.
.

3.8.21

Saudade

Você foi meu parto ao contrário. E, quando decidi te chamar de Clara Luz, não fazia ideia disso. Era uma homenagem a um livro de infância, sobre uma fada que não queria seguir as regras do livro das fadas. Nossa história toda, aliás, foi avessa a regras, né? Foi você quem me adotou, há 15 anos e (quase) quatro meses, enroscando as garras, de dentro da gaiolinha do pet shop, na minha blusa de lã.


E eu, que só tinha o Mercv, perguntei para a atendente se poderia te devolver caso a adaptação não desse certo — você, recém-abandonada em um saco de lixo com toda a ninhada! Se dependesse do seu gênio ariano adotivo, não daria certo mesmo. Mas Mercv te amou desde o primeiro instante. Hoje eu olho esta foto, que nomeei inexperiente como "beijo", e dou risada: você cogitava um ataque.


Aí, depois de sete anos e meio sem pegar um resfriado, apareceu um tumor, retirado com sucesso. E a hiperqueratose inofensiva, em 2015, que ninguém imaginou virar um carcinoma. Uma sorte, porque a quimioterapia te proporcionaria uma sobrevida de dois anos e você só baqueou nos últimos nove meses.

Nossa gestação ao contrário começou com o colar elisabetano, porque o machucado que nunca cicatrizaria passou a coçar cada vez mais e você transformou o escritório em um filme do Tarantino. Sem conseguir comer direito, a gente inventou de bater a ração úmida da Pet Delícia no processador e te dar de colherinha. 270 dias. Você curtiu cada um deles. E, quebrando a tradição mais uma vez, preferia lamber as costas da colher.

Não bastassem as limitações impostas pelo colar, ainda rolou um quase enforcamento com a coleira. Eu tentei muitos modelos e acabei te deixando o mais solta possível, com algumas derrotas para o carcinoma, porque você descobria novos jeitos de se libertar. Ninguém aproveitou tanto o terreno da nossa casa nova, aqui em Araçoiaba da Serra — o resto da gangue precisou se contentar com o gatil. Eu via seu colarzinho espetado no gramado, ao longe, e te chamava de girassol, lembra?


A primeira bicheira não demorou a nos aterrorizar. E tirei tantos ovos da sua cabeça depois dela que não sei de que jeito a segunda conseguiu evoluir. Você só desistiu dos passeios há quatro semanas, quando ficou cega de vez — o olho direito o carcinoma já tinha roubado no início da nossa gestação ao contrário. Como sobraram os insetos, criei as coleções "primavera-verão" e "outono-inverno". Várias vezes por dia alternava a "cobertura" entre o lençol e o edredom. Sempre com o Mercv coloado — eu sei que sua paixão era o Simba, mas ele aceitou o segundo lugar com elegância, vai!


Seus irmãos se afastaram porque seu cheiro mudou. Ele não se importava. E, quando eu limpava seu rosto com o paninho úmido quente, precisava tirar pus e sangue do pelo do coitado.


Me desculpa por ter gritado na noite em que você fez xixi na coberta? Era desespero de te deixar com frio. E, enquanto a máquina de lavar trabalhava, eu esquentava o lençol com secador, na esperança de me redimir. Bateu 2ºC naquela manhã — não esqueço porque esfreguei o colar no tanque com os dedos adormecidos.


Tentei colocar alarmes a cada duas horas para te levar ao banheiro. E fomos bem até o dia da diarreia. Eu só tinha experiência com fralda + gato paraplégico e fralda + bebê humano sem garras. Não foi fácil. Insistia só para te ver devorar feliz a xicrinha de patê. Esse era nosso acordo: aproveitar a comida, o sol no jardim, ainda que no colo, o carinho.


Anteontem você não conseguiu. Parece que o carcinoma chegou na mandíbula e a gente quebrou o galho com a pipeta, depois ficou só na água e ontem não desceu mais nada. Você miou sofrido quando sentei no gramado, dando a entender que preferia voltar. E nunca mais ronronou. Eu procurei um veterinário para te ajudar a descansar, mas quis dar a chance de ir sozinha primeiro. 24 horas, muitas lágrimas, meia oração, porque também não sou boa com protocolos.

Ajeitei seus 2,35 kg (de 6!) no meu quarto, aquele que ninguém entra porque sou uma gateira alérgica a gatos. Acordei nas três vezes em que você engasgou, botei no colo, arremessei o colar — você não precisava mais. Quando amanheceu, te trouxe para o sol e Mercv tratou de reassumir seu posto:


Foram dez minutos. Você gritou, eu te embalei e nublou.

Amanhã, quando abrir a janela do quarto, você será girassol.


*

Antes de morrer, sonhei que Clara tentava por três vezes, bem baixinho porque estava fraca, me dar um recado: "Se desesperar... Se desesperar... Se desesperar... pega uma bandeira e coloca no altar". Foram 12 dias quebrando a cabeça até me tocar que bandeiras representam coletivos — ordens religiosas, templárias, torcidas de futebol, brasões familiares.

E, quando pedi, a ajuda veio. Minha mãe e meu pai em sonho também, Tati Spinelli com um reiki que só fiquei sabendo depois (estrelado por Santa Clara e Pachamama!), Amanda Herrera perguntando se estava tudo bem, Mari Levischi mandando um vídeo sobre o tempo das coisas que importam. E Rose Hacklaender com a intermediação para a eutanásia desnecessária.

Eu não teria conseguido cuidar da Clara assim, aliás, se trabalhasse fora. Devo esse privilégio aos apoiadores do Gatoca, que me acolheram emocionalmente muitas vezes também. Ao Edu e à Maru, veterinários que viraram amigos, vieram ao interiorrr para consultar a retalhinha e responderam inúmeras mensagens fora do horário comercial. E à Mônica Campiteli, que nos socorreu no episódio da bicheira, uma das coisas mais difíceis que fiz na vida.

No final dessa gestação ao contrário, precisei apelar às drogas. E voltei para o corticoide, depois de cinco anos limpa e uma madrugada sufocando no hospital. Dr. Vagner passou semanas me acompanhando a distância, por texto e videoconferência, até desistir de cobrar pelas consultas — que loteria nenhuma no mundo pagaria, na verdade.

E, em todos esses momentos, cá estava ele: Leo Eichinger, o Mercvrivs que Chicão mandou para mim. ❤️

30.7.21

Gato sente frio? Pode usar roupinha?

Chocolate não troca calorzinho. Literalmente. É a única gata que me preocupa quando as temperaturas baixam, porque os outros oito dormem em monobloco. Ela até tem uma almofada exclusiva de joaninha, instalada na caixa de sapato velha do Leo (e poderia usar o cobertor do jeito tradicional, em vez de deitar por cima), mas a previsão de 2ºC me fez pesquisar roupinhas na internet.


Ao compartilhar essa dúvida no grupo de apoiadores do Gatoca, Glaucia mandou o podcast maravilhoso da veterinária Larissa Rüncos e me senti na obrigação de dividir com vocês. Animais que sentem frio têm sua saúde mental afetada e gatos costumam sofrer mais do que cachorros, porque vêm de regiões quentes, portanto, seu organismo está mais adaptado ao calor. Isso quer dizer que devemos embrulhá-los em algodão e lã? Não!

:: Bichanos odeiam roupinha!

Alguns toleram e a gente acha fofo, tira foto, cria perfil no Instagram. Mas a verdade é que a urbanização e o distanciamento da natureza dificultaram muito nossa comunicação — que nossos ancestrais tiravam de letra, inclusive. Não, não existe uma raça felina que curta o movimento. Gatos pelados até precisam, só que devem ser acostumados desde a infância.

Isso porque o raio da roupinha...

- Impede a higiene
E eles usam usa a língua para tomar banho pelo menos três vezes por dia — exceto o Mercv. rs
- Contém um animal que é presa
E claramente se incomoda mais com toque e penduricalhos.
- Inibe a movimentação natural
Repararam como os bigodes lembram os iogues? Não dá para se mexer fluidamente fechado a vácuo, né? E, se a roupinha for larga, a criatura arranca.

:: Como esquentá-los, então?

Do jeito clássico:

- Forneça abrigo decente
Não adianta deixar o coitado na sacada, por exemplo — quem faz isso, gente?
- Cuide da temperatura ambiente
Casas muito frias demandam aquecimento adicional — vale climatizador, ar-condicionado, lareira, fogueira.
- Providencie caminhas e cobertores
Mas só cubra se eles quiserem.
- Aqueça a comida
Essa é opcional. :)


:: 5 sinais de frio

1) Se mexer menos.
2) Se encolher.
3) Proteger as partes vulneráveis do corpo e as extremidades — mão, pé, barriga, cara, rabo.
4) Procurar lugares quentes, principalmente aparelhos, como o modem do computador.
5) Ter orelhas, almofadinhas e focinho gelados.

:: Alerta!

Animais em situação extrema de frio tremem e apresentam focinho e lábios pálidos ou azulados.

Resumo da ópera: na dúvida, ofereça recursos abundantes para que seu amigo escolha como prefere se esquentar. Ele só vai errar se estiver doente.

28.7.21

Receita de pão de gato

Sigam as instruções abaixo e, o mais importante, escolham um dia com temperatura inferior a 10ºC para estragar o crescimento do pão. rs

Ingredientes:

- 2 colheres (sopa) de óleo de girassol
- 300 ml de água morna
- 4 colheres (sopa) de azeite
- 2 colheres (sopa) de melado de cana ou açúcar demerara
- 4 xícaras de farinha de trigo
- 1 colher (sopa) de sal
- 1 colher (sopa) de fermento biológico

Modo de preparo:

Untem uma assadeira com o óleo de girassol e reservem. Em outro recipiente, misturem o fermento, a água, o melaço e o azeite e deixem descansar por cerca de dez minutos, formando uma espuma na superfície. Acrescentem o sal, a farinha e amassem até desgrudar das mãos. Cubram a massa com plástico filme, afinal, vocês têm gatos, e esperem dobrar de volume.

Transfiram para uma superfície lisa e sem pelos, untada com a outra colher de óleo de girassol, e sovem por cerca de cinco minutos. Modelem o futuro pão em formato oval, coloquem na assadeira e deixem descansar por mais meia hora. Pré-aqueçam o forno a 180ºC, façam um corte no sentido do comprimento do pão e levem para assar por aproximadamente uma hora.

Aconselho comer quentinho e não dividir com os bigodes.

23.7.21

A primeira gateira da história | EG #2

Se os homens estreitaram laços com os felinos por interesse, tendo seus grãos protegidos contra roedores, foi uma mulher quem popularizou a ideia trazê-los para dentro de casa — pelo menos é o que se acredita. E faz uns 150 anos só! A rainha Vitória apoiava o bem-estar animal e chegou a conceder status de Real à Sociedade Protetora dos Animais inglesa.


Além de cachorros, cavalos e cabras, tinha dois gatos persas — a fêmea White Heather viveu até o final no Palácio de Buckingham, muito depois de sua morte. Bichos de estimação em geral aumentaram na Era Vitoriana (a Inglaterra do século 18), tanto símbolos de status quanto uma forma de os nobres demonstrarem poder sobre a natureza.




E o caráter blasé dos bichanos os tornava a espécie perfeita: "selvagem, mas limpinha" — muitos escritores e artistas expressaram seu amor por eles e pessoas passaram a fazer funerais para seus amores peludos.


Esta série é inspirada no livro O Encantador de Gatos, escrito pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado. Eu assino a confecção das coroas de papel alumínio de cozinha e o cuidado com os bigodes, há quase 16 anos, rs. E Leo Eichinger fez as fotos maravilhosas. ❤️


Menos estas! Hahahahahahaha!





CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 3: Como a humanidade se curvou aos bichanos (estreia no dia 20 de agosto!)


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

16.7.21

Gatoca: um projeto novo-velho!

Como já dizia Clarice Guevara, há que se renovar, mas sem perder as origens. Neste mês, portanto, se juntam aos apoiadores do Gatoca a Glaucia Almeida, que em 2015 já havia atravessado São Paulo para dar carona à Pretinha, com a mãe idosa a tiracolo, e a Ana Cris Rosa, que conheci recentemente aqui no interiorrr, em uma sessão de slides com pipoca e nostalgia!

Elas são acompanhadas no Gramado da Fama por Pimenta, nossa gata-modelo-e-atriz, que também sabe fazer cara de mau humor, desconfiança e nojinho — vejam lá no Instagram!


Para quem está chegando agora, o financiamento coletivo me permite investir em projetos alternativos, como a série sobre O Encantador de Gatos (primeiro capítulo aqui!) e o futuro jogo de tabuleiro para crianças. E nesta fase pandêmica tem salvado os boletos básicos mesmo — R$ 5 ajudam muito, viu?

E vocês ganham superproducinhas audiovisuais, grupo no WhatsApp para trocar experiências, memes e angústias, e outras recompensas pensadas com carinho — os bastidores da construção da casóca viraram seriado apócrifo com 25 capítulos, por exemplo, e vídeo lançado ontem (ainda dá tempo de receber!).

Obrigada pela companhia na jornada, Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe...

...Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Amanda Midori, Karine de Cabedelo, Michely Nishimura, Ana Paula de Vilas Boas, Danilo e Klay Kopavnick! ❤️

14.7.21

A causa da rabugice felina

Como Newton, que formulou a teoria da gravidade ao observar que as maçãs caíam sempre em direção ao centro da Terra, Leo descobriu o motivo da ranhetice da Chocolate tomando café da manhã, em um dia de inverno: o rabinho quebrado dela não consegue esquentar os pés!

8.7.21

Ração úmida improvisada para gato

Há quatro anos, os bigodes adoram a ração úmida da Pet Delícia, parceira do Gatoca, que tem cara e cheiro de comida de verdade — com pedacinhos identificáveis de batata doce, chuchu, abobrinha, cenoura, abóbora, sabe? Além da carne, claro, menos apetitosa para uma jornalista vegana. rs

Quando o carcinoma obrigou a Clara a usar o colar elisabetano direto, porém, os meses passaram a durar mais do que as latinhas. E não existe petshop decente em Araçoiaba da Serra para repor o estoque — em Sorocaba, a gente dirigia 20 minutos até a loja mais próxima.

Testei, então, fazer uma papinha, porque ela só consegue comer de colher, usando a ração seca. Parece enjoar mais rápido e dá mais sede. Mas é um bom quebra-galho, principalmente para quando acaba o salário — alguém ainda ganha salário neste país? A receita segue abaixo.


Ingredientes

- 1 punhado da ração seca preferida do seu gato — não exagere na quantidade porque ela incha bastante.
- Água filtrada.

Modo de preparo

Coloque a ração em uma tigela, acrescente o dobro de água fervente e espere amolecer. Bata tudo no processador. Se tiver aquele copo para grãos, o patê fica lisinho — ideal para quem precisa dar na seringa (dicas aqui). Se a ração chupar toda a água, vale colocar um pouco mais para facilitar a batida.


Guarde na geladeira. E não se assuste com a consistência aderente. Basta esquentar um tico no micro-ondas que a massaroca volta ao normal. rs


Seu bichano não come ração úmida — nem patê, nem sachê, nem latinha? Tem nove ideias aqui!

*

Todo mês, o Gatoca publica dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. ❤️ Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

7.7.21

Ioga com a gata

Se o mundo fosse justo, colar elisabetano e cegueira não coexistiriam. Mas o finzinho de vida da Clara nos proporcionou esse bingo às avessas. Sim, o carcinoma alcançou o segundo olho, deixando ainda mais complicada uma rotina que já estava puxada — hoje, aliás, completamos oito meses de refeições na colher, água na seringa e limpeza com pano úmido quentinho.

Fico me perguntando que experiências mais nós duas precisamos ter. O que falta aprender? Quando é o momento certo? Aí, ela ignora a caixinha que instalei no jardim para aproveitar o sol da manhã, como boa gata, e vem fazer ioga comigo. Bem no meio do tapete.

Concluo que ainda não está na hora.

29.6.21

14ª quase-aniversário do Gatoca

É fato que neste 2021 o Gatoca quase acabou. Mas o quase-aniversário a gente comemora faz tempo, porque eu consegui criar um blog e demorar 42 dias para juntar coragem de escrever nele. Isso há 14 anos! Vocês têm noção de quantas iniciativas tombaram pelo caminho? Na minha vida mesmo acho que nada durou tanto.

E fica ainda mais engraçado quando lembro que não gostava de gatos nem de tecnologia. Aí, tropecei nos esqueletinhos da dona Lourdes e virei ativista da causa animal sem gostar de política também. Pensando agora, deveria me esforçar para não gostar de ganhar na loteria.

Juntos, a gente foi parar até no clube de leitura da ONU — para os novatos, aqui estão as principais ações do projeto.

No dia 10 de agosto, festejaremos virtualmente de novo. E os apoiadores, que acompanharam o estresse com a obra e nossa mudança para Araçoiaba da Serra, em 24 capítulos apócrifos, compartilhados no grupo do WhatsApp, finalmente conhecerão a casóca — ainda dá para se juntar aos despioradores de mundo!

Os bigodes mal podem esperar. rs


Festinhas anteriores: 2020 | 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

28.6.21

Orgulho LGBT: direitos se conquistam com luta

Eu acompanhei o movimento LGBTQIA+ crescer no Brasil, desde quando a parada na Paulista ostentava bem menos letras e os organizadores pediam no megafone para que ocupássemos apenas as duas pistas da direita — não precisa ser lésbica, gay, bissexual, transgênero, queer, intersexual ou assexual para defender o amor desencaixotado, né?

E, se tem uma coisa que aprendi, daquele distante 2000 para cá, principalmente militando pela causa animal, é que direitos não caem do céu. 28 de junho se eternizou pelo orgulho, as mãos dadas, o arco-íris. Mas nasceu de uma rebelião, porque os frequentadores do bar Stonewall Inn, em Nova Iorque, cansaram da humilhação e da violência praticadas pela polícia.

Gatoca também adora um colorido e já abrigou gatos de todas as pelagens. Mas a gente pode fazer mais!

25.6.21

Existe um canto do planeta sem gatos? | EG #1

Hoje finalmente começa a série nova do Gatoca, com dicas e curiosidades da bíblia O Encantador de Gatos, escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, e divertidamente ilustrada pelos bigodes! Neste primeiro capítulo, voltamos 130 mil anos no tempo para contar como evoluiu o plano de dominação mundial dos felinos.

Naquela época, gatos-selvagens pertencentes ao gênero Felis perambulavam pela Europa, África Subsaariana, Ásia Central, Oriente Antigo e montanhas chinesas. E quem deu origem aos nossos bichanos, segundo estudo genético de 2009, feito com 979 peludos domésticos, ferais e selvagens, foram os moradores do Oriente Antigo, os Felis sylvestris lybica.

Mas demorou, viu? Só 12 mil anos atrás a humanidade passou a estocar grãos, atraindo roedores e, consequentemente, pequenos animais carnívoros. Se a ligação não ficou clara, arqueólogos encontraram evidências no Chipre de que, há 9,5 mil anos, um bichano compartilhou a cova com um humano — como eles não existiam originalmente na ilha, um protogateiro deu essa carona. rs


E pinturas e esculturas datadas de 4 mil anos atrás retratam felinos de coleira convivendo com os egípcios — lá eles também dividiam as tumbas.


Do Egito rumaram para a Índia, mesmo com sua "exportação" banida. E, há 2,5 mil anos, já habitavam a Grécia, o Extremo Oriente, a Eurásia e a África. Passaram, então, a acompanhar os romanos na expansão de seu império, 2 mil anos atrás.


Chegando no norte da Europa há 1,2 mil. E há 500 ancoraram aqui nas Américas e na Austrália, provavelmente viajando como tripulantes do famoso navio Mayflower para servir como controle de pestes. Atualmente, nossas maquininhas de ronrom ocupam todos os continentes, exceto a Antártida, com temperaturas inferiores a 80°C negativos, onde só 800 pesquisadores científicos resistem.


CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br ❤️

18.6.21

Larvas e bicheira em gatos: socorro!

Este é um post difícil de escrever. Primeiro porque soa incompetência ter um animal sob nossa guarda vítima de uma doença tão tosca. Depois porque, esteticamente, a miíase, nome pomposo da bicheira, também não ajuda — imaginem uma centena de larvas se requebrando dentro da cavidade ocular, com o Zé do Caixão ameaçando levar sua alma à meia-noite.

Em minha defesa, o carcinoma da Clara está em estágio avançado, dois veterinários justificaram que o cheiro é extremamente sedutor para as moscas (até ataque de formigas a coitada sofreu!) e tentei de spray natural de óleo de neem no pelo a coleira fortunosa (e polêmica) da Bayer — tampar o machucado aumentaria a coceira, que já causa bastante desconforto.


Depois do trauma de remover mecanicamente larva por larva, com a pinça travando no osso (eu, que desmaio fazendo exame de sangue!), fiquei expert em caça aos ovos e não os deixo mais evoluir. Antes de compartilhar todas as infos da jornada, porém, preciso explicar que decidi não levar a retalhinha à clínica para evitar o estresse, em um quadro já delicado, mas fui orientada a distância pelo vet. E não publicarei fotos do carcinoma porque impressionam.

Comecemos, então, pelo básico: falei em ovos e moscas, sem deixar clara a conexão, né? Moscas botam ovos em tecidos em decomposição, se alimentam de fezes, escarros, secreções, produtos animais e vegetais estragados, sempre mais ativas durante o dia, e vivem até um mês — sim, há milhares de espécies, que depositam o raio do ovo em outras, impossibilitado identificar a meliante, portanto basta dizer que este texto não serve para a berne (miíase furunculoide), uma nojeira diferente da bicheira.

Retomando: a prevenção da nossa (infelizmente) miíase foca em manter o ambiente higienizado, incluindo os banheiros dos gatos, e a comida tampada — até porque você tem gatos, rs. Se o peludo possuir lesão na pele, limpe diariamente, proteja com gaze, caso a região permita, use coleira ou spray antimosca (existem versões naturais de ambos) e tome cuidado redobrado em áreas rurais.

Os ovos dessas moscas são pequenos, durinhos, colocados sobrepostos e bem-fincados na pele — não estranhem. Quando o tecido está morto, fica mais fácil remover o bloco — se sobrar unzinho, dançou.


E não quero tocar o terror, mas eles eclodem em 24 horas — depois viram larva, pupa e mosca adulta. Quanto maior a temperatura e a umidade, mais rápido ocorrerá esse ciclo, que pode durar de dez a 14 dias. As larvas costumam ficar escondidas, principalmente porque conseguem entrar na pele.


E, como são muitas, acabei usando um ectoparasiticida para facilitar a remoção — não vão comprar kombucha, hein? A embalagem improvisada foi empréstimo de uma amiga.


Elas se mexem bastante, aliás, o que provoca coceira, um dos sintomas. Inchaço subcutâneo é outro. No caso da Clara, o local também passou a sangrar mais. E ela ficou tão incomodada que deve ter virado a madrugada em claro porque dormia comendo no dia seguinte. Imagino que a dor deixe alguns pets amuados e sem apetite.

O que mais falta falar? Ah! Bicheira não tratada pode causar abscessos, necrose, hemorragia, toxemia (acúmulo de toxinas) e até matar. Desde que a gente se mudou para Araçoiaba, já tirei algumas centenas de ovos do carcinoma da Clara. Enquanto ela puder aproveitar o sol no gramado, o patê na colherinha e o carinho no colo, vale a pena.



*

Agora em junho tem série nova! Todo mês, o Gatoca publicará dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

16.6.21

Gatos, tijolos e frases desmotivacionais

2021 em uma foto:


Trabalhe enquanto eles dormem.

Tudo começa com um sonho.

Juntos seremos muralha.

P.S.: Para quem não sabe, Gatoca se mudou para Araçoiaba da Serra e quase acabou — continuamos, inclusive, sem porta no banheiro. Este post faz parte da estratégia de transformar raiva em riso.

10.6.21

Uma semente do Gatoca na ONU!

Eu já contei nestes bytes que virei personagem de um livro da Rosana Rios, autora de mais de 180 obras infantojuvenis, sobre uma menina fluente em cachorrês e um menino hábil em gatês, que se unem para salvar o bosque do bairro ─ discutindo nossa relação com o diferente e o que estamos fazendo com o planeta.


Pois "Entre Cães e Gatos" acaba de ser selecionado para o clube de leitura da Organização das Nações Unidas, na categoria redução das desigualdades! Criado em 2019 e acreditando nos livros como ferramentas de transformação, o clube pretende dialogar com as crianças sobre temas relacionados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).



Para ampliar, cliquem na imagem

Destaque para erradicação da pobreza, fome zero e agricultura sustentável, igualdade de gênero, água e saneamento, cidades e comunidades sustentáveis, consumo e produção sustentáveis, mudanças climáticas, trabalho decente e crescimento econômico. A lista das 175 publicações em português está no site da Câmara Brasileira do Livro, um dos responsáveis brazucas pela iniciativa.

Vocês têm noção da felicidade desta ecossocialista-vegana-ativista pelos animais? ❤️





*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe o cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

9.6.21

Quando o X marca o tesouro

Guda é aquela gata que antecipa onde você vai sentar e se aboleta antes, impede a abertura da porta da geladeira em todas as refeições, pelo uma vez por dia faz alguém na casa tropeçar. Quando a vi centralizada nesta sombra, dei risada. Há 14 anos, Capitã Barriga confiou em Gatoca para esconder seus tesouros. E acabou virando o meu.