.
.

18.5.22

Saudade

Do alto da minha arrogância, acreditei que era só dar água na seringa que você viveria para sempre — não me passou pela cabeça que existiam outras mortes de gato, que não a do Simba e da Clara. E talvez eu tenha subestimado a falta que ela te faz, né, Mercv?

Você, a criatura mais tibetana que já passou pela Terra, me esperou recomeçar. Nove meses, depois dos nove meses do parto ao contrário — essa parece ser a nova marcação de tempo por aqui. Eu não estava pronta. Mas também não estaria se você partisse aos 30 anos, como costumava brincar.

16 e meio: tanto em tão pouco.

Sim, eu quis desistir porque você começava a diarreia na caixa de areia e saía andando sem terminar, sujando tudo. Não entendia nada de bicho. Só que, quando o veterinário disse que sua chance de sobreviver era pequena, nem 50 dias já com anemia, infecção e virose, eu chorei.

Na frente de um estranho, por uma bolota de bigodes de que acha que não gostava. E decidi te segurar nas garras — além de acabar com o estoque de Gatorade de limão, seu favorito.

O que não me impedia de ficar brava quando você mordia meu dedão embaixo da coberta ou escalava minhas pernas com as unhas, porque desconhecia o próprio poder letal. Entendi só depois que o combo precoce de doenças te roubou a oportunidade de se calibrar na lutinha com os irmãos.

Essa foi a vantagem que Eduardo usou para me convencer a te adotar, lembra? "Ele não mia, não brinca, não come, você nem vai perceber que ele existe". E logo a Clara me pescou no pet shop, te mordeu de volta e a paz passou a reinar — fora do quarto, porque, injustiça das bravas, me descobri alérgica a gatos.

Você foi, de longe, minha melhor escolha. Tentaram me empurrar os filhotes que cresceriam de olhos azuis, um dos cinzas com branco, o mais peludinho. Mas eu sabia que era você — o frajola comum, com a eterna secreção no olho esquerdo e o pelo caspento (que resolveu ficar macio e brilhante, misteriosamente, no final). Não tem explicação, não racional.

E com você eu aprendi a amar também cachorro, passarinho, rato kamikaze, pomba porcalhona. A resgatar, depois a doar — não sem antes formar nossa gangue. A dividir o Gatoca com o mundo. A estender esse amor aos porcos, vacas, galinhas — e ler rótulo minúsculo de embalagem.

A querer mudar o planeta.

Agora, preciso aprender a continuar sem você — e seu cheirinho de roupa passada, o salto alto ecoando pela casa, as caçadas de ração, o colo roubado no meio da ioga, "mãããããããe" perfeitamente miado do outro lado das portas fechadas (isso quando você não decidia abri-las no pulo), a parceria no mamão do café da manhã (porque descobri que não podia te dar iogurte e sorvete napolitano), sua paixão por água, fingindo que bebia só para molhar o cabelo.

Naquele 2 de dezembro de 2005, te carreguei sem jeito no carro balançando, com medo de quebrar. Uma menina de 25 anos. Aos 42, sou eu a quebrada.

Se não existir nada além daqui, no nosso terreno você está ao lado da Clara — lugar em que você mesmo escolheu descansar no último passeio, já cambaleante. E porque Leo pegou a enxada há pouco, com a sensação térmica de 9ºC — você partiu no dia mais frio do ano e o termômetro não precisava concordar.

Como prometido, segurei sua mão por intermináveis cinco horas. E você retribuiu com um pãozinho timidamente amassado, o presente mais incrível que uma mãe poderia ganhar. Não existirá outro Mercvrivs.

Vem me visitar, de vez em quando? Eu sou boa de sonho.



*

Não poderia deixar de agradecer à Guda, que não era a Clara, mas ficou grudadinha com o Mercv até o fim. Ao Leo, da ajuda prática com o soro e os almoços que eu mal conseguia comer ao acolhimento em abraços silenciosos. Ao Edu, que cuidou do pequeno nos últimos dois anos, durante as madrugadas e finais de semana. À Maru, por me apresentar à homeopatia e às seringadas de água, e me acompanhar na despedida. Ao Eduardo, por ter insistido para eu abrir a janela e deixar o sol entrar.

42 comentários:

Elisangela disse...

Chorando muito por aqui... a gente nunca está pronta. Um abraço com carinho.

Anônimo disse...

Sem palavras….😞

Aline disse...

Que dor , meu Deus, que dor

Márcia disse...

Querida .... Sinta um abraço quentinho de uma gateira que não te conhece mas te entende neste dia tão frio... Que ele fique em paz e vc também... Beijinhos...

AliceGap disse...

Meu abraço.

Anônimo disse...

Sem palavras, Bia. Que tristeza... Apenas sinta nosso abraço forte e apertado. Rosa e Casé

Anônimo disse...

😢

Anônimo disse...

Ah, sinto muito!! 😢🙏🏻Mais um lindo anjo no céu...❤

Anônimo disse...

Ai, meu Deus, era o que eu temia. Sem mais que dizer. Beijo, Bia.
Regina Haagen

Anônimo disse...

Chorando junto com vc. Força aí menina.

Anônimo disse...

Eu sinto muito. Só quem muito ama, muito sente, muito chora. Um forte abraço. Daqui a pouco o sol brilha de novo e aquece os corações, ainda que sempre na saudade.

Andréia disse...

Só receba um abraço bem apertado e quentinho, envolto em lágrimas.

Anônimo disse...

😔 vai lá, Mercv, brincar muito com com Clarinha e Simba! ❤️‍🩹

Cris*Negra Bela disse...

Sinta-se abraçada, Bia.
Hoje tem miadeira nos telhados do céu...

Mel disse...

Só ate mandando um afago daqui.

Antoinette Mancilha disse...

Choro com vc, Bia. Receba meu abraço 💔💔💔💔💔

Anônimo disse...

❤️

Anônimo disse...

Meus sentimentos! A dor da parte é algo que não dá pra explicar 😭

Anônimo disse...

Sem palavras para este momento… sinto muito… 😞

Anônimo disse...

😭😭😭😭😭

Aline Barbosa disse...

O buraco que a partida deles deixa no nosso coração só não é maior que o amor que nos trazem… Sinto tanto. Um abraço forte e apertado de uma gateira lutando contra a doença renal por aqui também. ❤️

Cecília disse...

Obrigada por compartilhar o seu amor ao mercv conosco, que São Francisco acolha-o e console seu coração, um abraço forte e caloroso

Anônimo disse...

Tive que ler em partes, não tive estrutura para aguentar

Anônimo disse...

Poxa Bia!!! Chorando litros aqui! E sentindo sua dor!! E como dói! E dói muito!!!passei por isso tantas vezes, que o coração anda calejado 😢agora tenho outras preocupações peludas aqui a Julie minha Maine que hoje tem 13 anos e uma diarreia que estou a investigar e lutar com a falta de tempo que me rouba até mesmo horário do medicamento. E um de 14 anos o Francisco que foi meu lar temporário dos tempos do Adote que me tira noites de sono com seus miados altos, magreza, exames normais. Como é duro dar conta de tudo. Sinto muito querida, abraço forte e que Deus te dê forças.

Juliana Souza disse...

Sinto muito. Nunca estaremos preparadas. 😿

Unknown disse...

O meu está enterrado no sítio, junto com a Hannah, Belinha e Vivi. Debaixo de uma flor bem bonita, conforme o pedido da minha filha.

Anônimo disse...

Agradecer o tempo vivido com ele, ajuda a superar

Anônimo disse...

Triste, triste, triste... Sinto muito, Bia.

Anônimo disse...

Sinto tanto Biazuda. Chorando litros aqui. Que feliz Mercv foi por ter vivido a vida ao seu lado <3. Fique com meu abraço.

Anônimo disse...

Sinto tanto... 😞

Anônimo disse...

Poxa... Sinto muito... 😔

Anônimo disse...

Puxa. Força. Ele era mesmo especial.

Anônimo disse...

Força pra você, passei por algo parecido com a Nany, e realmente nos vimos em sonhos muitas vezes, até que em um deles era virou um filhote e eu compreendi na hora que poderíamos ter mais uma chance.... depois de meses encontrei e minha saudade sumiu, que todos que amam possa ter essa oportunidade. Força e amor pra vc, um abraço apertado da Fernanda (Cozy Gatos)

Lelê disse...

Ô, minha amiga, nem sei o que te dizer. Que encontro bonito esse que você teve com o Mercv. Esse gatinho que aqueceu aquele seu coração geladinho, eu bem me lembro. Que mudou toda a sua vida e, com isso, a vida de tanta gente, e tanto bicho, e tanta vida. Que você consiga seguir em frente, transformando toda essa dor em força pra cuidar de todos os amigos do Mercv desse mundo. Te amo! Saudade

Viviane Silva disse...

Oi... Que lindo relato de uma despedida triste. Que vida maravilhosa vocês tiveram, intensa, um sopro e um vendaval. Obrigada por compartilhar seu amor e sua dor, por me emocionar ao ler o que senti em suas palavras.

Anônimo disse...

Morreu um pedacinho do coração aqui...fiquem bem...

wcris disse...

Um abraço apertado Bia. Não há muito o que dizer. Só a agradecer ao Mercvs por ter trazido tanta luz e inspiração para este mundo. Por mais dolorido que seja, a despedida perfeita é assim, mão na mão amada, sentindo que está ali o coração.❤️

Unknown disse...

Bia, sempre pensava como seria quando esse dia chegasse, porquê sempre chega. Ele foi um gatinho especial que mudou a sua forma de ver os animais e você foi a mãe especial que ele jamais poderia sonhar. Um pertenceu ao outro e nada poderá separar vocês. Receba nossos abraços, meu, do Gatinho, da Nana, da Mpenziwe e do Catchorro. Fique bem, ele está!

Anônimo disse...

Bia, meus sentimentos 😢

Lyana disse...

Sinto muito, muito mesmo!

Unknown disse...

Minha querida, sinta-se abraçada. A dor precisa ser processada, mas as boas lembranças permanecerão para sempre. <3

Anônimo disse...

Eles se doam tanto! A gente é tão abençoada com eles. Amor é isso... Triste aqui... Força!