.
.

30.7.21

Gato sente frio? Pode usar roupinha?

Chocolate não troca calorzinho. Literalmente. É a única gata que me preocupa quando as temperaturas baixam, porque os outros oito dormem em monobloco. Ela até tem uma almofada exclusiva de joaninha, instalada na caixa de sapato velha do Leo (e poderia usar o cobertor do jeito tradicional, em vez de deitar por cima), mas a previsão de 2ºC me fez pesquisar roupinhas na internet.


Ao compartilhar essa dúvida no grupo de apoiadores do Gatoca, Glaucia mandou o podcast maravilhoso da veterinária Larissa Rüncos e me senti na obrigação de dividir com vocês. Animais que sentem frio têm sua saúde mental afetada e gatos costumam sofrer mais do que cachorros, porque vêm de regiões quentes, portanto, seu organismo está mais adaptado ao calor. Isso quer dizer que devemos embrulhá-los em algodão e lã? Não!

:: Bichanos odeiam roupinha!

Alguns toleram e a gente acha fofo, tira foto, cria perfil no Instagram. Mas a verdade é que a urbanização e o distanciamento da natureza dificultaram muito nossa comunicação — que nossos ancestrais tiravam de letra, inclusive. Não, não existe uma raça felina que curta o movimento. Gatos pelados até precisam, só que devem ser acostumados desde a infância.

Isso porque o raio da roupinha...

- Impede a higiene
E eles usam usa a língua para tomar banho pelo menos três vezes por dia — exceto o Mercv. rs
- Contém um animal que é presa
E claramente se incomoda mais com toque e penduricalhos.
- Inibe a movimentação natural
Repararam como os bigodes lembram os iogues? Não dá para se mexer fluidamente fechado a vácuo, né? E, se a roupinha for larga, a criatura arranca.

:: Como esquentá-los, então?

Do jeito clássico:

- Forneça abrigo decente
Não adianta deixar o coitado na sacada, por exemplo — quem faz isso, gente?
- Cuide da temperatura ambiente
Casas muito frias demandam aquecimento adicional — vale climatizador, ar-condicionado, lareira, fogueira.
- Providencie caminhas e cobertores
Mas só cubra se eles quiserem.
- Aqueça a comida
Essa é opcional. :)


:: 5 sinais de frio

1) Se mexer menos.
2) Se encolher.
3) Proteger as partes vulneráveis do corpo e as extremidades — mão, pé, barriga, cara, rabo.
4) Procurar lugares quentes, principalmente aparelhos, como o modem do computador.
5) Ter orelhas, almofadinhas e focinho gelados.

:: Alerta!

Animais em situação extrema de frio tremem e apresentam focinho e lábios pálidos ou azulados.

Resumo da ópera: na dúvida, ofereça recursos abundantes para que seu amigo escolha como prefere se esquentar. Ele só vai errar se estiver doente.

28.7.21

Receita de pão de gato

Sigam as instruções abaixo e, o mais importante, escolham um dia com temperatura inferior a 10ºC para estragar o crescimento do pão. rs

Ingredientes:

- 2 colheres (sopa) de óleo de girassol
- 300 ml de água morna
- 4 colheres (sopa) de azeite
- 2 colheres (sopa) de melado de cana ou açúcar demerara
- 4 xícaras de farinha de trigo
- 1 colher (sopa) de sal
- 1 colher (sopa) de fermento biológico

Modo de preparo:

Untem uma assadeira com o óleo de girassol e reservem. Em outro recipiente, misturem o fermento, a água, o melaço e o azeite e deixem descansar por cerca de dez minutos, formando uma espuma na superfície. Acrescentem o sal, a farinha e amassem até desgrudar das mãos. Cubram a massa com plástico filme, afinal, vocês têm gatos, e esperem dobrar de volume.

Transfiram para uma superfície lisa e sem pelos, untada com a outra colher de óleo de girassol, e sovem por cerca de cinco minutos. Modelem o futuro pão em formato oval, coloquem na assadeira e deixem descansar por mais meia hora. Pré-aqueçam o forno a 180ºC, façam um corte no sentido do comprimento do pão e levem para assar por aproximadamente uma hora.

Aconselho comer quentinho e não dividir com os bigodes.

23.7.21

A primeira gateira da história | EG #2

Se os homens estreitaram laços com os felinos por interesse, tendo seus grãos protegidos contra roedores, foi uma mulher quem popularizou a ideia trazê-los para dentro de casa — pelo menos é o que se acredita. E faz uns 150 anos só! A rainha Vitória apoiava o bem-estar animal e chegou a conceder status de Real à Sociedade Protetora dos Animais inglesa.


Além de cachorros, cavalos e cabras, tinha dois gatos persas — a fêmea White Heather viveu até o final no Palácio de Buckingham, muito depois de sua morte. Bichos de estimação em geral aumentaram na Era Vitoriana (a Inglaterra do século 18), tanto símbolos de status quanto uma forma de os nobres demonstrarem poder sobre a natureza.




E o caráter blasé dos bichanos os tornava a espécie perfeita: "selvagem, mas limpinha" — muitos escritores e artistas expressaram seu amor por eles e pessoas passaram a fazer funerais para seus amores peludos.


Esta série é inspirada no livro O Encantador de Gatos, escrito pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado. Eu assino a confecção das coroas de papel alumínio de cozinha e o cuidado com os bigodes, há quase 16 anos, rs. E Leo Eichinger fez as fotos maravilhosas. ❤️


Menos estas! Hahahahahahaha!





CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 3: Como a humanidade se curvou aos bichanos

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

16.7.21

Gatoca: um projeto novo-velho!

Como já dizia Clarice Guevara, há que se renovar, mas sem perder as origens. Neste mês, portanto, se juntam aos apoiadores do Gatoca a Glaucia Almeida, que em 2015 já havia atravessado São Paulo para dar carona à Pretinha, com a mãe idosa a tiracolo, e a Ana Cris Rosa, que conheci recentemente aqui no interiorrr, em uma sessão de slides com pipoca e nostalgia!

Elas são acompanhadas no Gramado da Fama por Pimenta, nossa gata-modelo-e-atriz, que também sabe fazer cara de mau humor, desconfiança e nojinho — vejam lá no Instagram!


Para quem está chegando agora, o financiamento coletivo me permite investir em projetos alternativos, como a série sobre O Encantador de Gatos (primeiro capítulo aqui!) e o futuro jogo de tabuleiro para crianças. E nesta fase pandêmica tem salvado os boletos básicos mesmo — R$ 5 ajudam muito, viu?

E vocês ganham superproducinhas audiovisuais, grupo no WhatsApp para trocar experiências, memes e angústias, e outras recompensas pensadas com carinho — os bastidores da construção da casóca viraram seriado apócrifo com 25 capítulos, por exemplo, e vídeo lançado ontem (ainda dá tempo de receber!).

Obrigada pela companhia na jornada, Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe...

...Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Amanda Midori, Karine de Cabedelo, Michely Nishimura, Ana Paula de Vilas Boas, Danilo e Klay Kopavnick! ❤️

14.7.21

A causa da rabugice felina

Como Newton, que formulou a teoria da gravidade ao observar que as maçãs caíam sempre em direção ao centro da Terra, Leo descobriu o motivo da ranhetice da Chocolate tomando café da manhã, em um dia de inverno: o rabinho quebrado dela não consegue esquentar os pés!

8.7.21

Ração úmida improvisada para gato

Há quatro anos, os bigodes adoram a ração úmida da Pet Delícia, parceira do Gatoca, que tem cara e cheiro de comida de verdade — com pedacinhos identificáveis de batata doce, chuchu, abobrinha, cenoura, abóbora, sabe? Além da carne, claro, menos apetitosa para uma jornalista vegana. rs

Quando o carcinoma obrigou a Clara a usar o colar elisabetano direto, porém, os meses passaram a durar mais do que as latinhas. E não existe petshop decente em Araçoiaba da Serra para repor o estoque — em Sorocaba, a gente dirigia 20 minutos até a loja mais próxima.

Testei, então, fazer uma papinha, porque ela só consegue comer de colher, usando a ração seca. Parece enjoar mais rápido e dá mais sede. Mas é um bom quebra-galho, principalmente para quando acaba o salário — alguém ainda ganha salário neste país? A receita segue abaixo.


Ingredientes

- 1 punhado da ração seca preferida do seu gato — não exagere na quantidade porque ela incha bastante.
- Água filtrada.

Modo de preparo

Coloque a ração em uma tigela, acrescente o dobro de água fervente e espere amolecer. Bata tudo no processador. Se tiver aquele copo para grãos, o patê fica lisinho — ideal para quem precisa dar na seringa (dicas aqui). Se a ração chupar toda a água, vale colocar um pouco mais para facilitar a batida.


Guarde na geladeira. E não se assuste com a consistência aderente. Basta esquentar um tico no micro-ondas que a massaroca volta ao normal. rs


Seu bichano não come ração úmida — nem patê, nem sachê, nem latinha? Tem nove ideias aqui!

*

Todo mês, o Gatoca publica dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. ❤️ Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

7.7.21

Ioga com a gata

Se o mundo fosse justo, colar elisabetano e cegueira não coexistiriam. Mas o finzinho de vida da Clara nos proporcionou esse bingo às avessas. Sim, o carcinoma alcançou o segundo olho, deixando ainda mais complicada uma rotina que já estava puxada — hoje, aliás, completamos oito meses de refeições na colher, água na seringa e limpeza com pano úmido quentinho.

Fico me perguntando que experiências mais nós duas precisamos ter. O que falta aprender? Quando é o momento certo? Aí, ela ignora a caixinha que instalei no jardim para aproveitar o sol da manhã, como boa gata, e vem fazer ioga comigo. Bem no meio do tapete.

Concluo que ainda não está na hora.