.
.

21.2.20

Vocês salvaram meu carnaval!

Toda vez que as coisas começam a dar errado em cadeia, eu leio os comentários de vocês, vejo os nomes no Catarse, lembro das vidas transformadas. Quando a humanidade parece inviável, vocês me provam o contrário. E eu persevero. A cada piora na insuficiência renal da Pipoca, no carcinoma da Clara ou na alergia da Pimenta, encontro aqui acolhimento — de desconhecidos-amigos. 💜

Neste feriado de carnaval, confesso que não estava muito para confetes e serpentinas. Mas a Amanda Midori apoiou o Gatoca de Londrina, no Paraná, e a Karine de Cabedelo, na Paraíba. Teve ainda a Fabiana Ribeiro, aqui de Sorocaba, dona do primeiro "cat café" do Brasil, o Café com Gato, que a gente visitou antes mesmo de se mudar. E Pufosa entrou no gramado para agradecer!


Obrigada também Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo...

...Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Roberta Roque Baradel, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças e Lorena da Fonseca, por não deixarem o pandeiro cair!

Para quem está chegando no bloguinho agora, o Gatoca resiste, educando, conscientizando e mobilizando corações pelos animais em tempos sombrios, graças a um financiamento continuado. É possível contribuir com qualquer valor e ainda ganhar recompensas! — assinaturas a partir de R$ 15, por exemplo, dão acesso ao nosso "netflix", com vídeos exclusivos (já vai sair o de fevereiro!).

Despioradores de mundo, uni-vos!

20.2.20

Bebedouro para gato que não toma água!

Há seis anos, eu descobri o milagre do Gatolino, o único bebedouro elétrico que os bigodes se dignaram a usar. E eles são queridinhos até hoje em Gatoca. Mas, como toda casa sempre tem um espírito de porco, Clara prefere chacoalhar o potinho manual para tomar água em movimento — e essa água vai escorrendo pelo chão até encontrar o pé da cama, onde se transforma em ferrugem.

Na Black Friday do ano passado, vocês já vão entender a demora do post, Taciane Ribeiro compartilhou um modelo de bebedouro gringo, que eu jamais compraria, pela metade do preço e resolvi arriscar — meu surto capitalista se resumiu a ele e um livro para as enteadas (e existe gente que diz que filho precisa sair da barriga).

Primeiro, o produto chegou com peças faltando. Depois, eu fui à loja para trocar e esqueci a caixa na sala. Aí, o carro ficou um mês no funileiro porque, não contei aqui, conseguiram bater em mim parada. Vencidos os contratempos, bebedouro funcionando a toda eletricidade, os bigodes se dividiram, então, em dois grupos:

Os que sentiam medo do presente e os que o encaravam com desprezo — os apoiadores do projeto receberam os registros de "Autoestima em Xeque", a superproducinha de janeiro. rs


Eu estava quase desistindo de reabastecer o trambolho quando vi Mercv finalmente esfregando a língua no chuveirinho — e foi exatamente essa dinâmica que duvidei que funcionaria. Depois dele, veio Pipoca, a lavadora de patas. E até Clara se rendeu à modernidade!

Ficam, portanto, três lições: algum modelo agradará seu gato, mesmo que você já tenha tentado vários. Bichanos possuem um tempo próprio, persista. E, o disco quebrado (ainda dá para usar essa gíria?), mantê-los hidratados é essencial para evitar problemas renais, já que a umidade da ração não passa de 10%, enquanto o corpo da presa que eles caçariam na natureza concentra 70% de água — infos importantes no pé do post.



Não deixe de ler:
:: Doença renal, pelo maior especialista em gatos do Brasil
:: 7 dicas que podem salvar seu gato
:: Como fazer o bichano beber água
:: 13 macetes para dar líquidos na seringa

14.2.20

Aniversariante do mês – fevereiro de 2020

No Valentine’s Day, o Dia dos Namorados gringo, os casais trocam bombons, flores, perfumes. Eu ganhei uma gata! E nem foi do namorado. Tentei entregá-la no pet shop onde adotei a Clara, mas é claro que, na minha vez, não tinha vaga. Isso faz 13 anos! Chocolate* ostentava a maior parte do nariz rosa. E, conforme o gênio se pôs a encardir, o coração marrom ganhou forma.

O amor é assim: usa delicadezas para te convencer a abraçar o estranho do outro.


*Novelinha: Conheça a história da Chocolate

Outros aniversários: 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

12.2.20

Diarreia em gatos: o que fazer?

Guda está com diarreia e eu achei que era um bom gancho para escrever este post. Foi só abrir o editor de texto, aliás, que ela entrou no banheiro para o registro fotográfico — quando a gente escolhe o caminho certo, o Universo conspira! rs

A primeira coisa que se deve fazer é observar se a diarreia persiste. Casos isolados costumam se resolver sozinhos, já os recorrentes precisam de investigação. E o veterinário certamente perguntará coisas como consistência, quantidade e cor, então vale fotografar — eu tenho uma coleção de cocôs no computador!

Além do aspecto pastoso ou líquido, as fezes podem conter muco (uma espécie de catarro), sangue escuro (do estômago ou começo do intestino) ou vivo (aquele vermelhão, do final do intestino). E o animal tende a dar outras pistas do problema. Entre os principais sinais estão: apatia, cansaço, perda de apetite e peso, flatulência, urgência ou esforço para defecar, febre, dor, vômitos.

Mas o que causa diarreia? Basicamente tudo! Estresse, medicamentos, mudança na dieta, alergia ou intolerância alimentar, ingestão de porcarias e substâncias ou plantas tóxicas, infecções bacterianas ou virais, vermes e protozoários, câncer e tumores no trato digestivo, inflamação no intestino, doenças autoimunes e hepáticas.

O quadro atual da Guda se deve à insuficiência renal. E Pipoca protagonizou as piores diarreias da casa em 2014, com uma colite provocada por ingestão de cândida — novatos, cliquem no link antes de me xingar. O tratamento varia de acordo com a enfermidade e o histórico do peludo. Mas é essencial mantê-lo hidratado, sob risco de morte.

Como as redes sociais sabotam o alcance de conteúdo que envolve grana, vou reforçar aqui que o Gatoca está em campanha para estrar uma série nova, com dicas e curiosidades (ilustradas!) da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita por Jackson Galaxy e Mikel Delgado, especialistas em comportamento felino. Vejam os detalhes e as recompensas novas!

Apoiem projetos independentes de mundo melhor! ❤️


Guda fazendo projeções sobre o cenário político e econômico do país

7.2.20

Série nova: dicas do livro "O Encantador de Gatos"

Leo me deu essa bíblia dos gateiros no ano passado e eu, que achava que não tinha mais muita coisa a aprender sobre o assunto, me vi rabiscando e fazendo orelhas no pobre livro como criança em oficina de artes. Em "O Encantador de Gatos", Jackson Galaxy e Mikel Delgado, especialistas em comportamento felino, explicam de forma didática e divertida como entender a natureza dos bichanos para resolver tanto problemas simples quanto mais complexos.


Como nossa vida bandida é corrida, quero poupar o trabalho de vocês de ler as quase 400 páginas, compartilhando aqui no Gatoca uma seleção das informações mais importantes e curiosas, com fotos e, talvez, vídeos dos bigodes para ilustrar. Para conseguir produzir esse conteúdo quinzenalmente, tem meta nova no Catarse, nosso financiamento continuado!

Se a gente alcançar até o fim do mês, já publico o primeiro post no comecinho de março. Assinaturas acima de R$ 15 ainda dão acesso ao "netflix" do projeto, com superproducinhas exclusivas. Os detalhes todos estão aqui. Divulguem a campanha em suas redes sociais para que bípedes e quadrúpedes vivam cada vez mais em harmonia — missão do Gatoca há 12 anos e meio. ❤️

6.2.20

Quando os gatos te levam à tabacaria

— Tudo bem, moço? Vocês vendem aquele limpador de cachimbo peludinho?
— Para fazer o boneco do Toy Story?
— Oi?
— O Garfinho, do Toy Story 4! As mães estão procurando bastante.
— E eu tenho cara de quem faz bonequinho com criança? É para limpar o bebedouro dos gatos.




O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — e merece dar risada de vez em quando. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

31.1.20

Ano novo, tecnologia nova! — gatos velhos

Vocês não têm noção: eu produzi um manifesto pelo lápis e papel na faculdade — tudo bem que faz 22 anos, mas a gente já entregava os trabalhos impressos naquela época. Como destino é um treco irônico, comecei a carreira jornalística justamente no Terra, sem saber abrir dois navegadores ao mesmo tempo, porque escrevi a melhor redação. E pouca coisa mudou de lá para cá.

Sim, tenho um blog, um canal (abandonado) no Youtube, perfis em três redes sociais. Só que a agenda que organiza essas coisas todas ainda é de papel. E muitos rascunhos de texto também. Acontece que o Gatoca coleciona leitores que desafiam minhas limitações. rs

No ano passado, Marina Kater me convenceu a usar o Zoom, um aplicativo de videoconferência, para o primeiro encontrinho virtual dos apoiadores do projeto. E foi tão bacana que vai rolar outro em breve! — para participar do nosso financiamento continuado (e ver as metas ambiciosas, recompensas novas, vídeo do Mercv filhote), é só clicar aqui.

Michele Strohschein sugeriu o Telegram e eu finalmente criei um canal! Quem quiser receber o +Gatoca por lá, com infos de bastidores que nem sempre vem para cá, basta instalar o aplicativo no celular e entrar por este link. Diferente do WhatsApp, só eu posso mandar mensagens (duas por semana, no máximo) e os números de telefone ficam ocultos.

O que é mais um byte para esta jornalista quarentona que está quase topando ler no Kindle? Pois Aline Fagundes me apresentou ao PicPay, uma espécie de carteira digital, e agora vocês também podem ajudar o projeto nesse formato. Para transferir qualquer valor, procurem @bialevischi — ainda estou pesquisando como criar assinaturas (demorei dez dias para tirar a foto do cadastro).

Quem tiver outras sugestões guarde para o segundo semestre. rs

29.1.20

Seu bicho mastiga tudo que vê pela frente?

Simba era fã de papelão. Do sabor do papelão! Rasgava com os dentes e mastigava pedacinho por pedacinho, como se degustasse uma iguaria. A compulsão passou antes que eu ouvisse falar em síndrome de pica. Caracterizada pela ingestão frequente de coisas não comestíveis, a doença pode provocar irritação, intoxicação, asfixia, traumatismo dentário e até perfuração no trato gastrointestinal.

Encabeçando as principais causas, está a má alimentação. O bicho procura os nutrientes que faltam ao organismo, geralmente fibras e minerais, devorando sacolas, tecidos e papéis que encontra pela casa. Mas enfermidades como anemia, diabetes e FIV (aids felina), situações estressantes, discussões familiares, falta de atividades estimulantes e genética (oi, siameses!) também podem influenciar.

O tratamento não inclui castigos, já que os animais não têm nossa capacidade de compreensão de mundo. E não adianta investir em cheiros desagradáveis, porque novos objetos serão descobertos. O segredo é mesmo comprar ração de boa qualidade, brincar com seu amigo pelo menos uma vez por dia, entreter os bichanos com prateleiras e arranhadores, e os cachorros com passeios pelo bairro. E, para garantir, sumir com produtos tóxicos.


* Texto escrito para o Yahoo!

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

24.1.20

O gato mais figura do universo!

Você espera a semana inteira pelo dia da leitura na rede — privilégios do interior. Escolhe um livro de 600 páginas para provar que as redes sociais não derreteram seu cérebro. Ajeita num banquinho a garrafa de água, assim não precisa levantar, e o rolo de papel higiênico para a alergia dos gatos — que são nove. Dá aquela última olhada no celular. #guilty

As 108 histórias vão se desdobrando sem nenhuma resolução. A jornalista do título morreu mesmo. O único movimento que seu corpo, que passou a economizar nas piscadas, faz é virar as páginas. Você até sente uns arranhões suaves, mas ignora. Outra pessoa será assassinada. Quando a garra belisca a carne, seus olhos instintivamente se deslocam para a criatura felina. Nesta posição:

22.1.20

Três presentes históricos!

Quando você tem um projeto que atravessa a década (12 anos e meio, para ser mais exata), recebe mensagem da Marianna Ulbrik contando que via a mãe ler os posts, se formou veterinária anestesista e hoje acompanha o Gatoca também. Encontra e-mails trocados em 2010 com a Cristina Rebouças, que naquela época tocava o Gatinhos de Salvador.

Ainda serve de referência para a Lorena da Fonseca, que sabia de cor o texto sobre toxoplasmose do blog e ficou indignada com a entrevista equivocada do presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia para o Drauzio Varella, quando preparava a aula do Núcleo de Consciência Negra, na Universidade de São Paulo (USP).

Essas queridas estrelaram o Gramado da Fama de dezembro com a Clara, mostrando que o melhor presente (de Natal, férias, Dia Mundial do Disco Voador) é investir no despioramento do mundo — antes que não sobre nada. Janeirão, aliás, o mês da conta negativa, está sem apoiador novo!


Clara tem um carcinoma avançado e segue acompanhada pela vet

Vejam as recompensas do nosso financiamento continuado! Assinaturas a partir de R$ 15, por exemplo, dão acesso ao "netflix" do Gatoca, com vídeos exclusivos. Sexta-feira estreia o segundo! ─ não esqueçam de cadastrar no catálogo de endereços o e-mail do Catarse (contato@catarse.me) e o meu (bialevischi@yahoo.com.br) para as mensagens não caírem na caixa de spam!

Obrigada Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo...

...Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Roberta Roque Baradel, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo e Paulo André Munhoz, por seguirem juntinho em 2020! ❤

17.1.20

Pandora veio me visitar!

Ela descasava no gramado da Rose, ao lado da Zelda, sua amada arqui-inimiga (que também já partiu), e, quando me via chegar, levantava com dificuldade para fazer a festa de sempre — capricornianos são pé-no-chão até sonhando. Acordei perplexa e fui confirmar no celular: 17 de janeiro de 2020, sua 11ª primeira primavera!

Há exatos 11 anos, a gente aportava na casa da Rose e do Detlev, depois de uma jornada exaustiva — com quase morte, gaiolinha no veterinário, doação para o Brooklin, parto e morte dos bebês, ameaça de eutanásia (que nem contei aqui), devolução, sítio em São Roque (uma roubada, da qual também poupei vocês).

E Pandora ganhou um recomeço de cinema, compartilhado visita a visita neste blog — até que nos mudamos de vez para Sorocaba. Nessa década, que passou tão rápido, ela não economizou gratidão. Em forma de pulos desequilibradores, lambidas, cabeçadas, colos desengonçados, se achando gato.

Hoje, sou eu quem agradece as "notícias". Em algum lugar, distante do coração amassado, está tudo bem.


Epopeia da Pandora:

:: Caixa de esperança
:: Casa de esperança
:: Nascimento da ninhada
:: Morte da ninhada
:: Devolução
:: Boletim - 28 de novembro
:: Boletim - 1º de dezembro
:: Boletim - 8 de dezembro
:: Sítio temporário
:: Doação de conto de fadas
:: Primeira primavera
:: Segunda primavera
:: Festa em Sorocaba
:: Terceira primavera
:: Quarta primavera
:: Quinta primavera
:: Sexta primavera
:: Sétima primavera
:: Oitava primavera
:: Nona primavera (atrasada), com vídeo!
:: Décima (e última) primavera
:: Fim

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

14.1.20

Sobre coalas e lápis de cor

Eu já contei aqui que meus irmãos cresceram pedindo um cachorro aos nossos pais, enquanto eu não fazia a menor questão de ter um bicho de estimação — pelo contrário: sentia um misto de medo e nojinho quando os peludos dos nossos amigos pulavam em mim. E eles sempre pulavam, mesmo que houvesse outras 20 opções no recinto.

Acontece que os incêndios recentes na Austrália me fizeram lembrar que eu sonhava era com um coala! Não porque eles parecessem extremamente fofos, comessem folhinhas de eucalipto ou vivessem agarrados com seus filhotes. Mas porque habitavam as caixas de lápis de cor, uma das minhas maiores riquezas de infância.

Aos poucos, a gente vai destruindo a natureza, os animais, nossa capacidade de criar futuros.


Coalinha órfão encontra refúgio em Asha, na madrugada australiana de 2018, para enfrentar os 5ºC

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente teimosa, que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

10.1.20

Gatoca visitou um santuário de bichos fofos!

Atualizado às 22h05

Pensem numa Disneylandia para protetores! Foi assim meu sábado na casa da Mônica Campiteli e do Rodrigo Rotta. Já comecei fingindo costume com a cabra Bé.


A criatura é tão esperta que pisava no tronco do arbusto para conseguir comer as folhas mais altas.


E, nas horas vagas, gosta de brincar de cabecear, o que quase me rendeu um capote na escadaria que levava ao rio.


Para os cachorros, ao menos, eu fui preparada — dez anos de Pandora!


E o troféu apelão sempre fica com os gatos, né? Chico é paraplégico e precisa de uma família — vou contar a história dele em outro post.


Já Bigodinho dá vontade de apertar até soltar aquele miado de socorro.


E os bebês gambás dormindo na pia?


Vinte anos depois, eu finalmente conheci o porquinho-da-índia do poema do Manuel Bandeira, um dos meus autores favoritos. Sim, ele parece uma mistura de coelho com aquele cachorro-esfregão.


Por falar em coelho, tinha também. De desenho animado...


...e mal-encarado, comedor de manga (argh!).


As galinhas podiam montar um grupo de k-pop — se você não sacou a referência é porque não tem uma enteada adolescente.


E os patos, uma banda de progressivo.


Leo também fez amigos!


O bolo de cenoura foi preparado com ovos das penosas resgatadas.


Agora, posso responder à pergunta que um amigo me fez quando virei vegana: sim, eu comi o bolo, Casé. Tinha gosto de vida. :)


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

9.1.20

Quarentona, gata-presente e ladra felina

Quando eu comecei o Gatoca, tinha 27 anos, dá para acreditar? Pois no dia 6, agora, completei quatro décadas! E, em vez do festerê esperado, tudo que consegui fazer foi desmanchar no parque e observar as garças, depois de um 2019 puxado e cinco semanas de alimentação forçada para a Pipoca.


Pipoca, aliás, comeu a ração renal sozinha no pote pela primeira vez, presente de Chicão — transformei a foto noturna em ilustração, porque a qualidade estava péssima. Mas guardei a original de lembrança de mais uma ressurreição.


Aqui, abro um parêntese para agradecer o carinho de vocês, que até reiki fizeram para a pequena (Roberta Herrera ❤). E preciso dizer também que, na virada do ano, quando divulguei o cachorro que havia fugido perto do shopping Santa Cruz, a Allyne Mk pegou o carro e ficou rodando pela região até escurecer. Gatoca tem, de longe, os melhores leitores!

E, como a única meta batida deste projeto em 2019 foi voltar a ler, Leo me deu a assinatura do Clube da Isabella Lubrano, cuja primeira caixa a Chocolate já se apossou — com o livro dentro, claro. E Mari, a irmã quase-italiana, mandou um Kindle modernoso, que não dividirei com nenhum dos bigodes.


Que os próximos 11 meses sejam de calmaria, para eu me preparar para o inferno astral dos 41.

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

31.12.19

2019

Virou um ritual: toda retrospectiva do Gatoca eu termino chorando — e olha que já foram 12! Neste 2019 atípico, porém, o texto começa molhado. Que ano! Zero frila de jornalismo, duas pneumonias, três mortes e meia (Pandora, Flea, Kiwi e quase Pipoca), relacionamentos doídos. E a humanidade fazendo humanices, especialmente por aqui.

Eu tive de explicar por que um projeto de lei para aumentar a pena de crimes contra animais (PLS 470/2018) era péssimo, que aquele que pretendia torná-los sujeitos de direitos (PLC 27/2018) só valia para os pets, como ajudar os bichos de Brumadinho, pós-rompimento da barragem da Vale, que país os cortes de verba nas universidades públicas e o cancelamento de bolsas de pesquisa gestariam.

Entrevistei Luisa Mell sobre os cachorros torturados no canil de Piedade. Comparei a decisão do STF sobre o sacrifício em cultos religiosos com o bacalhau da Páscoa — que pode ter ovo, coelho e comida incrível sem sacanear ninguém. Usei "Dumbo", do Tim Burton, para insistir na crueldade do entretenimento com animais. E o caso dos pitbulls da rinha de Mairiporã para lembrar os 200 mil anos de destruição que nos acompanham.

Ainda trombei com galinhas morrendo de pouquinho na avicultura do bairro, galos que pararam de cantar na panela, sítio com placa constantemente renovada de "vende-se leitoa", cavalos puxando carroça, quando não tombados — o lado ruim de se morar no interior. E precisei encarar o machismo de um vizinho-agressor.

Nós também fracassamos nas metas para 2019 — quer dizer, retomar os livros de papel, que dependia só de mim, superou o esperado, rs. Foram 15 e estou no fim de "O Desaparecimento de Stephanie Mailer", lendo "Lúcifer" (HQ) durante as caminhadas, "Alice no País das Maravilhas" com as enteadas, rabiscando loucamente "O Encantador de Gatos" para criar conteúdo para cá. E Leo e eu viramos personagens infantis!


Depois de cada porrada, eu respirava fundo, me desencolhia e forçava um novo passo. Assim conheci Alana Rox, responsável por me tornar vegana há quase quatro anos — de vegetariana já somam 13! Participei do Fórum Sorocaba Unida pelos Animais, onde ativistas e população em geral apresentaram suas demandas ao poder público. Dirigi 280 km para doar dois sialatinhas da favela.

E incentivei vocês a apostarem também nas pequenas ações transformadoras, a compartilharem calor, a serem mais compassivos — desafio comemorativo de Dia Mundial dos Animais. Vocês, aliás, seguiram apoiando o Gatoca. E teve Gramado da Fama em janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho, agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro, que ficou para o ano que vem. ❤

Foi esse suporte financeiro que me permitiu fazer os cursos de escrita com Marcelino Freire e de jogos de tabuleiro e edição de vídeo, no Sesc, que virarão projetos ao longo de 2020! Nosso Netflix para assinantes já estreou, inclusive, com o curta "Altos e Baixos" — eu queria ter produzido algo para o Natal, mas o especial acabou saindo só no blog, por causa da Pipoquinha.


O financiamento continuado também pagou contas importantes, enquanto eu investia em articulações que demoram para virar dinheiro. Rolaram reuniões com a Secretaria da Educação de Sorocaba e o secretário do Meio Ambiente. Nós perdemos o edital do Movimento Bem Maior, mas vencemos o do Condeca — aguardem desdobramentos! E talvez a gente leve o workshop de fotografia e escrita para futuros desejáveis a São Paulo.

Neste ciclo que se encerra hoje, sobrou reflexão. Sobre despedidas, luto, deixar ir — Simba faltou a mais um aniversário, completando três anos do último colo, o carcinoma da Clara segue avançando e Pipoca ainda não voltou a comer sozinha (30 dias já). Sobre quem pode ou não ser mãe. Sobre a vitória do ar-condicionado contra a natureza. Sobre abandono e maus-tratos, na animação mais emocionante de 2019.

Eu defendi o slow reading, leitura sem pressa e escolhida com cuidado, convite que repito agora. E, honrando o voto de confiança de vocês, o Gatoca espalhou afeto, acolhimento, colaboração (beijo para a Paula Lumi!), abraços (concretos e abstratos), amor plural.

Contou a história de uma das várias amizades improváveis nascidas em seus bytes — e que podem virar série! Compartilhou fotos atuais de bigodes doados há 9 anos. Engajou leitores a ajudarem o Gordo, que já ganhou uma família, e o Listrado, que espera sua segunda chance em um lar temporário.

Ensinou a identificar causas de vômitos, evitar toxoplasmose (sem vilanizar os gatos), doar remédios, monitorar bafo, cuidar da cabeleira (pelo também é saúde!), decidir sobre eutanásia, fazer antipulgas, amenizar o clima seco, não tratar animal como brinquedo, prestar atenção em sinais sutis de doença.

Fez rir — em forma de texto (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 10) e vídeo ("Catnaval", "Mulher-Gato", "Inferno Astral Felino", "A invasão"). Se meteu em altas confusões — com bombeiros, transferência de vespeiro, ataque de cachorro, quase-atropelamento, pneu furado na epopeia à veterinária, na Bahia.

Celebrou a vida. Da Chocolate, da Clara, da Pandora (pela última vez), da Guda, das Gudinhas, do Mercvrivs — e da adoção dele, embora com atraso. Os 12 anos de projeto. E as parcerias — Pet Delícia me salvou da falência com o patê das seringadas da Pipoca, depois de oito latas fortunosas de A/D e muito desgosto comprando carne.

Foram 101 posts, bem mais longos do que de costume. Talvez, porque o mundo esteja precisando. E, certamente, porque vocês continuam aí — a gente tem um boletim seminovo para ninguém perder nada, é só clicar e assinar!

Que em 2020 nossa rede de apoio se estenda a mais corações!


Retrospectivas dos anos anteriores: 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007