.
.

21.11.19

Spa felino: pelo também é saúde!

Uma das muitas coisas que a vet dos bigodes me ensinou foi que o pelo deles reflete o interior, que a gente não consegue ver. E que uma pelagem saudável, além de brilhante e macia, é uniforme, como a da Keka:


Quando você enxerga esta divisão em tufinhos, portanto, alguma coisa está errada:


No caso da Pufosa, o "erro" se chama insuficiência renal. E gatos idosos tendem a ficar com o pelo mais feioso mesmo, então eu achava que fazia parte. Mas, na última consulta, Maru suspeitou que os vômitos recorrentes das meninas, que a gente também botava na conta da doença, pudessem ser tentativas frustradas de eliminar charutinhos. E sugeriu um spazão-felino de teste.


A ideia era passar a escovar todo mundo duas vezes por semana para facilitar (e estimular) a limpeza, que eles não estavam mais dando conta, e oferecer na seringa 1 ml de óleo de linhaça dourada para turbinar o ômega 3 — suspendendo imediatamente em caso de diarreia. Como a escovação libera serotonina, que aumenta a sensação de bem-estar e felicidade, eles amam.


E até Godofredo entrou no Spa Month!


Mas o óleo de linhaça, meus amigos... Cinco gatos saíram correndo e babando pela casa, uma vomitou, o resto foi tentar tirar o gosto de desgraça da boca comendo grama como se não houvesse amanhã.


Na segunda semana, a babação caiu pela metade. E, na terceira, um tico mais — sim, eu sou uma pessoa resiliente. Pimenta continuou me olhando com ódio...


Mas os cabelos, que diferença! (Considerem que ela não deixará de ter 12 anos nem de ser renal — todas as gudinhas compartilham a doença, inclusive a Keka, dona da pelagem inexplicável de pantera.)


E os vômitos? Quase zeraram!

Toca encaixar mais esse lerê nos meus dias de 48 horas, rs. Só tomem cuidado com a Furminator, porque o uso em excesso pode assar a pele dos bigodes — Clara sabe bem. E, embora todo mundo diga que a escova ultratecnológica remove apenas os pelos mortos, vocês notarão uma carequice pós-exagero.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

14.11.19

Quando o ar-condicionado venceu a natureza?

Sorocaba inaugurou recentemente o Parque da Biodiversidade, com vegetação da Mata Atlântica, nascentes de água, 150 espécies de animais e 63 arbóreas. Como ele fica a 45 minutos de casa, Leo e eu resolvemos conhecer no sábado, quando a cinzentura deu uma trégua. E andamos mais de uma hora de chinelo enroscando na trilha quase invisível e pernas oferecidas em banquete aos mosquitos ─ sem repelente, óculos nem protetor solar, como sugeria o folder póstumo.


Acontece que a gente não esperava um passeio roots. E o funcionário que deveria ter nos orientado e entregue as tais perneiras dormia de testa na mesa porque, em três meses de existência, os 60 mil m² receberam apenas oito visitantes ─ isso ele nos contou na saída, com o pedido constrangido de desculpas. Eu já tinha desencanado, encantada com as folhas de coração, as flores delicadas, o cheiro de vida.


Mas, aí, nós vimos um lagarto! Como olhar vitrine de shopping pode ser mais legal do que cruzar com um projeto de dinossauro?


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

13.11.19

Maus-tratos animais, machismo e medo

Na minha rua de interiorrr, tem um senhor que passa as tardes sentado num banquinho instalado em frente à sua casa. E funcionários do correio que entregam as encomendas para qualquer pessoa quando você não está. Mesmo morando várias construções depois de mim, a ração dos bigodes parou lá. E o resgate me custou ficar sabendo que haviam batido em uma cachorrinha no cio.

Decorei o número da casa e o nome da tutora, também mãe do bêbado-agressor, e toquei a campainha no dia seguinte. Quem atendeu, porém, foi o cara. Sem abordar diretamente o assunto, ele já soltou que a cadela era safada e mentiu sobre a castração ─ com outro cão esmagando o focinho entre as grades do portão para sentir o cheiro dela no quintal dos fundos.

Ainda perguntou se eu trabalhava com costura (oi?) e se tinha marido. Despedi-me antes de mais um clichê-do-macho e confesso que estou juntando coragem para voltar. Se a tutora for quem penso, a cachorra é bem velhinha e não poderá encarar a cirurgia. O que a gente faz com um sujeito desses ─ sem provas para denunciar, filho da responsável pelo animal e praticamente seu vizinho? :\


Foto emprestada deste episódio, para preservar os envolvidos

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

8.11.19

Virei personagem de livro infantil (com gatos, claro)!

Rosana Rios é figura queridíssima no universo da literatura infanto-juvenil, com 170 obras publicadas! E, se você se acha velho demais para ter lido alguma delas, provavelmente assistiu a um "Bambalalão" roteirizado por sua cachola criativa ─ eu gostava tanto desse programa que participei das gravações! Mas a gente só veio se conhecer três décadas mais grisalhas depois.

Rosana é prima do Leo e sempre nos recebe com causos divertidos e cafés da tarde veganos ─ o bolinho de fubá a gente levou, única receita fofinha que sai deste forno.


Na última visita, ela ainda nos presenteou com "Entre Cães e Gatos", história de uma menina que falava cachorrês e um menino fluente em gatês, que se unem para salvar o bosque do bairro ─ convite à reflexão sobre nossa relação com o diferente e o que estamos fazendo com o planeta. Já seria uma atitude apertável por si só.


Acontece que ela também transformou nós dois em personagens do livro!




E incluiu o Gatoca na dedicatória!


Obrigatório para quem ama gatos, cachorros e, claro, este projeto! ❤


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo tem salvação. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

6.11.19

Veterinária com aventura (e papelão)

Idas ao veterinário geralmente têm um motivo triste ─ ainda mais quando você topa encarar 117 km de estrada, quatro horas de congestionamento e uma sensação térmica do capeta + 39ºC. Repetindo a estratégia dos Diários do Rei, porém, cá estou eu de novo exercitando o olhar para os momentos amorosos e engraçados com os bigodes, que envelhecem mais rápido do que meu egoísmo gostaria.


Na quarta-feira passada, Pimenta e Pipoca caprichavam nos vibratos, enquanto o pneu do Focus rodava furado pela Raposo Tavares. Eu não ia parar no posto de gasolina porque o tanque dava conta da viagem até Santana, em São Paulo. Chicão intercedeu e o frentista me avisou do prego. Logo ali, havia uma borracharia. Cléber ainda nos socorreu na hora, interrompendo o serviço anterior.


Com menos folga para o início do rodízio, mas em segurança, a gente atravessou a Castelo, a Marginal Tietê, as capivaras, a Voluntários da Pátria. E Maru mandou soltar as bestas, que me fizeram passar a vergonha de sempre ─ Pimenta medindo força para escapar do balcão (de onde rumou para baixo da cadeira) e Pipoca mimetizando com o climatizador.



A frajola recebeu tratamento para a alergia (eterna) e para a anemia, que descobrimos na consulta. E a sialata, que emagreceu meio quilo entre vômitos e diarreias, saiu com uma listinha de medicamentos para doença renal (sete anos já). Maru disse que os rins dela estão pequeninos, só que ainda não chegaram ao estágio do Simba.

A volta para Sorocaba foi mais tranquila. E silenciosa.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

1.11.19

Gordo, Listrado e carros que importam mais

Este gato bonachão da foto apareceu vagando em um condomínio de prédios no Campo Limpo, sempre perto na mesma torre, provavelmente deixado para trás na mudança da família. Um casal levou para vacinar (castrado ele já era) e há quatro meses outros moradores passaram a se revezar para alimentá-lo.

Até a semana passada, quando o síndico fixou um cartaz na área comum proibindo a prática e ameaçando com multa. O motivo? O gorducho estava riscando os carros da garagem. Sim, nós vivemos em um mundo de pessoas que descartam bichos feito sapatos velhos e que preferem máquinas a vidas.

Melissa Menegolo faz parte da resistência que continua cuidando escondido do peludo. E me pediu ajuda porque estão com medo de darem um sumiço nele. Para quem não reconheceu o nome, Melissa é a mãe do Kiwi. ❤ Ela aprendeu com o Gatoca que, quando a gente quer resolver algo, precisa colocar a mão na massa ─ e outros corações de pudim vão se juntando, certo?

Nós precisamos da ajuda de vocês, portanto, para que este post alcance a família nova do Gordo (SP). Ele tem 3 anos, adora conversar e segue pernas apressadas pedindo cafuné! Quem vai intermediar a adoção sou eu, com formulário, vistoria e acompanhamento para facilitar o processo de adaptação ─ podem escrever para: contato@gatoca.com.br.

O desafio não acaba aqui, infelizmente.


Listrado também entrou para o clube do amor clandestino e o caso dele demanda mais urgência, porque está com a pata machucada! Melissa conseguiu levá-lo ao hospital veterinário, mas o plantonista inexperiente aplicou uma injeção de anti-inflamatório, pediu para voltar mais três dias e é claro que o bicho evapora quando vê a caixa de transporte.


Para fazer o tratamento direito, nós precisamos de um lar temporário (e talvez de um laçador). O tigrinho tem 3 anos também, chegou superarisco e hoje vira de barriga para ganhar carinho ─ a foto deixa a desejar porque ele só aparece à noite. Os custos, incluindo o da castração, serão bancados pelos moradores do Campo Limpo, sob a supervisão e o selo de garantia do Gatoca. :)

Bora salvar duas vidas?


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca