a recepção e a sala de reuniões.


E ele ama brincar! Pula alto caçando cordinha, dá cambalhotas atrás de bolinhas de papel, ronrona loucamente. Eu dirigi até a zona norte (SP) para fazer as fotografias, vocês ajudam a divulgar? :)





7.6.17

Gato e lagartixa: pode ou não pode?

Depende. Aqui em casa, a parceria funciona bem porque os Garfields não se prestam ao papel indigno de correr atrás de qualquer coisa que seja. E porque lagartixas comem insetos, solução perfeita (e ecologicamente correta) para uma vegana-alérgica como eu. Mas quem tem gato caçador deve ficar alerta, já que as bichinhas podem portar o Platynosomum concinnum, vilão da platinosomose.

Quando ingerido, o parasita provoca lesões na vesícula biliar, fígado, pâncreas e intestino, um belo estrago ― lembram da batalha da Pretinha na UTI? Entre os sintomas da fase inicial da doença estão falta de apetite, vômitos, diarreia, perda de peso e anorexia. No estágio avançado, há anemia, icterícia (mucosas amareladas), líquido no interior do abdome e aumento palpável da vesícula e do fígado.

O diagnóstico ocorre por meio do exame de fezes e, se constatada a obstrução dos ductos biliares, por laparotomia (abertura cirúrgica da cavidade abdominal). Já o tratamento é feito com medicamento, sempre prescrito por veterinário.

Atenção, portanto, sim. Neurose, jamais.

31.5.17

Cooperativa de Reciclagem Gatoca

Cansada de vender a ração do almoço para comprar a latinha da janta, eu resolvi botar os bigodes para trabalhar. A ideia inicial era investir nos malabares, mas eles conseguiriam acertar as bolinhas embaixo da geladeira e a apresentação terminaria antes de o farol abrir.

Na cooperativa de reciclagem, rola um home office quentinho e todo mundo participa. Enquanto Clara separa as caixas por textura de afiação de garra, Pufosa achata com soneca, Jujuba empurra até a passagem mais próxima e o resto critica para aperfeiçoar o processo. O orçamento doméstico agradece e o planeta também.

26.5.17

Pet Delícia: riqueza felina em Gatoca

Nestes quase dez anos, eu escrevi vários posts sobre a importância de fazer os bigodes ingerirem mais água ― na natureza eles caçam animais menores, com 70% de líquido em seus corpos, e não precisam tomar a mistura morna de poeira e pelos da tigela. Essa falta de hábito hídrico, somada a uma dieta baseada exclusivamente em ração seca, mata cada vez mais bichanos por insuficiência renal. Foi assim que eu perdi o Simba.

Depois de outubro, além do bebedouro elétrico (aquisição antiga), passei a investir também nas seringadas diárias de água e experimentei até a alimentação natural (imaginem a vegana na fila do açougue!). Essa batalha de longos 30 dias vale um texto exclusivo, mas o resumo é que só Clara e Guda aceitaram a mudança e a gorducha vomitava até o último fiapo de carne na sequência.

Com a autorização da vet nutróloga, apelei, então, à Pet Delícia, única ração úmida do mercado que a Keka consegue comer, porque não tem corante nem conservantes.


Dá para ver direitinho os pedaços de cenoura e as ervilhas.


Esta semana, chegaram as primeiras latinhas da parceria (obrigada!). 54 clecks de felicidade. ♥

24.5.17

Oitava primavera

Não, a festinha de doação da Pandora não ocorre em maio. E, em vez de colar e blusa, nas nossas selfies comemorativas geralmente aparecem regatas ou vestidinhos. É que este ano eu fui a Sorocaba por outro motivo ― vocês saberão em breve. Só que não podia deixar de apertar a responsável pela transformação bichística mais incrível do Gatoca (história completa nos links do final do post).

A pantera está 365 dias mais ruivo-agrisalhada, de um total respeitável de 5.110, mas continua gorducha e animada. Me recebeu com cabeçadinhas no portão, latiu para quem ousou dividir o carinho, acompanhou a preparação do jantar improvisado (vegano ♥) no melhor lugar da cozinha.


E meu coração tamborilou sincronizado a cada abanada de rabo mais um ano.



Epopeia da Pandora na busca por um lar:

:: Caixa de esperança
:: Casa de esperança
:: Nascimento da ninhada
:: Morte da ninhada
:: Devolução
:: Boletim - 28 de novembro
:: Boletim - 1º de dezembro
:: Boletim - 8 de dezembro
:: Sítio temporário
:: Doação de conto de fadas
:: Primeira primavera
:: Segunda primavera
:: Festa em Sorocaba
:: Terceira primavera
:: Quarta primavera
:: Quinta primavera
:: Sexta primavera
:: Sétima primavera