.
.

26.3.21

Cantinho da reflexão

Jujuba afiou as garras no sofá, que fica ao lado do arranhador. Keka se pôs a babar as seringadas de água, depois de quatro anos e meio. Pimenta assassinou uma dúzia de insetinhos na última semana. Guda fez xixi na cozinha. Mercvrivs ganhou petisco extra para encarar a gangue e aumentar o constrangimento. Quatro gatas ainda não acordaram.


*

Em abril tem série nova! ❤️ Todo mês, o Gatoca publicará dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

19.3.21

Gateiras: nem loucas nem solitárias

Eu nunca me importei de ser chamada de "louca dos gatos". Até sexta-feira passada, quando o Universa, portal feminino do UOL, distorceu uma entrevista que dei para encaixar nesse estereótipo. A pauta, segundo mensagem da repórter no Instagram, abordaria a relação de mulheres com os bigodes, especialmente durante a pandemia. E nós conversamos ao telefone por quase uma hora.


Deixei claro que tinha um parceiro de longa data e minha rotina praticamente não mudara na quarentena, porque trabalho em casa há 15 anos e a gangue se formou na mesma época. Cheguei, inclusive, a criticar o estigma da solteirona entupida de gatos, defendendo que lidamos melhor com as personalidades complexas dos felinos e podemos escolher não casar mais com os trastes humanos.

Minha primeira surpresa, quando a matéria entrou no ar, foi ler um depoimento imenso em primeira pessoa, com palavras e expressões que não uso, porque a jornalista fez anotações livres, em vez de gravar e transcrever o relato, e botou tudo na minha boca — verbos repetidos à exaustão, ideias truncadas, vegetariana em vez de vegana, dona em vez de tutora.


E a foto do Gatonó, à direita, decepada

Para não contradizer o título, "Loucas por gatos: como bichanos viraram antídoto para solidão no isolamento", meu status de casada desapareceu, assim como o comentário de não ter sentido tanto o impacto da quarentena. O título, aliás, foi alterado depois de publicado, como denuncia a url da página — "Melhor amigo da mulher: elas contam histórias de amor com seus gatos".


Para ampliar, cliquem na imagem

Tudo pelo clique: essa morte horrível do jornalismo. A repórter até demonstrou boa-vontade de corrigir os problemas apontados — embora, na terceira edição, tenha transformado Leo em vegano e reduzido aos peludos os múltiplos motivos da nossa mudança para Sorocaba. Mas continuava não sendo um depoimento meu. E a essência estava errada.

Os bigodes nos fazem companhia, sim. Uma companhia incrível! Mas a expectativa de que outro ser pode preencher nosso vazio é equivocada. Passado o susto inicial com o surto de covid, por exemplo, quando o povo saiu correndo para adotar animais de estimação, o abandono e os casos de maus-tratos aumentaram.

Associar os bichanos a gente doida, com dificuldade de relacionamento, também tira a chance de muitos deles ganharem um lar, por preconceito. E, o pior de tudo, é mentira. Nós somos diversas: solteiras, idosas, workaholics, lésbicas, ricas, casadas, jovens, com filhos, endividadas, heterossexuais, donas de casa, não binárias.

Levantei esse debate no grupo de apoiadores do Gatoca (conheçam nossa campanha!) e compartilho aqui alguns depoimentos. Bora apagar, de uma vez por todas, essa fogueira medieval?

Aline Fagundes

"Não sei de onde tiram esse negócio de que gato é bicho de mulher solitária, rs. Se fosse um animal subserviente, mas, pelo contrário, é um bicho que te manda ter semancol e se enxergar diariamente. 😂"

Fernanda Barreto

"Quando adotei os meus, já namorava há uns dois anos com meu marido. Amo cachorro também, mas não ia dar para ter em um apartamento pequeno, saindo às 5h30 e chegando quase às 20h. Aí, adotei mais um para fazer companhia ao primogênito."

Lorena da Fonseca

"Sou a humana da Jaguatirica e da Tapioca desde 2014. No início de 2015, comecei a namorar com meu marido e, desde o meio de 2016, moramos todos juntos. Fiz lar temporário até 2018, quando descobrimos que a Tapioca tem FeLV. Sim, eu recebo emoticons da louca dos gatos dos Simpsons. Mesmo tendo só duas gatas. Por outro lado, meu marido sempre recebeu elogios porque faz lar temporário. 'Ahhh que fofo!'. 😒 É bom que temos uma divisão: eu sou a favorita da Jagua e o Fábio é o favorito da Tapi. 🤍🖤"

Bárbara Santos

"Tenho 30 anos, sou ex-funcionária pública, atualmente trabalho como data engineer e sou mãe de gatos. Não digo tutora, porque tutor é aquele responsável. Eu sou mãe, eles nasceram do meu coração e temos um laço de adoção. São os únicos filhos que terei. Neste mês de março, a Bia questionou em nosso clubinho: por que ainda associam mulheres que preferem gatos a pessoas tristes e solitárias? Eu não sou solitária, muito menos triste. Ajudo uma rede de mulheres imensa, trabalho fora (agora em home office), fiz duas faculdades onde consegui amigos incríveis, que me acompanham desde então.

A escolha pela maternidade felina é apenas uma de muitas que eu, como mulher, feminista, pessoa ciente de seus privilégios, posso fazer. Também posso estudar, trabalhar, trocar de profissão (aquela 'dos sonhos' de muitos, com estabilidade), viajar, morar com meu namorado (que também ama gatos), ter amigos, curtir, e amar e ser mãe de gatos. Não ter filhos humanos é uma escolha empoderadora. Significa que posso decidir os rumos da minha vida. E ela não depende de casamento e filhos para ser feliz e repleta. Não serei a velha dos gatos. Serei a mulher que escolheu a companhia felina por amor. A velha dos gatos é a mulher livre, que merece ser olhada com mais carinho e menos estereótipos."

Adrina Barth

"Desde pequena, sempre tive um amor enorme pelos animais. Eu era daquela que achava cachorros/gatos/passarinhos na volta da escola e levava para casa. Meus pais ficavam loucos! Meu passeio favorito no centro da cidade? Visitar o Aviário São Paulo, com filhotes à venda — isso na década de 80, hoje sinto horror à venda de animais. Mas meus pais nunca me deixaram ter gatos, então só adulta é que pude, por iniciativa própria, adotar meus bichanos. Fui de zero a dez gatos em cinco anos, porque é difícil parar quando você começa. E sou muito grata por tê-los em minha vida. Essa companhia me fez ver o mundo de outra forma, com mais compaixão e percebendo as dores e tristezas dos que sofrem. Eles me fazem ser melhor. Fui mãe solo por muitos anos, mas há três tive a sorte de encontrar um companheiro que não gostava de gato e, em pouco tempo, também foi transformado por eles. Hoje formamos uma família feliz: dois humanos, dez bichanos e três galinhas."

Patrícia Sloi Urbano

"Tenho 55 anos e os gatos entraram na minha vida através do meu companheiro. Moramos juntos desde 2005, sem filhos humanos por opção — nunca senti vontade de ser mãe. Em 2010, ele trouxe uma gatinha para casa, uma frajolinha. Eu não gostava de gatos e não queria nenhum, até porque tínhamos um casal de chinchilas. Mas ela era tão pequena e frágil que deixei que ficasse e, em pouco tempo, me apaixonei. De lá para cá, essa paixão só aumentou. Hoje, temos seis gatos e cuido de duas colônias de animais de rua e de quatro bichanos semidomiciliados na rua em que minha mãe mora. Eles fizeram de mim uma pessoa melhor. Tornei-me vegana e conheci o verdadeiro amor incondicional. Os gatos entraram na minha vida por acaso, mas não porque eu fosse solitária, triste ou entediada. Não me imagino mais sem eles. Quero seguir em meu processo de envelhecimento e evolução bem-acompanhada."

Marina Kater

"Os gatos foram minha liberdade. Eu era hiperalérgica quando criança e meu pai não era muito fã deles. Só tinha contato com os bichanos da minha madrinha, que morava na Granja Viana e via esporadicamente, sempre em doses homeopáticas para não morrer entupida. Mas sempre soube que, um dia, teria um gato. A primeira coisa que fiz quando saí de casa foi adotar a Olívia, filhote tricolor de 45 dias de uma das gatas da minha madrinha. Curiosamente, minha alergia havia sumido. Olívia foi minha companheira por 16 anos. Me viu namorar, casar, ter três filhos e me divorciar. O primeiro grande amor da minha vida. ♥️ Meu ex até gostava de gatos, mas não teria se a escolha fosse dele. Nunca foi. Tive outra gata junto com a Olívia e fiz uma série de lares temporários nesse tempo. No ano em que me separei, minhas duas senhorinhas morreram e adotei dois meninos. Não fico mais sem gatos. Até tutora-de-coração eu sou, do gato do meu namorado."

Paula Melo

"Desde criança, eu adorava animais. E, de tanto insistirmos, meus pais adotaram uma gatinha. Eu tinha uns doze anos. Quando me casei, começamos com duas, depois veio a terceira — uma casa, para ser um lar, precisa de gatos! Me separei, fui morar em Brasília e levei as três. Tempos depois, casei de novo, não oficialmente, e as gatas logo se apegaram ao novo pai. Essas já viraram estrelinhas, mas outros foram aparecendo e chegamos a oito.

Os dois mais velhos, Kitty e Benjamim, eram das minhas enteadas. Nasceram no quintal delas, foram passar um tempo conosco e, como a mãe não gostava muito, ficaram. Aí, no meu trabalho, apareceu o Café. O Piano, na garagem do prédio. O Jojô, no veterinário — ele não tem parte de uma pata. Acabei me comovendo, então, com outra gata de patinha torta, a Jade. Preta surgiu na portaria do prédio. E, por fim, Mia atravessou uma avenida de seis pistas na minha frente e se escondeu embaixo do meu carro horas depois.

Isso foi um pouco antes de nos mudarmos para o Rio, com uma parte da turma viajando de avião, na cabine, e outra de carro, em um trajeto longo e cansativo. Também acho que os gatos provocaram uma mudança importante em mim: conheci diversas pessoas que atuam na causa animal, percebi o prazer que existe em se doar, notar o sofrimento dos outros, se importar. Trabalhando em casa na pandemia, praticamente sem sair, eles são fundamentais para nossa sanidade mental. É muito amor e diversão! E perrengues, claro. Mas a gente esquece só de olhar para as carinhas deles."

Aline Silpe

"Tenho 44 anos, três gatinhos, dois deles já idosos, e sou solteira por opção, embora não me sinta solitária. Sempre amei/cuidei de bichanos, desde pequena. Uma das minhas primeiras lembranças somos eu, aos 3 anos, e meu pai limpando os olhinhos remelentos dos filhotes da mamãe gata que ganhava as sobras das minhas refeições, no hotel em que nos hospedamos durante uma viagem de férias em Vila Velha (ES). Nossa casa foi lar de muitos peludos, alguns resgatados, outros que a 'adotavam' por encontrar nela um porto seguro. Curiosamente, só fui ter cachorros há pouco mais de dez anos, também resgatados, embora não me lembre dos meus pais proibindo quando era criança. Acho que tem mais relação com minha personalidade, que se identifica mais com o comportamento dos felinos.

Pode parecer individualista (e talvez seja), mas me vejo uma pessoa inteira, um ser humano que gosta de companhia, sem fazer disso uma muleta para sua existência. E os gatos são assim: independentes, que sabem valorizar um ambiente compartilhado harmonioso. Quantas e quantas histórias já vivenciei de ferais que viraram uns doces depois de um pouco de carinho, alimento e segurança? Não sei contabilizar o número de animais que já tive, até porque muitos foram 'hospedes' à procura de um lar. Mas considero todos fundamentais no meu crescimento como ser humano consciente de suas responsabilidades e no respeito à vida alheia, seja ela humana ou de quatro patas."

Renata Godoy

"Tenho 51 anos, cinco gatos e sou solteira. Com essas características, alguns conhecidos e muitos desconhecidos devem me ver como 'a velha louca dos gatos'. Tirando o 'velha', sou louca por gatos. Morei na zona leste de São Paulo, em um bairro com muitos bichanos soltos pela rua. O primeiro que cuidei foi o Nino. Era adolescente, nada sabia sobre castração e, um dia, ele desapareceu. Cresci, me formei, namorei, viajei, comecei a ganhar o bastante para me sustentar e me mudei. A partir daí, pude realmente adotar e ser responsável por alguns peludos. Os dois primeiros nasceram de uma gata que a mãe de uma amiga cuidava no interior. Tinham problemas neurológicos e ela sabia que comigo seriam bem-cuidados. Estão com 12 anos agora!

Depois, aos poucos, chegaram as meninas. Canela, para que a população felina tivesse uma representante feminina. Depois, Safira e Pérola, mãe e filha devolvidas pela 'tutora' depois de dois anos! Nunca entenderei gente que age assim com os animais. Safira e Canela devem ter uns 13 anos agora. Pérola faleceu de câncer, um dos períodos mais difíceis que passei como mãe de gato. E, recentemente, adotei a Rimpoche, que vivia em uma colônia de gatos de um cemitério em Santos. Ela é muito medrosa, mas está, aos poucos, se adaptando.

Os cinco são o xodó dos tios, eram o xodó do avô e são queridos pela cat sitter e pelos amigos humanos da mãe. Carinhosos, companheiros, falantes, brincalhões e mimados. Em todos esses anos, conheci muita gente legal, que ama os animais. E apoio o trabalho de pessoas e ONGs que lutam arduamente para proporcionar uma vida digna a esses seres vivos, algo que deveria ser responsabilidade de toda a sociedade. Louca dos gatos, não. Por gatos? Sempre!"

Tatiana Pagamisse

"Tenho 40 anos, uma gata e sou casada. Como solteira, morava em casa térrea com meus pais, irmãos e um cachorro. Papagaio, periquitos, outras aves, até coelhos e codornas habitaram nosso lar, mas nunca gatos. Nem por isso nutria algum tipo de antipatia pelos felinos. Ao contrário: tinha bastante curiosidade sobre como seria conviver com estas criaturinhas. Quando meu marido e eu nos casamos, viemos morar em um 'apertamento'. Por trabalhar no esquema home office, eu passava bastante tempo sozinha e, ao mesmo tempo, sentia falta da companhia e do amorzinho dos bichanos (sentimento egoísta este, reconheço). Também acreditava que poderia contribuir para a causa animal adotando.

Como o marido sempre foi 'cachorreiro', de início houve uma resistência sobre a escolha de adotar um gato. Foi só ele conhecer Bolota, porém, resgatinha idosa hospedada em Gatoca, que o jogo virou, não é mesmo? Bolota viveu seu restinho de vida em tranquilidade conosco. E, depois dela, veio Tampa, também resgatada — já há 9 anos aqui. Para contribuir ainda mais com a causa animal, abraçamos o veganismo. E seguimos felizes com nossas escolhas."

*

Em abril tem série nova! ❤️ Todo mês, o Gatoca publicará dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

11.3.21

Pimenta à milanesa: receita felina

Ingredientes

- 1 banheiro para gato, tamanho grande
- 1 esponja de limpeza
- Detergente líquido a gosto
- 1 saco de granulado higiênico
- 1 gata bem peluda

Modo de preparo

Lave o banheiro usando a esponja e o detergente. Adicione todo o granulado higiênico, tomando o cuidado de distribuir uniformemente no recipiente. Leve ao quintal e espere a gata mais peluda da casa se pôr a rolar.



*

Em abril tem série nova! ❤️ Todo mês, o Gatoca publicará dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

5.3.21

O perigo das coleiras para gato!

Houve uma época em que eu não sabia que coleira felina deveria ser de elástico para evitar que os bigodes se enroscassem nas coisas e sufocassem. Aprendido isso, ainda acreditava que valia a pena mantê-los identificados dentro de casa, para o caso de uma eventual fuga. E as telas acabaram me fazendo desencanar.

Até novembro, quando Clara passou a usar o colar elisabetano de tecido, por causa do carcinoma. Escolhi um modelo que sustentasse o cone, mas com uma parte de elástico para garantir a segurança. E foi assim que, depois de meses de papinha na colher, escovação e fortunas gastas com tapete higiênico, quase perdi a retalhinha.

Leo tinha saído cedo e eu ainda juntava forças para começar o dia, quando ouvi um barulho estranho vindo da sala. Casada com uma criatura que sempre esquece algo, segui sonada para o banheiro, priorizando a água no rosto. E Chicão ligou o alerta do "corre que pode ser gatice".

Lá estava a coitada com o colar fora da cabeça, mas ainda preso pela coleira, se enforcando cada vez mais ao empurrá-lo com as patas traseiras, enganchadas no tecido — o barulho era do corpo em desespero se chocando contra o no chão. Sem tempo para pensar, juntei a gata-polvo, voei até o escritório arranhada e cortei o "enforcador" tremendo.

Os dez segundos mais eternos (e angustiantes) destes 41 anos. Tentei comprar outra coleira, mas confesso que faltou coragem. Prefiro assumir o risco de a pequena tirar o colar e coçar a lesão, já que trabalho em casa, do que encontrá-la morta.

25.2.21

Felinos modernos

Animal solitário, o gato selvagem se refugiava em buracos de árvores ou fendas nas rochas, alimentava-se de pequenos mamíferos, aves e até répteis, e gostava de descansar à beira de rios e lagos. Gregários mas só no inverno, nossos bichanos se escondem embaixo do edredom ou atrás do sofá, comem ração, barata e até mamão, e são obrigados a se refrescar em volta do pote de água.

18.2.21

Cuidados paliativos para gatos: delicadeza e paciência

Quando a gente recebe o diagnóstico de doença sem cura de um ser amado (bípede ou quadrúpede), antecipa os cinco estágios do luto: primeiro se recusa a acreditar, depois sente raiva, tenta barganhar com uma força organizadora do caos, cai em depressão e acaba aceitando. Mas ainda resta o desafio dos cuidados paliativos, que garantirão alguma qualidade nesse finzinho de vida.

Escrevi "desafio" porque não é fácil gastar tempo e dinheiro cuidando de alguém que não ficará bem — e, no caso dos gatos, que rosna, morde e arranha porque não entende os remédios, a alimentação forçada, os curativos. No começo, sob o impacto da notícia e o despreparo para lidar com a morte, a coisa até que flui bem. Após meses da mesma rotina, repetitiva, cansativa e inglória, é preciso exercitar a paciência.

Meu desafio atual se chama Clara. E confesso que às vezes dou umas tropeçadas. Na maior parte do tempo, porém, procuro prestar atenção nos detalhes que tornam os dias da retalhinha mais leves. O ponto ideal em que o patê processado se sustenta na parte de trás da colher, que ela consegue lamber com gosto. A coçadinha no pescoço depois de colocar o colar elisabetano detestado. Um colo não pedido, mesmo que esteja quente e voe pus no teclado.

São 26 anos de jornada nessa estrada, que começou na adolescência, com o câncer da minha mãe. E sigo odiando a impotência. Mas aprendi a chorar só no final.

12.2.21

Aniversariante do mês – fevereiro de 2021

Chocolate* nunca relaxa — ela tem a quem puxar e preciso confessar que também me identifico com a rabugice, rs. Mas, na semana dos seus 14 anos de adoção, me deu de presente este colo, 100% horizontal, daqueles que se sabem em porto seguro. Sim, o presente foi meu, devidamente retribuído com a respiração presa para não atrapalhar. 🧡


*Novelinha: Conheça a história da Chocolate

Outros aniversários: 2020 | 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

5.2.21

6 coisas estúpidas que fiz quando adotei um gato

Não se nasce protetor, torna-se protetor. E vocês não têm noção de quanta cabeça eu bati nestes 15 anos! Comecei limpando as patas do Mercvrivs toda vez que ele saía da caixa de areia — vida de freelancer, oficina do diabo. Na semana seguinte, decidi levar o carro para lavar e voltar a pé com ele no colo, ganhando arranhões múltiplos no peito assim que passou o primeiro caminhão.

Para impedir o acesso à rua (e economizar o dinheiro das telas), improvisava gambiarras com papelão e sacos de lixo. Mas, incentivado pela Clara, vira-lata pura recém-chegada, o sem-noção um dia conseguiu fugir, caiu na clínica médica e tomou um balde de cândida na cabeça — que me rendeu os óculos quebrados, porque depois ainda tentei dar banho nele de chuveiro ligado.


E achei que seria uma ideia incrível me redimir passeando com os dois de coleira pelo bairro.




Por fim, e com um oferecimento do namorado da época, acendi uma vela durante a queda de luz e deixei no gaveteiro ao lado da cama, acreditando no mito do instinto de sobrevivência animal. Os bigodes encaracolados falam por si:


Espero que o Gatoca tenha poupado vocês de boa parte desses micos.

29.1.21

A seringa perfeita para medicar gato!

Quem acompanha o Gatoca sabe que ele começou com um filhote, que eu achava que não gostava, e hoje abriga um senhor de 15 anos, que me deu um projeto de vida — mais nove irmãos. Envelhecer nunca é fácil, principalmente no atacado. Mas tenho o privilégio de trabalhar em casa e conseguir abraçar tarefas inglórias, que ajudam a retardar o avanço da doença renal coletiva e do carcinoma da Clara.

Vegana-ativista, me incomodava demais o descarte das seringas usadas com os remédios, que ficavam duras muito rápido por causa da borracha do êmbolo — isso quando as farmácias não empurravam o conjunto com a agulha, sugerindo jogar fora, sem peso na consciência.


E me pus a experimentar alternativas, apelando inclusive para a versão de pássaros — trambolhuda e desestruturada para usar com uma mão só.


Até que descobri que o nome certo dessa seringa é "dosador oral". Continuou impossível de encontrar em lojas físicas, mas a internet resolveu o problema. Da década. rs


E o dosador oral vem com outras vantagens, além de poupar o meio ambiente: é fácil de higienizar, o bico fininho incomoda menos o animal, evitando que ele engula ar junto com o medicamento, a tampinha não deixa entrar sujeira e o êmbolo de plástico desliza mais macio — sua tendinite agradecerá!


Funciona perfeitamente também para dar comida (processada, claro) e água. Lembrando que cabe confortavelmente no estômago de um gato 20 g ou 20 ml por vez. E a digestão deles demora cerca de 40 minutos.


Outras infos essenciais:

:: Doença renal, pelo maior especialista em gatos do Brasil
:: 7 dicas que podem salvar seu gato
:: Como fazer o bichano beber água
:: 13 macetes para dar líquidos na seringa
:: Soro subcutâneo: dicas e por que vale o esforço
:: Soro fisiológico, ringer ou ringer com lactato?
:: 9 sinais de doença que a gente não percebe
:: O desafio da alimentação natural
:: Quando a alimentação natural não dá certo
:: Ração úmida mais barata para gato renal
:: Seu pet não come ração úmida (patê, sachê, latinha)?
:: Alimentação de emergência para gato desidratado

21.1.21

2020

Eu comecei 2020 sem entender como as pessoas podiam reclamar de trabalhar em casa. Quinze anos de home office depois, a quarentena de coronavírus não fazia cócegas — exceto pelas finanças, já combalidas. E nunca produzi tanto! Leo e eu arriscamos nossa releitura de pinturas famosas, escrevi uma crônica para a antologia "Depois da Quarentena", da badalada Rosana Rios, dei uma oficina sobre financiamento coletivo no #EmCasaComSesc (1 e 2).

Também fiz curso de latim com o ex, de marketing digital para escritores, entrei num grupo de estudos de mídias lúdicas, criei o tão adiado perfil no LinkedIn (para nunca mais usar, rs) e o primeiro dominó de gatos do mundo. Ainda arrumei tempo para ler duas dezenas de livros — incluindo os clássicos de Dostoiévski, Saramago, Stevenson, Edgar Allan Poe, Júlio Verne, Virginia Woolf, Umberto Eco e Frances Hodgson Burnett.

Aí, a bad adiada bateu de um jeito, meus amigos, que passei dias repetindo o mantra: "Odeio minha vida", enquanto lutava com a papelada de um processo jurídico virtual e o estresse de um processo de mudança física, perdendo quilos como quem perde fivelas de cabelo. Acreditem: eu não queria passar as festas de fim de ano ao meu lado — mas Leo resistiu bravamente. rs

Esta retrospectiva fala, portanto, de limites. E como nunca é tarde para acolher nossas fragilidades. Por isso, inclusive, ela está saindo em 2021, não no pavoroso 2020. Não dei conta, admito — não tinha vontade de escrever, não conseguia olhar a história do Gatoca com o coração cheio e, pela primeira vez em 13 anos e meio, não me forcei.

Falta muita coisa para desenroscar ainda. Mas ganhei uma energia extra com a trégua do inferno astral, no dia 6 — continuo amando fazer aniversário! E nossa resistência precisa ser comemorada, né? Foram 76 posts, 25 a menos do que em 2019, só que com textos mais longos, focando esforços na missão de despiorar o mundo — que desceu mais um círculo de Dante com a pandemia.

Conscientizamos sobre a crueldade dos zoológicos e mostramos na prática como se faz um trabalho sério num santuário de animais. Criticamos os incêndios na Austrália e nos posicionamos politicamente aqui no Brasil — participando de uma live com o Raul Marcelo, candidato a prefeito de Sorocaba, para desenhar um plano de governo efetivo e factível para os animais, e sabatinando duas candidatas a vereadoras da causa, a Luli Sarraf e a Manu Barros.

Salvamos uma rolinha, ajudamos a Nina a voltar para casa, divulgamos para adoção um pretolino cego e FIV+ (1 e 2), e um tigrinho paraplégico — sem sucesso ainda, mas não desistimos! Incentivamos a aquecer os peludos que vivem nas ruas. Durante 12 meses, nos oferecemos como espaço de informação, entretenimento e, principalmente, acolhimento.

Teve post sobre síndrome de pica, bebedouro para gato que não toma água, tipos de soro, ração úmida barata para renal, alimentação de emergência, diarreia, coronavírus felino, como separar ração de dietas diferentes, recuperar bicho perdido, denunciar veterinários criminosos, estimar a idade do pet, fazê-lo amar a caixa de transporte, diminuir o desconforto do colar elisabetano — e se a versão de tecido vale a pena.

Também investi na descontração publicando a série Vida com Gatos, alguns relatos de quarentena, uma coletânea de vídeos queridos do Gatoca, o teste separa-famílias, um desafio musical, os bigodes Toy Story, a disputada cadeira à trois, uma enquete natalina usando frases dos peludos de vocês. E espalhei fofura com Mercv, o quadrúpede mais figura do universo, a visita ao primeiro cat café do Brasil, o primeiro ronrom da Jujuba (13 anos depois!), um coração felino de Dia dos Namorados, outra ressurreição da Pipoca.

Não faltou piripaque, aliás: o carnaval foi de cinzas, Dr. Eduardo Carneiro veio de São Paulo atender os bigodes no pacotão, Chocolate teve um fungo básico, o carcinoma da Clara entrou em estágio avançado, a morte do Simba por falência renal completou quatro anos. Depois de chorar no chuveiro (aquele choro do A-ha, sabem?) e xingar o além, eu transformava tudo em serviço para ajudar outros tutores.

E vocês retribuíram apoiando o projeto por mais um ano — teve Gramado da Fama em janeiro, fevereiro, março, maio e setembro, uma vitória em tempos de crise! Se algumas pessoas precisaram cancelar a assinatura do Catarse, outras reativaram ou aumentaram o valor de contribuição. E Gatoca foi parar até na Maratona Marketing de Gentileza.

Fiz questão de agradecer criando um canal no Telegram e o Cluboca, nosso grupo de WhatsApp para estreitar laços, onde compartilho a epopeia da busca pela casóca nova e as superproducinhas em vídeo, exclusivas para apoiadores — em dezembro rolou até amigo secreto de talentos! Também disparei 52 boletins com infos de bastidores — para receber é só preencher o formulário vapt-vupt.

E continuamos celebrando a vida! Desta jornalista, da Chocolate, da Clara, da Guda, das Gudinhas, do Mercvrivs — e da adoção dele. Os 13 anos de projeto, com videoconferência. E as parcerias — Pet Delícia me salvou da falência mais uma vez com o patê das seringadas da Pipoca e da retalhinha. Este ano não teve aniversário de adoção da Pandora, mas ela apareceu em sonho exatamente no dia 17 de janeiro!

Nos próximos 12 meses, espero tirar do papel a série ilustrada pelos bigodes sobre o livro "O Encantador de Gatos", escrito pelos especialistas em comportamento felino Jackson Galaxy e Mikel Delgado — falta pouco para bater a meta! Mas também torço para que a gente consiga se permitir momentos de ócio. Aquele dos velhos tempos mesmo, com preguiça em vez de criatividade.


Retrospectivas dos anos anteriores: 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

15.1.21

Vida com gatos #8

Monólogos felinos:

— Vocês querem mesmo estragar minha cadeira? Pensem bem! Não trabalho mais e todo mundo vai comer lixo.

— Mecvrivs, se tem uma coisa que não faz o menor sentido é você botar a cara no cocô dos outros. De nenhuma perspectiva que a gente olhe.

— Como vocês sobreviviam na rua, hein?


Mais vida com gatos: #7 | #6 | #5 | #4 | #3 | #2 | #1

6.1.21

Presente invertido #2021

Eu faço aniversário e vocês me ajudam a dar um lar temporário de presente para a Leia: que tal? Ela está prenhe e improvisou um abrigo na garagem dos vizinhos da Sadie, amiga da minha enteada, que mora em Santo André (SP). Acontece que eles têm um papagaio e não gostarão nada da surpresa quando chegarem de viagem.

As meninas estão se revezando para alimentar a tigrinha duas vezes por dia, toparam organizar uma vaquinha para pagar as castrações de todo mundo e se encarregarão dos deliverys até as casas novas. Gatoca cuida das articulações, divulgação dos peludos, entrevistas com as famílias e acompanhamento pós-adoção.

Bora incentivar o protagonismo dessa molecada? 💚

31.12.20

Obrigada!

Hoje era dia da clássica retrospectiva do Gatoca, publicada desde 2007. Dá um trabalhão escrever, mas eu gosto de acompanhar a evolução do projeto depois — que foi se tornando mais educativo, ativista, coletivo (comparem com a de 2019!). Neste 2020 pandêmico, porém, não consegui. Faltou tempo, por causa de uma novidade que ainda não posso contar. E ânimo também, confesso.

Em outro momento, teria feito caber. Mesmo sabendo que ninguém lê nada entre o Natal e o Ano-Novo, rs. Neste, preferi respeitar meus limites — quando um capricorniano diz isso, um astrólogo morre de desgosto em São Thomé das Letras. E aproveitei para retribuir quem me acolheu ao longo dos últimos 12 meses.

No sábado, rolou o primeiro amigo secreto do Cluboca, nosso clube de apoiadores. A ideia era trocar talentos e paixões, sem gastar dinheiro nem sair de casa. E teve coletânea de tirinhas, músicas e textos favoritos, inspirações veganas — dei risada com o Carlos Ruas, chorei com a Mercedes Sosa e já comprei berinjela para o antepasto.


Gente querida se gravou lendo Salmo, habilidosa desenhou, tecnológica criou stickers, sensível cantou no coral, criativa customizou calendário. Minha amiga secreta ganhou o rascunho do primeiro livro do projeto para crianças. E eu recebi fotografias dos gatos que colorem as paredes baianas de uma das leitoras mais antigas destas linhas. Todo mundo saiu quentinho. 💕


Ontem, publiquei a última superproducinha do ano: "Sonhando 2021", uma junção de bigodes dormindo tremelicantemente com os desejos do Gatoca para os próximos 12 meses. A retrospectiva ainda vai ao ar, mas sem pressa. E com o carinho que nossa história merece. Obrigada por seguirem requebrando comigo nas adversidades!

E não poderia encerrar este post sem apertar virtualmente os corações que ajudam a financiar nosso despioramento de mundo:

Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe...

...Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Amanda Midori, Karine de Cabedelo, Natalia e Lívia Pantarotto, Michely Nishimura, Maira Fischer, Ana Paula de Vilas Boas, Danilo, Paolla Alberton, Aline Fagundes e Elaini da Silva! 🤗

Feliz recomeço para vocês!

24.12.20

Especial: se seu gato falasse, o que diria neste Natal?

Pela cara dos bigodes, eu não esperaria nada muito otimista. E, analisando as respostas que recebi nas redes sociais, parece que eles refletem o espírito dos tutores — 2020, para mim, foi o ano-que-não-existiu mais lento da história da humanidade: ao mesmo tempo em que parecia que nunca ia acabar, chego ao final com a sensação de não ter feito nada (além de passar raiva).


Teve bichano botando limite na família, cobrando bom senso da humanidade, sonhando com a adoção, agradecendo o gramado novo, fazendo ativismo, comemorando mais um ano de vida. Os leitores do Gatoca são diversos e isso me enche de orgulho! ❤

"Chega de mais gatos, tá?", Michele Strohschein.

"Fica em casa!", Roberta Herrera.

"Quanto tempo mais você vai passar as 24 horas do dia aqui?", Camila Ornelas.

"Pedi para não ter fogos. Papai Noel me atendeu?", Tatiana Pagamisse.

"Não aglomerem, humanos. Aproveitem o Natal com seus gatos", Lorena Correia.

"Põe e máscara!!!", Aline Silpe.

"Obrigado, covid, por deixar minha mãe 24 horas comigo", Guiga Müller.

"Quero sachê gourmet e uma casinha segura logo, ok?", Fernanda Barreto.

"Fique em casa", Márcia Aono.

"Querido Papai Noel, manda essa louca para o trabalho de novo, porque a gente não aguenta mais!!!", Daniela Gomes.

"Me dá comida/ração em sobro!", Samanta Ebling.

"Quase gastei minhas vidas neste ano. Mas em 2021 vou recuperar todas", Inês Ocanã.

"Estou aqui com vocês", Thereza Schittini.

"No ano que vem, não quero te ver em casa o dia todo, falou?", Marina Kater.

"Fora, Bozonazi!", Rosana Rios.

"Por favor, não soltem fogos, não gritem nem batam tampas de panelas. Natal é época de gratidão, silêncio e orações. Em especial neste 2020", Regina Hein.

"Senhor, que em 2021 o home office seja pelo menos meio expediente!", Paula Guima.

"Estamos felizes com a casa nova. Agora podemos andar na grama e tomar sol!", Adrina Barth.

"Maria Isabella perguntaria a hora da ceia — só pensa em comer! Micefufe talvez não fizesse nada, ficaríamos nos curtindo um pouco mais, já que sabemos que nosso tempo é curto. Jack contaria uma piada para manter nosso bom humor. Tequila soltaria um 'aff' depois da piada do Jack, coisa de irmãos", Liliane Garcia.

"Gaia diria que é grata pois, apesar de 2020 ter sido um ano difícil, ela tem razões para comemorar seu sexto aniversário: Gaia é FIV+", Andreia Lionco.

Que todos nós encontremos motivos para comemorar! E energia para mudar o que não merece comemoração. :)

18.12.20

Vida com gatos #7

Pufosa toma água na seringa três vezes por dia, há quatro anos, e medicação para as crises agudas da doença renal.


No dia da escovação, resolve se rebelar.


Gatos.

Mais vida com gatos: #6 | #5 | #4 | #3 | #2 | #1