.
.

17.1.20

Pandora veio me visitar!

Ela descasava no gramado da Rose, ao lado da Zelda, sua amada arqui-inimiga (que também já partiu), e, quando me via chegar, levantava com dificuldade para fazer a festa de sempre — capricornianos são pé-no-chão até sonhando. Acordei perplexa e fui confirmar no celular: 17 de janeiro de 2020, sua 11ª primeira primavera!

Há exatos 11 anos, a gente aportava na casa da Rose e do Detlev, depois de uma jornada exaustiva — com quase morte, gaiolinha no veterinário, doação para o Brooklin, parto e morte dos bebês, ameaça de eutanásia (que nem contei aqui), devolução, sítio em São Roque (uma roubada, da qual também poupei vocês).

E Pandora ganhou um recomeço de cinema, compartilhado visita a visita neste blog — até que nos mudamos de vez para Sorocaba. Nessa década, que passou tão rápido, ela não economizou gratidão. Em forma de pulos desequilibradores, lambidas, cabeçadas, colos desengonçados, se achando gato.

Hoje, sou eu quem agradece as "notícias". Em algum lugar, distante do coração amassado, está tudo bem.


Epopeia da Pandora:

:: Caixa de esperança
:: Casa de esperança
:: Nascimento da ninhada
:: Morte da ninhada
:: Devolução
:: Boletim - 28 de novembro
:: Boletim - 1º de dezembro
:: Boletim - 8 de dezembro
:: Sítio temporário
:: Doação de conto de fadas
:: Primeira primavera
:: Segunda primavera
:: Festa em Sorocaba
:: Terceira primavera
:: Quarta primavera
:: Quinta primavera
:: Sexta primavera
:: Sétima primavera
:: Oitava primavera
:: Nona primavera (atrasada), com vídeo!
:: Décima (e última) primavera
:: Fim

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

14.1.20

Sobre coalas e lápis de cor

Eu já contei aqui que meus irmãos cresceram pedindo um cachorro aos nossos pais, enquanto eu não fazia a menor questão de ter um bicho de estimação — pelo contrário: sentia um misto de medo e nojinho quando os peludos dos nossos amigos pulavam em mim. E eles sempre pulavam, mesmo que houvesse outras 20 opções no recinto.

Acontece que os incêndios recentes na Austrália me fizeram lembrar que eu sonhava era com um coala! Não porque eles parecessem extremamente fofos, comessem folhinhas de eucalipto ou vivessem agarrados com seus filhotes. Mas porque habitavam as caixas de lápis de cor, uma das minhas maiores riquezas de infância.

Aos poucos, a gente vai destruindo a natureza, os animais, nossa capacidade de criar futuros.


Coalinha órfão encontra refúgio em Asha, na madrugada australiana de 2018, para enfrentar os 5ºC

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente teimosa, que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

10.1.20

Gatoca visitou um santuário de bichos fofos!

Atualizado às 22h05

Pensem numa Disneylandia para protetores! Foi assim meu sábado na casa da Mônica Campiteli e do Rodrigo Rotta. Já comecei fingindo costume com a cabra Bé.


A criatura é tão esperta que pisava no tronco do arbusto para conseguir comer as folhas mais altas.


E, nas horas vagas, gosta de brincar de cabecear, o que quase me rendeu um capote na escadaria que levava ao rio.


Para os cachorros, ao menos, eu fui preparada — dez anos de Pandora!


E o troféu apelão sempre fica com os gatos, né? Chico é paraplégico e precisa de uma família — vou contar a história dele em outro post.


Já Bigodinho dá vontade de apertar até soltar aquele miado de socorro.


E os bebês gambás dormindo na pia?


Vinte anos depois, eu finalmente conheci o porquinho-da-índia do poema do Manuel Bandeira, um dos meus autores favoritos. Sim, ele parece uma mistura de coelho com aquele cachorro-esfregão.


Por falar em coelho, tinha também. De desenho animado...


...e mal-encarado, comedor de manga (argh!).


As galinhas podiam montar um grupo de k-pop — se você não sacou a referência é porque não tem uma enteada adolescente.


E os patos, uma banda de progressivo.


Leo também fez amigos!


O bolo de cenoura foi preparado com ovos das penosas resgatadas.


Agora, posso responder à pergunta que um amigo me fez quando virei vegana: sim, eu comi o bolo, Casé. Tinha gosto de vida. :)


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

9.1.20

Quarentona, gata-presente e ladra felina

Quando eu comecei o Gatoca, tinha 27 anos, dá para acreditar? Pois no dia 6, agora, completei quatro décadas! E, em vez do festerê esperado, tudo que consegui fazer foi desmanchar no parque e observar as garças, depois de um 2019 puxado e cinco semanas de alimentação forçada para a Pipoca.


Pipoca, aliás, comeu a ração renal sozinha no pote pela primeira vez, presente de Chicão — transformei a foto noturna em ilustração, porque a qualidade estava péssima. Mas guardei a original de lembrança de mais uma ressurreição.


Aqui, abro um parêntese para agradecer o carinho de vocês, que até reiki fizeram para a pequena (Roberta Herrera ❤). E preciso dizer também que, na virada do ano, quando divulguei o cachorro que havia fugido perto do shopping Santa Cruz, a Allyne Mk pegou o carro e ficou rodando pela região até escurecer. Gatoca tem, de longe, os melhores leitores!

E, como a única meta batida deste projeto em 2019 foi voltar a ler, Leo me deu a assinatura do Clube da Isabella Lubrano, cuja primeira caixa a Chocolate já se apossou — com o livro dentro, claro. E Mari, a irmã quase-italiana, mandou um Kindle modernoso, que não dividirei com nenhum dos bigodes.


Que os próximos 11 meses sejam de calmaria, para eu me preparar para o inferno astral dos 41.

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca