.
.

15.10.21

Os gatos ganharam uma floresta!

Minha mãe era uma mulher elegante, que sabia a ordem de todos os copos e talheres, falava francês com biquinho, arranhava um latim, tocava violão e sempre me emocionava com o "Noturno", de Chopin, ao piano — disso tudo, eu só herdei o piano (e até que não fazia feio).

Gente assim tem amiga que oferece mudas para seu recomeço no terrenão de mato e despacha 57 delas de Serra Negra, a 200 quilômetros de distância de Araçoiaba! Para o futuro pomar, limão-cravo, pitanga, abacate, amora, nêspera, framboesa, café e manga — que só aceitei em consideração ao Leo.

Para a decoração "interna", trepadeiras e arbustos multicoloridos — íris, girassol mexicano, flor-de-são-miguel, ora-pro-nóbis, manacá-de-jardim. Para a decoração "externa", sibipiruna, embaúba, palmeira, ipês roxo e amarelo, pata-de-vacas branca e rosa, neve-da-montanha, jacarandá-mimoso.

Antes que a gente conseguisse plantar a primeira verdinha da Adriana Todesco, Pipoca, a gata renal magrela que recentemente caçou um passarinho e tentou caçar nosso atum vegano, escapou de casa para se aventurar pela floresta.


Cheirou, se esfregou, avaliou as espécies tóxicas, mas acabou ficando com o mato mesmo — não puxou a avó, definitivamente.


Aproveito o gancho para divulgar o projeto de mundo melhor da Mônica Campiteli, que me proporcionou uma fungada de cabra. Escolhido pela Benfeitoria para o matchfunding Todo Cuidado Conta, o Brincando de Agroflorestar pretende estimular a criançada a repensar nossa relação com o meio ambiente.

E, para cada real arrecadado, o fundo coloca mais um! Faltam só 21 dias. Bora ajudar?

13.10.21

O poder do atum vegano

Quando adotei o Mercv e descobri que gostava de animais, parou de fazer sentido almoçá-los — e eu não diferenciava bichos fofinhos, como agora não diferencio os feiosos. 14 anos e meio se passaram vegetariana, os últimos cinco orgulhosamente vegana! Com o avanço da tecnologia, motivado pela emergência climática, está cada vez mais fácil substituir carne, leite e ovos. :)


Não que a gente precise disso para uma dieta balanceada, mas é bom matar a saudade nas promoções, rs. No penúltimo fim de semana, por exemplo, voltei à infância com o sanduíche de atum que minha tia preparava no intervalo das brincadeiras com as primas. O mesmo cheiro, o mesmo gosto, o mesmo óleo.


E os gatos também acharam porque ficaram enlouquecidos com o peixe de mentira, depois de esnobar o sachê de peixe "de verdade" — uma batalha de soja, ervilha, grão-de-bico, rabanete e algas, sejamos honestos, contra carne mecanicamente separada de atum, carcaça de frango, miúdos e plasma suíno.

Pipoca precisou ser retirada do recinto!

8.10.21

Gatoca ajudou a salvar um gato famoso!

Lembram da plataforma em que o governo receitava remédios para vermes e bactérias a qualquer ser vivente que suspeitasse ter covid-19, doença causada por um vírus? Pois o jornalista Felipe Betim denunciou no El País o teste feito com seu gato Moreré.


Segundo o TrateCOV, ele deveria tomar esta quase-lista de supermercado, por cinco ou sete dias:

- 6 comprimidos de Difostato de Cloroquina 500 mg
- 12 comprimidos de Hidroxicloroquina 200 mg
- 1 comprimido diário de Ivermectina 6 mg
- 5 comprimidos de Azitromicina 500 mg
- 10 comprimidos de Doxiciclina 100 mg
- 14 comprimidos de sulfato de zinco


Mas onde entra o Gatoca? Gisele Gonçalves, que resgatou o pequeno em Itanhaém, me escreveu pedindo ajuda com a divulgação de uma mamãe e sua ninhada, assustada com o naipe dos interessados em adotá-los. Acabou comentando que me lia desde os tempos em que blogs eram a forma mais comum de se estar na internet e contou a história do ex-Gandalf:

No ano passado, recolhi um filhotico que foi abandonado pela família no clube onde trabalho. Devia ter umas 3 semanas, muito miudinho. Levei para casa e as dicas que encontrei no seu blog foram as que fizeram ele sobreviver. Depois de uns meses comigo, lindo e peralta, encontrei um rapaz, jornalista, que viajou de São Paulo para vir buscá-lo. Sem saber, você ajudou esse gatito a viver! Ele ainda ficou "famosinho" porque apareceu em uma reportagem!


É só por isso que, contrariando todas as expectativas, eu continuo. ❤️

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

6.10.21

Clara finalmente virou girassol!

9 semanas depois da terça-feira mais escura de Gatoca. Ainda não em todo o seu esplendor, mas tendo resistido aos passarinhos ladrões de sementes, às rajadas de vento roladoras de balde, à tempestade cuja os raios queimaram nosso interfone, às formigas que não demonstraram a mesma gentileza com o cróton, a laranjeira e o jasmim-dos-poetas.


O primeiro botãozinho amarelo nasceu bem no aniversário de adoção do Simba, sua alma-gêmea. E já tem dois vermelhos despontando, porque Clara Luz era rajada. Eu, que nem feijão no pote de Danone fazia germinar, minha gente!



Despedida da Clara
:: Saudade
:: Nunca foi tão difícil plantar girassóis
:: Os primeiros 30 dias

1.10.21

Alerta: gato não pode ficar 24h sem fazer xixi!

Como boa capricorniana, eu sou workaholic. E, quando saí do sistema de moer gente para escrever de casa, com os bigodes, passei a acumular trabalhos voluntários. Rodei por praticamente todas as ONGs grandes de gatos de São Paulo e toco até hoje o financiamento coletivo da Canto da Terra, que criei do zero.

Diferente das outras organizações não governamentais, eles têm uma clínica aberta ao público e Maria Eugênia Carretero, veterinária e presidente, comentou que atendem cerca de quatro animais com obstrução urinária por semana. Surgiu daí a ideia deste post: ficar mais de 24h sem urinar afeta a função renal dos peludos e pode até matar.

Ajudem a gente a divulgar?


*

Todo mês, o Gatoca publica dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. ❤️ Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

30.9.21

Quando a gata te deixa feliz e triste ao mesmo tempo

Pipoca caçou um passarinho. Se você ficou indiferente a essa notícia, não tem coração e não conhece Pipoca. Tratava-se de mais uma sexta-feira de faxina e eu lavava os bebedouros no tanque, quando a cozinha veio a baixo. Em cima da pia estava a magrela, com as asas saindo da boca, e no balcão, disputando a presa perplexa, Pimenta, nossa caçadora oficial.


Gritei, em um misto de desespero e empolgação, tempo suficiente para que o coitado fosse abandonado no chão e, como Leo não apareceu, entretido com alguma ferramenta barulhenta, corri com o montinho de penas para o jardim. Mais um bicho que espasma e morre em minhas mãos, o significado animado da impotência.


Esta, porém, não é só uma história de tragédia, mas também de autoestima, sobre uma gata que abaixava a cabeça receosa ao menor sinal de carinho, e de superação de limites, sobre uma protetora de animais que sentia medo de penosos — talvez ainda sinta sem a adrenalina correndo solta no sangue. rs

Pipoquinha nunca pesou tão pouco — nem durante a crise que nos rendeu 36 dias de alimentação forçada. Enxergo nas vértebras salientes o preço de uma década de batalha contra a doença renal e 14 anos e meio de vida, sabendo que logo não haverá troco. Mas a pequena também nunca esteve tão plena.

24.9.21

Seu gato vem da América ou do Velho Mundo? | EG #4

Os ancestrais dos bichanos com quem partilharmos nossas casas se dividiam entre o Novo Mundo, que compreendia as Américas do Norte, Sul e Central, e o Velho Mundo, formado pela África, Asia e Europa. Ao primeiro grupo pertenciam os pumas, gatos-do-mato e jaguatiricas. Já o segundo incluía os gatos domésticos, selvagens, pescadores, linces, caracais, servais e guepardos.

Não existe uma definição clara da origem dos nossos felinos PP, porque, da perspectiva evolutiva, é todo mundo muito próximo. Mas dá para notar diferenças comportamentais:

1) Peludos do Velho Mundo deitam com as patas embaixo do corpo, como a maioria dos bigodes de Gatoca. Spoiler!




Enquanto os do Novo Mundo lembram esfinges — nesta foto, peguei Pipoca em uma rara exceção, como se nota ao comparar com a de cima, nos fundilhos do Mercv.


Mas o que dizer da Chocolate, Jackson Galaxy, e seu estilo "sem bracinhos"?


Ou da Pimenta com o clássico "para o alto e avante"?


2) Se nossos amigos almoçassem passarinhos, também poderíamos analisar as penas: gatos do Novo Mundo limpam suas presas totalmente antes de comer, já os do Velho Mundo não perdem tempo com isso.

3) E o terceiro tópico segue sem ilustração em respeito aos estômagos frágeis: apenas os bichanos do Velho Mundo recebem educação de suas mães e enterram o cocô.

Esta série é inspirada na bíblia O Encantador de Gatos, escrita pelos especialistas no babado Jackson Galaxy e Mikel Delgado, e financiada pelos nossos leitores queridos. ❤️ Se vocês estão curtindo, considerem se tornar apoiadores tambémaqui tem um resumo das principais ações do projeto, que extrapola os bytes. 14 anos já, minha gente!


CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história
CAPÍTULO 3: Como a humanidade se curvou aos bichanos?
CAPÍTULO 5: Gatos domesticados têm mais memória! (estreia no dia 22 de outubro!)

17.9.21

Quinto aniversário sem aniversariante

Simba morreu há (quase) cinco anos, como o título do post dá o spoiler. Mas este 17 de setembro de 2021 é diferente, porque Clara também não está mais aqui. E, se na matemática a tristeza dobra, na existência incerta eu gosto de imaginar que ele recebeu de presente de aniversário de adoção o reencontro mais emocionante da história deste projeto.


Durante dez anos, o leão e a retalhinha não desgrudaram. Agora são ausência dupla — as primeiras de Gatoca. E o Universo, parece que antevendo meu coração quebrado, também mandou seu presente: neste 17 de setembro de sentimentos conflitantes, nasceu o primeiro botão dos girassóis que plantei para a Clara.

Eu, que nem feijão no potinho de Danone fazia germinar.


*Novelinha: Conheça a história do Simba

Outros aniversários: 2020 | 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

Diários de despedida: #1 | #2 | #3 | #4| #5 | #6 | #7 | #8 | #9 | #10 | #11 | #12 | #13 | #14 | #15 | #16 | #17 | #18 | #19 | #20 | #21 | #22 | FIM

Despedida da Clara
:: Saudade
:: Nunca foi tão difícil plantar girassóis
:: Os primeiros 30 dias

16.9.21

Paradoxos do ativismo (com ou sem gatos)

Tudo começou com uma discussão acalorada no nosso grupo do WhatsApp, passou por várias pesquisas de público-alvo na internet e terminou com estas constatações:

1) Quanto pior a situação do país, menos dinheiro as pessoas têm para apoiar iniciativas que ajudam a melhorar a situação do país.
2) Historicamente, corações de pudim experientes doam mais, mas enfrentam mais dificuldade com a tecnologia.
3) Apenas 3% de toda a grana filantrópica vem de financiamento coletivo e azedamos uma pandemia eterna, sem possibilidade de organizar eventos de arrecadação.
4) Boa parte dos leitores do Gatoca ainda está no Facebook, só que o Zuckerberg não mostra os posts para ninguém.
5) Os jovens preferem o TikTok, que possui um alcance orgânico bem maior, mas não costumam financiar projetos sociais.

Queimando os neurônios porque não tivemos apoiadores novos no último mês. Está chovendo no Gramado da Fama — literalmente. E não vou fazer dancinha. rs


P.S.: Se você acha nosso trabalho relevante e pode contribuir para que ele continue existindo gratuitamente, ajudando quem não pode, clique aqui. Se precisa de socorro com a plataforma, manda mensagem que a gente faz junto: contato@gatoca.com.br. Se tem uma ideia bacana, vou adorar ler nos comentários! :)

10.9.21

Matatabi dá barato? Testamos com os gatos!

Actinidia polygama ou Silver vine, em inglês, é a planta que tornou o catnip cringe. De flores brancas e frutos que lembram o kiwi, ela cresce em áreas montanhosas do Japão e da China, podendo alcançar 6 m de altura. E os asiáticos usam como estimulante para os gatos há tempos! Aqui, a gente encontra no formato de tronquinho, com reação duas vezes mais potente do que a versão old school. Dizem.

O segredo está na combinação de nepetalactona (cinco variações) e actinidine, enquanto o catnip tem apenas uma variação de nepetalactona. Esses compostos químicos agem no sistema nevoso dos bichanos, provocando reações engraçadas como esfregação, babação, mordidas e roladinhas — alguns peludos ficam doidões e outros mais relaxados. Sem efeitos colaterais, o barato pode durar de 5 a 30 minutos.

Mas não se animem, porque não funciona com seres humanos — a menos que vocês pretendam usar na fermentação do saquê. Quem mandou os troquinhos de matatabi foi a Katia Zuter, do Gatolino, parceiro antigo do Gatoca e que tem nossa frajola no folder! — eles vieram junto com uma bombinha nova, porque o preço aqui está tão absurdo que quase transformei o bebedouro elétrico em vaso.

Mas chega de enrolação! Vocês acham que a gangue curtiu a viagem? Bom, Mercv só cheirou, Jujuba ficou desconfiada, Pimenta se pôs a tomar banho, Keka fugiu e Chocolate bateu na Pufosa, depois jogou o tronquinho embaixo do sofá — vou fazer uma superproducinha com as reações para os apoiadores!






Pelo menos a Pipoca saiu bonita na foto. rs


Vale contextualizar que os bigodes estão velhinhos, preferindo carinho e colo ao agito. E aproveitaram bastante os tempos de catnip. Se seu amigo tem menos de 15 anos (ou espírito jovem, rs), arrisca e me conta! A chance de sucesso é de 79%.

*

Todo mês, o Gatoca publica dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. ❤️ Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

9.9.21

O Gatoca que vocês não veem!

Em tempos de pandemia e desgoverno, os ativistas brasileiros precisam repetir para si mesmos, do momento em que acordam até a hora de dormir, que suas ações provocam um impacto positivo — e olha que o noticiário sempre foi desempoderador! Às vezes, a gente só morre antes de ver. rs

Depois das férias forçadas do início do ano, eu voltei pronta para a briga. Intelectual, claro, porque meu peso não permite sequer doar sangue — e com a sabedoria da Lidice-Bá, ex-chefe que dizia para a gente não trazer problemas e, sim, soluções. Minha primeira reação ao ler a matéria da "Folhinha" sobre testes em animais, confesso, foi confrontar a cientista nas redes sociais.

Mas ela não mudaria de opinião por causa de uma jornalista que não financia suas pesquisas e focar nas crianças costuma render melhores resultados. Escrevi, então, para o José Henrique Mariante, ombudsman da Folha de S.Paulo, apontando os equívocos do texto, destinado a esse público, e a parcialidade da biomédica Laís Berro, além de sugerir fontes acadêmicas para contar o outro lado, porque ninguém precisa acreditar em mim.

Que laboratório tupiniquim exibe "O Rei Leão" para cobaia, gente?


Para ampliar, cliquem nas imagens

Para a minha surpresa, a editora da "Folhinha" Marcella Franco concordou. E prometeu uma segunda reportagem, ouvindo não só cientistas como defensores da causa animal — ainda avisou da antecipação da publicação em outra mensagem.


No sábado, fiz questão de virar Araçoiaba do avesso para comprar o jornal — e quem acabou encontrando a única banca da cidade foi o Leo.


Texto à altura da polêmica, com fontes bacanas que eu desconhecia e alguns colegas, adolescentes apertáveis botando a mão na massa e o selo "Todo Mundo Lê Junto", indicando o compartilhamento por responsáveis e educadores com a molecada. ❤️


Esse também amplia ;)

Dá trabalho — mais do que cancelar o povo no Twitter. Mas é um caminho sem volta. E começa no pequenininho.

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

3.9.21

Os primeiros 30 dias

Atualizado às 21h08

Hoje faz um mês que a Clara começou a virar girassol.


E 26 dias que rego estas sementes de recomeço — nem sempre com a água da torneira.


P.S.: Eu sou de humanas e desconsiderei que agosto tem 31 dias. rs

31.8.21

'Abaporu', de Gatinha do Amaral

Se Tarsila tivesse pintado Chocolate no seu "Abaporu", ele não ficaria datado como o símbolo do Movimento Modernista Brasileiro — e faria muito mais sucesso no TikTok!


P.S.: Sim, eu sei que "homem que come gente", tradução do tupi-guarani, é o quadro brasileiro mais famoso. Mas confesso que quase caí de costas quando li que está avaliado em US$ 200 milhões. De dólares! A BBC conta a história interessantíssima dele aqui.


P.S. do P.S.: No ano passado, antes de a pandemia desgastar nossa existência, Leo e eu entramos na brincadeira de recriar pinturas famosas, vocês viram? :)

27.8.21

Como a humanidade se curvou aos gatos | EG #3

Da selva aos "apertamentos", até que não demorou tanto... para que a gente se adaptasse aos bichanos. O primeiro concurso de raças ocorreu em 1871, no Reino Unido, e os EUA copiaram em 1895 — vamos falar sobre a crueldade do processo nos próximos capítulos desta série, inspirada no livro O Encantador de Gatos, escrito pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado.


Em 1876, surgiu a primeira marca de ração (Spratt), também no Reino Unido, que demorou quase duas décadas para chegar aos EUA. Mas foram os norte-americanos, claro, que enlataram a comida, em 1930. E o racionamento de carne, na década seguinte, impulsionou o desenvolvimento da versão seca, feita com restos tanto de carne quanto peixe.


Se você tem pais nascidos antes de 1950, eles assistiram à explosão desse mercado — não ria, geração Z, porque você também entrará na linha do tempo! E a invenção da caixa de areia por Ed Lowe, empresário de Michigan, em 1947. Antes disso, usavam-se cinzas, terra ou areia de praia — e boa parte das famílias deixava os peludos darem um rolê.


As castrações se iniciaram em 1930, ainda pouco populares — e se manteriam assim pelas próximas quatro décadas. Indicava-se a anestesia geral, mas, acreditem, não era obrigatório. Nessa época, aliás, nasceu a lenda que aterroriza protetores até hoje de que as gatas deveriam parir pelo menos uma ninhada.


Antes de 1969, quando nasceu em Los Angeles a primeira clínica de esterilização popular, o número de bichos sacrificados impressionava. E foi só em 1972 que a Sociedade Americana de Prevenção Contra Crueldade com Animais passou a exigir a castração pré-adoção — e os veterinários começaram a recomendar também a criação dentro de casa, para o bem da fauna, da flora e dos próprios felinos.

Sim, caros leitores, eu vi tomar forma o conceito de CED: Captura, Esterilização e Devolução — 1990 lá fora e 2013 aqui. E o primeiro castramóvel rodar em Houston, no Texas, em 1994, porque muitas pessoas precisavam do serviço, mas não podiam ir até uma clínica. E West Hollywood proibir a remoção cirúrgica de garras, em 2003.

Ah! Em 1999, a organização In Defense of Animals (IDA) lançou a "Campanha do Guardião", almejando mudar a linguagem e o estatuto jurídico dos pets para que deixassem de ser tratados como objetos com donos. Mas não rolou na maioria dos países. Ainda. :)


CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história
CAPÍTULO 4: Seu bichano vem do Novo ou do Velho Mundo? (estreia no dia 24 de setembro!)

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

20.8.21

Estátua viva felina em 5 etapas!

Resgate uma gata prenhe, que dá à luz cinco filhotas ariscas. Espere 13 anos por um ronrom da pior delas, chamada primeiro de Vaquinho, depois de Jujuba, porque era menina. Mude-se, então, para o interior do interiorrr, em um terreno gramado. Improvise um gatil com bambus do vizinho, telas velhas e macarrões de piscina, pois a grana acabou. Aí, é só pedir para a figura posar para sua campanha — reparem na linguinha! 😂😂😂


A estrela do Gramado da Fama deste mês é Liliane Garcia, patrimônio histórico do Gatoca há, pelo menos, uma década. E tutora do Micefufe, que compete com o Mercvrivs em extravagância batismal e viveu quase 19 anos!


O financiamento coletivo, reforço aos novatos, me permite investir em projetos alternativos, como a série nova sobre O Encantador de Gatos, inspirada no livro dos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com dois capítulos já no ar — "Existe um canto do planeta sem bichanos?" e "A primeira gateira da história".

E vocês ganham recompensas! Uma delas é o Cluboca, grupo com apoiadores espalhados pelo Brasil (que mandam foto de neve em Curitiba ao mesmo tempo em que reclamam dos 28ºC à noite na Paraíba), de experiências de vida variadas (como historiadora-bancária, farmacêutica-ambientalista e advogada de TI) e que compartilham dicas de pipeta para alimentação forçada à persiana antigarras.

Obrigada, aliás, Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein...

...Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Amanda Midori, Karine de Cabedelo, Michely Nishimura, Ana Paula de Vilas Boas, Danilo, Klay Kopavnick, Glaucia Almeida e Ana Cris Rosa, pela acolhida nestes meses pavorosos! ❤️