.
.

14.1.22

O melhor bebedouro para gato no verão!

Atualizado às 22h10

Já dizia Jesus: é mais fácil fazer um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um gato tomar água. E não podemos culpá-los porque, na natureza, quando caçavam animais menores, eles acabavam ingerindo 70% de água junto. O problema está na alimentação seca (prática e "barata") que oferecemos atualmente.

Com mais bichanos renais do que eu gostaria, vivo testando estratégias para aumentar a hidratação da gangue — tem links importantes no fim do post. E a última descoberta foi o bebedouro de cerâmica (o bom e velho barro), dica da Aline Silpe, no nosso grupo de apoiadores.


Comprei o modelo mais em conta (R$ 78) de presente de Natal, com os mimos do post 3 ideias para qualquer gato brincar.


E dias de frustração se passaram até me tocar que as criaturas se recusavam a usar porque a água devia estar com gosto de detergente. Feita a limpeza adequadamente, com a esponja quase sem espuma e muito enxágue, os bigodes não trocam por nada!

O líquido sai da torneirinha muito mais gelado do que nos bebedouros de plástico — dá para sentir ao colocar o dedo. E não junta bactérias. Mas não poderia deixar de compartilhar os contras, né? O trambolho pesa uma tonelada, parece louco para estatelar no chão, tem material poroso, de acabamento meio tosco, e anda juntando um bolorzinho* do lado de fora nestes dias úmidos.

Dizem que a versão de inox alcança a perfeição, só que o preço, na faixa dos R$ 300, a torna um sonho distante para a maioria dos brasileiros — se não quiserem passar nervoso, não cliquem no site do Jackson Galaxy! Resumo da bebedeira: minha vida piorou, mas a dos bigodes está bem mais fresca. rs


*Guiga Müller me ensinou que o que chamei de bolorzinho é, na verdade, eflorescência: um fenômeno que ocorre quando a água atravessa os poros do barro, ao trocar calor com o ambiente, e evapora, deixando os sais minerais contidos nela do lado de fora do filtro — quanto mais sais minerais, mais eflorescência. Os dias chuvosos devem ter coincidindo com o excesso de cloro que a prefeitura de Araçoiaba vira e mexe despeja na água.


Infos essenciais:

:: Doença renal, pelo maior especialista em gatos do Brasil
:: 7 dicas que podem salvar seu gato
:: Como fazer o bichano beber água
:: 13 macetes para dar líquidos na seringa
:: A seringa perfeita
:: Soro subcutâneo: dicas e por que vale o esforço
:: Soro fisiológico, ringer ou ringer com lactato?
:: 9 sinais de doença que a gente não percebe
:: O desafio da alimentação natural
:: Quando a alimentação natural não dá certo
:: Ração úmida mais barata para gato renal
:: Seu pet não come ração úmida (patê, sachê, latinha)?
:: Alimentação de emergência para bichano desidratado
:: Seringa que goteja para cuidar de gato doente

3 comentários:

Taciane disse...

Eu tive uma dessas, e isso que vc comentou, o limo, passou a crescer por todo canto inclusive no caninho rsrsrs desisti.
Depois o adotante do Amarelo enconteou uma versão que é de cerâmica lisa, custa 92,09 na shopee estou testando ainda, mas me pareceu uma boa solução. Ela mantém fresca mas o material não é poroso, então fica sem limo. Pesada ainda é, até mais!
Aqui eles amam a da torneirinha, odeio lavar. Mas acho que as pedras também devem manter mais fresca.
A pior daqui é uma de plástico da cobasi, mas sabe que todos bebem água aqui?
Não faço muito malabaris não, só espalho pela casa... M

Anônimo disse...

Usamos o filtro de barro para a nossa agua e está sempre fresquinha, uma delícia!
Passo um pano com alcool cada 2 dias para evitar o mofo. Dá muito certo

Maria disse...

Uso fontes de plastico mesmo e qdo faz calor, coloco pedras de gelo várias vezes por dia. Além das fontes, potes espalhados pela casa