.
.

21.1.21

2020

Eu comecei 2020 sem entender como as pessoas podiam reclamar de trabalhar em casa. Quinze anos de home office depois, a quarentena de coronavírus não fazia cócegas — exceto pelas finanças, já combalidas. E nunca produzi tanto! Leo e eu arriscamos nossa releitura de pinturas famosas, escrevi uma crônica para a antologia "Depois da Quarentena", da badalada Rosana Rios, dei uma oficina sobre financiamento coletivo no #EmCasaComSesc (1 e 2).


Também fiz curso de latim com o ex, de marketing digital para escritores, entrei num grupo de estudos de mídias lúdicas, criei o tão adiado perfil no LinkedIn (para nunca mais usar, rs) e o primeiro dominó de gatos do mundo. Ainda arrumei tempo para ler duas dezenas de livros — incluindo os clássicos de Dostoiévski, Saramago, Stevenson, Edgar Allan Poe, Júlio Verne, Virginia Woolf, Umberto Eco e Frances Hodgson Burnett.

Aí, a bad adiada bateu de um jeito, meus amigos, que passei dias repetindo o mantra: "Odeio minha vida", enquanto lutava com a papelada de um processo jurídico virtual e o estresse de um processo de mudança física, perdendo quilos como quem perde fivelas de cabelo. Acreditem: eu não queria passar as festas de fim de ano ao meu lado — mas Leo resistiu bravamente. rs

Esta retrospectiva fala, portanto, de limites. E como nunca é tarde para acolher nossas fragilidades. Por isso, inclusive, ela está saindo em 2021, não no pavoroso 2020. Não dei conta, admito — não tinha vontade de escrever, não conseguia olhar a história do Gatoca com o coração cheio e, pela primeira vez em 13 anos e meio, não me forcei.

Falta muita coisa para desenroscar ainda. Mas ganhei uma energia extra com a trégua do inferno astral, no dia 6 — continuo amando fazer aniversário! E nossa resistência precisa ser comemorada, né? Foram 76 posts, 25 a menos do que em 2019, só que com textos mais longos, focando esforços na missão de despiorar o mundo — que desceu mais um círculo de Dante com a pandemia.

Conscientizamos sobre a crueldade dos zoológicos e mostramos na prática como se faz um trabalho sério num santuário de animais. Criticamos os incêndios na Austrália e nos posicionamos politicamente aqui no Brasil — participando de uma live com o Raul Marcelo, candidato a prefeito de Sorocaba, para desenhar um plano de governo efetivo e factível para os animais, e sabatinando duas candidatas a vereadoras da causa, a Luli Sarraf e a Manu Barros.

Salvamos uma rolinha, ajudamos a Nina a voltar para casa, divulgamos para adoção um pretolino cego e FIV+ (1 e 2), e um tigrinho paraplégico — sem sucesso ainda, mas não desistimos! Incentivamos a aquecer os peludos que vivem nas ruas. Durante 12 meses, nos oferecemos como espaço de informação, entretenimento e, principalmente, acolhimento.

Teve post sobre síndrome de pica, bebedouro para gato que não toma água, tipos de soro, ração úmida barata para renal, alimentação de emergência, diarreia, coronavírus felino, como separar ração de dietas diferentes, recuperar bicho perdido, denunciar veterinários criminosos, estimar a idade do pet, fazê-lo amar a caixa de transporte, diminuir o desconforto do colar elisabetano — e se a versão de tecido vale a pena.

Também investi na descontração publicando a série Vida com Gatos, alguns relatos de quarentena, uma coletânea de vídeos queridos do Gatoca, o teste separa-famílias, um desafio musical, os bigodes Toy Story, a disputada cadeira à trois, uma enquete natalina usando frases dos peludos de vocês. E espalhei fofura com Mercv, o quadrúpede mais figura do universo, a visita ao primeiro cat café do Brasil, o primeiro ronrom da Jujuba (13 anos depois!), um coração felino de Dia dos Namorados, outra ressurreição da Pipoca.

Não faltou piripaque, aliás: o carnaval foi de cinzas, Dr. Eduardo Carneiro veio de São Paulo atender os bigodes no pacotão, Chocolate teve um fungo básico, o carcinoma da Clara entrou em estágio avançado, a morte do Simba por falência renal completou quatro anos. Depois de chorar no chuveiro (aquele choro do A-ha, sabem?) e xingar o além, eu transformava tudo em serviço para ajudar outros tutores.

E vocês retribuíram apoiando o projeto por mais um ano — teve Gramado da Fama em janeiro, fevereiro, março, maio e setembro, uma vitória em tempos de crise! Se algumas pessoas precisaram cancelar a assinatura do Catarse, outras reativaram ou aumentaram o valor de contribuição. E Gatoca foi parar até na Maratona Marketing de Gentileza.

Fiz questão de agradecer criando um canal no Telegram e o Cluboca, nosso grupo de WhatsApp para estreitar laços, onde compartilho a epopeia da busca pela casóca nova e as superproducinhas em vídeo, exclusivas para apoiadores — em dezembro rolou até amigo secreto de talentos! Também disparei 52 boletins com infos de bastidores — para receber é só preencher o formulário vapt-vupt.

E continuamos celebrando a vida! Desta jornalista, da Chocolate, da Clara, da Guda, das Gudinhas, do Mercvrivs — e da adoção dele. Os 13 anos de projeto, com videoconferência. E as parcerias — Pet Delícia me salvou da falência mais uma vez com o patê das seringadas da Pipoca e da retalhinha. Este ano não teve aniversário de adoção da Pandora, mas ela apareceu em sonho exatamente no dia 17 de janeiro!

Nos próximos 12 meses, espero tirar do papel a série ilustrada pelos bigodes sobre o livro "O Encantador de Gatos", escrito pelos especialistas em comportamento felino Jackson Galaxy e Mikel Delgado — falta pouco para bater a meta! Mas também torço para que a gente consiga se permitir momentos de ócio. Aquele dos velhos tempos mesmo, com preguiça em vez de criatividade.


Retrospectivas dos anos anteriores: 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

15.1.21

Vida com gatos #8

Monólogos felinos:

— Vocês querem mesmo estragar minha cadeira? Pensem bem! Não trabalho mais e todo mundo vai comer lixo.

— Mecvrivs, se tem uma coisa que não faz o menor sentido é você botar a cara no cocô dos outros. De nenhuma perspectiva que a gente olhe.

— Como vocês sobreviviam na rua, hein?


Mais vida com gatos: #7 | #6 | #5 | #4 | #3 | #2 | #1

6.1.21

Presente invertido #2021

Eu faço aniversário e vocês me ajudam a dar um lar temporário de presente para a Leia: que tal? Ela está prenhe e improvisou um abrigo na garagem dos vizinhos da Sadie, amiga da minha enteada, que mora em Santo André (SP). Acontece que eles têm um papagaio e não gostarão nada da surpresa quando chegarem de viagem.

As meninas estão se revezando para alimentar a tigrinha duas vezes por dia, toparam organizar uma vaquinha para pagar as castrações de todo mundo e se encarregarão dos deliverys até as casas novas. Gatoca cuida das articulações, divulgação dos peludos, entrevistas com as famílias e acompanhamento pós-adoção.

Bora incentivar o protagonismo dessa molecada? 💚

31.12.20

Obrigada!

Hoje era dia da clássica retrospectiva do Gatoca, publicada desde 2007. Dá um trabalhão escrever, mas eu gosto de acompanhar a evolução do projeto depois — que foi se tornando mais educativo, ativista, coletivo (comparem com a de 2019!). Neste 2020 pandêmico, porém, não consegui. Faltou tempo, por causa de uma novidade que ainda não posso contar. E ânimo também, confesso.

Em outro momento, teria feito caber. Mesmo sabendo que ninguém lê nada entre o Natal e o Ano-Novo, rs. Neste, preferi respeitar meus limites — quando um capricorniano diz isso, um astrólogo morre de desgosto em São Thomé das Letras. E aproveitei para retribuir quem me acolheu ao longo dos últimos 12 meses.

No sábado, rolou o primeiro amigo secreto do Cluboca, nosso clube de apoiadores. A ideia era trocar talentos e paixões, sem gastar dinheiro nem sair de casa. E teve coletânea de tirinhas, músicas e textos favoritos, inspirações veganas — dei risada com o Carlos Ruas, chorei com a Mercedes Sosa e já comprei berinjela para o antepasto.


Gente querida se gravou lendo Salmo, habilidosa desenhou, tecnológica criou stickers, sensível cantou no coral, criativa customizou calendário. Minha amiga secreta ganhou o rascunho do primeiro livro do projeto para crianças. E eu recebi fotografias dos gatos que colorem as paredes baianas de uma das leitoras mais antigas destas linhas. Todo mundo saiu quentinho. 💕


Ontem, publiquei a última superproducinha do ano: "Sonhando 2021", uma junção de bigodes dormindo tremelicantemente com os desejos do Gatoca para os próximos 12 meses. A retrospectiva ainda vai ao ar, mas sem pressa. E com o carinho que nossa história merece. Obrigada por seguirem requebrando comigo nas adversidades!

E não poderia encerrar este post sem apertar virtualmente os corações que ajudam a financiar nosso despioramento de mundo:

Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe...

...Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Amanda Midori, Karine de Cabedelo, Natalia e Lívia Pantarotto, Michely Nishimura, Maira Fischer, Ana Paula de Vilas Boas, Danilo, Paolla Alberton, Aline Fagundes e Elaini da Silva! 🤗

Feliz recomeço para vocês!

24.12.20

Especial: se seu gato falasse, o que diria neste Natal?

Pela cara dos bigodes, eu não esperaria nada muito otimista. E, analisando as respostas que recebi nas redes sociais, parece que eles refletem o espírito dos tutores — 2020, para mim, foi o ano-que-não-existiu mais lento da história da humanidade: ao mesmo tempo em que parecia que nunca ia acabar, chego ao final com a sensação de não ter feito nada (além de passar raiva).


Teve bichano botando limite na família, cobrando bom senso da humanidade, sonhando com a adoção, agradecendo o gramado novo, fazendo ativismo, comemorando mais um ano de vida. Os leitores do Gatoca são diversos e isso me enche de orgulho! ❤

"Chega de mais gatos, tá?", Michele Strohschein.

"Fica em casa!", Roberta Herrera.

"Quanto tempo mais você vai passar as 24 horas do dia aqui?", Camila Ornelas.

"Pedi para não ter fogos. Papai Noel me atendeu?", Tatiana Pagamisse.

"Não aglomerem, humanos. Aproveitem o Natal com seus gatos", Lorena Correia.

"Põe e máscara!!!", Aline Silpe.

"Obrigado, covid, por deixar minha mãe 24 horas comigo", Guiga Müller.

"Quero sachê gourmet e uma casinha segura logo, ok?", Fernanda Barreto.

"Fique em casa", Márcia Aono.

"Querido Papai Noel, manda essa louca para o trabalho de novo, porque a gente não aguenta mais!!!", Daniela Gomes.

"Me dá comida/ração em sobro!", Samanta Ebling.

"Quase gastei minhas vidas neste ano. Mas em 2021 vou recuperar todas", Inês Ocanã.

"Estou aqui com vocês", Thereza Schittini.

"No ano que vem, não quero te ver em casa o dia todo, falou?", Marina Kater.

"Fora, Bozonazi!", Rosana Rios.

"Por favor, não soltem fogos, não gritem nem batam tampas de panelas. Natal é época de gratidão, silêncio e orações. Em especial neste 2020", Regina Hein.

"Senhor, que em 2021 o home office seja pelo menos meio expediente!", Paula Guima.

"Estamos felizes com a casa nova. Agora podemos andar na grama e tomar sol!", Adrina Barth.

"Maria Isabella perguntaria a hora da ceia — só pensa em comer! Micefufe talvez não fizesse nada, ficaríamos nos curtindo um pouco mais, já que sabemos que nosso tempo é curto. Jack contaria uma piada para manter nosso bom humor. Tequila soltaria um 'aff' depois da piada do Jack, coisa de irmãos", Liliane Garcia.

"Gaia diria que é grata pois, apesar de 2020 ter sido um ano difícil, ela tem razões para comemorar seu sexto aniversário: Gaia é FIV+", Andreia Lionco.

Que todos nós encontremos motivos para comemorar! E energia para mudar o que não merece comemoração. :)

18.12.20

Vida com gatos #7

Pufosa toma água na seringa três vezes por dia, há quatro anos, e medicação para as crises agudas da doença renal.


No dia da escovação, resolve se rebelar.


Gatos.

Mais vida com gatos: #6 | #5 | #4 | #3 | #2 | #1

11.12.20

Como fazer seu gato amar a caixa de transporte

Há algumas semanas, Guda começou a fazer xixi de gotinha pela casa e demorar para usar o banheiro, em crises que se vão do mesmo jeito que vieram. Dr. Eduardo acabou pedindo um ultrassom e, completadas as oito horas de jejum, Leo manda mensagem perguntando se eu conseguiria colocá-la sozinha na caixa de transporte. Respondi com esta foto:


Desde a mudança do casarão para o apertamento, em que Jujuba quase me levou um braço, aprendi a fazer o negócio direito. A dica mais importante é colocar a caixa no chão com pelo menos um dia de antecedência para os gatos deixaram seu cheiro — e, obviamente, não limpar antes de ir ao veterinário (eles entenderão). Mas, se o bichano precisa de um estímulo extra, vale borrifar essência de lavanda ao inseri-la no ambiente.

Guda está bem e tenho aproveitado sua barriguinha raspada, confesso. O exame acusou cristais nos rins, que devem provocar irritação na bexiga quando descem pela urina. Já começamos o tratamento. :)

4.12.20

Colar elisabetano de tecido para gato: quando usar?

Eu já contei que a coceira que o carcinoma da Clara causa não permite mais que ela fique sem o colar elisabetano — sim, "elizabetano" está errado. Fiz até um post com dicas para diminuir o desconforto, sugerindo modelos leves e transparentes, que aumentassem o campo de visão. Mas, conforme a doença evolui, a retalhinha passa mais tempo deitada e várias leitoras indicaram as versões de tecido.

Duas delas, inclusive, recomendaram o Ateliê Pet Petri. Carla Petri é a pessoa perfeita para lidar com tutor fragilizado! Conversamos um tempão, porque eu tinha dúvidas de toda sorte. E ela ia vestindo os colares em suas gatas para a gente escolher o melhor tamanho. Costurados um a um, com a ajuda da mãe, eles ainda ajudam a encher a pança dos peludos (felinos e caninos) e de três galisés! 💛

Como ela se sensibilizou com a situação da Clara, fez questão de dar o colar de presente. Só que encontrei três modelos e uma cartinha querida quando abri a caixa do correio!




Para ampliar, cliquem na imagem

No primeiro teste com um dos cones, fechei só no velcro e a ninja conseguiu tirar. Reforcei com a coleira, que tinha uma parte de elástico, e a cena se repetiu. Apertei mais e a coitada vomitou. Na quarta vez, chegamos ao ajuste ideal — Carla aconselha o uso de cordinha.


O tecido é fácil de limpar com um pano úmido, se o machucado não vazar sangue e pus como no caso da Clara. Mas lavar também não cai a mão e seca rapidinho nos dias quentes. Coloco à noite, para ela dormir mais confortável e substituo pelo de plástico durante o dia — estou guardando o outro cone para quando a criatura conseguir rasgar esse de tanto coçar.

Já o disco amarelo apelidamos de utopia. Como ele impede o acesso das patas traseiras à cabeça, mas não evita que o animal esfregue a lesão nos móveis, só poderemos usar se a pequena melhorar. Torçam para ver essa foto aqui!

2.12.20

Amor em preto e branco

Há 15 anos, Mercv* chegava em casa só bigodes, não deixando um bibelô da prateleira da vida em pé — logo ele, o gato baiano! E tem sido a jornada PB mais colorida (e emocionante) da história. ❤️


*Novelinha: Conheça a história do Mercv

27.11.20

Cat Friday Gatoca: imperdível e transformadora! 💝

Hoje é aquele dia do ano em que até igreja dá desconto no dízimo. E o Gatoca não podia ficar de fora, né? Acalmem-se! Nenhum gato será vendido — mesmo que alguns andem merecendo. Quem assinar nosso financiamento continuado com qualquer valor a partir de R$ 15 terá acesso a todas as superproducinhas de 2020, incluindo a de Natal.

E com mais R$ 5 vocês ainda participam do Cluboca, o melhor grupo do WhatsApp — sem bom-dia-boa-tarde-boa-noite! Falta pouquíssimo para bater a meta da série nova, ilustrada pelos bigodes, sobre a bíblia "O Encantador de Gatos", dos especialistas em comportamento felino Jackson Galaxy e Mikel Delgado.

Sei que fica difícil competir com o capitalismo — eu mesma estou namorando uma estante de livros há meses. Mas vocês também podem voltar na terça-feira, 1º de dezembro, Dia de Doar. Há mais de 13 anos, o Gatoca batalha com garras e bytes para despiorar o mundo.

E colecionamos 1.536 posts educativos, ativistas, divertidos, mobilizadores. 115 gatos, oito cachorros e quatro aves socorridos. E-book para gateiros de segunda viagem, matérias na grande imprensa, mutirão de castração. A aprovação em um edital público para sensibilizar o olhar de crianças de escolas municipais. Está tudo aqui!

E temos teimosia de sobra para fazer muito mais em 2021! Vem com a gente?

20.11.20

Gato rebolante procura família com gingado!

Chico tem um molejo só dele — e cerca de uma década nas pistas! Já trocou de parceiro de dança duas vezes, mas ainda não encontrou seu pé-de-valsa. Ficou rebolante na chácara do vizinho da Mônica Campiteli, a dona do santuário sorocabano (SP) que visitei em janeiro.

E, mesmo sem que os exames identificassem lesão na coluna, passou a apresentar dificuldade de controlar as patas traseiras e o xixi, demandando cuidados que o tutor, com problemas mentais, não podia oferecer.


É supercarinhoso, ama colo e dá beijinho! Só que odeia alguns gatos da Mônica e chega a correr atrás deles feito atleta, o que o obriga a passar boa parte do tempo sozinho no gatil. Entre seus passatempos favoritos estão tomar sol no gramado, disputar a cama dos cachorros e caçar insetinhos.


Ele não pula, mas consegue escalar — sofá, cama de gente, alambrado. Reclama quando toma banho de bumbum para trocar a fralda, mas não morde nem arranha. Sim, dá mais trabalho do que um gatinho sem deficiência e precisa de uma família especial (contato@gatoca.com.br).

Mas retribui com este requebrado único:

13.11.20

Colar elisabetano: como diminuir o desconforto

Eu já odeio o Tarantino no cinema. E, na sexta-feira passada, tive o desprazer de acordar em um filme dele: sangue espirrado nas paredes, coágulos no edredom, a cara da Clara lavada de vermelho — fiz um vídeo de mãos trêmulas para o veterinário (eu, que desmaio na coleta do laboratório), mas pouparei vocês das imagens de terror.

É que nos últimos três meses, desde que escrevi aquele desabafo sobre a retalhinha, o carcinoma abriu um túnel na cabeça e a coceira piorou muito, tornando cada vez mais frequentes os ataques com as garras ao machucado, também mais sensível — e a massa que crescia sob a pálpebra ainda bloqueou completamente a visão do olho direito, para minha desolação.

Ela continua comendo feliz a alimentação natural na colherinha, ronronando quando ganha carinho, tomando sol no jardim, dando banho no Mercv (!). Mas, pelo jeito, não poderá mais ficar sem o colar elisabetano (o povo escreve "elizabetano", só que está errado). A gente ainda nem conseguiu estancar o sangramento completamente, na verdade.

E, depois de chorar no chuveiro e xingar o além, resolvi compartilhar algumas dicas aqui. Se você tem um gato que precisa desse tipo de contenção — vale para cachorro também, a menos que ele seja o Marley...


Escolha um modelo leve e transparente
Com menos peso e um maior campo de visão, ele se sentirá menos incomodado. O primeiro colar da Clara era trambolhudo e eu já usava sem a coleira — cortei todos os passadores, inclusive.



Aí, Leo encontrou este, que ainda abre e fecha mais fácil:



Teste adaptações
Como o problema dela é coçar o carcinoma com as patas de trás, encurtei a versão do pet shop, que continua impedindo o acesso à cabeça, mas ajuda na hora de comer e beber água. Só tome cuidado porque, com o colar mais curto, o animal talvez consiga se esfregar nos móveis.


No ano passado, a gente tentou criar também um modelo de EVA, filmado passo a passo para um tutorial no Youtube, em que a cara da retalhinha ficasse mais livre. E foi um sucesso! Por 15 minutos.


Ela logo descobriu como dobrá-lo ao contrário...


...e nos deparamos com esta cena — light em comparação à recente:


Capriche na limpeza
Gatos são as criaturas mais asseadas do universo — e têm um olfato muito mais desenvolvido do que o nosso. Imagine sobrar com um treco todo melecado colado no seu nariz! Um paninho com álcool quebra o galho, se você não puder sair de perto do animal — a gente bobeia e a desgraça acontece, né?

Mas aconselho comprar dois colares para lavar com calma o que não está em uso. O desespero da Clara com as secreções que vazam do machucado é tanto que ela me acorda de madrugada coçando o plástico freneticamente. E eu levanto toda vez para socorrer, claro.

Liberte com monitoramento
É esperto o suficiente para bloquear patas assassinas ou dentadas mortais? Então tire o colar de tempos em tempos para que o bichano consiga fazer sua própria higiene. Ou se encarregue de limpá-lo com um pano úmido — nada de perfume, hein? Escovação também pode!

Como bônus, seja paciente, encha seu amigo de carinho, ofereça comidas diferentes. Quando a gente está doente, o que mais quer é se distrair do mal-estar.

12.11.20

Gatoca no Dia Mundial da Gentileza!

Eu conheci a Laíze Damasceno, fundadora do Marketing de Gentileza, pela Vanessa Aguiar, que poderia muito bem criar a Imobiliária de Gentileza — e já tinha me conquistado antes de relevar sua faceta "louca dos gatos". Pois sexta-feira, 13 de novembro, é o Dia Mundial da Gentileza e vai rolar uma maratona de palestras sobre como fazer marketing honesto, estratégico e focado nas relações humanas.

A programação completa está aqui, totalmente gratuita. Mas Laíze indicou o Gatoca e outros quatro projetos bacanas para receberem doações de quem puder retribuir a gentileza — se a gente escrever "gentileza" cinco vezes em um mesmo texto, o mundo fica melhor? Quer aprender a contar boas histórias? Precisa descomplicar a escrita? Falta humor na criação do seu conteúdo? Só clica!

6.11.20

Vida com gatos #6

Quando você sai no quintal para meditar, aproveitando o ar fresco, e a gata te prende para fora:


A primeira reação, claro, é ficar brava. Mas você meditou, lembra? Então, procura no jardim um pauzinho para mover a madeira que impede a abertura da porta de vidro.


E agradece a Deus/Gaia/Shiva/Buda/Alá pelos braços que sempre achou magrelos demais.


Mais vida com gatos: #5 | #4 | #3 | #2 | #1

30.10.20

Banguela: um gato de Halloween!

Por que escolher entre gostosuras e travessuras se você pode ter os dois? Banguela é um gatinho carinhoso, coleiro e brincalhão! Foi divulgado aqui numa sexta-feira 13, para dar sorte o ano inteiro, e estava quase ganhando uma família quando começou a pandemia, inviabilizando o traslado de Santo André até Sorocaba (SP).

Nesta semana, por causa do Dia das Bruxas, lembrei dele e me entristeci com a resposta da Alyne. O pretolino, que já havia sido abandonado filhote porque a tutora engravidou, visto a irmã morrer atropelada e quebrado vários dentinhos também debaixo de um carro, testou positivo para FeLV, teve uma infecção nos olhos, agravada por um tratamento errado, e acabou ficando cego.


Como sete meses podem bater tão duro?


Claro que Alyne não teve coragem de deixá-lo na rua. Acontece que um dos bichanos dela se recusa a compartilhar a casa com o intruso e passou a morar no quintal — portadores de leucemia felina, a tal da FeLV, devem conviver apenas com gatos vacinados com a quíntupla (Isa fez um vídeo bem detalhado sobre o assunto).

Banguela está com 2 anos e pode levar uma vida normal se ganhar essa chance — a FeLV só demanda um acompanhamento veterinário mais próximo, por conta da fragilidade do sistema imunológico, e a deficiência visual, contornado o período de adaptação (em que o pequeno ficou bastante chateado, sejamos sinceros), não o impede nem de brincar de bolinha.


Ajudem a compartilhar nosso morceguinho? Procuramos tutores sem outros animais ou com paciência para a socialização, porque o pretolino ficou inseguro após a perda da visão. Ganha pontos quem não gostar de mudar a mobília de lugar! rs E não preciso dizer que ele será doado apenas para apartamentos telados ou residências de muros altos, né? — depois do Halloween!

E-mails-amor para: contato@gatoca.com.br.