.
.

31.3.22

1 ano de casa nova!

Eu já comemorei mesversário de relacionamento (que obviamente não durou muito), festejo todos os aniversários dos bigodes, faço questão de pegar a estrada para brindar adoções longevas. Acho que é a primeira vez, porém, que decoro uma data de mudança de casa: 31 de março de 2021, o dia em que muita coisa deu errado, depois de meses dando errado e de outros meses que ainda viriam.

Vocês devem se lembrar que este blog ficou semanas em silêncio. E logo a Clara morreu. A inauguração do gatil rolou praticamente ontem! Foram tempos difíceis, porta adentro e afora. Mas a gente seguiu — Leo de tornozelo quebrado, eu à base de corticoide, os gatos velhinhos. E finalmente consegui gostar da casa nova! Das caminhadas floridas, de trabalhar com grilos, dos almoços na mesinha improvisada do jardim.

Até ri da oferenda que deixaram na nossa calçada (dá para chamar barranco de calçada?). E recebemos visitas para uma jogatina de tabuleiro — esses causos de bastidores conto no seriado apócrifo do Gatoca, enviado no grupo dos apoiadores (para se juntar, acessem o Catarse). Aqui, é lugar de falar de gatos, né?

Escolhi três fotos que resumem bem os últimos 365 dias. E espero que os magrelos possam aproveitar os próximos 365. ❤️





25.3.22

Teste: seu gato sente dor? Descubra pela cara!

Quem tem oportunidade de compartilhar a vida com um bichano sabe: está para nascer criatura mais briosa! Isso quer dizer que eles demoram para dar sinais de que algo não vai bem e esses sinais costumam ser sutis. Para ajudar estudantes, tutores e veterinários, pesquisadores da Universidade de Montreal criaram a Escala Felina Grimace.

Ela leva em consideração cinco "unidades de ação" para avaliar se o animal sente dor e de que intensidade: posição das orelhas, dos bigodes e da cabeça, e tensão dos olhos e do focinho. A pontuação varia entre 0 (ausente), 1 (moderada ou incerta) e 2 (marcante). E, se o total chegar a 4 ou ultrapassar, vale uma visita ao vet.


Compartilho aqui os exemplos de expressões faciais do estudo, mas preciso dar os créditos também ao canal Mascotas y Familias Felices, porque ler artigo científico de veterinária não é uma coisa que jornalistas fazem em seu tempo livre, rs. E fica o alerta: várias dessas expressões podem aparecer em um gato ao longo do dia. Vocês só devem se preocupar se elas forem constantes.

Posição das orelhas

- Para frente: 0
- Ligeiramente separadas: 1
- Viradas para fora: 2


Para ampliar, cliquem nas imagens

Tensão dos olhos

- Abertos: 0
- Parcialmente fechados: 1
- Semicerrados: 2


Tensão do focinho

- Relaxado (formato redondo): 0
- Tensão leve: 1
- Tenso (forma elíptica, ou seja, de círculo achatado): 2


Posição dos bigodes

- Solto (relaxado) e curvado: 0
- Ligeiramente curvado ou reto (mais perto da cara): 1
- Reto e apontando para frente (mais distante da cara): 2


Posição da cabeça

- Acima da linha dos ombros: 0
- Alinhada com os ombros: 1
- Abaixo da linha dos ombros ou inclinada para baixo (queixo no peito): 2


E aí, pela Escala Felina Grimace, vocês acham que Pipoca estava com dor quando tirei a foto do começo do texto? Dá para ver os olhos parcialmente fechados (1 ponto) e a cabeça alinhada com os ombros (mais 1 ponto) — além da magrelice de dez anos de batalha contra a doença renal. Mas não, era só moleza de calor mesmo. :)

22.3.22

A dieta secreta dos bigodes

É meio que regra: criança costuma comer escondido chocolate, adulto salgadinho e idoso o quarto prato de macarronada. Aqui em Gatoca, quando a gente não está olhando, os gatos devoram grama como salada e bebem água saborizada com insetos.



17.3.22

O que seu gato quer dizer? | EG #8

Eu já escrevi sobre o ronrom (e o mistério que intriga os cientistas) no capítulo anterior. Mas os gatos conseguem emitir outros 100 sons, entre trinados, uivos, rosnados e, claro, miados — isso é coisa para caramba, se a gente considerar que a biblioteca de vocalizações dos cachorros ostenta apenas dez variações!

Esses sons levam informações a longas distâncias, dando pistas do tamanho e da força de quem "fala". E, enquanto os menos amigáveis rolam com a boca aberta, durante as brigas ou quando os felinos estão com dor, os mais fofos, de boca fechada, se destinam a fazer um social. Para a surpresa de zero pessoa, os bichanos domésticos conversam mais do que os ferais, porque aprenderam a pedir comida e cafuné. rs


No livro O Encantador de Gatos, em que esta série foi inspirada, Jackson Galaxy cita nove vocalizações. Fiz um mix, então, com o vídeo de 2020 para explicar melhor cada uma delas — e vocês podem ouvir os áudios no link!

Miado: na natureza, funciona como um pedido de socorro dos filhotes para a mãe ajudá-los a encontrar as tetas. Convivendo conosco, porém, as criaturas seguem miando mesmo adultas para ganhar nossa atenção — e raramente miam uns para os outros.

Ronrom: trata-se da segunda vocalização mais comum, capaz de acelerar a cicatrização de machucados e até fraturas. Por isso surge também em situações de dor, não só de felicidade e aconchego — mais infos curiosas aqui!


Trinado ou trilado: geralmente feito por fêmeas para chamarem seus bebês. Se os bichanos usam com a gente, equivale a um ronrom mais empolgado.

Tagarelado: nome daquela mexidinha engraçada de mandíbula quando os peludos veem passarinhos, sabem? Imagina-se que significa excitação de predador. Mas há quem entenda como uma tentativa de imitar as aves para atrai-las — Galaxy duvida da efetividade e eu também.

Uivo: costuma ser o primeiro som de gatos encurralados, tipo: "Ferrou! O que faço agora?". Aparece também em casos de dor, já que animais feridos se tornam presas mais fáceis e precisam de estratégias alternativas. Idosos ainda podem uivar no meio da noite, desorientados, sintoma comum de demência.

Bufada: ajuda a afastar outros seres, quando os felinos se sentem ameaçados ou chateados. Normalmente, vem acompanhada por uma postura agressiva, incluindo costas arqueadas, pelo eriçado e orelhas para trás.

Rosnado: precede a bufada, como um aviso de que não estão curtindo o movimento.


Grito: marca registrada das brigas, sucede a bufada, podendo ser motivado tanto por fúria quanto por medo.

Sons sexuais (em inglês, caterwaul): emitidos por gatos e gatas não castrados, durante o período do cio. Servem para atrair parceiros sexuais do outro lado do globo terrestre.

Importante!

O uso de todas essas vocalizações varia de bigode para bigode. Filhotes órfãos, por exemplo, que não tiveram contato com outros peludos entre os 2 e os 9 meses de vida, fase sensitiva do desenvolvimento social, tendem a se comunicar de forma totalmente equivocada, já que humanos não conseguem ensinar um gato a ser gato, né?


Esta série é financiada coletivamente pelos leitores do Gatoca, que tem o melhor grupo de WhatsApp do universo! Quer se tornar apoiador também? Entre no Catarse e veja todas recompensas — aqui há um resumo das principais ações (on e offline) destes quase 15 anos. ❤️


CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história
CAPÍTULO 3: Como a humanidade se curvou aos bichanos
CAPÍTULO 4: Seu gato vem da América ou do Velho Mundo?
CAPÍTULO 5: 8 mudanças genéticas nos bichanos modernos
CAPÍTULO 6: 44 raças de gatos lindos, mas doentes
CAPÍTULO 7: O mistério do ronronar
CAPÍTULO 9: 7 posições de rabo explicadas

11.3.22

O olho do seu gato tremelica?

Eu achava que Guda era uma gata sem foco. Sempre que me encara, seus farolões se põem a mexer rapidinho, como se não conseguissem decidir em qual parte do rosto se fixar. Até que a querida Vanessa Almeida mandou no nosso grupo de apoiadores este vídeo gringo sobre nistagmo (nystagmus).


Trata-se do movimento acelerado e involuntário dos olhos, que pode se dar de um lado para o outro (horizontal), de cima para baixo (vertical) ou em círculos — e descobri, surpreendentemente, que também tenho, pois meu irmão vivia perguntando por que eu espiava seu trabalho quando a gente dividia o escritório. Juro que não percebia as escapadelas!

Há pouquíssimo material em português sobre gatos, inclusive. Nistagmo pode ser consequência de outras doenças, como inflamação do ouvido interno, mas vou me ater à versão congênita, comum em siameses — ou "sialatas", rs. E que, apesar de incurável, raramente afeta a qualidade de vida dos bichanos.

Na Guda, noto apenas uma leve dificuldade com profundidade, porque a criatura vira e mexe enfia o focinho na água antes de beber. Alguns peludos podem apresentar desequilíbrio e sensibilidade a lugares claros. E o gatinho do vídeo se embanana na hora de caçar. Na dúvida, converse com seu veterinário. :)

Tentei filmar a figura em ação, mas com o celular entre nós os olhos mexem bem mais discretamente.

10.3.22

Eu sabia que os gatos ainda me deixariam rica!

Já diziam os distorcedores de sabedoria milenar chinesa que crise é oportunidade. E, enquanto Leo tinha a mobilidade reduzida por causa do tornozelo quebrado e eu acumulava funções, Guda descobriu o prazer de rolar no pé engessado e se esfregar nas muletas em movimento — tornando a vida de todos os envolvidos ainda mais desafiadora.

O próximo passo (com muita fisioterapia) é abrir uma startup!

4.3.22

Polêmica: você clonaria seu gato?

Mercvrivs é, sem espaço para dúvida, uma das coisas mais importantes da minha existência — amor, família, projeto de mundo melhor em forma de gato. Cada aniversário dele, desde 2018, me divide ao meio: a metade que comemora quão longe nós chegamos juntos e a metade que nota o tempo acabando nos quilos perdidos. 16 anos!

A ideia da clonagem apela justamente à nossa dificuldade com despedidas. Mas envolve questões delicadas — supondo que você tenha US$ 35 mil (sim, dólares), o que definitivamente não é meu caso, mesmo vendendo a casa, rs. Parece justo explorar outros animais para, depois de várias gestações (e filhotes, num mundo já tingido pelo abandono), parir o clone "perfeito"?

E o que constitui um indivíduo? Apenas moléculas de DNA? Nada de alma, espírito, costela de Adão? Onde entram as experiências vividas? Se eu adotasse Mercv hoje, com a bagagem de dezenas de resgates (e cicatrizes pelas perdas), ele seria o mesmo gato daquela Beatriz que nem sabia que gostava de gatos? Não fomos nós criando um ao outro na jornada?

O especialista em comportamento felino Jackson Galaxy conta em seu vídeo, inclusive, que Snuppy, cachorro clonado em 2005, morreu exatamente do mesmo câncer que o original. Você faria um ser amado passar por isso duas vezes? Quando fecho os olhos e lembro da Clara ou do Simba, grito mudo — de jeito nenhum!

Atravessar o luto dói, eu sei. Mas nos mantêm íntegros.

2.3.22

Imagens exclusivas do carnaval de Gatoca!

Pimenta de ressaca.


Chocolate de ressaca.


Mercvrivs de ressaca.


E eu tentando trabalhar.