.
.

17.9.19

Terceiro aniversário sem aniversariante

Há exatos 13 anos, Simba corria atrás do nosso carro, como os cachorros das campanhas contra o abandono. Só que seu objetivo era protagonizar a primeira campanha de adoção de humanos. Claro que eu caí. 🧡 Durante uma década, ele foi o sol de Gatoca — mesmo quando perdeu o jardim ou quando já não conseguia alcançar a janela. E só escureceu para a doença renal.

Nas minhas lembranças, porém, o gordinho continua radiante.


*Novelinha: Conheça a história do Simba

Outros aniversários: 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

Diários de despedida: #1 | #2 | #3 | #4| #5 | #6 | #7 | #8 | #9 | #10 | #11 | #12 | #13 | #14 | #15 | #16 | #17 | #18 | #19 | #20 | #21 | #22 | FIM


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

13.9.19

Freud não explica

Em um esforço de tentar entender (e transcender) a configuração atual da humanidade, aproveitei a Book Friday 2019 e comprei três livros: "Sapiens", do Yuval Harari, "O Capital", de Karl Marx, e "Manifesto Comunista", do Marx com Friedrich Engels. No dia em que eles chegaram, sonhei que as gatas usavam chapéus da aristocracia. Me senti julgada.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor — e merece dar risada de vez em quando. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

11.9.19

280 km por dois sialatinhas

Se tem uma coisa que eu não faço com convicção é planilha de gastos. Temo que, ao constatar que a conta de jornalista-freelancer-ativista não fecha, as coisas parem de fluir — e, sabe-se lá Chicão como, até agora elas deram certo. Tendo isso em mente, terminei a conversa com a Gabriela Miyake decidida a buscar os filhotes desejados no DER, a favela do mutirão de castração do Gatoca.


Aqui, vale um parêntese duplamente explicativo: Gabi é filha de uma amiga de tantos anos que já virou um mulherão — estou tropeçando nos quarenta, minha gente! E o DER tem a protetora mais guerreira que conheci nestes 12 anos de jornada entre bichos.

Cida cresceu na rua e ainda menina levava os cachorros que se machucavam para o hospital de gente, convencendo as enfermeiras a tratá-los. Com o dinheiro do trabalho como diarista, castrou boa parte dos animais que perambulam pela comunidade e segue incansável na batalha contra o abandono. Fecha parêntese.

Valia cada quilômetro da viagem de Sorocaba a São Bernardo! Gabi e Filipe nos encontraram na rua do meu antigo apartamento, levando latinhas para a Cida, ratinhos para os bebês e guloseimas veganas para este ser sem luz, que não dividiu com ninguém.


E, de lá, a gente subiu as vielas de barro a pé — eu compartilhei a aventura nos stories do Instagram, que estão arquivados nos destaques (a ideia é fazer isso mais vezes, se vocês acharem bacana e a gente bater a meta da campanha no Catarse). Morfeu e Catita agora moram na Vila Mariana, onde já acumulam brinquedinhos e deram início ao processo de transformação de dois humanos.


A adoção deles liberou espaço para que Cida pudesse acolher esta bigoduda prenhe, que logo mais também precisará de uma família — vezes cinco ou seis ou sete. O ciclo do amor é infinito e não se abate com o noticiário.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor. Quer fazer parte do despioramento? www.catarse.me/apoiegatoca

6.9.19

Eutanásia: fazer ou não?

Lilian Rega doou o Snake para a irmã há seis anos. Recentemente, ele apareceu com um calombo no rosto, que foi diagnosticado como sarcoma, e a veterinária aconselhou a eutanásia, porque a doença tende a piorar em quatro meses. Só que o gatinho está comendo, dormindo e não-brincando normalmente, já que sempre foi uma criatura preguiçosa.

Arrasada, ela escreveu pedindo minha opinião e eu aproveito para levantar aqui algumas reflexões.

Veterinário não é vidente
Ninguém consegue dizer quanto tempo um animal ainda tem, porque cada organismo reage de um jeito — o que pode garantir uns meses (e até anos) extras ou roubar aqueles que já eram curtos.

Consulte outro profissional
Todo diagnóstico sério deve ser confirmado por, pelo menos, dois especialistas, como acontece com a gente. Até para poder escolher o melhor tratamento.

Cada dia importa
Quatro meses ainda são quatro meses, oras. Que o peludo pode ser amado, comer porcarias reguladas a existência inteira, aproveitar o sol, as plantas, os amigos, um último colo.

Só não vale sentir dor!
Independentemente do prognóstico, o animal precisa estar medicado para amenizar o mal-estar. E nunca perca de vista a qualidade de vida.

Por nós ou por eles?
A eutanásia vai aliviar o sofrimento do bichinho ou o seu? Essa é uma questão delicada, em que vale se demorar. Lembrando que eu abreviei a jornada do pequenino Conan, há nove anos, e resolvi esperar o tempo do Simba, em 2016, ambas imagens muito, muito tristes.

Tire forças do além
Não tem jeito bonito de morrer — nem despedida fácil. A única certeza é de que a gente precisa estar juntinho deles.

Um último esforço por quem se deu tanto. ❤


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

4.9.19

14 anos de gatos e sigo me surpreendendo!

Eu sou do tipo de pessoa que etiqueta os potinhos de tempero, todos com o mesmo formato — não, eles não combinam aqui em casa porque Leo é exatamente do tipo oposto. Tiro o pó de cima dos interruptores, anoto na agenda o dia de adubar as plantas, arquivo as fotos dos bigodes no computador por tema.

Mercv deve ter me olhado com cara de pena quando decidi que limparia as patinhas dele com álcool sempre que saísse da caixa de areia, há 14 anos. E continua me olhando do mesmo jeito quando, de casa suja, móveis combalidos e pelos na comida, a gangue consegue se superar destruindo algo aparentemente impossível.

(Quem acompanha a gente no Instagram viu o vídeo-spoiler no story, com a defesa da Chocolate. A ideia é compartilhar os bastidores de Gatoca em tempo real e faltam só 36% para bater essa meta!)

Gatos trazem o caos. Mas ele vem com borboletas.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor — e merece dar risada de vez em quando. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca