.
.

30.8.19

Gatoca bateu e ainda dobrou a meta!

Faltavam só R$ 5 para este blog continuar existindo. A Aline Silpe fofa, que já era apoiadora do projeto, fez uma segunda assinatura no Catarse e nós conseguimos bater a meta original de campanha! Junto com ela vieram alguns patrimônios históricos do Gatoca: Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F.

Outros da vida: Luca Rischbieter e Roberta Roque Baradel. E a Rosana Rios, prima querida e autora de 150 livros infanto-juvenis nas horas vagas. Todo mundo devidamente eternizado no Gramado da Fama, com a Pipoca amanteigada.


Agosto foi um mês de fortes emoções.

Obrigada Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Eliane Bortolotto, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Denise Perin, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui e Marilene Eichinger por estarem sempre aqui! 💛

Nossa segunda meta é revelar os bastidores do Gatoca, que rendem stories praticamente diários. Tem vídeo-spoiler do próximo post lá no Instagram, aliás — vocês não vão acreditar no que os bigodes conseguiram quebrar! Para seguir na missão de despiorar o planeta e deixar a vida mais leve, todo coração de pudim conta:

28.8.19

Como resolver o problema dos animais nas cidades

Com 12 anos de atuação na causa animal, eu já testei várias frentes: voluntariado em ONG, resgate e doação independentes (115 gatos e oito cachorros, registrados neste blog), mutirão de castração, financiamento coletivo, educação e conscientização — boa parte dos 1,4 mil posts do arquivo, e-book, entrevista no rádio, textos na grande imprensa, projeto com criança, roda de conversa com adolescente, canal no Youtube.

Mas o impacto é pequeno quando a gente olha em escala.


Há uma indecência de bichos abandonados, se multiplicando, sofrendo maus-tratos pelo Brasil. E não tem forma mais efetiva de solucionar a questão do que juntar a sociedade civil, que bota a mão na massa, e o poder público, que faz as leis e administra (ou deveria) a grana dos nossos impostos. Sorocaba começou essa articulação e, no último sábado, eu pisei numa plenária pela primeira vez!


O Fórum Sorocaba Unida pelos Animais, realizado na Câmara Municipal, trouxe o Secretário do Meio Ambiente Maurício Mota e o vereador João Donizeti Silvestre para ouvir as demandas de ativistas e da população em geral — e eles se mostraram bastante receptivos. Sentada na mesa do Vitão do Cachorrão, controlando a vontade de apertar os botões do "terminal parlamentar", eu anotei tudo para compartilhar com vocês. :)


Jussara Fernandes, advogada, presidente do Gamah (Grupo de Amparo ao Melhor Amigo do Homem) e membro do Conselho Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal, leu uma carta com propostas para melhorar o acolhimento e o tratamento de cães, gatos, cavalos e outros bichos que perambulam pelas ruas da cidade.


Para ler a íntegra da carta, cliquem nas imagens

Entre elas, estão a proibição de carroças e montarias, confinamentos e correntes, exposições e comércio, além da regulamentação, fiscalização e punição da soltura de fogos e rojões, de acordo com a lei municipal. O documento, assinado pelos presentes, e será protocolado nos setores públicos — executivo, legislativo e judiciário.

Honno Cahon, psicanalista, presidente do Instituto Cahon e membro também do Conselho Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal, questionou a prefeitura sobre a insistência de devolver o chimpanzé idoso Black ao estresse do zoológico, arruinando sua aposentadoria no GAP (Santuário dos Grandes Primatas).

Mostrou vídeos de igrejas atormentando a comunidade com fogos de artifício. E contou a história do cachorro Shoyu, comprado por R$ 4,5 mil, sequestrado e quase descartado pela própria família — porque atribuir preço a vidas incentiva a enxergá-las como objetos tanto pelos bandidos quanto pelos "mocinhos".


Da esquerda para a direita: Mônica Campiteli, Honno Cahon, Maurício Mota, João Donizeti Silvestre, Jussara Fernandes, Eduardo Abdalla e Karina Somaggio (cliquem para ampliar)

Eduardo Abdalla, advogado, presidente da Comissão de Meio Ambiente da OAB e membro do Conselho de Desenvolvimento do Meio Ambiente de Sorocaba, abordou abordou o ordenamento jurídico — desde a Constituição Federal, que diz no artigo 225 que todos têm direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, até a minúcia da legislação municipal (atenção, sorocabanos!):

Lei 11830/18
Define maus-tratos, que o artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais não detalha. São 34 tópicos (!), com multas de até R$ 4 mil. Entre eles: IX - deixar de promover ou ministrar assistência veterinária por profissional habilitado quando necessário, XIX - utilizar em rituais religiosos, XXVII - fazer descansar atrelado ao veículo, em aclive ou declive, ou sob sol ou chuva.

Lei 11634/17
Dispõe sobre o controle e a fiscalização de atividades que geram poluição sonora, proibindo no artigo 26-B os tais fogos de artifício com estouro/estampido acima de 65 decibéis em áreas públicas.

Decreto 22450/16
Versa sobre a Política Municipal de Meio Ambiente de Sorocaba, reconhecendo no artigo 7 o animal comunitário (ou de vizinhança): cão ou gato que estabelece com a comunidade em que vive laços de dependência e manutenção, embora não possua responsável único e definido.

Alice Martins e Diogo Fernandes, da Mercy For Animals, explicaram o programa Alimentação Consciente Brasil, que serviu 8 milhões de refeições veganas no último ano, em parceria com escolas, universidades, hospitais e outras instituições municipais e estaduais brasileiras. A ONG oferece reformulação do planejamento alimentar, inclusão de novas opções no cardápio, conteúdo educativo e treinamentos presenciais para auxiliar na transição. ❤


Mônica Campiteli, bióloga, falou sobre senciência, a ignorância de quem maltrata e a importância de se investir em educação. "Não existe uma característica cognitiva, psicológica e emocional que a gente não compartilhe com os animais — até os insetos sentem dor e medo. Bichos têm capacidade de se reconhecer como indivíduos, em oposição a outros, ajudam sem ganhar nada em troca". Fica a dica, humanidade!

E Karina Somaggio, presidente do santuário Abraço Animal, emocionou com imagens de cavalos explorados igualmente por carroceiros pobres e empresários ricos: "Resgatar cavalo é lutar contra o machismo". E lembrou que o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de maior exportador de sémen e éguas prenhes, e o quarto de carne, fim dos equinos de aras e corridas.


Se vocês chegaram até aqui, considerem dar um passo a mais e participem das discussões políticas de suas cidades. Os animais precisam muito! E os seres humanos também.


Para achar o Wally, já sabem ;)

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

23.8.19

Mestres do desapego

Ter gatos é aprender a não se importar com bens materiais, pelos na comida, arranhões de amor...


...e roupa suja recém-saída da máquina de lavar.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — e merece dar risada de vez em quando. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

21.8.19

Quando uma pulga te faz chorar

No dia em que eu subi o post da Pandora, Guebis me escreveu contando que Flea também havia morrido. Estou compartilhando só hoje porque o coração não deu conta — nessa semana, que poderia facilmente ser rasgada do calendário, teve ainda um enterro de gente querida. Para quem não se lembra, a pulga veio do cemitério de Santos, há quase uma década.

Um cisco de gata perebenta, que adorava mamar na minha mão. E a única ser vivente responsável por tirar o Snow de trás da privada — mas que também passou micose para ele, para mim e outros cinco bigodes, rs. Num golpe de sorte, eles foram doados juntos para Jaboticabal. E voltaram para Sorocaba, onde eu pude matar a saudade no ano passado.

Flea perdeu uma batalha sofrida para a insuficiência renal. Na impossibilidade de pontuar mais esta história, tomo emprestada a despedida da Guebis:

Este não é um post feliz. Resolvi colocar aqui no Instagram porque muita gente conhecia e gostava da Fleazinha. E escolhi essas duas fotos porque são ela: ficar perto o máximo possível e também engraçada, às vezes parava em cantos aleatórios da casa e em outras ficava nos espiando com meia cara escondida na quina das paredes.

Em fevereiro, descobrimos uma doença renal crônica já bem avançada (para os colegas vets: a creatinina dela já estava acima de 5 e ureia acima de 100). Manejamos durante quase seis meses. Muitos remédios ao dia, dieta diferente. Seis meses foi o que ela nos presenteou a mais.

Na madrugada de quinta para sexta-feira, em uma semana que já havia passado muito mal, corremos para a internação. No sábado à tarde, em meu colo, a deixei partir. Peço desculpas para todos que eu deveria estar contactando individualmente, mas é dolorido demais ficar repetindo várias e várias vezes.

Fleazinha, obrigada por esses anos todos. Obrigada por ser puro amor com todos. Conhecidos, estranhos, adultos, crianças, você sempre queria mesmo só um colo e uns tapas na bunda. Você está fazendo muita falta aqui. Nos vemos em breve. Te amamos!
🧡




O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

16.8.19

Um quase atropelamento de sucesso!

Qual é a chance de um cachorro atravessar uma avenida desembestado, se atirar na frente de um carro à noite e não morrer, ainda pegar uma protetora de animais no volante, que mora a 103 quilômetros dali? Pois este foi nosso final de domingo. Completamente perdido, Strike cheirava o asfalto por todos os lados, mastigando mato do canteiro como quem não comia há dias.

Completamente exausta, depois de acordar às 7h para a visita de emergência à Pandora, comemorar o Dia dos Pais com os sogros em São Paulo e devolver as meninas do Leo em São Bernardo, eu só conseguia pensar onde enfiaria um bicho daquele tamanho. Mentira! Também me perguntava quem abandonaria o que parecia ser um labrador, gorducho e castrado.

Abre parêntese: imaginem a pessoa toda torta num beco escuro atrás da rodoviária, tentando enxergar o saco da criatura. Fecha mico.

Completamente cooptado pelo Gatoca, Leo correu no boteco para comprar qualquer coisa que ele pudesse comer, enquanto meu cérebro ganhava tempo. E, quando vi Ingrid atravessar a mesma avenida em câmera lenta, cair de joelhos na calçada e desmoronar sobre o cão, me juntei no montinho. Ele tinha uma família!


E ela estava espalhada pelo bairro procurando o inconsequente, que fugiu num deslize do tio com o portão pós-festa.


Na Castelo, de volta a Sorocaba, meu corpo ainda tentava organizar as reviravoltas de susto, angústia e euforia.

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

14.8.19

Fim

Em meio a dezenas de gatos (115 para ser bem precisa), foi uma cachorra quem protagonizou a história mais incrível deste projeto, vocês sabem — e que ganhou uma década de sequências, me rendeu uma amiga porto seguro, trouxe o Gatoca de mala e bigodes para Sorocaba.

Pandora tinha pelo menos 5 anos quando abocanhou na sacola as salsichas que eu havia comprado. Lembro da bituca de cigarro embolada no pelo, das pessoas quase pisando nela (uma pastora belga prenhe!), de tirar todos os documentos da bolsa para convencer o veterinário a hospedá-la por alguns dias, enquanto corria atrás de um lar temporário. E de como ela me recebia com festa, apesar de tudo.

Na casa da Rose, depois de perder a ninhada e de uma primeira doação trágica, as orelhas de loba se levantaram para nunca mais baixar, o peso dobrou e ela seguiu me recebendo com festa, mesmo debilitada pela idade e pela insuficiência hepática. Resolvi compartilhar o vídeo da visita de março, porque quero lembrar dela assim — a emoção é de quem sabe os dias contados.


No fim de julho, coração e rins enfraqueceram também, as vértebras da coluna despontaram no carinho e o exame de imagem identificou um tumor pressionando os pulmões. A pantera parou de comer, de beber água e só abria exceção às salsichas, onde tudo começou.

Rose me escreveu no sábado, preocupada com a piora acelerada. E no domingo eu fui agradecer, pela última vez, nosso recomeço — mais meu do que dela. A caixa de Pandora se fechou ontem, guardando no fundo falso a esperança de uma humanidade que não descarte vidas.

Por hora, meu coração é negro.


Epopeia da Pandora:

:: Caixa de esperança
:: Casa de esperança
:: Nascimento da ninhada
:: Morte da ninhada
:: Devolução
:: Boletim - 28 de novembro
:: Boletim - 1º de dezembro
:: Boletim - 8 de dezembro
:: Sítio temporário
:: Doação de conto de fadas
:: Primeira primavera
:: Segunda primavera
:: Festa em Sorocaba
:: Terceira primavera
:: Quarta primavera
:: Quinta primavera
:: Sexta primavera
:: Sétima primavera
:: Nona primavera (atrasada), com vídeo!
:: Décima (e última) primavera


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

9.8.19

12º aniversário do Gatoca!

Ainda faltam três horas. Mas Mercv não me paga adicional noturno para ficar esperando a meia-noite, então, podem atacar os docinhos! Brigadeiro vegano não é sensacional, eu sei, mas tem gosto de liberdade — assim como todas as escolhas que eu fiz depois do Gatoca. E, nestes 12 anos, rolou...

:: Disseminação de informação
1.426 posts, e-book, projeto com crianças, roda de conversa no CCSP, Puxadinho no Yahoo!, entrevista na Rádio Bandeirantes, boletim, canal no Youtube — com websérie felina para descontrair.

:: Compartilhamento de experiências
10.885‬ comentários, 6.401 curtidas no Facebook e mais algumas no Twitter e no Instagram.

:: Vidas socorridas
115 bigodes, oito focinhos e três bicos, sem contar o impacto indireto.

:: Parceiros sensibilizados
27 ao longo da jornada, com destaque especial à Pet Delícia, pelo segundo ano.

:: Financiamento coletivo
Quatro dígitos arrecadados em 2014, com 240 apoiadores e o apadrinhamento do Wings For Change.

:: Mutirão de castração
50 cães e gatos do DER, comunidade localizada em São Bernardo do Campo (SP).

:: Denúncia no Ministério Público
Pelas dezenas de animais abandonados em Paranapiacaba, que, três anos depois, parece finalmente caminhar.

:: Lojoca
Em versão beta, pausada no momento.

:: Clube de assinantes
Quase batendo a meta (4%!) para que o blog continue existindo — e educando, conscientizando, mobilizando corações pela causa.

Se mais um ou dois padrinhos se juntarem à Aline e ao Luca Rischbieter até as 24h de amanhã, vai ter live de comemoração! Sejam mais rápidos do que a timidez que já está querendo me fazer mudar de ideia. rs

8.8.19

Dia Internacional do Gato e azar do resto!

Gatoca fala dos bigodes o ano inteiro. Neste Dia Internacional do Gato, enquanto vocês apertam seus peludos, quero chamar a atenção para todos os outros bichos. O Senado acaba de aprovar o projeto de lei apelidado de "Animal não É Coisa", considerando-os seres sencientes, portanto, sujeitos de direitos. Acontece que o PLC 27/2018 recebeu duas emendas que nos impedem de comemorar.

A do senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) limita o novo status jurídico aos pets. E a do senador Otto Alencar (PSD-BA) deixa mais claro ainda que a futura lei não vale para as vítimas da pecuária e de explorações "culturais" como as vaquejadas. Falta uma última votação na Câmara dos Deputados, mas a chance de sair algo prestável deste governo beira zero, qualquer proprietário de dois neurônios sabe.

Ontem mesmo rolou uma churrascada com 4 mil cadáveres na Esplanada dos Ministérios. Teve também a nomeação do Richard Rasmussen como embaixador do turismo, um apresentador de TV famoso por atormentar bichos selvagens, dono de um criadouro fechado por suspeita de tráfico silvestre e devedor de R$ 263,1 mil de infrações ambientais. E o que dizer do Ministro do Agronegócio disfarçado de Meio Ambiente?

Amem os gatos, sim. Mas não deixem de respeitar outras vidas — elas sentem e são conscientes disso.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

2.8.19

Curso de fotografia e escrita para futuros desejáveis!

Melissa é dona destes retratos que falam — sim, dúzias de famosos posaram para ela, mas o que me surpreendeu mesmo foi encontrar o Sebastião Salgado ali no meio (como clicar esse homem sem tremer inteira, gente?). Eu sou autora destes textos que tocam — mãos na massa, outras patas, vidas tantas.

Quando ela propôs darmos um curso juntas, lembrei dos personagens invisíveis da Eliane Brum e da Lala Deheinzelin falando que a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo. E nasceu o "Retratos para Futuros Desejáveis", uma imersão na fotografia e na escrita para contar histórias que o mundo precisa urgentemente abraçar.

Serão quatro aulas de técnica, sensibilidade e troca, e uma saída fotográfica. Esta primeira edição, em Sorocaba, de 26 de agosto a 23 de setembro, no Tear. E, quem sabe?, em São Paulo num futuro breve. Todas as informações (programa, valor, inscrição) estão aqui.

Nós prometemos acolher com o mesmo cuidado curiosos das duas áreas (não esqueçam o celular!) e experientes que queiram aperfeiçoar os conhecimentos para desenvolver projetos para concursos e exposições (tragam suas câmeras!).


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

1.8.19

Só 9% para o Gatoca continuar existindo!

Isso é o que falta para a gente bater a meta do Catarse, que garante que este blog siga atualizado semanalmente, presente nas redes sociais e com um ou outro videozinho. Vale um apoiador de R$ 70, que já chega participando do nosso primeiro encontro virtual (vai rolar este mês!) — além de receber agradecimentos públicos e um cartão dos bigodes pelo correio.

Ou sete apoiadores de R$ 10, que aparecerão no Gramado da Fama de Gatoca, como a Marilene Eichinger, mãe do melhor parceiro do mundo — só não contem com a Jujuba, porque essa exceção na arisquice é só para a sogra. 💚

Ou qualquer combinação de apoiadores e reais que vou me poupar de ficar exemplificando, porque jornalista não sabe fazer conta quebrada. As recompensas todas estão explicadas aqui, com um vídeo emocionante sobre as ações do projeto nestes (quase) 12 anos. Putz! Deixei passar nosso quase-aniversário! Mas dia 10 tem a comemoração oficial!


Obrigada, mais um mês, a Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Eliane Bortolotto, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Denise Perin, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein e Ana Fukui!

Vocês são incríveis!