.
.

25.2.10

Primeiros socorros

Veja como proceder nos principais acidentes envolvendo bigodes e focinhos

Quando um bichinho se choca contra a lataria do carro daquele coração gelado que sequer olha para trás, deve-se arriscar imobilizar o membro quebrado? E estancar o sangue jorrado? Carvão ativado serve para qualquer tipo de envenenamento? Ou é melhor forçar o vômito?

Se você prefere rezar para não passar por uma situação dessas, em vez de preparar os nervos (e a cabeça) para ajudar, leia o texto até o fim. Entre o "local do crime" e a clínica veterinária, sua intervenção pode salvar uma vida!

:: Saiba o que fazer em caso de...

...atropelamento

* Como identificar: Animais que sobrevivem a atropelamentos provavelmente terão dificuldade de andar, por causa das fraturas. Nem sempre há sangramento.
* Como socorrer:
- Hemorragia externa: tente estancar o sangue, colocando uma compressa na área e pressionando com as mãos. Só tome cuidado com as dentadas.
- Sangramento nasal: deixe o peludo com a cabeça inclinada para baixo, facilitando a drenagem.
- Fratura: evite rotacionar o pescoço, dobrar a coluna ou mexer demais no bicho. Se a imobilização do membro quebrado for muito apertada, os dedos (e, às vezes, a pata inteira) podem necrosar.
- Fratura exposta: como é necessário recolocar o osso no lugar antes de enfaixar, melhor deixar o trabalho para um profissional.
- Desmaio: corra para o veterinário!
* Principais riscos: Perfuração de órgãos, hemorragia interna, comprometimento dos nervos da coluna vertebral e da medula óssea, trauma cerebral, morte.

...intoxicação

* Como identificar: Um animal intoxicado pode vomitar, ficar ofegante, ter diarréia, tremores, secreções bucais ("espumação") e até convulsões.
* Como socorrer:
- Ingestão veneno, produtos químicos ou plantas tóxicas: dê carvão ativado diluído em água. Ele impede a absorção completa do agente tóxico pelo organismo, mas só funciona quando aplicado na seqüência ao ocorrido. Dependendo do agente, aliás, oferecer leite ao bichinho ou forçar o vômito só piorará a situação.
- Contaminação por produtos tópicos (aplicados na pele): lave o peludo imediatamente com água e sabão. Vale dizer que remédios mal diluídos ou em quantidade superior à indicada também causam intoxicação.
* Principais riscos: Queimaduras, insuficiência respiratória, lesões no esôfago e no estômago, parada cardiorrespiratória, morte.

:: Monte um kit de emergência

Além do telefone de um veterinário de confiança, é preciso ter sempre à mão...

- Gaze para irritações nos olhos [1]
- Atadura para fraturas
- Pomada para inflamações
- Rifocina para machucados leves
- Probiótico para diarréias
- Plasil em gotas para vômitos [2]
- Dipirona sódica em gotas para dores e febre [2]
- Carvão ativado para envenenamento [3]

[1] Use água gelada em vez de soro fisiológico, porque, se o animal ficar exposto ao vento, sobrará apenas sal no olho, podendo trazer complicações.
[2] Siga a dosagem recomendada por um especialista, para evitar intoxicação.
[3] Vendido em pet shops.


:: Mantenha seu amigo longe destas plantas!

Estas são as espécies tóxicas mais comuns, seguidas dos nomes científicos, já que os populares mudam de acordo com a região. Se você tiver dúvidas sobre outras plantas, pergunte ao veterinário

- Açucena (Hippeastrum organense)
- Amarílis (Amaryllis belladona)
- Azaléia (Rhododendron indicuns)
- Bico-de-papagaio (Euphorbia pulcherrima)
- Cipó-imbé (Philodendron spp)
- Comigo-ninguém-pode (Diffenbachia amoena)
- Copo-de-leite (Zantedeschia aethiopica)
- Coroa-de-cristo (Euphorbia Mill)
- Costela-de-adão (Monstera deliciosa)
- Espada-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata)
- Espirradeira (Nerium oleander)
- Figueira-do-inferno (Datura stramonium)
- Hera (Hedera helix)
- Hortência (Hydrangea macrophylla)
- Íris (Iris germânica)
- Mamona (Ricinus communis)
- Narciso (Narcissus hybridus)
- Olho-de-cabra (Ormosia arborea)
- Orelha-de-elefante (Kalanchoe thirsiflora)
- Roxinha (Euphorbia cotinifolia)
- Saia-branca (Datura stramonium)
- Trombeteira (Datura stramonium)
- Tulipa (Tulipa hybrida)

FONTE: Drª. Juliana Vela, veterinária


* Texto escrito para a revista AnaMaria, da Editora Abril.

22.2.10

Sem-noção

- Alô. - Oi, você doa gatinhos? - Quem está falando? - É a Zulmira. Eu queria adotar um gatinho, porque aqui em casa teve infestação de ratos. - ... A conversa telefônica acima ocorreu de verdade e rendeu sugestões de resposta tão criativas no Twitter que, mesmo 18 dias atrasada, eu resolvi dividir com vocês: * @guigamuller: "Oi, vc doa pessoas? Eu queria adotar uma pq aqui em casa tem infestação de tarefas domésticas". * @danivenuss: Ela podia tentar a adoção de uma ratoeira. * @kathyselden: Responde que ela deveria deixar a família dela morando com ela. * @luciafontes: Nossa! Pensei em várias respostas, mas todas impublicáveis... Que sem-noção! * @giselevechin: Manda uma jaguatirica pra casa dela!!!!!! Que nega besta sô! * @liliprincesa: Bia, que tal: "Eu tenho vários gatinhos para adoção mas eles são todos vegetarianos"? :) * @gatostodaparte: Fala pra ela deixar de ser porca e limpar a casa direito :-Þ Quem dá mais?

17.2.10

Aniversariante do mês – fevereiro de 2010

Mais um ano se passou e Chô* continua com o mesmo tamanho de filhote. O que cresceu foi a quantidade de bigodes no coro do "parabéns", graças à superpopulação de temporários em Gatoca. Logo no café da manhã, a criatura fez questão de misturar atum com leite (roubado da Keka).

E encontrou o presente, escondido no sofá, antes de eu terminar de limpar as caixas de areia. A alegria, porém, durou 30 segundos, tempo necessário para a geniosa perceber que teria de dividir o brinquedo penoso com as amigas.


*Novelinha: Conheça a história da Chocolate

Outros aniversários: 2009 | 2008

13.2.10

Poço de timidez felino

A primeira noite do Snow em Gatoca foi passada embaixo da cama do meu quarto. A segunda, atrás da privada do banheiro da Flea. A terceira, na churrasqueira enferrujada do quintal (após uma fuga de filme!). Pelo jeito, o pequeno não quer saber de se enturmar nem com bípedes nem com quadrúpedes.



Epopéia do Snow na busca por um lar:

:: Como tudo começou
:: Poço de timidez felino
:: Transformação advanced
:: Amigos para sempre

10.2.10

Água e vinho

Flea é livro de bolso. Bolota é biblioteca.
Flea inspira curiosidade. Bolota expira sabedoria.
Flea ouve Kiss FM de madrugada. Bolota sintoniza a Antena 1 para dormir.
Flea adora sair para dançar com as amigas. Bolota prefere curtir o fim de semana em família.
Flea não arruma nem a própria cama. Bolota sequer deita se os lençóis estiverem amassados.
Flea mia com os pulmões cheios de vida. Bolota mia com o coração surrado.
Flea precisa de amor para começar. Bolota precisa de amor para terminar.

Quem se habilita? :)

Curada da sarna, a pulga exibe seu modelito pós-castração


Eleita a meiguice de Gatoca, a gorducha acena para os fãs

8.2.10

Escolhas

Quando a Lilian me escreveu interessada em adotar o Jacob, eu sabia que ela morava num "apertamento" e tinha uma gatinha geniosa. Mas achei que a estabilidade financeira e o carinho que a família demonstrava pelos peludos eram fatores mais importantes. Pensei com a cabeça de gente, não de bicho. Pelo menos não de Jake.

No fim de janeiro, veio o e-mail arrasador: o tigrinho ronronante se transformara num monstro e passou a distribuir arranhões gratuitos. Precisei buscá-lo no sábado, sem imaginar onde enfiaria o bigode extra. No quarto da Bolota, mesmo que a gorducha voltasse a dormir comigo, ele dificultaria o acesso ao banheirinho da Flea.

Havia ainda o receio da criatura fugir pelo corredor do fundo de novo, já que não poderia mais tomar sol no jardim de inverno. Sorte que a Suzeli mora numa casa com quintal e aceitou trocar o Snow (que não faz tanta questão de espaço) pelo gato selvagem – nós só teríamos de instalar uma porta de alumínio para impedir que o McGyver escapasse pela garagem da tia dela.

Assim que saiu da caixa de transporte, Jake cheirou a cama do Lucas, comeu meia lata de ração em pasta e se esticou no pé do Gabriel, que nerdeava no computador. De madrugada, Suze contou que ele deus umas arranhadas na porta, para se livrar da sauna, mas acabou deitando resignado com os meninos. E de manhã rolou até brincadeira de cordinha. Nenhum ataque fora registrado nas últimas 48 horas.

É tão complicado decidir por outra vida... E os erros pesam um mundo. :\


P.S.: Quem quiser participar da vaquinha da porta (R$ 240), basta escrever para bialevischi@yahoo.com.br. Ou comprar um número da rifa lendária. As despesas com o Jake continuarão a cargo do Gatoca, aliás.

4.2.10

Instinto de sobrevivência com defeito

Logo que aportou em Gatoca, Clara Luz conseguiu se trancar em três banheiros diferentes. Quando descobria uma brecha de fuga nas telas recém-instaladas, ia parar no forro do telhado de algum vizinho e não achava a saída. Ano passado, durante a viagem de entrega da Pandora em Sorocaba, ficou presa no armário do meu quarto.

Até hoje precisamos descarregar as compras do supermercado abrindo e fechando o porta-malas, senão a criatura se enfia embaixo do banco e acaba enclausurada. Vocês já viram um bigode com tamanha falta de senso de autopreservação?!

1.2.10

Melhores miados!

Atualizado às 15h48

No post em que eu comentei que nenhum dos bigodes miava como nos desenhos animados, faltou explicar que tipo de som a gente ouve nos corredores de Gatoca, né? Bom, Simba parece que caiu no aquário. Chocolate lembra uma cabrita. Guda faz barulho de porta rangendo. Pimenta imita aqueles patinhos de borracha da farmácia. E Mercvrivs, quando resolve quebrar o voto de silêncio, só repete uma palavra:



Obs.: O vídeo não tem imagem, porque o mimado está do outro
lado da porta, tentando me convencer a deixá-lo entrar.