.
.

17.12.14

Dicas de adaptação entre cão e gato

Sempre que me perguntam como juntar bigodes e focinhos, sem o desfecho bélico dos desenhos animados, eu peço para algum amigo contar sua experiência ― os especialistas comportamentais costumam entender muito do segundo grupo e quase nada do primeiro. Mas hoje, quando o pai do Sparky me escreveu, lembrei que a Mari Dias trabalha na Cão Cidadão e é supergateira. Eis o passo a passo que ela sugeriu, em sete dias:

Dia 1
Isole o gato (novato, neste caso) em um cômodo ― serve banheiro, lavanderia, escritório. O importante é deixá-lo em paz, para se acostumar com a mudança de família e espaço. Coloque uma cobertinha perfumada de lavanda ou feromônio dentro da caixa de transporte, para servir de toca. E ajeite o pote de ração sobre um paninho com o cheiro do cachorro, para que ele associe o amigo a algo que já gosta ― vale fazer o mesmo com o veterano.

Dia 2
Permita que os peludos se vejam pela fresta da porta. O ideal é repetir o processo várias vezes, em períodos curtos ― essa instrução serve para os próximos dias também.

Dia 3
Apresente o gato dentro da caixa de transporte ao cão preso na guia, para evitar pavor. E reforce os cheiros dos paninhos sob os potes de ração.

Dia 4
Tire a guia do cão na hora do contato, mas mantenha o gato na caixa de transporte ― ele provavelmente saberá que está seguro lá.

Dia 5
Com o gato solto no cômodo de isolamento, leve o cão preso na guia para lhe fazer uma visita. E não esqueça de reforçar mais uma vez os cheiros dos paninhos sob os comedouros.

Dia 6
O cão deve continuar na guia, mas o contato com o gato solto pode rolar fora do cômodo de isolamento, sempre frustrando aproximações exageradas, para mostrar que há limites.

Dia 7
Com ambos livres, leves e soltos, reforce os comportamentos gentis distribuindo petiscos e desestimule os hotis borrifando água no focinho ― para funcionar como bronca, não como refresco, o jato deve ser reto; o animal precisa acreditar que o castigo vem de uma força maior, não do tutor; e não adianta repetir a punição 200 vezes, que eles acostumam.


Bela focinhando Jade, foto emprestada pela Gloria Pontes

Seu novato é o cachorro? Pode encurtar passos! Eles aceitam as mudanças mais fácil do que os bichanos. Dependendo do focinho, nem precisa ficar isolado. Os primeiros contatos, porém, devem ocorrer sempre com supervisão.

Não sabe como fazer a adaptação entre gatos? Clique aqui. ;)

3 comentários:

Beca disse...

No meu caso, a adaptação, entre gatos,se deu com o semestre 1, semestre 2 ettc. até o semestre 7. Olheiras beiravam o queixo.

Beatriz Levischi disse...

Aposto que valeu a pena. ;)

Giordano Fleury disse...

Parabéns sempre fiquei em dúvida como as pessoas conseguiam e eu não

Bebedouro para Gatos
www.vidamansa.com