.
.

21.11.19

Spa felino: pelo também é saúde!

Uma das muitas coisas que a vet dos bigodes me ensinou foi que o pelo deles reflete o interior, que a gente não consegue ver. E que uma pelagem saudável, além de brilhante e macia, é uniforme, como a da Keka:


Quando você enxerga esta divisão em tufinhos, portanto, alguma coisa está errada:


No caso da Pufosa, o "erro" se chama insuficiência renal. E gatos idosos tendem a ficar com o pelo mais feioso mesmo, então eu achava que fazia parte. Mas, na última consulta, Maru suspeitou que os vômitos recorrentes das meninas, que a gente também botava na conta da doença, pudessem ser tentativas frustradas de eliminar charutinhos. E sugeriu um spazão-felino de teste.


A ideia era passar a escovar todo mundo duas vezes por semana para facilitar (e estimular) a limpeza, que eles não estavam mais dando conta, e oferecer na seringa 1 ml de óleo de linhaça dourada para turbinar o ômega 3 — suspendendo imediatamente em caso de diarreia. Como a escovação libera serotonina, que aumenta a sensação de bem-estar e felicidade, eles amam.


E até Godofredo entrou no Spa Month!


Mas o óleo de linhaça, meus amigos... Cinco gatos saíram correndo e babando pela casa, uma vomitou, o resto foi tentar tirar o gosto de desgraça da boca comendo grama como se não houvesse amanhã.


Na segunda semana, a babação caiu pela metade. E, na terceira, um tico mais — sim, eu sou uma pessoa resiliente. Pimenta continuou me olhando com ódio...


Mas os cabelos, que diferença! (Considerem que ela não deixará de ter 12 anos nem de ser renal — todas as gudinhas compartilham a doença, inclusive a Keka, dona da pelagem inexplicável de pantera.)


E os vômitos? Quase zeraram!

Toca encaixar mais esse lerê nos meus dias de 48 horas, rs. Só tomem cuidado com a Furminator, porque o uso em excesso pode assar a pele dos bigodes — Clara sabe bem. E, embora todo mundo diga que a escova ultratecnológica remove apenas os pelos mortos, vocês notarão uma carequice pós-exagero.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

14.11.19

Quando o ar-condicionado venceu a natureza?

Sorocaba inaugurou recentemente o Parque da Biodiversidade, com vegetação da Mata Atlântica, nascentes de água, 150 espécies de animais e 63 arbóreas. Como ele fica a 45 minutos de casa, Leo e eu resolvemos conhecer no sábado, quando a cinzentura deu uma trégua. E andamos mais de uma hora de chinelo enroscando na trilha quase invisível e pernas oferecidas em banquete aos mosquitos ─ sem repelente, óculos nem protetor solar, como sugeria o folder póstumo.


Acontece que a gente não esperava um passeio roots. E o funcionário que deveria ter nos orientado e entregue as tais perneiras dormia de testa na mesa porque, em três meses de existência, os 60 mil m² receberam apenas oito visitantes ─ isso ele nos contou na saída, com o pedido constrangido de desculpas. Eu já tinha desencanado, encantada com as folhas de coração, as flores delicadas, o cheiro de vida.


Mas, aí, nós vimos um lagarto! Como olhar vitrine de shopping pode ser mais legal do que cruzar com um projeto de dinossauro?


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

13.11.19

Maus-tratos animais, machismo e medo

Na minha rua de interiorrr, tem um senhor que passa as tardes sentado num banquinho instalado em frente à sua casa. E funcionários do correio que entregam as encomendas para qualquer pessoa quando você não está. Mesmo morando várias construções depois de mim, a ração dos bigodes parou lá. E o resgate me custou ficar sabendo que haviam batido em uma cachorrinha no cio.

Decorei o número da casa e o nome da tutora, também mãe do bêbado-agressor, e toquei a campainha no dia seguinte. Quem atendeu, porém, foi o cara. Sem abordar diretamente o assunto, ele já soltou que a cadela era safada e mentiu sobre a castração ─ com outro cão esmagando o focinho entre as grades do portão para sentir o cheiro dela no quintal dos fundos.

Ainda perguntou se eu trabalhava com costura (oi?) e se tinha marido. Despedi-me antes de mais um clichê-do-macho e confesso que estou juntando coragem para voltar. Se a tutora for quem penso, a cachorra é bem velhinha e não poderá encarar a cirurgia. O que a gente faz com um sujeito desses ─ sem provas para denunciar, filho da responsável pelo animal e praticamente seu vizinho? :\


Foto emprestada deste episódio, para preservar os envolvidos

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

8.11.19

Virei personagem de livro infantil (com gatos, claro)!

Rosana Rios é figura queridíssima no universo da literatura infanto-juvenil, com 170 obras publicadas! E, se você se acha velho demais para ter lido alguma delas, provavelmente assistiu a um "Bambalalão" roteirizado por sua cachola criativa ─ eu gostava tanto desse programa que participei das gravações! Mas a gente só veio se conhecer três décadas mais grisalhas depois.

Rosana é prima do Leo e sempre nos recebe com causos divertidos e cafés da tarde veganos ─ o bolinho de fubá a gente levou, única receita fofinha que sai deste forno.


Na última visita, ela ainda nos presenteou com "Entre Cães e Gatos", história de uma menina que falava cachorrês e um menino fluente em gatês, que se unem para salvar o bosque do bairro ─ convite à reflexão sobre nossa relação com o diferente e o que estamos fazendo com o planeta. Já seria uma atitude apertável por si só.


Acontece que ela também transformou nós dois em personagens do livro!




E incluiu o Gatoca na dedicatória!


Obrigatório para quem ama gatos, cachorros e, claro, este projeto! ❤


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo tem salvação. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

6.11.19

Veterinária com aventura (e papelão)

Idas ao veterinário geralmente têm um motivo triste ─ ainda mais quando você topa encarar 117 km de estrada, quatro horas de congestionamento e uma sensação térmica do capeta + 39ºC. Repetindo a estratégia dos Diários do Rei, porém, cá estou eu de novo exercitando o olhar para os momentos amorosos e engraçados com os bigodes, que envelhecem mais rápido do que meu egoísmo gostaria.


Na quarta-feira passada, Pimenta e Pipoca caprichavam nos vibratos, enquanto o pneu do Focus rodava furado pela Raposo Tavares. Eu não ia parar no posto de gasolina porque o tanque dava conta da viagem até Santana, em São Paulo. Chicão intercedeu e o frentista me avisou do prego. Logo ali, havia uma borracharia. Cléber ainda nos socorreu na hora, interrompendo o serviço anterior.


Com menos folga para o início do rodízio, mas em segurança, a gente atravessou a Castelo, a Marginal Tietê, as capivaras, a Voluntários da Pátria. E Maru mandou soltar as bestas, que me fizeram passar a vergonha de sempre ─ Pimenta medindo força para escapar do balcão (de onde rumou para baixo da cadeira) e Pipoca mimetizando com o climatizador.



A frajola recebeu tratamento para a alergia (eterna) e para a anemia, que descobrimos na consulta. E a sialata, que emagreceu meio quilo entre vômitos e diarreias, saiu com uma listinha de medicamentos para doença renal (sete anos já). Maru disse que os rins dela estão pequeninos, só que ainda não chegaram ao estágio do Simba.

A volta para Sorocaba foi mais tranquila. E silenciosa.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

1.11.19

Gordo, Listrado e carros que importam mais

Este gato bonachão da foto apareceu vagando em um condomínio de prédios no Campo Limpo, sempre perto na mesma torre, provavelmente deixado para trás na mudança da família. Um casal levou para vacinar (castrado ele já era) e há quatro meses outros moradores passaram a se revezar para alimentá-lo.

Até a semana passada, quando o síndico fixou um cartaz na área comum proibindo a prática e ameaçando com multa. O motivo? O gorducho estava riscando os carros da garagem. Sim, nós vivemos em um mundo de pessoas que descartam bichos feito sapatos velhos e que preferem máquinas a vidas.

Melissa Menegolo faz parte da resistência que continua cuidando escondido do peludo. E me pediu ajuda porque estão com medo de darem um sumiço nele. Para quem não reconheceu o nome, Melissa é a mãe do Kiwi. ❤ Ela aprendeu com o Gatoca que, quando a gente quer resolver algo, precisa colocar a mão na massa ─ e outros corações de pudim vão se juntando, certo?

Nós precisamos da ajuda de vocês, portanto, para que este post alcance a família nova do Gordo (SP). Ele tem 3 anos, adora conversar e segue pernas apressadas pedindo cafuné! Quem vai intermediar a adoção sou eu, com formulário, vistoria e acompanhamento para facilitar o processo de adaptação ─ podem escrever para: contato@gatoca.com.br.

O desafio não acaba aqui, infelizmente.


Listrado também entrou para o clube do amor clandestino e o caso dele demanda mais urgência, porque está com a pata machucada! Melissa conseguiu levá-lo ao hospital veterinário, mas o plantonista inexperiente aplicou uma injeção de anti-inflamatório, pediu para voltar mais três dias e é claro que o bicho evapora quando vê a caixa de transporte.


Para fazer o tratamento direito, nós precisamos de um lar temporário (e talvez de um laçador). O tigrinho tem 3 anos também, chegou superarisco e hoje vira de barriga para ganhar carinho ─ a foto deixa a desejar porque ele só aparece à noite. Os custos, incluindo o da castração, serão bancados pelos moradores do Campo Limpo, sob a supervisão e o selo de garantia do Gatoca. :)

Bora salvar duas vidas?


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

31.10.19

Gramado da Fama com bruxaria!

Outubro chegou ao final da quarta semana como o primeiro mês sem apoiadores novos desde o lançamento da nossa campanha no Catarse. Eis que o calendário fez aparatar uma semana bônus e, respondendo minha provocação no Facebook, Regina Hein e Paula Melo marcam sua estreia no Gramado da Fama! ─ nos alicerces do Gatoca elas moram há tempos, Paula tem até o broche-recompensa do crowdfunding de 2014! E notem a pose de agradecimento da Guda. rs

Aos leitores novos, a ideia do financiamento continuado é permitir que eu abra cada vez mais espaço na agenda para o trabalho de educar, conscientizar e mobilizar corações pelos animais. Batendo a meta atual, vocês verão os bastidores do projeto em tempo real nos stories do Instagram ─ ontem rolou a epopeia da ida à vet em São Paulo, com direito à pneu furado.

E contribuições a partir de R$ 15 darão acesso ao "netflix" do Gatoca com vídeos exclusivos, ainda em fase de produção ─ não esqueçam de cadastrar o e-mail do Catarse (contato@catarse.me) e o meu (bialevischi@yahoo.com.br) no catálogo de endereços para as mensagens não caírem na caixa de spam! :)

Obrigada por seguirem juntinho também, Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Eliane Bortolotto, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Denise Perin, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Roberta Roque Baradel, Rosana Rios, Andréa Pires de Castro e Lilian Gladys de Carvalho! ❤


24.10.19

Aniversariante do mês – outubro de 2019

Sem um dos caninos (e vários dentinhos), de olho sujo e pelo duro, Mercvrivs* chegou aos 14 anos! Contando assim não parece um feito muito comemorativo, eu sei. Mas a verdade é que, exceto pela banguelice, o figura continua igualzinho ─ remelência e seborreia vieram no pacote da adoção, e a gente nunca conseguiu curar (dá para acreditar que queriam que eu escolhesse outro gato?).

Esse aniversário tem importância especial, porque mostra que o aprendizado com a morte do Simba já garantiu um ano a mais de longevidade para minha metade frajola. 🖤 Claro que eu adoraria que esse ano se desdobrasse em outros seis. Ou sete. Oito fechou, Chicão! Sigo, porém, curtindo um colo de cada vez.

E treinando para a vida este olhar inabalável, com o mundo desabando em volta, que só Mercv é capaz de fazer.


*Novelinha: Conheça a história do Mercv

Outros aniversários: 2018 | 2017 (extra!) | 2016 | 2015 (extra!) | 2014 (extra!) | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

22.10.19

Três anos sem Simba

Se me contassem que eu montaria guarda nos potinhos a cada refeição para a Jujuba deixar os outros gatos comerem, daria patê na colherzinha de joelhos aos enjoados, ganharia uma tendinite das seringadas de água (102.930 até agora!) e acordaria muitas horas antes de qualquer compromisso para encaixar também as medicações, eu debocharia.

E várias vezes, confesso, sinto a rotina pesar. Fico brava quando preciso ir ao banheiro e Jujuba vomita toda a ração que roubou dos irmãos. Mercvrivs passa cinco minutos cheirando a colherzinha suspensa no ar e sai andando. Ou Guda, com a seringa ainda na boca, cospe o líquido bem devagarzinho pelos lados.

Mas, aí, eu lembro do gordinho ─ da nossa despedida em salgadas 33 prestações, de todos os dias que seguem amanhecendo e escurecendo sem ele. E persisto.

Se me contassem que um animal pode virar buraco no peito, eu debocharia.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

18.10.19

Netflix do Gatoca!

Já faz tempo que eu sinto vontade de produzir um conteúdo exclusivo para os apoiadores do projeto. E nossa campanha no Catarse vai completar um ano no fim do mês que vem, o que torna este momento ainda mais perfeito! Podia ser post extra aqui no blog, mas continuo achando que o trabalho de educação, conscientização e mobilização precisa alcançar todo mundo ─ o poder público devia quebrar essa para a gente, né?

Pensei também no boletim, só que ele acabou virando estratégia para nos dar alguma liberdade dos algoritmos das redes sociais ─ embora ainda falte uns bons bits para chegar lá. E tem os vídeos! O Youtube não vai mesmo bombar um canal que nada contra a maré da tecnologia. E eu fico muito mais à vontade de falar e compartilhar os bastidores do Gatoca com amigos. :)

O primeiro vídeo mostrará um fim de semana sorocabano entre gatos, plantas e crianças ─ sim, as enteadas, que nunca aparecem por aqui. Estou falado dos 99 takes gravados para o curso do Sesc, que têm dado um trabalhão, rs. E vocês podem sugerir temas para os próximos, incluindo o especial de Natal/Ano-Novo.

O valor da assinatura é baixinho (R$ 15) para não deixar ninguém de fora. E apoiadores antigos ganharão acesso a todas as superproduções, independente do valor, como forma de agradecimento ❤ ─ não esqueçam de cadastrar o e-mail do Catarse (contato@catarse.me) e o meu (bialevischi@yahoo.com.br) no catálogo de endereços para as nossas mensagens não caírem na caixa de spam.

Luz, câmera, (transform)ação!


17.10.19

O último voo

Gatoca abrigou um Kiwi ─ os leitores antigos devem se lembrar. Não o pássaro raro da Nova Zelândia, que nasce com as asinhas atrofiadas, mas um gato de olhar tristonho, que não esboçava reação nenhuma quando ganhava cafuné, nem mesmo a de fugir. E na casa da Melissa Menegolo, há sete anos, ele aprendeu a voar.


Esta cartinha, de 2015, devia ter sido publicada aqui, mas acabou atropelada pela correria:

Oi, Bia! Tudo bem?

Kiwi evoluiu muito nesse tempo, é outro gato. Lembra quando eu te ligava todos os dias porque ele não parava de miar à noite? Foram uns 3 meses assim. Hoje, nem acredito como ele está bem. Nos mudamos de apartamento e fiquei com medo de recomeçarmos do zero, mas ele se adaptou no primeiro dia! E foi o único que não ligou para os fogos do réveillon. Nosso Kiwi... Nem do secador de cabelo ele se esconde mais. Quando vem visita, ainda pede carinho!

Dorme na cama comigo e só mia para eu dar meu braço para deitar em cima, rs. Ele é perfeito! Sexta, estava relendo a história dele no blog (faço isso sempre
) e parei nesta frase: "Um balde de amor e duas colheres de paciência devem ajudá-lo a desabrochar". Realmente, a mais pura verdade! Nosso menino desabrochou.

Te agradeço imensamente por ter me escolhido como mãe dele! Não sei como seria minha vida sem ele. Posso dizer que é o gato mais carinhoso que conheço ─ amassa pãozinho toda hora! E vê se arruma um tempinho para nos visitar.

Beijosssss



Em agosto do ano passado, nós nos reencontramos. Não contei porque foi um baque. Muitos quilos mais magro (e irreconhecível), Kiwi lutava contra a FIV e uma gengivite estomatite causada pela aids felina ─ babava, sangrava pela boca, não conseguia comer. Eu saí de Sorocaba para levá-lo à veterinária dos bigodes, na zona norte de São Paulo, e Melissa faltou no trabalho infaltável.


O pequeno ganhou um ano a mais de sachê, carne moída, sono de braço. E no sábado, pela primeira vez, não respondeu ao chamado da Melissa nem a acompanhou até a cozinha para o café. Angustiada, ela correu ao hospital 24 horas, a tempo de receber uma cadeira e um copo d’água.

E ficou junto do nosso passarinho até o último voo.


Epopeia do Kiwi:

:: O gato indecifrável
:: Três sinais
:: Quem avisa amigo é
:: Voo de liberdade

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

11.10.19

Animal de estimação não é brinquedo!

Em 12 anos de blog, eu nunca escrevi este post porque ele me parecia óbvio. Considerando o terraplanismo, o globalismo, a ideologia de gênero e o marxismo cultural, entretanto, talvez seja melhor o Gatoca dar também esse passo atrás. No Dia das Crianças, comprem bola, carrinho, boneca, quebra-cabeça, não vidas.

E, se decidirem adotar um bichinho, certifiquem-se de que ele caberá em todas as mudanças — inclusive as de orçamento.

Animal não é brinquedo, mas quebra com o abandono.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

9.10.19

Altos e baixos

Eu já contei que estou empenhada no curso de vídeo do Sesc, né? Na quinta-feira passada, a professora sugeriu o exercício de captar imagens que resumissem um dia de nossas existências, para treinar enquadramento, narrativa, edição. E, nerd eterna, eu passei o fim de semana fazendo isso — o que rendeu 99 pequeninos takes!

Notei, então, como os altos e baixos que compõem a vida também se alternam nos períodos diminutos. E a sabedoria talvez esteja em dar a ambos a mesma acolhida. Domingo foi um momento de baixa para o carcinoma da Clara — ela coçou tanto a cabeça que acabou de colar. Mas também marcou mais 24 horas da vesgolina com a gente, numa batalha que pode ter começado há seis anos.

E cada minuto importa. 🧡


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

3.10.19

Desafio para o Dia Mundial dos Animais!

Em 1209, São Francisco já enxergava os bichos como nossos iguais, pregando para eles, abençoando cabeças pequeninas, socorrendo-os quando necessário. Há 89 anos, a humanidade comemora o Dia Mundial dos Animais, aproveitando a data da morte do santo, em 4 de outubro de 1226. Mas só em 15 de outubro de 1978 a Declaração Universal dos Direitos dos Animais foi aprovada pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

E a gente não cumpre nem o primeiro artigo.

Deixo aqui, então, algumas sugestões para quem realmente ama cachorro, gato, galinha, vaca, cavalo, passarinho, ornitorrinco colocar em prática nas próximas semanas. E vou adorar se vocês voltarem para contar quais conseguiram e quais ainda não rolaram — se explicarem por que ganham dicas extras! :)

1) Abracem a Segunda Sem Carne
Um dia por semana sem presunto no café da manhã, bife no almoço ou frango no jantar não mata ninguém. Pelo contrário: salva vidas, além de economizar água, desacelerar o desmatamento para pasto e diminuir as emissões de gases que causam o efeito estufa. Tem infos sobre a campanha, encabeçada pelo ex-Beatle Paul McCartney e apoiada por vários líderes internacionais, aqui.

2) Testem uma receita vegana
Descobrir novos sabores alarga nosso horizonte gastronômico. E não faltam canais maravilhosos, como o Presunto Vegetariano, da querida Paula Lumi, e o Viewganas, da Bia Barneschi e da Mari Malagutti.

3) Experimentem um restaurante "verde"
O site Happy Cow lista as opções (vegetarianas e veganas) por cidade, região ou CEP. E é grátis — o app para celular custa R$ 14,90, valor que também não leva ninguém à falência, né?

4) Apoiem uma ONG
Tem quem atue com resgate e doação, quem ofereça consulta clínica a preços populares, quem faça CED (captura, esterilização e devolução), quem ainda acredite na educação como ferramenta de mundo melhor — eu!, eu!, eu! E nosso trabalho depende de cada R$ 5 que vocês topam desviar do cafezinho.

5) Ponham a mão na massa
Vale dar comida para um bicho que cruzar seu caminho rua, colocar potes de água na calçada, conversar com os vizinhos sobre a importância de criar os peludos dentro de casa, fazer vaquinha para comprar casinha comunitária, levar aquele cachorro machucado para a consulta, castrar o gatinho que marca território no bairro inteiro.

6) Acolham em vez de apontar o dedo
Se vocês já bingaram a cartelinha da compaixão animal, tenham paciência com quem ainda não chegou lá. Lembrem de seus inícios de jornada. E escolham sempre a comunicação não violenta — ela aproxima em vez de afastar.

7) Sensibilizem outras pessoas
Compartilhem este post. Juntos nós somos transformação. ❤


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta tem salvação. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

1.10.19

Fog sorocabano contra o clima seco

A gente está respirando cada vez pior. Não há negacionista climático que contra-argumente quando quatro dos seus bigodes aparecem "tossindo" — eu até publiquei uns stories no Instagram (arquivados em destaques) porque, em 14 anos de gatos, nunca tinha visto isso. Detalhe: nós moramos no interior e a umidade relativa do ar tem marcado 12%, bem abaixo do intervalo ideal, entre 40% e 80%.

Se vocês derem uma busca no Google, porém, verão que as dicas para amenizar os efeitos da secura só servem para cachorros. Quem consegue deixar toalha molhada no ambiente sem virar pano de chão? Ou besuntar o bichano de hidratante? Ou ligar o inalador (com soro fisiológico) perto da criatura e continuar vivo?

Gatoca solucionou o problema posicionando um umidificador em cima dos almofadões e a gangue foi se achegando sozinha — notem a desconfiança da Pipoca, rs. Tem opções no mercado por menos de R$ 100 e, se o aparelho não exceder quatro horas diárias de funcionamento, o consumo energético muda muito pouco — umidade demais facilita a proliferação de bactérias e fungos, e o aparecimento de mofo!

Para garantir o bem-estar dos peludos na quentura, não deixem de colocar em prática também estas dicas de refrescância.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca