.
.

28.4.23

11 anos depois, Pipoca pede outra escolha de Sofia

Em 2012, Pipoca era uma gata intocável, prestes a morrer de micoplasmose (anemia causada pela picada de pulga contaminada por um parasita), com a creatinina alterada. E eu enfrentava o dilema de enfiar os 28 dias de remédio goela abaixo, para os rins colapsarem e não ter permitido a ela um finzinho de vida boa.

Esse "finzinho" já dura 11 anos, a maior sobrevida que conheço de um animal com doença renal — caçando passarinho! Na quarta-feira passada, porém, recebi a confirmação de outro diagnóstico angustiante: a demora na recuperação da última crise de vômitos, com desidratação e letargia, associada a sintomas respiratórios (secreção no nariz e rangido no peito) e zero grama de peso perdido, se devia a um derrame (ou efusão) pleural.


Precisei pagar um veterinário da cidade para vir aqui em casa, que me obrigou a trazer também uma equipe de raio-x porque, sem tosse, todo mundo considerava a hipótese pessimista. Acontece que vi minha mãe dormir sentada várias noites antes de sucumbir à última internação, justamente por derrame pleural — no caso dela, desdobramento do câncer.


E diferente dos humanos, os gatos não entendem a drenagem. Pipoca ainda tem suspeita de ser cardiopata, porque ficou roxa com a simples tentativa de coleta sangue, fato que já havia ocorrido em 2018, quando desisti de monitorar a evolução renal — o raio-x esclareceria, se o líquido não estivesse cobrindo o coração. E seus 16 anos tornam a anestesia um risco ainda maior.


Me toquei que não expliquei o que é derrame pleural, né? Entre os pulmões e a caixa torácica existe uma membrana chamada pleura, recheada de líquido para reduzir o atrito enquanto a gente respira. Quando acumula líquido demais nessa região, por causas variadas e de tipos diferentes também, dificultando a respiração, o pessoal do jaleco branco chama de derrame pleural.

Além do suposto problema no coração (e da doença renal), o vet não descarta a possibilidade de FeLV (leucemia felina), que sempre aparece no fim de vida dos bigodes de Gatoca — adotados numa época em que não se testava e cujo resultado do Mercv, no ano passado, deu negativo. Só que nunca saberemos porque, dessa vez, decidi não fazer o procedimento.

Não acho justo que a última lembrança da pequena seja o terror de um lugar estranho, com gente desconhecida, depois de uma viagem interminável de carro — não tem hospital veterinário em Araçoiaba da Serra. E, mesmo que ela sobreviva, em alguns pacientes o líquido volta a descompensar na semana seguinte.

Existe a chance inversa também, de o corpo reabsorver sozinho, mas o vet duvida que dê tempo. Ele não sabe que Pipoca é uma boa vivedora. E está sendo cuidada por mim e pela Jujuba, enquanto puder aproveitar.

12 comentários:

Anônimo disse...

Amei suas considerações. Eu também não acho justo, depois de superar tantas falhas no funcionamento "normal" do corpo, e ter vivido entre gatos e pessoas que a amam, terminar a vida entre estranhos e sofrendo manipulações estressantes. Afagos na Pips, ❤️ da tia Cris

Anônimo disse...

Que tristeza...apesar de toda a sua capacidade de suavizar com um texto perfeito

Anônimo disse...

Ela é amada e bem cuidada…

Silvia disse...

Caramba, que sobrevida de respeito<3 essas coisas acontecem e a gente fica nesse dilema... Não tem certo ou errado, mas acho que também escolheria nessa situação manter ela por perto. Um abraço apertado pra vc e seus bigodes, Bia. Torcendo pelo melhor pra vocês sempre.

Denise disse...

Que linda história de vocês, mesmo que tenha acontrcido tudo isso e que ainda acontece. O que em que ela partir para o céu dos gatinhos, com certeza terá boas lembranças e uma gratidão infinita.

Elisa disse...

Concordo com você Bia. Se for possível a última lembrança deve ser boa e cheia de paz.

Anônimo disse...

Bia, vou dizer o mesmo que vc me disse na partida do Spock. Não existe escolha errada quando a que vc faz é priorizando o bem do bichinho. Beijos nas duas.
Vanessa

Beatriz Levischi disse...

❤️

Carolina Virgínia disse...

Bia, quase um ano depois venho lendo seus relatos com um aperto no coração e lágrimas. Meu gatinho, Sublime, acabou de ser internado com uma obstrução ureteral e creatinina e albumina alteradas. Encontro um pouco de paz nos seus relatos dessa gatinha linda. Obrigada por compartilhar essa jornada com os demais tutores. Espero que meu gatinho, após tudo isso, tenha uma sobrevida tão linga e linda quanto a de Pipoca.

Pâmela disse...

Carolina Virgínia, não consegui te enviar mensagem direta, então vou deixar aqui.

O meu gatinho passou pela mesma situação, eu o levei em vários especialistas e nenhum me sugeriu fazer cirurgia para desobstruir. Isso agudizou a doença renal e quase perdi o meu filhinho.

A história é triste e eu ainda não consigo contar sem chorar, mas vou resumir para tentar ajudar outras pessoas a não passarem pela mesma situação.

Façam ultrassom e se tiver qualquer obstrução procurem um cirurgião em seguida. É o cirurgião quem sabe se o gato precisa de cirurgia ou não, eu levei o meu gato em 4 nefrologistas diferentes (os mais renomados de Brasília) e nenhum deles fez nada efetivo, só queriam me vender tratamentos gourmetizados que não tinham resultado.

Com o passar dos dias, o meu gatinho estava com as taxas tão altas que o laboratório não tinha mais referência mais da creatinina e outros.

Ele já estava tão mal e só me diziam que não tinha o que fazer, apenas "aguardar". Eu estava desesperada e não sabia mais o que fazer, não tinha mais veterinários para levar, nenhum tratamento para tentar...era apenas esperar.

Após quase uma semana nessa angústia de esperar, ele parou de fazer xixi e eu chamei uma vet pra fazer ultrassom nele em casa. Ela foi maravilhosa, disse que ele não estava com falência renal, era uma obstrução e que ele ficaria bem se fizesse cirurgia.

Saímos imediatamente pro hospital, ele fez vários exames e as taxas estavam todas extremamente altas, algumas sem nem conseguir medir. Além disso, a obstrução estava tão grande que não era possível tentar desobstruir os dois ureteres dele, a opção era colocar um by pass. A chance dele conseguir passar pela anestesia e cirurgia era pequena, mas o meu Deus é grande e Ele fez um milagre.

O meu gatinho fez a cirurgia, deu tudo certo e no mesmo dia ele já estava bem. No outro dia teve alta e estamos lutando juntos para superar isso, já são 6 meses desde a cirurgia.

Tem muitos detalhes que fazem diferença, estejam atentos a eles.

Se alguém precisar de dicas, sugestões ou quiser desabafar sobre o seu gatinho, eu estou disponível para ajudar. Podem enviar e-mail para bolasantamamae@gmail.com.

Deus abençoe os gatinhos e as mamães e papais que cuidam deles.



Anônimo disse...

Estou na luta com meu gatinho de 16 anos tb ele fez a cirurgia de desobstrução das pedras que tomaram tb o canal de urinar e foi preciso tirar o bimbim só ficou o branquinho pra fazer xixi foi uma cirurgia contr o tempo pois já estava tomado visto pelo exame de imagem Dra.Maria Bernadete de Volta Redonda foi a veterinária correu tudo ótimo ele passou a se alimentar com. Racao urinary e somente a urynary isso tem aproximados 7 anos atualmente veio outra novidade ele apresenta doença renal com vista pela falência no sangue e está precisa de hemodiálise que não tem por perto e além disse não tenho condição financeira pra descer pro Rio de janeiro pra fazer trabalho ganho salário mínimo minha filha paga o aluguel tenho 8 gatinhos e una cachorrinha se tiver que comer mingau de fuba pra socorrer meu Clementino farei se vc souber, descobrir de algo que eu possa fazer por favor me ajude.SOCORRE MEU GATINHO ELE ESTA MAGRINHO TENHO QUE DAR COMIDA NA SERINGA.TO DANDO A PASTA HILLS ELE NAO ESTA GOSTANDO MAS DOU DUAS VEZES AO DIA. DOU UM CALDO DE CARNE SEM SAL NENHUM ELE TOMA SOZINHO.

Beatriz Levischi disse...

Como está o Sublime, Carolina?

Nem todos os casos de obstrução urinária precisam de cirurgia, Pâmela. A melhor estratégia é consultar um especialista e, em caso de dúvida, ouvir outra opinião.

Nenhum gatinho meu fez hemodiálise. Como eles também eram velhinhos, focamos nos cuidados paliativos, incluindo comida e água na seringa ― se o Clementino toma o caldo de carne sozinho, melhor ainda! De resto, vivam bons momentos juntos: não economize no carinho, aproveitem o sol na janela, experimente petiscos diferentes ― nessa fase, qualquer coisa que ele conseguir comer está valendo.