.
.

22.10.21

8 mudanças genéticas nos gatos modernos | EG #5

Sabe aquele dia em que você chegou estressado do trabalho e brigou com o bigode que quebrou o vasinho de suculentas? Ele provavelmente se lembra. É que, em 2014, cientistas coletaram amostras de DNA da boca de 22 gatos domésticos, de raças variadas, e selvagens do Oriente Médio e da Europa, e conseguiram determinar alterações genéticas significativas.

Nossos bichanos apertáveis têm...

1) Maior capacidade de criar memórias
Guda, por exemplo, adora o joguinho das meninas. Para morder. rs


2) Maior habilidade de associar estímulo e recompensa
Assim a gente tenta ensinar os meliantes a não subir na mesa com petiscos.

3) Menor condicionamento ao sentimento de medo
O que significa que eles não entram tão rapidamente no modo de lutar-ou-fugir.

4) Corpo e cérebro menores
Essa é autoexplicativa, né?

5) Mandíbula mais curta
E os cientistas nem estavam comparando com os persas.

6) Glândulas suprarrenais menores
Elas controlam justamente o instinto de lutar-ou-fugir, citado anteriormente.

7) Intestinos mais longos
Uma adaptação para consumir comida humana.

8) Dentes com espaçamentos mais estreitos
Apesar de todos os felinos possuírem caninos longos, que permitem matar com uma mordida bem-dada no pescoço, os dentes dos gatos domésticos são mais juntinhos porque se adaptaram a caçar roedores menores, suas presas favoritas.


Mas nem tudo mudou nos bichanos atuais:

- O formato e a estrutura do crânio continuam parecidos com os de leões e tigres, conservando a mesma mandíbula poderosa.


- O comportamento também, pelo menos é o que diz Jackson Galaxy, especialista e autor da bíblia O Encantador de Gatos, em que esta série, financiada coletivamente, foi inspirada — se vocês estão curtindo, considerem se tornar apoiadores (aqui tem um resumo das principais ações do Gatoca).

- A maioria dos peludos escolhe seus parceiros, o que ajuda a manter o patrimônio genético diversificado.

- Bigodes ainda conseguem sobreviver sem nós. É só a gente não atrapalhar.


CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história
CAPÍTULO 3: Como a humanidade se curvou aos bichanos
CAPÍTULO 4: Seu gato vem da América ou do Velho Mundo?
CAPÍTULO 6: 44 raças e muitos problemas (estreia no dia 18 de novembro!)

3 comentários:

Anônimo disse...

Quanto à memória, não tenho dúvidas. Tive um que derrubou um clips dentro do ralo da lavanderia e passou meses indo olhar toda vez que entrava lá

wcris disse...

Samile levou um tempo com um problema de pele devido lambedura compulsiva no mesmo lugar. Para ajudar a levantar sua auto estima, eu a mimava com petiscos só para ela. Tinham que ser dados no banheiro social, para a legião felina não estragar tudo. Até hoje ela para na porta do banheiro social e mia olhando pra mim. Já ficou boa, a fonte dos mimos secou, mas ela gravou a associação entre o local e o petisco.

Li disse...

Certa vez, há uns 5 ou 6 anos Jack deve ter colocado a pata no próprio olho e ficou incomodado. Eu o peguei no colo e pedi para ver o olho. Até hj se eu pegar ele no colo e falar "cadê o olho" ele fica com um aberto e outro fechado