.
.

18.11.09

Dicas de adaptação

Uma vez por semana, alguém me escreve perguntando o que fazer ("peloamordedeus!") para facilitar o entrosamento entre bigodes veteranos e novato. Resolvi publicar as dicas aqui no blog, assim vocês podem palpitar também. Antes de qualquer coisa, é preciso esclarecer que nenhum bicho morre de amores por outro instantaneamente.

Isso significa que a adaptação leva um tempo e não adianta querer pular etapas. O novo hóspede deve ficar em um cômodo separado, até se acostumar com a casa e com a família humana. Quando a ansiedade baixar, coloquem um paninho com o cheiro dos futuros amigos para ele sentir e dêem à turma algo com o cheiro dele também.

Num segundo momento, deixem que os peludos se vejam pela janela ou por uma frestinha da porta. Enquanto eles demonstrarem resistência, não vale a pena misturar. A troca de fuzzzzzzzz no primeiro contato é normal e integra o pacote. Para conter possíveis arranca-rabos, tenham a mão um borrifador de água ou uma latinha com moedas barulhentas.

Se a presença do "intruso" estiver associada a coisas boas, as chances de sucesso da empreitada aumentam. Distribuam guloseimas, brinquedos e carinhos sempre que rolar o cara-a-cara. Para encerrar o post, eis a lista dos erros cometidos com freqüência:

* Deixar o novato solto e os veteranos presos – além de terem de dividir as atenções e a comida com uma boca a mais, os coitados ainda perdem território?
* Fazer diferenciações que provoquem ciúme em um dos lados – vocês também descontariam a frustração no privilegiado, não descontariam?
* Desistir da adoção antes do período considerado mínimo para a adaptação – como escrevi no começo do texto, amor à primeira vista só existe no cinema.

224 comentários:

1 – 200 de 224   Recentes›   Mais recentes»
Luciana Carneiro disse...

Sou meio teimosa, meus bigodes também. As adaptações aqui em casa foram meio na força bruta. Mas já faz uns bons 5 anos que não entra gato novo na parada e nenhum deles fugiu. Não que eles morram de amores todos por todos, já que algumas patadas sempre sobram, mas no geral eles se dão bem. Acho que as etapas meio que precisam de um feeling pra sacar a índole do pestinha.

Luciana Carneiro disse...

O Leo, por exemplo, chegou muito doente aqui em casa. A Gabi não quis nem saber de ficar perto dele, que era um filhotinho super magro e doentinho. Hoje se cruzam, mas não se coversam muito. Depois veio o Dingo, que só conversa com a Gabi.
ele se acha melhor que os outros por ser siamês, então só fala com ela, que é siamesa também.
O Pirata, resgatado do pátio da minha empresa, também filhotinho, e com um olho vazado, é o tarado. Mesmo castado adora dar uma encoxadinha. Em todos.

Carina disse...

Oi, Beatriz. Primeiro, gostaria de elogir seu blog, qu amo de paixão e visito todos os dias, mas, falha minha, nunca deixo um comentário. Sobre o período de adapação, concordo com você, é preciso ter paciência e não forçar a barra. E nunca vi, em todos os meus anos de convivência felina e canina, um gatinho não ser aceito pelos demais. É claro que rola muitos ffzzz e tapas pra todo lado, mas no final estão todos dormindo no mesmo cobertor, e dando banho uns nos outros. E olha que na casa da minha mãe já tivemos dez gatos, e agora que casei tenho cinco, todos adotados em períodos diferentes, e convivendo em harmonia. Um grande beijo !

Lalá disse...

O bom é que na maioria das vezes tudo dá certo. Aqui em casa tentei separar novata e veterana por um tempo, até que desisti e deixei o pau comer.
elas correram uma atrás da outra a noite inteira, e no final estavam brincando. Hoje uma não come sem a outra, a outra não dorme sem a uma, e se alguma das duas tem que ir no veteirinário, a outra fica chorando pela casa.
Parabéns pelo blog, pelas fotos e pelos bigodes, Bia?

Ivana disse...

Amiga, mas qual é esse tempo minimo? Aqui em casa o perrengue já dura mais de um ano. Como eu e marido passamos o dia fora, cada um fica em um canto da casa, separados por uma porta (cozinha e sala para um e quartos para a outra). Eles já se cheiraram, ja brigaram, mas o veterano não aceita de jeito nenhum a novata! Nem mesmo quando ela entrou no cio, o que já aconteceu duas vezes... Já quase que perdi as esperanças... Meu sonho e a gente dormir todo mundo junto na cama...
Beijos.

MOK-C disse...

minha experiência não é das mais cinematográficas, mas ta tudo bem. a Olívia foi filha única por dois anos antes da Micolina aparecer.
eu não fiz adaptação nem nada. soltei pela casa e boa.
hoje, 3 anos depois, as duas são super familiarizadas uma com a outra, mas nunca rolou um banho coletivo, uma dormida juntas... ela não se batem, mas também não trocam carinhos...

Journal Kittens disse...

Na SPA quando adotei a Mashiro me deram também informações desse tipo.
Me disseram que na primeira semana não é bom apresentar a gata intrusa, colocar um paninho com o cheiro da Fleur e da mashiro juntas. Passar o spray Feliway pela casa toda e por cima das duas pq ajuda a fazer amizade. e depois com uma semana elas estarão prontas para o encontro, eu abri a porta e elas se conheceram, foi o maior cheira-cheirinho e Fleur ficou chateada comigo!. me disseram para elas se virarem sozinhas e fazer carinho nas duas por igual mesmo a outra estando com inveja, pq gato é egoista! rs A Fleur ficou com cara feia durante três semanas e depois quando vi estavam jogando e dormindo juntas e graças a Deus hj são bem amigas. Me disseram que se o comportamento da Fleur não mudasse é pq não estava aceitanto, mas se mudasse aos poucos de melhor para melhor, era pq o relacionamento estava dando certo! Tbm me disseram que quando se tem um gato adulto em casa é melhor adotar um filhote do que outro adulto e confirmo isso Beatriz! no ano passado tinha adotado do abrigo uma adulta da idade da Fleur e mesmo com o tempo não tinha dado certo e acabou voltando, o abrigo dava um periodo de teste de adaptação.
Bjs adorei a foto é muito sensivel! :)

Rose disse...

Já tive gatos, hoje tenho cães e em ambos os casos a história é a mesma. Há que se ter paciência. Não é da natureza dos bichinhos quebrar o pau todo dia, a toda hora. Eles se ressentem da concorrência, se ressentem de um novo membro na família porque desestrutura o status quo e eles tem de redefinir toda a hierarquia, mas se acostumam com o novato e aceitam sua presença. Nem sempre acontece uma amizade para a vida toda, mas eles se respeitam (ignorando o "desafeto")e eles mesmos estabelecem os limites físicos para a convivência pacífica. É dar tempo ao tempo, e aos bebês.

Para a Ivana, um conselho não pedido, mas dado de qualquer modo: castre seus gatos! O macho vai acalmar-se e você não corre o risco de ninhadas indesejadas.

Bella disse...

Boas dicas, Beatriz! Já tive muitos cães, adotados, comprados, ganhados, de idades diferentes e em tempos diferentes. Shiva e Guido foram quase um caso de cinema, o estranhamento entre eles durou... 10 minutos! Foi o único caso que vi de cães se darem tão bem em tempo recorde. Mas veja como são as coisas: a dupla não aceitou a Elvira. E olha que a Elvira aceitou os dois numa boa! Ainda bem que já consegui uma família para ela. Os bichos têm temperamentos diferentes e nós pessoas temos que conseguir avaliar e respeitar esses temperamentos, não é?

Reforçando a dica da Rose: castrem seus bichos!!! Isso facilita não só a adaptação entre eles mas a manutenção, a redução de gastos no médio-longo prazo e evita crias indesejáveis.

Renata Prado disse...

que linda essa foto!!! mesmo perigosa, heheheh. vou favoritar esse post, pra reler quando eu me mudar pra um apê maior e puder adotar um coleguinha pro Gato. Beijo, Bia!

Adrina disse...

Uma dica que eu acho boa é no início nunca deixar que eles briguem efetivamente. Porque aí o mais forte vai descobrir que pode bater no mais fraco, e pode ficar se achando. Eu sempre separo quando vejo que o bicho vai pegar. Mas nunca tive problemans sérios tb. Só a Frida que não aceita quem veio depois dela, o Fidel e a Tarsila. E olha que o Fidel veio filhote... Acho que vai da personalidade de cada um mesmo. O negócio é ter muita paciência e amor que tudo se resolve.

Eliane disse...

Olá Beatriz! :-)
Em minha casa houve uma adaptação que me deixou espantada. Tínhamos um cachorro bravo, bravo. E eu adotei um gatinho que apareceu na rua. Ele ficou na frente. E não é que ele dominou o terrítório do cachorro também? E olha que era um filhote rs. Outro caso não foi de tanto sucesso. Havia uma gata, e depois adotei um gatinho. Ela não gostou e não teve muita socialização durante toda a vida deles. Ele bem que tentou, mas não foi desta vez. :)

juliana-sjc disse...

Bia, aqui em casa a coisa tb tá difícil. Tenho um persa de 10 anos, que não aceita a Jolie, que peguei na rua há 1 ano. Engraçado que a Jolie adora meu pastor alemão, se esfrega nele e tudo mais, é castrada e nem liga pro cachorro. Já o Tom (persa)...Ele é muito ciumento e bravo, estamos tentando adaptá-los mas tá bem complicado..rsrsrs..Quando eles partem pra cima um do outro eu digo NAO bem alto...e eles param. Vamos ver no que dá, né? Beijinhos

Juliana-sjc disse...

oi Bia, eu de novo..rsrsrs...To escrevendo pra te mandar o link do blog do meu irmao, Espaço Felino. Ele é estudante do quarto ano de medicina veterinária, e escreve artigos sobre felinos. Espero q vc goste..Bjus.
http://espacofelino.blogspot.com/

Beatriz Levischi disse...

Obrigada, meninas! :)

Ivana, se serve de consolo, Clara Luz e Chocolate demoraram dois anos para ficar no mesmo cômodo sem arrancar pedaços uma da outra. Concordo com o pessoal, aliás, que castração é fundamental. Dá uma olhada nos benefícios aqui: http://gatoca.blogspot.com/2008/04/dicas-para-cuidar-do-seu-gato.html.

Quanto à adaptação de adultos e filhotes, depende da personalidade dos bichos envolvidos, Journal Kittens. E da paciência dos donos. Os bigodes veteranos de Gatoca, por exemplo, aceitaram melhor a Guda do que as Gudinhas.

Juliana, prometo dar uma olhada no blog do seu irmão assim que a poeira baixar.

O Time do Tigor disse...

Nunca tivemos nenhuma briga de verdade no Time. O brigão possessivo era o próprio Tigor rsss. Porém, tivemos ótimos resultados na timidez dos ferais utilizando um spray fitoterápico de ervas. Tem nas grandes pet shops. Nossos ferais deixaram de ser tão brabinhos após o uso.

camila disse...

Lá em casa tinha só a Lilica, uma siamesa de 17 anos, também conhecida como dona onça, de tão brava com quem não é de casa. Há dois anos apareceu o Chulé e adotamos. Nunca se entrosaram, convivem, mas ele sabe que deve manter pelo menos meio metro de distância dela se não quiser levar uma patada. Há um ano apareceu Dona Gigi e adotamos também, já adulta, Chulé e ela se estranharam pouco, ele ia pra morder, eu espirrava água e tudo se resolveu em 1 semana. Hoje dormem, brincam, comem, juntos. Mas só os dois, Dona Onça também não aceitou Dona Gigi, mas convivem bem, desde que com meio metro de distância. :)

Leila disse...

eu fui a mais sortuda: quando a Bebel chegou, correu amassar pãozinho na barriga e tentar mamar nas tetinhas do Ozzy... e ele gostou muito e cuida dela até hoje. no primeiro dia ela já fez o rabo dele de travesseiro e nunca vi brigarem.

Ivana disse...

Meninas, muito obrigada pelos conselhos. Já estou mesmo cogitando a castração, apesar do meu medo (morro de dó), até porque o veterano tem quase 11 anos... Mas sim, já percebi que a castração é um passo importante no caminho para esta socialização felina e, como vcs dissera, vai me poupar alguns cabelos brancos com uma ninhada inesperada!
Beijos!

Beatriz Levischi disse...

Sortuda mesmo, Leila! rs

Ivana, você pode castrar o velhinho com anestesia inalatória, a mais segura de todas. E não precisa ficar com pena, porque a recuperação é super rápida. Converse com o veterinário dos bigodes.

Luciana disse...

Olá.Tenho 5 gatos.Somente os 2 primeiros chegaram juntos...Depois veio um de cada vez.O meu terceiro gato é a criatura mais amorosa do planeta: é o primeiro a dar as "boas-vindas"...Quando peguei a quarta gata ele fazia estripulias pela casa,pra agradar a novata,que assoprava sem parar.Os gatos mais velhos rosnam muito e dão tapões nos novatos...apenas por 4 dias rola um stress...Mas algo que funciona aqui é passar perfume em todos e liberar uns petiscos coletivos.Também não se pode deixar de ser carinhoso com os veteranos...que se sentem ameaçados pelos novatos...Mas em geral eu não "encano"...acho legal travarem um contato logo e costumo pensar que se rolou um tapa é porque já estão se entendendo...é claro que ser preciso eu isolo um gato no banheiro por uns dias;apelo pra um floral(do amor)...e música clássica:sempre!rs

Anônimo disse...

Olá.Tenho uma gato de 4 anos e adotei uma de mais ou menos 5 ou 6 meses. Acontece que o meu gato gostou dela, fica todo bobo atras dela querendo brincar, um fofo como ele sempre foi, já ela solta faisca pra ele o tempo todo, não deixa ele nem chegar perto. O meu caso foi ao contrário, o de casa aceitou numa boa, já a adotada é arisca com ele. O que fazer. Já estou quase desistindo, porque o meu gatão (de 8 kilos!) é muito bonzinho, e nem se importou de dividir o territorio dele com outro gato?!?!Preciso entender o que está acontencendo...obrigada.

Beatriz Levischi disse...

Você seguiu as dicas de adaptação? Esperou a novata se acostumar com a mudança de família? Ofereceu petiscos para ela associar o veterano a algo legal? Eu nunca vi um filhote recusar um amigo. Eles devem estar juntos há pouco tempo, certo?

beto disse...

oi beatrz, tudo bem? estou com o mesmo problema que o "anônimo" acima.
eu adotei um gato há 7 meses nessas feiras de adoção.
ele é castrado e segundo a veterinária ele deve ter por volta de 4 anos. ele é extremamente calmo e amoroso, nem um pouco agressivo. andei pensando nesse lance de arrumar um amigo pra ele, pois trabalho fora todos os dias.
falei sobre isso com veterinária que o meu gato costuma visitar. ela cria gatos da raça bengal e como sabe que eu sou louco pelo meu gato, acabou por me dar um bengal de 7 meses, pois sabia que eu cuidaria bem do bichinho. isso foi há 4 dias atrás. o bicho é lindo, parece um mini-leopardo, brincalhão, esperto e se adaptou muito bem a mim. até ai tudo bem!
daí comecei a fazer a adaptação entre ele e o gato antigo como recomendada por vc. o meu gato antigo, nos primeiros 2 dias não gostou muito, houve rosnados de ambas as partes, mas partindo principalmete do novato, que desde o início se motrou agressivo em relação ao veterano. então, no terceiro dia começou a agredir, chegou a bater no gato antigo! e isso justamente quando o gato antigo parecia já tranquilo e receptivo ao novato, pois o máximo que ele faz é cheirar o novato, quando este se aproxima. após a primeira "patada" o novato ganhou confiança e agora em poucos segundos juntos, já parte pra cima do do outro para agredi-lo.
o ruim é que eu tenho que deixa-los muito tempo separados por enquanto, e parece que só atrapalha mais na adaptação, pois tento coloca-los juntos antes de sair de casa, e quando volto a noite, de resto eles ficam separados o dia todo, parece que a coisa esta regredindo em vez de melhorar...a estratégia de colocar paninhos do gato antigo no recinto do gato novo esta dando muito errado também, pois o gato novo faz xixi nas coisas do gato antigo, por pura birra!...
agora um detalhe importante, que talvez explique muita coisa: o gato novo ainda não foi castrado, preferi esperar uns 10 dias para ele não sofrer um choque muito grande ( mudar de ares, ser castrado e encontrar um novo gato, tudo no mesmo dia). pois então, vou castra-lo nos próximos dias, vc sabe quantos dias demora para a castração fazer efeito? (acalmar o bicho e impedir demarcação de território, etc)
tem alguma outra dica? quanto tempo essa adaptação pode demorar? estou preocupado, pois o gato antigo que era feliz sozinho, está triste, e fica se escondendo embaixo da cama quando o outro aparece, e mesmo assim o novato vai lá embaixo e bate nele, que fica sem reação. agora, há 10 minutos atrás, foi de partir o coração, cheguei em casa do trabalho, e tentei deixar os 2 soltos no meu quarto. em 5 minutos, o gato novo deu uma patada no antigo, que rolou para o lado, caiu de barriga para cima e assim permanecel imóvel, aterrorizado. ele já esta ficando até deprimido, pois esta sendo aterrorizado por uma "jaguatirica".
desculpa o texto gigante, mas estou com muita pena dele, pois no final das contas, embora o novo gato seja muito legal, tudo que eu fiz foi para o bem do meu gato antigo! se puder me ajudar, ficarei muito agradecido!
obrigado, bjo

Beatriz Levischi disse...

A castração vai ajudar, sim. Mas os hormônios continuam no organismo do animal por um bom tempo (a vet pode te informar com exatidão). Eu agendaria a cirurgia para ontem e manteria os dois separados até a lembrança das agressões desaparecer. Quanto mais eles brigarem, mais difícil ficará a adaptação. Você nem deve permitir o confronto físico, aliás. O novato ameaçou bater no veterano? Borrife água no focinho ou faça um barulho bem desagradável. E, quando ele se comportar direitinho, ofereça petiscos aos dois. ;)

beto disse...

oi beatriz! em primeiro lugar, muitíssimo obrigado pela resposta rápida, valeu mesmo!

novidades, por partes:

1. vou castrar o bichano no sábado :)

2. comecei a fazer algo diferente ontem a noite:
deixei uma fresta de uns 7 cm na porta que separa os 2 e travei com um xinelo. fiquei um pouco surpreso com o que aconteceu. o meu gato antigo não sai de lá, ele quer ser amigo do novato, ele fica mexendo la com a patinha, ou qdo o novato põe a patinha ali, algumas vezes ele tenta brincar com ele! mas quando o veterano esta ali esperando e o novato vem, na maioria das vezes o veterano da um miado (aquele barulhino tipo pruuuuuuu) e sai correndo, mas logo volta para a porta, para tentar interagir com o novato. o legal disso é que o veterano está se sentindo mais seguro e confiante, e assim eles podem se olhar por um longo período sem riscos de briga.


3. só fico pensando o seguinte: dividi o meu apartamento em 2, o novato fica com a sala ( q tem um janelão q ele adora) + cozinha e o veterano fica com o meu quarto + banheiro + sacada.
embora eu vá la brincar com o novato toda hora, eu passo a maior parte do tempo no quarto quando estou em casa, só imagino se o novato pode sentir ciúmes, por estar do "lado de fora", pois ele quer entrar no quarto de qualquer jeito, ele mia bastante, como quem diz: ei!! me deixa entrar...hehe
isso pode aumentar a birra dele pelo veterano?

4.deixei eles hoje por alguns minutos juntos, comecei a usar aquele brinquedo de cordinha, com um bichinho pendurado na ponta, e cada um brincava um pouco, com uma distância de menos de 1 metro entre eles. então o novato começou a querer chegar muito perto do veterano, e eu tive que separá-los.
de volta pra porta com xinelo!

5. não se preocupe, eu não estou deixando eles brigarem, o fato é que o novato muitas vezes não rosna, ele simplesmente chega perto do veterano como quem vai cheirar o nariz do outro, em silêncio, e então solta uma patada, sem aviso prévio. por isso agora, qdo vejo que ele vai ali cheirar, com aquele olhar vidrado, já puxo ele pro lado, e se ele insistir, devolvo ele para a sala...

6.ontem fiquei fuçando no blog e é muito legal mesmo, parabéns pela sua dedicação, o mundo precisa de mais pessoas assim, urgente...

7. depois vou ver se faço um perfil aqui para colocar as fotos deles pra vc poder ver de quem está falando, ok?

mais uma vez, obrigado!

Beatriz Levischi disse...

De coração calmo tudo fica mais fácil, né? E não se preocupe que patada de amor não dói. Os bigodes só não podem se engalfinhar. Quanto ao quarto, o ideal seria deixá-lo vazio, mas, se não rola, paciência. Quer me mandar as fotos por e-mail: bialevischi@yahoo.com.br?

Anônimo disse...

Olá!Tudo bem?

É o seguinte:
Há pouco tempo eu adotei meu 6º gato.Todos os outros 5 foram adotados filhotes e a adaptação foi tranquila...
Mas este último chegou com pouco mais de 1 aninho.Todos vieram inteiros e os castrei.Este último ainda está inteiro.
Ele é muito tranquilo, muito amoroso e sociável...um doce de gato mesmo.
Mas ocorre que os meus 3 gatos mais velhos(3 e 4 anos de idade e comigo desde filhotes como mencionei acima)estão hostilizando o novato...
Ele virou o "perseguido" da minha casa e não sei direito o jeito mais certo de proceder...
Já tentei todas as "receitas" que se recomendam: aproximação gradual, troca de odores, cheiro igual em todos, borrifador de água, floral de bach e, por último, o Feliway...Nem preciso dizer que fiz as premiações com petiscos e brincadeiras...
Há comida, água e caixas de areia suficientes para todos.Não tenho criança e nem barulhos na minha casa...Sou adepta da guarda responsável e não cogito , nem de longe, a possibilidade de devolução do gato...Ele viveu por quase um ano num banheirinho e com comida escassa...E não vou fornecer a ele mais um trauma...
Minha dúvida é se eu posso interferir nas brigas ou se eu devo deixar a coisa correr, como se eu não estivesse vendo nada...
É complicado, pois eu e meu marido acabamos interferindo...
O que eu faço????
Por favor, me ajude...
Amo meu gatos e não quero vê-los estressados...Sei que não há uma "receita de bolo" para o meu caso...

Todos,individualmente, são muito queridos e dóceis...sei que vão acabar se acertando...mas...e até isso acontecer????Como devemos agir pra não prejudicar o bem-estar de todos???

O gato novato , no início, passou tanto stress que teve diarreias e obstruiu as glândulas ad anais...fazia cocô com sangue e tomou vários remédios(pra giárdia) sem necessidade(fizemos exames de fezes e etc e nada apareceu) à toa...Até que levei em uma vet que NÃO é especialista em gatos e ela descobriu do que se tratava...Agora ele está com um probleminha de pele...
Mesmo assim ele já ganhou peso e parece gostar da gente(humanos) porque vem nos receber na porta e tenta ir pro quarto todas as noites...
(Uma sacanagem, pois moramos em Curitiba e tem feito frio por aqui...)
Então passamos a interferir e separar...e dá-lhe borrifadas de água na cara dos agressores...O mais engraçado é que um dos agressores adora a água e não se intimida...
Mas a perseguição é tanta, que o novato chega a fazer cocô longe das caixas de areia(não é todos os dias) pois eles fazem tocaia para impedi-lo de usar as caixinhas...

Temos fechado uma porta que há na escada do sobrado, para isolar os dois andares e colocamos com o novato e mais 3 femeazinhas(uma delas é agressora) e conseguimos controlar as coisas...e manter a paz...O gato dominante mia muito na porta pra que abramos...até que deixamos ele entrar(depois de algumas horas) e ele se comporta...parece que percebe que esta sendo punido...(gostaria de acreditar que ele entende)Já o terceiro gato(na ordem cronológica) não abre a guarda...Continua numa perseguição incansável...
O meu maior receio é estar interferindo demais na natureza deles e prejudicá-los...e não chegar a lugar nenhum...

Não vou devolver o gato e isso está definido desde o dia em que o aceitei...é membro da minha família,mais um amor na minha vida.
Sou completamente contra devolução.E não acho justo com o gato...
Enfim ...

Patrícia disse...

Olá pessoal!
Tenho Merus, gata de 6 anos adotei o Cirus filhote macho de 2 meses, a Merus está muito enciumada, faz fuuuzz quando ele tenta chegar perto, mais ela não sai da cama p nada, não come, não faz xixi,estou com medo que ela fique doente, o que eu faço?

Beatriz Levischi disse...

Quando o novato chegou? A adaptação entre gatos adultos costuma demorar mais mesmo. Vocês podem deixá-los trocar tapinhas, mas separem se a coisa parecer que vai ficar séria.

Patrícia, o Cirus está na sua casa há quanto tempo? Você seguiu a dicas de adaptação deste post? Com filhotes não tem muito segredo...

Anônimo disse...

Ola!
Bom...o gato novato chegou há pouco mais de 3 meses.
Realmente eu já percebi que demora mais adaptar um gato que chega maiorzinho...os filhotes não têm medo de nada...e esse maiorzinho demonstra o medo e se encolhe sempre que é ameaçado...
Quero ver até quando terei que fazer interferências em embates...a gente vai ficando frustrada...especialmente quando se procura alguma informação por escrito sobre o comportamento agressivo e como lidar com isso...parece que gato é mesmo um mistério...
Abraços.

Beatriz Levischi disse...

Quanto maior a população felina, maior a dificuldade de adaptação também. Gatos não gostam de viver em grandes grupos. :\

Larissa Scalli disse...

oii meninas, meu caso é o seguinte, moro em apartamente de 50m², tenho duas gatas adultas e castradas, apareceu uma nova no predio, que é super docil e meiga com humanos. moro sozinha e nao tem que fique de supervisão, ou divir o ambiente que ja é pequeno, o que eu faço?

Beatriz Levischi disse...

Deixe a novata no banheiro e faça a apresentação dos bigodes no fim de semana, quando você estiver em casa, Larrisa.

Claudia disse...

No meu lindo e amadinho Kiwi (que não está mais conosco) eu castrei com 3 anos, pois segundo o vet, ele iria se acabar de tanto brigar. Ô gatinho danado!!! A Suri que encontramos na rua foi castrada aos 4 meses. Rolou super bem a castração, e, dessa vez, só colocou uma faixa envolta na barriga até os pontos secarem. Os pontos foram tirados na vet, mas sem stress. A Suri tá com 1 ano e 6 meses e parece que agora os efeitos da castração estão começando a ficar + intensos. Mas ela é uma gata danada tb. bjs e belo blog

Beatriz Levischi disse...

Animais castrados antes do primeiro cio têm menos chance de desenvolver câncer de mama, útero e próstata, Claudia. A cirurgia só traz benefícios, ó: http://blog.gatoca.com.br/2011/09/voce-castra-de-graca-e-ele-vive-mais.html.

Gisele disse...

Oi beatriz amei seu blog....meu caso eh o seguinte:tenho 2gatinhas....uma chama thina e tem 4 anos,eu tinha a nina mas ela morreu,ai a thina ficou sozinha e triste entao decidi a dotar outra pra fazer companhia a ela...pois bem...veio a lunna...linda e brincalhona...soh que a thina nao gosta dela,qdo a thina ve a lunna ela faz fusquinha e rosna mto mas ainda nao bateu,eu trabalho o dia td entao a lunna fica presa em um quarto e a thina solta pela casa...mas a hr q eu.chego e solto a.lunna ela se isola no meu quarto na minha cama.....tipo num sei o que fazer...to fazendo o q vc orientou mas ehmto triste pra mim ver a thina me ignorando...qto tempo isso leva??a adaptacao...eh isso bjos e parabens pelo seu blog.... =^..^=

Beatriz Levischi disse...

Não dá para dizer, Gisele. Depende das gatas e de você conseguir mostrar à Thina que a Lunna veio para somar. Bigodes são territorialistas mesmo, mas com o tempo acabam curtindo a ideia de ter um companheiro de bagunça.

Juliana disse...

Oi, Beatriz. Tudo bem? Meu caso é bem complicado. Tenho o Alfredo a seis meses, chegou aqui com dois meses... ele é a coisa mais querida. Nunca me arranhou, nunca fez fuzzz, nunca me mordeu de verdade.. eu pego ele, escovo, corto unha, limpo ouvido, dou banho, viro do avesso e ele não faz nada, no máximo mia. Ele é o meu primeiro gato... sabia que era um gato querido, que tinham gatos bravos, ele era a minha referência. Sabia que existiam gatos bravos, mas não como a Charlotte, ela está aqui em casa a 3 horas e já me tirou o sono. Resolvi adotar uma gatinha para fazer companhia para o Alfredo. Achei no Facebook o caso de três irmãos de 4 meses, que estavam todo esse tempo numa gaiola. Parece que a mãe os levou para cima do roupeiro, a eles caíram no vão entre o roupeiro e a parede, tiraram de lá, a mãe ficou brava e os arrastou pra não sei onde com brutalidade, enfim os machucou. A dona da gata os levou para uma clínica, e não os levou mais para casa, pois ela já tinha 15 gatos e o marido não queria mais, já estava pê da vida com a gestação e não aceitou os filhotes de volta... então lá eles ficaram e a senhora pagando a hospedagem. Achei que se tinha um gato que merecesse um lar, carinho e amor, era um desses... fiquei com a fêmea. O problema aqui não é só a adaptação dela com o Alfredo, é a adaptação dela a um espaço maior, a um ser humano e a um outro gato que não sejam os manos. Quando chegou ficou no meu colo bem mansinha, fiquei um tempo assim, e logo em seguida a levei para comer, e mostrar a areia... ela já pulou, me arranhou toda e se enfiou num canto. Deixei uma meia hora e tirei ela de lá e coloquei na frente da comida... comeu um pouco,sempre olhando para os lados... o Alfredo trancado num quarto. Parou de comer, fui pegá-la e ela ficou rente ao chão, fazendo fuuzzz muito alto... vi que não poderia deixá-los juntos... ai separei comida, agua, areia, brinquedo, arranhador e cama, e coloquei no quarto... peguei ela com dificuldade, coloquei ela no segundo quarto e tirei o Alfredo do que ela ía ficar. Voltei para o quarto e ela estava com a cara enfiada na parede... me viu e começou a fazer fuzzz e correr.. ela se bate nas paredes, pula e se bate... parece até cega... acho que não tem noção de espaço por ter ficado sempre na gaiola, e talvez por isso tenha a mania de enfiar o rosto nos cantos das paredes, acho que assim ela se sente segura. Correu, pulou, rosnou, fez fuz, se mijou e eu imóvel esperando ela parar. Parou e eu cheguei com calma e ela fazendo fuz... peguei ela para levá-la ao outro quarto e no corredor ela viu o Alfredo, tentou se soltar e me mordeu muito forte e não queria largar, se mijou de novo, entrei no quarto e larguei ela no chão.. lá foi ela pro canto das duas paredes. Deixei ela lá... depois entrei no quarto, nem sei onde estava, só ouvia o fuzz. Vou deixá-la lá.. acho que primeiro ela terá que se acostumar ao quarto, depois a mim e daqui a muito tempo o Alfredo. Estou muito chateada, magoada até... sei que é um bichinho, mas estou bem chateada. Ela teve uma vida até agora muito sofrida, acho que é normal. Mas estou com muito medo de que ela nunca nos aceite. Quais as suas dicas para que ela pare primeiramente de me ver como uma ameaça? O Alfredo parece curioso... fica só olhando para a porta, ac ho que com ele não terei problemas.
Adorei seu blog, beijão.
Juliana

Beatriz Levischi disse...

A principal dica é ter paciência, Juliana. Filhotes tendem a se acostumar rápido com a mudança de casa e os novos amigos. Mas você sabe que a vidinha da Charlotte nestes quatro meses não foi fácil. Gatos jamais fazem xixi neles mesmos se não estiverem doentes ou em pânico. Não force carinhos, colos, comida. Espere que ela se sinta segura para "desentocar". E mantenha os bigodes separados até a pequena entender que a fase de sofrimento acabou. Ah! Quando resolver juntar os peludos, não esqueça de seguir as dicas de adaptação deste post. ;)

Luciana disse...

Oi, Bia, tudo bem?

Estou meio que num dilema... Estou querendo adotar um gatinho pra fazer companhia à minha Marie, 7 anos. Ela é muito sociável e sempre se deu super bem com o nosso outro gato, o Chico, que morreu no fim do ano passado. Mas ela está comendo ração especial para as pedras nos rins, mesmo tendo ureia e creatinina normais. Tem como? Eu não sei como fazer com a ração diferente para os dois, pois eu sempre deixei os meus dois com ração à vontade... Obrigada pela atenção e parabéns pelo blog!!
Bjs

Beatriz Levischi disse...

Por que a Marie precisa de ração especial, Luciana? Essa dieta é temporária?

Cris Paes disse...

Eu acho que is persas são muito individualistas, o meu tem 7 anos e peguei um gatinho órfão pois sua mãe e irmã foram envenenadas, ja faz quase um ano e o persa bate nele todos os dias, ele quer brincar e o persa socar rs não sei mais o que fazer eh fogo viu.

Beatriz Levischi disse...

O problema deve ser a diferença de idade entre eles, Cris. Filhotes cheios de energia acabam com qualquer aposentadoria. rs

Elaine disse...

Oi Beatriz
Ontem trouxe uma gatinha abandonada no pet shop para casa. Ela deve ter um mês e meio. É dócil e brincalhona. O Leo, meu gato, tem 3 anos, sempre foi sozinho e não está gostando nada da novidade....
Ele não sai do quarto da minha filha nem para comer, embora a gatinha esteja ocupando o meu quarto. Coloquei uma tela na porta do meu quarto pra ver se rola pelo menos um contato visual, mas o Leo se mantem muito distante. Como adaptá-los? Eu devo levar o Leo até ela, já que ele não vai por conta própria? Devo manter a tela ou fechar a porta?
Outro problema é que a gatinha não come a ração (Baby Cat Royal Canin), mas fica comendo migalhas de pão do chão quando eu a solto na sala.
Ainda sobre a ração: como evitar que a filhote coma a ração do gato adulto?
Obrigada
Elaine

Beatriz Levischi disse...

O Leo parece estar triste ou com medo, Elaine? Você já tentou aproximá-los com petiscos? A gatinha não gosta da ração ou não consegue mastigar? Evitar que ela roube a comida do amigo é impossível ― a menos que eles fiquem separados.

Luciano Oliveira disse...

Olá, você parece entender bem sobre gatos. Preciso de ajuda. O lance é o seguinte: aqui em casa eu tenho 2 cães e dois gatos. O gatos são o Lino e o Bartolomeu. Resumo rápido. O Lino é o mais velho; é de janeiro de 2008. O Bart é de dezembro de 2008. Os dois sempre se deram bem, sem estresse. Recentemente resgatei da rua uma gatinha (estava presa dentro do compartimento do motor de um carro na rua) e a trouxe para casa. Meus dois cães a aceitaram numa boa; mas meus gatos..... eles a rejeitam totalmente. Rosnam e fazem aquele ruído como se estivessem soprando. Chegam a ficar um dia todo fora de casa só para não cruzarem com ela. As vezes mal vêm para comer. Quando ela chega perto eles se tornam agressivos e mal humorados; as pupilas dilatam e o som que emitem não é nada agradável.
O que posso fazer?
(lcnoliveira@ig.com.br)

Obrigado.

Beatriz Levischi disse...

Esse comportamento é normal, Luciano. Gatos são territorialistas e demoram para aceitar um novo amigo. Você deve mostrar aos veteranos que a novata veio para somar, não dividir. Coloque em prática as dicas deste post, sem pressa e com o coração tranquilo.

E procure evitar o acesso dos bigodes à rua. Soltos eles correm o risco de morrer envenenados por um vizinho descontente, de parar sob a roda de um carro desenfreado, de brigar com outros animais, de pegar mil doenças. Se precisar de empresas que instalam telas, aqui tem um monte: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Mary The Singer disse...

Tenho duas gatas há 3 anos e 1/2 e hoje adotei mais uma gatinha de aproximadamente 3 meses. A minha gata veterana está muito enciumada e até me deu umas patadas e fuzzz, inclusive está estranhando sua companheira de anos. Sei que leva um tempo para se adaptarem, mas espero do fundo do coração que elas se resolvam rápido :(
beijos à todos os amantes dos felinos!

Juliana Cardoso disse...

Tenho o meu Obama a 5 meses, ele chegou com 2. E ontem trouxe o Jimi que tem 2 meses também. Um tá a fim de matar o outro. O Obama tá com raiva de mim, nem vem mais no meu colo e tô ficando triste. Disseram para passar essência de Baunilha neles... será que resolvem mesmo?

gau disse...

OLÁ, ESTOU CO SÉRIOS PROBLEMAS DE ADAPTAÇÃO COM MINHAS FILHOTAS! ADOTEI A PAPA COM MAIS OU MENOS SEIS MESES E A PIPOCA TAMBÉM A ADAPTAÇÃO DELAS FOI TRANQUILA. AGORA ADOTEI UM GATINHO MACHO DE UM MÊS, A PAPA TÁ ROSNANDO, NÃO FICA NA CASA SÓ VEM COMER E ESTA ESTRANHANDO ATÉ A PIPOCA (SUA AMIGA!) ESTÁ ROSNANDO PRA MIM, PARECE TRISTE QUANDO CHEGA EM CASA À NOITE! TÔ PREOCUPADA! NÃO ESTOU DEIXANDO O NOVATO DORMIR COM ELA, COLOCO-O NO BANHEIRO COM A CAMA, ÁGUA, COMIDA... MAS ASSIM Q A PAPA OUVE OS MIADOS COMEÇA A ROSNAR E FOGE PULA A JANELA E SOME!!! ESTOU COM MEDO DA PAPA DEIXAR A CASA E ME ABANDONAR! O QUE FAÇO??? DESDE JÁ AGRADEÇO! AH, ADOREI O BLOG E AS DICAS!!! BJS

Beatriz Levischi disse...

Essência de baunilha eu nunca testei, Juliana. Mas as dicas desse post dificilmente falham. Ainda mais com filhotes. Viu, Mary?

Gatos demoram mesmo para aceitar um novo amigo, Gau. Mas só dá para garantir que a Papa fique segura em casa telando as janelas, ó: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

gau disse...

OBRIGADA BEATRIZ!
SÓ FICO COM MEDO DA PAPA NÃO SE ADAPTAR AO NOVATO E DEIXAR A NOSSA CASA! PREOCUPAÇÃO DE MÃE! RSRS

Anônimo disse...

Gentee por favor me ajudem! eu peguei uma gata adulta, castrada, tem um mês, mas como trablho fora o dia todo, resolvi pegar outra pra fazer companhia para a antiga... a que eu já tinha é um amor, n ligou e n estranhou a novata, o problema é o contrário! é a novata que fica implicando,bufando e querendo brigar com a antiga... o que faço pras duas se darem bem e virarem amigas? Desde o primeiro dia, deixei as duas juntas! Socorro por favor!

Anônimo disse...

ahh podem me mandar emails me dando dicas? é spclaudinha@hotmail.com
Beijos

Anônimo disse...

Então gente... Li vários tópicos sobre adaptação dos gatinhos... E vim compartilhar minha experiência pra que possa ajudar alguém rs.
Então eu tinha a Minnie que tinha 7 meses de vida e decidi adotar uma outra gatinha a Marie de 45 dias, ai ja viu ne meu deus a Minnie era super dócil calma mas de repente virou um Leão rsrs, dai fui testando varias coisas diferentes que li e acreditem realmente da certo..
Acho que um dos pontos que possa ter ajudado foi o de a Marie ser um bebe... Mas tudo bem deixei a Marie trancada no banheiro e de vez em quando abria a porta pra elas se verem , mas nao esperei 3 dias nao no primeiro segundo dia ja ia mostrando( nao tenho paciência rsrs) e dai foi... Uma hr coloquei o cobertor da Marie pra Minnie cheirar e assim foi , comecei deixando a marie solta durante o dia e prendia a noite.. Meu deus era uma briga so mais nao deixava a Minnie bater na menor... Hj uma semana depois elas ja estao super bem rsrs e uma delicia ver as duas brincando a Minnie lambe ela todinha e comem juntas etc, claro que de vez em quando a Minnie da umas mordidinhas na Marie mas agente percebe que ela quer brincar e nao machucar... Bom é isso a história da minha gatinha e espero que possa ajudar alguém!!!
Beijinhos

Beatriz Levischi disse...

Você tem que associar a presença da veterana a coisas bacanas, Claudia. Quando as duas estiverem juntas, ofereça petiscos, faça carinho ou estimule brincadeiras ― sem diferenciações.

roy disse...

em toda net sobre esse assunto falam a mesma coisa , colocar os gatos em ambientes separados , deixarem se ver atraves de um vidro etc etc como se todo mundo tivesse varios comodos e ambientes na casa sobrando para fazer isso , e como todos tivessem tempo e disponibilidade para tantas dicas , ninguem trabalha , todos tem casarões com varios comodos sobrando , todos tem tempo para ficar horas do dia fazendo isso e aquilo , me poupem seus peseudo especialistas !

Beatriz Levischi disse...

Um banheirinho também é considerado cômodo, Roy. E, se você não tem tempo nem disponibilidade para colocar em prática sugestões simples como essas, pense bem antes de adotar um animal de estimação. Eles exigem atenção, ficam doentes e podem viver por até 20 anos.

Joelma disse...

É normal, meu gato ficar irritado com todos mundo, mesmo a gente não ficar fazendo ciumes pra ele, fechar ele, ele esta bravo com todos, é normal?

Ana Clara disse...

Boa tarde Beatriz! Fiquei muito contente ao encontrar o blog e poder compartilhar informações sobre os bigodes! Meu caso é o seguinte: tenho duas gatas Mel e Lila. Mel com seus 9 anos é a mais velha da casa, Lila chegou tempos depois e hoje tem uns 5 anos. A adaptação teve seus dias de guerra por Mel ser bem arisca. Mas com o passar dos dias elas se entendenderam. Lila sempre muito fofa e sociável.De vez em quando ainda rola umas briguinhas, mas de amor com certeza. rs.
Ontem chegou uma nova moradora na casa: Nina, 1 aninho. Eu e minha mãe ficamos apreensivas imaginando que Mel nao iria gostar da novata. Mas tivemos uma surpresa: Mel não está nem ai pra nova gatinha, agora Lila... Quando chega perto faz mto fuzzzz nao quer ver Nina de perto. A coitadinha está só se escondendo pelos cantos que encontra. Hoje quando ela estava humildemente saindo do quarto (pra explorar a casa) deu de cara com Lila que aprontou um escandalo! rs. Na mesma hora joguei um pouco de agua com o borrifador e Nina voltou a se esconder. E o pior: ela não quer comer nem beber nada. o que fazemos quanto a isso? E outra: devemos deixá-las brigarem? Minha mãe vai cortar as unhas da Lila pra que algo mais grave nao aconteça... E quanto estivermos todas fora? O que fazer? Fechar uma delas?
Enfim.. sei que é um processo lento mas precisamos evitar falhas né? rsrs
muito obrigada!
um beijo das 3 gatinhas da casa: Mel, Lila e Nina. ^^ ^^ ^^

Beatriz Levischi disse...

Vocês adotaram outro bigode recentemente, Joelma?

É preciso associar a presença da Nina a coisas bacanas, Ana Clara. Quando as meninas estiverem juntas, ofereça petiscos, faça carinho ou estimule brincadeiras. Elas podem ameaçar brigar, mas não devem chegar às vias de fato. E, se vocês tiverem que sair, deixem a novata fechada em um dos cômodos da casa.

Thais Rocha disse...

Bm dia, gostaria de compartilhar minhas experiências e pedir certa ajudinha também, em set.12 adotei meu primeiro gatinho com 3 meses, um amor, tudo foi tranquilo, mas percebi que ele estava cada vez mais solitário, miando muito pelos cantos, em maio desse ano, adotei a uma fêmea, de 3 meses também, fiz tudo conforme li no blog, na primeira noite, forrei o banheiro do quarto, deixei tudo dela lá, e fui dando atenção aos dois, o Binkas ( veterano) ficou no meu quarto ( pais já estava acostumado a dormir comigo) foi fuzzzzzzz a noite toda por debaixo da porta, enfim, fui gradativamente fazendo a a adaptação, em dois dias, estavam brincando. Agora domingo dia 14/07 adotei o gato 3, o Fred, que é um amorzinho, foi vitima de maus tratos, está cego de um olho, com pneumonia por ter dormido sem abrigo nenhum, mas mesmo assim, é doce e tranquilo, ele tem 3 meses, mas devido ao seu quadro doente, não tive coragem de deixa-lo no banheiro, mas os meus dois gatos não ligam pra ele, fazem fuzzzz, dão patada, brincam só entre si, no primeiro dia o Bincas até tentou cheirar o Fred, estava até melhor que a Sukki, que nem quer chegar perto a não ser para amaeacá-lo.
O problema é que como não tem companhia, o Fred acaba sempre pedindo colo, sobe na cama, quer se aconchegar, não consigo negar isso a ele depois de tanto sofrimento que ele passou. Dou carinho sempre a todos, se outro gato se aproxima, vou imediatamente dividir a atenção, rolou petiscos, mas tive que manter distancias, agora, acho o Fred tristonho, e não o vejo comer. Isso tem sido muito difícil pra mim, quero que o Fred seja aceito, assim como é a relação entre o Binkas e a Sukki. Me desculpe o desabafo, e aguardo alguma dica.

Beatriz Levischi disse...

Tem adaptação que demora mais mesmo, Thais. O importante é manter a calma e não fazer diferenciações entre os bigodes.

Bruna Pacífico disse...

Gente estou desesperada!!! Tenho um gato que tem 3 anos, o Juquinha, que é um siamês. Resolvi castra-lo e praticamente na mesma semana que castrei adotei um filhote de um gatinho sem raça definida. Acontece que o Juquinha ficou extremamente mal humorado, ele não bate no filhote, mas fica rosnando pra ele e agora ele sai de casa, fica até uns dois dias fora e volta praticamente só para comer.
Pensei até em devolver o filhote, pq não quero perder o Juquinha, mas também não queria ter que devolver o Red, que é o filhote que adotei. Me ajudem!!! O que eu faço???

Beatriz Levischi disse...

O comportamento do Juquinha é normal, Bruna. Seguindo as dicas de adaptação deste post, os bigodes logo virarão amigos. Para mantê-los seguros, porém, você deve impedir o acesso à rua. Soltos, cães e gatos correm o risco de morrer envenenados por um vizinho descontente, de parar sob a roda de um carro desenfreado, de brigar com outros animais, de pegar mil doenças. Se precisar de dicas de empresas que instalam telas, aqui tem um monte: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Lazulli Estética-novidades em estética e beleza disse...

Ganhei a Kitana de 2 meses, só que eu já tinha a Barbie de 2 anos e 2 meses e, confesso que estou meio perdida. Eu deixo a Kitana, durante o dia, na varanda, que tem porta de vidro, para que a Barbie possa vê-la, mas a Barbie continua fazendo fzzzzzzzzzz. Durante o dia, em alguns momentos, coloco a Kitana no transporte e coloco dentro de casa para ver se a Barbie aceita, mas ela faz fzzzzzz o tempo todo. A noite, depois que a Barbie vai dormir no quarto dela, eu coloco a Kitana pra dentro e deixo ela andar pela casa para poder espalhar seu cheiro e, coloco ela para dormir no meu quarto. Gostaria de saber se estou fazendo certo e se posso melhorar alguma coisa? Obrigada.

Beatriz Levischi disse...

Falta associar a presença da Kitana a coisas boas. Quando as meninas estiverem juntas, ofereça petiscos, faça carinho, estimule brincadeiras.

lola viegas disse...

Aiii eu estou tão triste, adotei um gatinho filhote que apareceu aqui no quintal em um dia muito frio, no começo ia só dar guarita a ele, mas resolvi adotar, muito brincalhão, e muito carente já foi tentando se esfregar no meu siames o fefê de 2 anos. Enfim, 2 meses se passaram, eles não se amam, brincam de brigar, mas o Fefê mudou completamente, agora só quer ficar na rua, não interage mais comigo, antes dormia na minha cama, ronronava, agora malemá olha na minha cara, chega em casa, come, e some...o gatinho novo tenta brincar, corre atrás dele, ele até brinca uns minutinhos e vai embora...eu só queria meu gato de volta e a amizade entre eles, mas esta difícil...

Beatriz Levischi disse...

Essa amizade vem com o tempo, Lola. Quando os meninos estiverem juntos, ofereça petiscos, faça carinho ou estimule brincadeiras. E, para mantê-los seguros, é melhor impedir o acesso à rua. Cães e gatos soltos correm o risco de morrer envenenados por um vizinho descontente, de parar sob a roda de um carro desenfreado, de brigar com outros animais, de pegar mil doenças. Se precisar de dicas de empresas que instalam telas, aqui tem um monte: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Marianna Andrade disse...

cara, voce me fez ter esperanças!
Eu ja tinha uma filhotinha de 3 meses... adotei ela abandonada de rua mesmo, nao tinha nem desmamado. ou seja: rebelde sem causa.
Ai arrumei uma de 2 meses pra fazer companhia... é um festival de fzzzzzzzz e de grrrrrrr (sim, minha gatinha rosna) com a novata que tenho ate medo de elas nao se acostumarem.

To deixando as duas soltas... livres para se entenderem. a novata é mto tranquila... respeita os fuzzz e ta tentando ganhar espaço aos poucos. me desejem sorte, por favor!

Beatriz Levischi disse...

Filhotes se adaptam fácil, Marianna. :)

Grasi Boff disse...

Olá! !! Eu tive muita sorte com os meus amores. .. Já tinha a Mell de um ano e adotei a bebê com dois meses. A Mell foi bem maezona e ja começou a lamber e dar carinho para a bebê no primeiro dia e a bebê foi bem tranquila tb. Hj estou pensando em comprar uma maltês e tenho medo de que minhas gatinhas não se adaptem a ela.... Será que terei muitos problemas de adaptação! ? I que vcs acham!?
Obrigada! !!
Bjsss e adorei i blog!!!

Beatriz Levischi disse...

Eu não entendo muito de cachorro, Grasi. Mas dê uma pesquisada nos abrigos primeiro. Cerca de 30% dos animais resgatados são de raça, porque as pessoas compram por impulso e abandonam. Você economiza, dá uma chance a um bichinho rejeitado e não incentiva o comércio da vida. ;)

Izzie Moore disse...

Oi, eu tenho três gatos, dois eu peguei filhotes praticamente no mesmo mês há cinco anos, e outra que nasceu da minha gata um ano depois. Há uma semana eu adotei uma gatinha abandonada que vi no estacionamento do serviço, achei que o maior problema seria a filhote da Mel (nome da minha gata) mas acabou sendo a própria Mel. Ela é o meu xodó, e ficou toda ofendida com a gatinha, rosna pra ela toda vez que a vê e está arisca. Meu maior medo não é ela avançar na gatinha, pois ela já teve chances e não o fez, mas sim ela fugir, pois desde que trouxe a gatinha ela quase não fica em casa, vê a gatinha e sai correndo e fica no quintal mal-humorada. Tentei separar elas nos primeiros dias, mas agora a gatinha fica chorando desesperada toda vez que a deixo no quarto então soltei ela. Será que a Mel vai fugir? Minha mãe diz que não pq ela é castrada, mas estou bem insegura ;ss

Arte AGTM disse...

Alfredo tem 3 anos e pegamos a Farofa, de 5 meses, na rua. Deixamos os dois se entenderem e brincam, brigam, isso em 3 dias. A preocupação é q Alfredo não ronrona mais e não quer nosso carinho. :( oq fazer nesse caso? Ele vai ficar mais tranquilo com o tempo?

Beatriz Levischi disse...

O comportamento da veterana é normal, Izzie. Você precisa fazê-la associar a presença da novata a coisas boas: quando elas estiverem juntas, ofereça petiscos, distribua cafunés ou estimule brincadeiras. Quanto à fuga, o ideal é impedir o acesso à rua. Gatos são criaturas curiosas. A castração não faz diferença. Dê uma lida neste post: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Três dias é pouco tempo para os peludos se adaptarem à nova configuração de família, Arte AGTM. Tenha paciência que as coisas se ajeitam. Ainda mais com filhotes. :)

Suellen Garcia disse...

Gente,estou precisando de algumas dicas. A um ano e meio adotei uma siamesa que tinha 3meses. Por um descuido ela fugiu e ficou fora durante 7dias.Nesse meio tempo apareceu outra gata em casa com uns 5 meses e não castrada. Aos poucos fui apresentando uma a outra...revezando os lugares onde cada uma fica p acostumar com o cheio. E a dois dias resolvi solta-las pela casa. A gata veterana não suporta que a outra chegue perto...fica rosnando, etc...a outra brinca passa por ela sem muitos problemas. Eu não sei o que fazer pois a veterana fica só observando a novata,e esquece de usar o banheiro, não come, não brinca e nem tira seus cochilos. O que eu faco?

Beatriz Levischi disse...

Siga as dicas deste post, Suellen. E não tenha pressa de juntar as pequenas ― principalmente se você passar o dia fora e não ficar ninguém em casa para impedir possíveis arranca-rabos.

Noteachs disse...

Olá Beatriz. Tenho o Conan desde 2006, ele foi resgatado e castrado uns três meses depois, mais ou menos com sete meses. Quando ele chegou eu já tinha a Lua, mas ela aceitou numa boa. Infelizmente a Lua se foi e ele ficou um tempo filho único. Já conviveu com cachorro e até com rato sem atacar ninguém, só que quando me separei e ele passou a ser filho único acho que gostou, pois quando peguei uma gatinha, alguns meses depois, ele não gostou nada, e até hj eles não são amigos, isso já tem cinco anos! Eles se estranham até hoje, mesmo sendo tratados com a mesma comida e carinhos. E pra piorar, semana passada eu resgatei um filhotinho abandonado na rua, estou tentando doá-lo porque moro num kitnet e os dois gatos não aceitam ele de jeito nenhum! Se minha vida já era difícil antes, agora então... ele chegou tem cinco dias, e os gatos não dividem espaço com ele, tive que mudar até a comida e banheiro de lugar, porque eles não vão até lá, por causa do gato. Estou sem saber o que fazer, quanto tempo eu devo esperar pra saber se eles vão se adaptar??? Apavorada aqui, e o pior, apaixonada pelo filhotinho novo...ele é adorável. O que eu faço???

Beatriz Levischi disse...

O gênio do Conan pode não ter batido com o da gatinha. Isso não quer dizer que ele prefira ser filho único. E a rejeição ao novato é normal. Você seguiu as dicas de adaptação deste post?

Unknown disse...

tenho 2 gatas uma adulta e um bebezinho.minha gata adulta a tequila era mto brincalhona corria pela casa toda,vivia kerendo colo, brincava com agente o tempo todo,assim q a caipirinha chego ela mudo completamente fico seria não da mais moral pra mim nem meu esposo,e agora ela ta se isolando, de manha kando levanto ela deita na minha cama e fica la depois do almoço ela fica enbaixo da mesa la ate a noite,e kando pegamos ela c no colo ela fica ate tensa pra coloca ela no chao de novo,o q esta acontecendo com ela?o q faço pra ela melhora?ela esta doente?

Beatriz Levischi disse...

Pode ser ciúme. Tente associar a presença da novata a coisas boas: quando elas estiverem juntas, ofereça petiscos, distribua cafunés ou estimule brincadeiras ― sem fazer diferenciação entre as duas. Doença só o veterinário conseguirá diagnosticar.

Danila disse...

Bom dia! Meu novo gatinho chega na terça-feira e tenho algumas dúvidas. A primogenita tem 1 ano e 2 meses e é bem calma e brincalhona.... mas sinceramente não sei qual será a reação dela...vi muitas dicas de ter que separar em outro comodo, só que eu não tenho outro como sobrando para deixar o outro gatinho exceto o banheiro... posso deixa-lo no banheiro? Como fazer quando não se tem um quarto sobrando? O gatinho novo tem 2 meses, preciso ter duas bacias de areia? Cada um tem que ter seu pote de agua e ração? Desde já agradeço, beijos :*

Beatriz Levischi disse...

Não dá para prever a reação dos bichos mesmo, Danila. Pode deixar o gatinho no banheiro, sim. Durante o período de adaptação, você precisará de tudo dobrado. Depois, eles podem compartilhar ― só que os potes devem ser maiores.

Franciana Nogueira disse...

No meu caso, a gata veterana simplesmente foi embora e não voltou nem pra comer mais. Está praticamente morando na casa dos fundos e passou a me odiar, isso tudo só por ver a gatinha filhote que adotei. SOCORRO! quero a minha Marie de volta.

Juliana Vaillant disse...

O meu caso eh o seguinte... eu adotei a Madonna filhote, um ano depois adotei o Chico, que chegou aqui filhote também... os dois se estranharam no início, mas em dez dias tudo estava bem. A Madonna não morre de amores pelo Chico, as vezes até brincam, mas ela prefere a distância. Eis que essa semana, resolvi pegar a gata que estava aqui na rua, ela sempre fui dócil, e pareceu ter sido abandonada. Mas ela se revelou na primeira consulta, parecia uma leoa, foi sedada e tudo. Desde que chegou aqui, deixei a kyra isolada num quarto. Ela "rosna" e ronrona ao mesmo tempo, mas quando viu o Chico pelo vidro teve outro surto. Comprei o spray, coloco coisas com cheiro dos outros gatos perto dela, e parece que não tem avanço. Ela não é nem de perto a gata que vivia tranquila na rua. Fiquei até pensando se eu fiz a coisa certa, e se ela nunca confiar em mim? Os meus gatos são incapazes de me arranhar ou morder.... ainda está isolada no quarto. A kyra tem em torno de quatro anos... com filhote eh tudo mais fácil!

Beatriz Levischi disse...

Mantenha a Marie dentro de casa, então, Franciana. Ela terá tempo de se acostumar com a novata e estará salva dos perigos da rua, ó: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

São muitas mudanças de uma vez, Juliana. Casa, família e amigos novos. Com um tico de paciência, a Kyra acabará desabrochando. E, quando estiver com ela, ofereça petiscos. ;)

Adriane Badauy disse...

Meu gato macho de dois anos esta mordendo o pescoço do de uma mês e trinta dias que chegou há 3 dias. Há algum risco dele machucar o bebê? No início ele só rosnava mas agora partiu para o ataque. Estou muito preocupada. Ele agarra mesmo o pequenininho...

Beatriz Levischi disse...

Você seguiu as dicas de adaptação do post, Adriane? Os bigodes podem ameaçar brigar, mas não devem ir às vias de fato.

Isabela disse...

Olá Beatriz, será que você pode me dar uma ajuda?

Então, eu tenho uma gatinha de 7, quase 8 meses, recém castrada. No último Sábado, dia 14, trouxe um gatinho macho, de 3 pra 4 meses, pra minha casa. Na hora que ele chegou ela viu, na caixinha e ficou fazendo um barulho tipo um rosnado e fizzzz pra ele. Depois eu coloquei o novinho num comodo, e deixei ela ficar olhando só da porta. Ela ficou bem nervosa, rosnando, fazendo fzzz e aí separei. Daí ele passou a ficar nesse quarto e ela no resto da casa. Ela ficou bem uns 2 dias sem me dar idéia, recusando carinho e até ocasionalmente fazendo fzz pra mim, quando eu tava com o cheiro dele. Depois, fui dando comida pros dois com a fresta da porta aberta, um de cada lado. No primeiro dia foi muito rosnado e fzzz e depois nas vezes seguintes a situação começou a acalmar. Aí comecei a brincar com ela enquanto alguma outra pessoa segurava o outro gatinho no colo, mas por perto. Foi tranquilo, ela brincou, não se preocupou muito com o gatinho. Aí comecei a depois das refeições abrir um pouquinho a porta e brincar com ela. Ela brincava, mas quando percebia que o gatinho tava por perto, ficava olhando fixamente e fazendo fzzz como quem fosse atacar. Uma hora chegou a ir perto e dar uma patada, aí recolhi ele. Agora, na hora de comer, ela tem comido um pouco e começa a tentar enfiar a pata pela fresta da porta pra dar patada nele. Ela não está mais ressentida comigo, voltou a ser carinhosa como antes, mas com isso de ela tentar "dar patada" tÔ com medo de não estar fazendo progresso, ou até regredindo, porque de início ela não fazia isso. Tô fazendo algo errado? Me ajuda! rs

Blog da Teresa disse...

Tenho um casal de gatos de um ano e meio,a primeira que pqguei foi a Catarina,quando trouxe o Simba ela fazia fzzzz atacava ele no pescoço, e ele doente, com giárdia nem se defendia. Sofri, pois tive que fazer o tratamento e separá-los. Quando sararam fui separando aos poucos, daí veio a castração, um por vez, hoje vivem bem, se lambem dormem juntos. Esses dias resgatei um filhote da rua, quase morto de fome e magro. Está em LT pois tive medo de ter alguma doença e passar para os meus. Se eu decidir adotá-lo será que os meus o machucam? Temo que o filhote coma a raçãodeles que é royal canin sterilezed e o filhote come a baby cat... Que dicas me daria?

Roberta Rodriguês disse...

Bom dia Beatriz, o meu caso é o seguinte, tenho 03 cachorros e uma gata que veio filhote e esta com 10 meses, no domingo passado 29/06 fui em itapeva e ao parar em um posto vi uma gata com problemas nas pernas e miava muito, então resolvi resgata-la, coloquei ela em um banheiro, separada de todos os outros, levei no veterinario e ela esta com cistite, estou tratando, até ai tudo bem porem ela é muito arisca , mas deixei que ela e a outra gata se encontrassem, não aconteceu nada ate a veterana quer fazer amizade, mas o problema é que a novata não pode em ver de longe os cachorros que começa a fazer um barulho, os cachorros estão acostumados coma a gata veterana, e querem conhecer essa mas ela não deixa se aproximar, também não é muito amorosa, ela me deixa pegar mas antes faz um barulho com a boca para ver se me espanta, bom eu sei que não vou poder deixar ela o tempo todo trancada no banheiro, ela que sair, mas estou com medo de soltar ela e ela brigar com os cachorros e se assustar e ir embora,

Beatriz Levischi disse...

Adaptação com filhote é mais fácil, Teresa. Mas você deve deixá-los separados quando não tiver ninguém em casa, até se acostumarem. Quanto à ração, os adultos não podem comer a do pequeno?

Todo animal que sofreu na rua tem esse escaldo, Roberta. E a bichinha ainda deve estar com dor, por causa da cistite. Deixe-a se acostumar com a casa e confiar em você. Acelerar esse processo só tornará a adaptação mais difícil. Você sabe quanto tempo durará o tratamento?

Juliana Martinez disse...

Olá Beatriz, tudo bem?
É o seguinte, eu tenho uma gata de 5 anos, sempre foi a dona de casa, e foi então que meu marido apareceu com um bebe de 45 dias, que estava na rua, no frio! Adotamos obvio!!! Fiz exatamente como tinha que fazer, deixei ele na lavanderia eminha gata foi conhecendo-o aos poucos.. Pois bem, passaram-se 2 semanas e minha gata as vezes faz fuuuzz pro novato quando ele chega muito perto dela, ela brinca com ele, mas enquanto ela está descansando, ele não pode chegar perto! E o problema é que ela está me odiando hahaha não deixa mais eu fazer carinho, não vem mais pro meu colo, rosna pra mim!!! E eu sempre dou petiscos e tento brincar, mas ela nao quer saber e fica brava!! Ela eh castrada, e pretendo castrar o novato

Beatriz Levischi disse...

Dê o tempo que ela precisa para se acostumar com o pequeno, Juliana. Logo, logo essa ranhetice passa.

edinei jau disse...

Ola Beatriz tudo bem ?
é o seguinte tenho dois gatos o Dudu e o Fredy ontem adotei mais 2 gatinhos filhotes com 40 dias trouxe eles para a casa o Fredy so olhou de longe o dudu nao quis nem ver hoje de manha eles ficaram olhando de longe e quando eu colocava eles perto eles miavam alto ficavam agressivos querendo aranhar e morder muito nervoso e os gatinhos estao dentro de casa e o dudu e o fredy nao garagem eles nao entram pq isso ? estou fazendo algo de errado me ajude sera que ele vao se adptar?

Carolina Bertoncini disse...

Beatriz tudo bem?

Estou com um problema em casa....

Tenho uma persa de 8 anos e três cachorras ( border de 10 anos, Lhasa de 11 anos e uma Sheltie de 2 anos).

Esta semana , na terça , eu trouxe um gato para casa... Ele e macho e deve ter aproximadamente de 3 a 4 anos.. O rosto dele e o pescoço tem uma calosidade enorme de tanta briga na rua.... Esse gato estava há três meses no estacionamento do escritório em que eu trabalho... Algums funcionários cuidavam dele.. Como não e vacinado, ele ficou muito doente ... Cuidamos dele, mas como ele não era castrado , continuava a brigar muito com outros gatos.

Conversando com o meu veterinário sobre o gato , ele me deu de presente a castracao, com a condição de jamais desampara-lo... Conclusão... Levei-o para casa após a cirurgia...

Na própria terça quando chegamos em casa foi tudo bem .. ele estava super sonolento e ficou super bem, no meu colo..na sala .. com as cachorras e com a gata... A gata fez um pequeno Fuzzz , mas como ele não respondeu.. Ficou por isso mesmo...

Na quarta feria a história mudou e muito.. Por um vacilo meu...ele e a gata ficaram frente a frente , separados por um portão(aqueles de cachorro , para colocar nas portas) ..ele pulou o portão em um segundo e eles brigaram .

A briga foi horrível e pior ainda foi separa-los... Depois disso ela está super agressiva comigo e com as cachorras..... So de sentir o cheiro dele, ela fica brava ...mas muiiiito brava...

Segue como foi a rotina da semana:

Manhã: o coloco na caixa de transporte e o levo para sala..ele fica na sala por uma hora..até o horário de eu sair para trabalhar .... A gata sequer aparece na sala... As cachorras cheiram a caixa e ele não faz muito fuzz.

Durante o dia: ele fica preso no quarto, sem contato com as cachorras ou a gata. O quarto tem toda estrutura que ele precisa ..água,comida,caixinha de areia , arranhador, etc.

Noite: qdo chego, o coloco na caixa novamente e o deixo na sala por duas horas.... As cachorras quase não ligam mais para ele.. Ele parece não se importar.. Mas qdo o tiro da caixa e o coloco no meu colo... Ele fica tenso e bravo com elas.... Qdo a situação piora eu o coloco na caixa novamente... Mas com a gata a situação e muito pior.. Se ele sentir ela por perto, ele se agita muito e preciso levá-lo para o quarto .

Com não estamos progredindo com a gata,acrescentei mais essa atividade hj, no sábado , e pensei em repeti-la pelo resto da semana: coloquei cada gato no quarto do outro e fechei a porta. Ele ficou super bem ...procurou muito por ela.....mas comeu , bebeu água, usou a caixinha de areia...Em compensação ela....ficou com muito medo, brava e não saiu do lugar...

Na próxima semana, pensei em colocá-los cada um em uma caixa de transporte e deixá-los frente a frente por pelo menos uma hora,,, e usar o borrifador até pararem de fazer fuuuuuu ..

Petisco não adianta oferecer,....ela sequer olha para ele de tanto stress e ele também não se interessa..

Será isso vai piorar ainda mais? Seria muito cedo para eles se verem?

Beatriz Levischi disse...

Deixe a casa para os veteranos e isole os novatos em um cômodo, Edinei ― serve escritório, banheiro, lavanderia...

Siga as dicas de adaptação deste post, Carolina. Elas costumam dar certo. É só não ter pressa nem forçar a aproximação.

Anônimo disse...

Olá Beatriz!

Tenho uma gata de 01 ano e 06 meses, ela fica muito sozinha e então resolvi adotar um outro gatinho para lhe fazer companhia, o Pedrinho tem mais ou menos 7 meses, chegou em casa e adorou, se sentindo o dono da casa, já minha gata não gostou nada do novo morador, esta estressada, não quer comer, beber água e nem fez xixi desde o momento que o Pedrinho chegou, estou preocupada pq não quero que ela fique doente, comecei a usar as dicas que vcs colocaram aqui em vários comentários, mas eu fico fora de casa o dia todo, só no fim de semana que terei mais tempo para saber como vai rolar, mas minha preocupação maior é se minha gata pode ficar doente por isso e por quanto tempo eu posso insistir na adaptação?

Beatriz Levischi disse...

Deixe os bigodes separados quando você estiver fora. E, à noite, faça um agrado especial a sua gata. Ela não deve passar mais do que dois dias sem comer. Quanto ao processo de adaptação, não dá para estipular um tempo, porque depende de cada bicho. Tenha paciência, respeite os limites dos peludos e ajude-os a associar o amigo a coisas boas.

Luana disse...

Oi Tenho um gato de mais ou menos 3, 4, ou 5 anos.
Não foi possível o veterinário saber a idade certinha pq ele tem dentes quebrados.
Peguei na rua, um tigrado SRD , nunca tive gatos, mas vi o gato tão mansinho e fazendo festinhas e pedindo carinho p as pessoas que passavam, peguei e levei p casa.
Ele não me arranhou nem me mordeu.
Foi levado ao veterinári, tomou todas as vacinas, e o anti pulgas na nuquinha..afffff como ele tinha pulgas, ah e tomou tb remedio p vermes, depois de tomar todas as vacinas ele foi castrado.
Ele é muito amoroso, amassa paozinho, mia dengoso, é um fofo.
Tá ele é um gato SRD com dentes quebrados, mas eu nem ligo p isso.
Pq fiquei com dozinha de vê-lo pedindo carinho e levando chutes tb;;;
Pensei em doar, mas as pessoas não querem gatos adultos sem raça.
Ah me apeguei no bichano e ele ja esta comigo qse 2 anos.
São tantos animais abandonados, sei que só peguei 1, mas tenho condições de cuidar de 1 e oferecer o melhor p ele.
Veterinário, areia, ração, cortar unha, dar banho, passar produto no pelo pq tenho alergia, descobri que sou alergica depois de pegá-lo mas o vet passou um produto chamado Free & Clear e pude ficar com ele :)
Adorei seu cantinho virtual.
Bjs

Fernanda disse...

Olá!
Tenho 3 gatos e na há duas semanas, apareceu um filhote na minha porta. Sem pensar duas vezes, resolvi acolhê-lo. 2 dos meus gatos aceitaram o filhote depois de uns 2 dias e um deles virou até melhor amigo. Mas minha gata fugiu há 2 dias, estou desesperada. Ela não entrava mais pra comer, sentia muita raiva do filhote, sempre foi muito reservada, mas muito carinhosa com a gente. Ela é castrada, nunca foi pra longe. Toda hora que lembro ou vejo as fotos, choro muito. Será que ela não volta mais?

Anônimo disse...

Oi
Tenho uma gata Persa. Jady ela e veterana e a pouco dias apareceu em casa uma siamês a JULY , agora a persa fica nos autos se escondendo da siamês e quando se cruzam já querem brincam, o que faço a persa tinha liberdade agora não faz nada devido ter medo o que devo fazer para ambas ficarem bem

Abr
Wlademir

Beatriz Levischi disse...

Bem-vinda ao Gatoca, Luana! :)

O ideal é que os bigodes não tenham acesso à rua, Fernanda. Soltos, eles correm o risco de morrer envenenados por um vizinho descontente, de parar sob a roda de um carro desenfreado, de brigar com outros animais, de pegar mil doenças. Se precisar de empresas que instalam telas, aqui tem um monte, ó: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Siga as dicas deste post, Wlademir.

Fernanda disse...

Eu sei dos riscos que ela corre. Ela fugiu por raiva do filhote. Minha dúvida foi se seria possível ela querer voltar devido ao comportamento. Mas já estou perdendo as esperanças, já que já fazem 10 dias :(

Beatriz Levischi disse...

Às vezes, eles não conseguem retornar, Fernanda ― por motivos variados. Dê uma volta no bairro à noite, que tem menos barulho, e chame a gatinha. Converse com os vizinhos sobre a fuga. Cole cartazes da peluda nos postes e estabelecimentos comerciais. Sem malícia, ela deve estar passando apertado na rua.

Beatriz Levischi disse...

Acabei de ver que seu comentário ficou sem resposta, Isabela. Dois meses depois, os peludos já devem estar adaptados, né? Me desculpa?

Camila disse...

Olá, adotei há 1 ano, uma gatinha que é muito ativa e a irmãzinha dela foi abandonada, eu a levei para casa. Claro que elas não lembram que são irmãs, pois há 1 ano se separaram. Mas a minha gatinha não aceitou a irmã, que é bem mais calma que ela. Não gostaria de me desfazer da "nova"gatinha...help!

Beatriz Levischi disse...

É normal, Camila. Siga as dicas deste post que as meninas voltarão a se aceitar. Só não vale forçar a aproximação.

Maíra disse...

Beatriz, Adorei o Post sobre adaptação de gatos e estou precisando muito que você me tire uma duvida. Estou com uma situação muito ruim em casa, eu adotei uma filhote em novembro e fiz todos os passos da adaptação, durante dois meses a novata só ficava presa no quintal da casa com eventuais visitas e introduções a veterena e etc, a minha veterana não aceitou a gata de jeito nenhum e a partir de um momento parou de entrar em casa, ficava na rua rondando a casa e chorando o dia todo, emagreceu muito e nada de entrar, colocamos a comida dela na garagem (onde a filhote não vai) e ela voltou a comer, mas não entra em casa de jeito nenhum até hoje, só fica chorando e se esfregando na garagem, e quando vamos tentar pega-la ela foge, as vezes conseguimos pegar ela na marra, ela avança muito na gente ai quando prendemos ela no quarto sem contato com a novata ela acaba dormindo, ronronando pedindo carinho e etc.
Enfim, eu peguei a veterana da rua quando ela já era grande (uns 10 meses) e ela sempre saiu e entrou, porém estou pensando em prender ela em casa radicalmente e não deixa-la mais ir para a rua e tentar fazer a adaptação tudo de novo, você acha que irá funcionar? Não sei mais o que fazer, agradeço a sua ajuda desde já! beijos

Beatriz Levischi disse...

Vai funcionar, sim, Maíra. Basta ter paciência. Primeiro, a veterana precisará se acostumar com a vida indoor ― para dar uma força, vale enriquecer o ambiente com prateleiras nas paredes, arranhador, brinquedinhos. Só depois, recomece o processo de adaptação com a novata.

E nenhuma das duas deve ir para a rua. Gato solto corre o risco de morrer envenenado por um vizinho descontente, de parar sob a roda de um carro desenfreado, de brigar com outros animais, de pegar mil doenças. Se precisar de empresas que instalam telas, neste link há várias opções: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Maíra disse...

Obrigada Beatriz, vou tentar acostumar a veterana a ficar presa em casa, mas enquanto ela se adapta a casa eu mantenho a novata presa no quintal?

Beatriz Levischi disse...

Tantos meses depois, a novata dificilmente aceitará voltar ao quintal. Você não consegue dividir a casa em dois?

Camila Volkof disse...

Olá. Adotei uma gatinha há um mês, foi difícil para minha veterana aceitar, mas fiz a adaptação e em 2 semanas, a paz já estava reinando. Porém essa nova gata teve filhotes há 1 semana e agora piorou tudo, pois a veterana voltou a rosnar e a mais nova que antes não ligava, agora resolveu ataca-la. Pretendo doar os filhotes e ficar apenas com as duas. Mas será que elas vão voltar a viver em paz?Bjos

Beatriz Levischi disse...

A gatinha está agressiva por causa da ninhada, Camila. É o instinto de proteção. Não dá para deixar a família separada até os bebês desmamarem?

Nuno Lopes disse...

Olá, o meu nome é Nuno e eu tenho uma gata com mais ou menos 2 anos. (muito meiga, mimada. Tem todo o amor que um animal deve ter). Há cerca de uma semana encontrei uma gatinha, de pelo preto e olhos azuis com cerca de dois /três dias de vida, levei a para casa dei lhe de comer e beber. A minha gata ao início não gostou muito dela, começou com o pffffzz. Passado três dias a minha gata começou a ter um comportamento estranho para com a pequenina. Eu explico: vai atrás dela e mia só que é um miar meigo. Mas não a deixa nem por um segundo. Mas o que mais me faz questionar é o facto da minha gata quer dormir e vai sempre buscar a gatinha. Pega nela e leva a para o sofá. Se a gatinha dá uns passos para a frente a minha gata mia baixinho. Não sei o que se passa alguém me sabe explicar sff

Anônimo disse...

Oi Beatriz, eu segui as dicas do blog, na verdade fiz uma semana e o resultado foi satisfatório, a novata está circulando, brincando pela casa e a veterana parece até interessada e parou com o festival de fuzzz...
Só que a veterana fica atrás da novata o tempo todo e dando patadas na cabeça da pequena. Isso é normal?!? Tem horas que parece que ela quer brincar, mas tem hora que parece querer mostrar domínio.
É assim mesmo?!?

Beatriz Levischi disse...

Se a pequenina já anda, tem mais de três dias de vida, Nuno. Sua gata parece estar se comportando como mãe dela, o que é ótimo, porque recém-nascidos precisam ficar aquecidos. Este post ensina como cuidar de bebês órfãos: http://blog.gatoca.com.br/2009/07/dicas-para-cuidar-de-filhotes.html. Boa sorte!

A veterana está mostrando quem manda mesmo. O que você não pode deixar é elas brigarem de fato.

Anônimo disse...

Sendo assim vou deixar aqui minha experiência. Fiz durante uma semana o que você ensina aqui Beatriz e parece ter dado certo. A novata ficou no quarto de visitas e duas vezes ao dia elas se viam pelo vidro da porta da varanda, a veterana é uma Siamesa ciumenta pq é filha única, e a novata é uma tigradinha srd de mais ou menos 1 mês. Adotei qd a mãe foi atropelada. Tive e estou tendo que ter muita paciência, pois passado o teste de uma semana meu marido liberou geral e deixou as duas juntas soltas pela casa para ver no que ia dar, a Princesa, veterana parou de fazer o tal fuzzzz pra Matilde, a novata, mas foi aí que comecou as tal patadas na cabeça da pequena, ela fica o dia todo atrás dela e qd consegue encurrala e dá patadas na cabeça, só que a novata quer cheirar, brincar, eu já tô cansada pq fico atrás o tempo todo pra não deixar passar das patadas e virar briga. Sei que vou ter que ter paciência, até mesmo pq a novata é bem miudinha, precisa estar maiorzinha pra se virar sozinha, mas qt tempo vai demorar pra veterana se acostumar e parar de dar patadas nela e enfim poder relaxar, brincar juntas?!?
Meu nome é Jéssica!!!!

Beatriz Levischi disse...

Imagino que as meninas já estejam brincando juntas. Mande notícias, Jéssica. Prometo responder mais rápido da próxima vez. :*

Luciana Borges disse...

Eu preciso de ajuda!
Adotei duas gatinhas lindas, são irmãs e não vivem uma sem a outra se separar as duas depois de 2 min começa a miarada kkkk. Porem no dia 15/10 castrei as duas e elas estão secestranhando ao ponto de querer se agredir, eu as separei coloquei uma em cada caixa e estou desde então vivendo num revezamento louco de solta uma prende e solta a outra e ainda assim elas passam o tempo todo rosnando e fazendo aquele barulho de gato que quer brigar hoje já tem 3 dias e eu não vi nenhuma melhora, estou preocupada, se isso não passar como ficaremos? Aí quero pedir a sua ajuda o ue devo fazer? Continuo tentando aproxima-las ou tento deixar uma bem lonje da outra? Alguém por aqui viveu uma experiência parecida que possa me ajudar? Muito obrigada... estou realmente preocupada.

Beatriz Levischi disse...

Os gatos costumam se comportar assim por causa do cheiros da clínica veterinária, Luciana. Mas eu nunca vi durar tanto tempo. Será que as meninas não estão bravas de ficarem presas na caixa de transporte? Elas chegaram a brigar de fato ou só ameaçaram? Se rolar um figth de verdade, instale-as em cômodos diferentes e experimente seguir as dicas deste post.

Luciana Borges disse...

Oi Beatriz, muito obrigada... pensei sobre mante-las nas caixas e estava com coração partido porque é muito ruim ficar preza mas ao mesmo tempo estava com muito medo de um figth kkkk mas me encorajei e soltei elas ontem rolou muito rosnado e ainda quando se encaram se estranham mas estão se aproximando aos poucos mas está bem tranquilo, estou fazendo conforme vc disse tentando brincar com elas e distrair na hora que elas se estranham.

Anônimo disse...

Oi,meu nome é Gaby e tenho 13 anos,eu adotei uma gata persa ontem mesmo...a Cacau tem 3 anos ja..e os antigos donos pegaram ela bebezinha mas tiveram que dar ela porq causa do Bebezinho deles..A Cacau esta muito assustada e ela meio que 'rosna" e mostra os dentes,e qnd a gente vai acariciar ela, ela da com a pata rsrs pra nós aqui em casa e ñ come muito...queria alguns conselhos pra eu ajudar na adaptação dela...Por favor oq faço ? Obrigada desde já !

Anônimo disse...

Beatriz,oi meu nome é Gaby e tenho 13 anos..adotei uma gatinha ontem de 3 anos e esta assustada porq os donos dela pegaram ela qnd era bebezinhaainda maos tiveram que doar por causa do bebe deles..queria ajuda pra ela se adaptar aqui em casa e aos meu pai e eu e minha irmãs tbm..Obrigada.

Anônimo disse...

Oi Beatriz.. É a Jéssica! (mãe da Princesa e da Matilde)
Estou de volta pra dizer que a Princesa e a Matilde já estão amigas. Graças a Deus, deu supercerto. Com amor e paciência tudo se ajeita. Estamos felizes aqui em casa, a novata (Matilde) ainda dorme no quarto de visitas pois não posso olhar a noite toda, e tenho medo dos carinhos da Princesa passarem dos limites. A verdade é que a veterana já tá lambendo a novata e até se joga no chão de barriga pra cima pra brincarem juntas, mas as vezes rola umas mordidas doídas e a novata chora um pouco, mas gosta da pouca vergonha, pq volta pra agarrar a veterana pelo pescoço... Rsrsrsrs.
Bom, essas são as novas aqui em casa. Quero mandar fotos das duas, como faço?!?
Abraços e obrigada pelas dicas de sempre. São muito eficazes!!!!

Beatriz Levischi disse...

Continue mandando notícias, Luciana. ;)

Parabéns pela adoção, Gaby! O mais importante é respeitar o tempo da Cacau. Ela precisa entender que essa mudança de casa e família virá com um pacote de coisas bacanas. Ofereça petiscos e tente brincar com a gatinha, sem forçar a aproximação. Também vale dar uma lida neste post: http://blog.gatoca.com.br/2011/01/dois-e-melhor-do-que-um.html.

Que notícia boa, Jéssica! Pode enviar as fotos das meninas para este e-mail: bialevischi@yahoo.com.br.

Paty disse...

Olá Beatriz tudo bem? me chamo Patricia estou preocupada tenho uma gatinha siamesa de dez meses que se chama Nina e hoje chegou um filhotinho siames também que se chama Pituquinha de quase dois meses a Nina esta com muito ciumes só fica fzzz tentei fazer carinho sai correndo e se esconde, tento brincar com ela mais não quer, dei petisco só comeu dois e a Pituquimha fica tremendo de medo da Nina, o que devo fazer para as duas serem amiguinhas? Desde já agradeço, no aguardo...

Beatriz Levischi disse...

Siga as dicas deste post e tenha paciência, Paty. Não force colo ou carinho. A veterana precisa entender que a novata veio para somar, não para dividir.

C. disse...

Olá, Beatriz! Em primeiro lugar gostaria de agradecer muitíssimo pelas dicas. Estou tentando segui-las mas em alguns casos fica complicado. O caso é o seguinte, tenho um gato adotado há quase um ano chamado Romeu, com um ano e um mês. Como ele ficava muito tempo sozinho, resolvi adotar uma gatinha da mesma idade. Deixei ela presa durante um dia e a noite ela tbm dorme com a gente enquanto o veterano fica no apto inteiro. Mas não tenho como deixar mais que isso pois o apto é pequeno e é impensável deixar a areia no quarto com ela presa. Então solto durante o dia. O Romeu é mtooo ciumento e ela morre de medo dele mas consegue se defender. Porém, ela não está comendo muito nem bebendo água.. só consigo fazer com q ela coma sachê e mesmo assim mto pouco. Também não transita nem para tentar ir na caixa de areia, quando faz isso o Romeu ataca ela. Então tenho q levar ela na caixa dela q deixei separada da dele pq ela nao consegue nem caminhar até o banheiro, quem dirá ir até a área de serviço onde gostaria de deixar as duas caixas. Ela sabe se defender mas é mto dócil perto dele. Morro de dó. Quanto tempo será que vai levar? É normal o novato ficar absolutamente sem se mexer, nem comer, nem beber, nem usar a areia espontaneamente nos primeiros dias? Não consigo deixar ela o dia todo embaixo da cama. Pois ela fica enfiada ali e não se mexe por nada. Pegamos ela no sábado a tarde. Estou louca para ver ela transitando pela casa sem ser perseguida por ele...

Beatriz Levischi disse...

Três dias é pouco tempo para qualquer animal se acostumar com a mudança de casa e família. E Romeu ficou bravo porque a "intrusa" ganhou o melhor cômodo do apartamento, aquele em que vocês passam a noite inteira. Nesta última semana, o clima melhorou por aí?

Anônimo disse...

Bom dia, queria tirar umas dúvidas...
Tenho uma gata a Darkness e ela deu cria a mais o menos, 1mês e eu adotei um gatinho... E os filhos da Darkness gostaram dele, só ela que não... Peguei ele ontem no dia 10/03 e até agora 11/03 ela não pode nem olhar que já rosna para o gatinho... Não sei o que fazer para adaptar todos juntos...
Espero uma resp Obrigada ♥

Beatriz Levischi disse...

Durante o período de amamentação, as gatas ficam superprotetoras com a ninhada mesmo. O novato é filhote também?

Anônimo disse...

Olá! Estou com um sério problema..
eu tenho uma gata de 7 anos(Nicolly) e ontem eu adotei uma gatinha de 2 meses
A Nicolly odeia simplismente sua nova irmã,nem tenta fazer amizade.
Preciso de ajuda, tenho medo de rolar briga entre as duas tentando fazer o que você pediu.
Aguardo respostas
Obrigada

Beatriz Levischi disse...

O passo a passo do post é justamente para evitar brigas. Pode seguir sem receio. :)

Lu disse...

Oi Beatriz! como são as coisas, um post de 2009 ainda é tema recorrente e ajuda tanta gente! Parabéns, viu!!!
Vim pedir socorro, pois já não sei mais o que fazer..rs...tanto que vim procurar ajuda no google e dei de cara com seu post! :)
Então... tenho dois filhos felinos que amo mais que a mim mesma, ambos com um pouco mais de 2 anos, bom, adotei os dois com mesma idade, mas em momentos distintos, o primeiro, foi um sialata e depois de dois meses, adotamos uma neguinha, coisa mais meiga do mundo, enfim, a adaptação foi mto rápida, menos de 3 dias, já estavam se lambendo e dormindo juntos, mas, depois de quase 2 anos de convivencia, de uns tempos pra cá, o sialata começou a atacar a neguinha, de forma agressiva, a gente nunca sabe qdo é brincadeira ou briga, pois as vezes durante a briga, rola umas lambidas, mas normalmente não, ele morde o pescocinho dela, que chega a "afogar" a coitatinha, eu sempre separo, dai que ele fica nervoso mesmo, já comprei feliway difusor, já tentei floral, ja dei bronca nele, ja tentei separar de forma traquila, falando baixinho e fazendo carinho, mas nada resolve... não sei mais o que fazer, pois eles convivem bem, dormem juntos, se lambem o tempo todo, mas do nada o sialata "surta" e tenta pegar a coitadinha... vale ressaltar que os dois são castrados... E então, vcs teriam alguma dica pra mãe desesperada? Rs... Obrigada pela ajuda! Luciane :)

Beatriz Levischi disse...

Post-pretinho-básico. :)

Esses "ataques" são muito frequentes, Luciane? Rolou alguma mudança na rotina da casa?

Fabi disse...

Bom dia e amei o blog!

Queria uma ajudinha. Rs

Adorei uma gata filhote que ficou sozinha por 3 meses até que adotei a segunda (quase mesma idade dela - 5 meses). Não se deram bem de ara e ficaram se estranhando bastante mas não chegaram a se bater.

Acabei de castrar a gata veterana, que apesar de ainda estar em recuperação pois foi castrada há 4 dias, está muito bem e os pontos estão sequinhos mas ela já esta entediada de ficar no quarto presa. Enquanto isso a gata novata tá doida pra entrar no quarto e saber o que tem escondido aqui. Rs

A pergunta é: já posso colocá-las juntas mesmo estando com uma gata ainda com pontos já que elas não se deram muito bem de cara? Pergunto isso pois a gata veterana tá dengosa e pensei que seria mais fácil a aceitação da novata e ela está Mto deprimida por ficar presa.

Obrigada

Evelyn disse...

Também preciso de um Heeeeelp!!!! Tenho uma gatinha de 1 aninho, super meiga, mansinha e minha mãe tem um gatinho de 5 anos que não pode mais cuidar, quero ficar com ele mas ele é muito bravo, nos enche de machucados, arranhões e mordidas. E ele ataca sem motivos.. Não quis saber dela nem no cio (Tentei nesse perido pra saber se seria mais fácil).. Quando tentamos fazer a adaptação, na hora de leva-lo de volta, ele atacou minha perna e fui parar na urgência. Será que a castração resolve isso?? Ele é muito imprevisível, tenho medo de deixa-los sozinhos. Sera que algum dia vou conseguir vê-los juntos??? Apesar de ser da minha mãe, nós o amamos demais.

Khassandra Angel disse...

Aqui em casa sempre rolou mais brigada de novatos com veteranos do que veteranos com novatos eu ja tinha dois filhotes e resolvi adotar uma femea adulta q estava perdida na rua sem nem saber onde ia no primeiro dia era aqueles fizzzz so de olhar de longe mas testei uma coisa que deu certo e ajudou na adaptação uns com os outros passei sache na cabecinha dos filhotes e deixei a adulta cheirar, ela ainda meio desconfiada mas o cheiro real dos filhotes ficou mais escondido por causa do sache e ela começou a lamber eles a convivência aki ficou bem melhor depois disso

Beatriz Levischi disse...

A adaptação entre filhotes costuma ser mais fácil, Fabi. Mas você deve prender a novata, não a veterana. E seguir os passos deste post, para garantir.

Castração ajuda, sim, Evelyn. Para a gatinha, inclusive. Dê uma lida neste texto: http://blog.gatoca.com.br/2011/09/voce-castra-de-graca-e-ele-vive-mais.html.

Cova disse...

Ola preciso de ajuda. Resgatei uma gatinha na rua, ela deve ter uns 5 meses... Eu ja tenho dois gatos em casa... Uma com 6 meses e um com 4 meses, ambos castrados. Peguei hoje e por conta do feriado, não pude levar no veterinário ainda.
Consegui dar banho, mas para seca-la com a toalha gerou um grande stress. Coloquei a toalha que dei banho nela debaixo dos pratos de ração dos meus outros gatos pra eles associarem o cheiro dela a algo agradável, no caso, comer.
Ela esta isolada num quarto de visitas, onde os outros costumavam dormir. Resolvi por la pra ela ir se acostumando com o cheiro deles, botei água, comida e a caixa de transporte se ela quiser se entocar, mas ela se escondeu debaixo da cama, de onde acho difícil tira-la nos próximos dias.
Entrei duas vezes no quarto pra ver se ela estava bem, ela deixa as vezes eu passar os dedos em sua cabeça, mas rosna e tenta atacar ao menor movimento, sei que ela esta assustada, mas não sei se estou fazendo as coisas certas...
Tenho o vermífugo, mas ela não deixa chegar perto, como darei?!
Não sei como por ela na cx pra levar na vet, mesmo que ela não esteja debaixo da cama, ela nao deixa eu pegar nela! (Pensei em So castra-la depois de uns 2 meses, para que ela se acostuma conosco, pois precisaremos fazer curativos e dar remédios, e se ela não estiver a vontade conosco, certamente nos atacará!).
Devo esperar alguns dias até ela se acostumar um pouco, antes de levar no vet? Ou mesmo isolada é m risco para os animas que já estavam na casa?
Como fazer essa introdução dela na cada?
Tem algum problema ela ficar presa no quarto? Ou ela pode ficar mais estressada ainda por ser de rua e estar presa? O espaço tem uns 6m quadrados, deixo o ventilador de teto ligado pra ficar fresco. Por favor me ajude pois não teria coragem de devolve-la as ruas, mas não sei o que fazer e se estou fazendo certo.

Valeria Almeida disse...

Oi, eu sou a Valéria, minha historia é basicamente igual a de todos, mas cada caso é um caso. Eu tinha a Sofia e a Maria Bonita, porem a Mari chegou depois, foi super fácil introduzi-la em casa uma semana e as duas ja se amavam, mas a sofia roubaram de min. sofri muito.... Fiquei só com a maria, e hoje peguei o Lyon de um mês, não tem quem faça ela aceitar ele. Como peguei da rua, ele esta na maior felicidade, corre, brinca, mia e até gosta dela, mas a minha brechó como eu a chamo não entra nem em casa. só resmunga. o que faço, tem 5 dias que estou com o novo.

Beatriz Levischi disse...

O ideal é deixar a gatinha se acostumar com a casa e a família nova primeiro, Cova. Sem banho, vermífugo, veterinário e em um cômodo com cheiro neutro, para ela se sentir segura ― e para os veteranos não ficarem enciumados com a desapropriação. Siga as dicas deste post. ;)

Cinco dias é pouco tempo, Valeria. Para garantir o sucesso da adaptação, você deve manter a Maria em casa. Acesso à rua nunca vale a pena, aliás. Dê uma lida neste post: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html.

Anônimo disse...

Olá, sou Gilsa gostaria saber se é possível um casal de gatos da mesma idade,estranhar o macho q fez passou por uma castração?
Pois um não vivia sem o outro. De repente trago pra casa castrado e a fêmea não o suporta. Rosna quando passa por 1 metro de distância. Que dirás perto um do outro.
O q fazer para reaproxima los. Para q assim volte a seu convívio anterior???
Preciso de urgência!

Beatriz Levischi disse...

É o cheiro diferente, Gilsa. Logo passa. :)

cleusa coffman disse...

Tenho um shitsu a 2 1/2 anos ele eh super docil, não late, e agora adotei um gatinho siamês lindinho, quanto tempo eles levam para se adaptarem? E o que devo e não devo fazer?

Beatriz Levischi disse...

Dê uma lida neste post, Cleusa: http://blog.gatoca.com.br/2014/12/dicas-de-adaptacao-entre-cao-e-gato.html.

Anônimo disse...

Olá Beatriz, eu tenho o Zoro um gatinho de 1 ano e meio, ele sempre foi o mimo da casa, mas como estava trabalhando muito fora de casa resolvi pegar uma amiga pra ele, a Nami de 45 dias, eu peguei ela faz 5 dias e ontem deixei os dois juntos pela primeira vez, o Zoro só fez o fuzz uma vez, mas toda hora ele fica dando as famosas patadas na cabeça da Nami, isso é um mal sinal? eu faço algo ou deixo quieto?!! muito obrigada
Talita

Beatriz Levischi disse...

Eles não devem brigar de fato, Talita. Você pode ajudar o Zoro a aceitar a Nami oferecendo petiscos quando eles estiverem juntos, fazendo carinho ou brincando de cordinha.

Nadia disse...

Olá, resgatei duas gatinhas irmãs quando tinham aproximadamente 1 mês. Hoje elas tem 7 meses e sempre se deram muito bem, viviam grudadas, fazendo carinho uma na outra e dormiam juntinhas! Nunca foram agressivas entre elas e nem com ninguém!!! Ontem elas foram castradas e desde então não podem mais ficar juntas e nem se quer no mesmo local... basta se olharem para rosnarem uma para a outra e ficam em posição de ataque... tenho que ficar no meio e separando a todo o momento. Isso é normal? Como agir nesse caso???

Beatriz Levischi disse...

É normal, sim, Nadia. Além do incômodo da cirurgia (e dos pontos), tem os cheiros diferentes do veterinário. Deixe que as gatinhas fiquem onde se sentem seguras e logo as coisas se acalmarão.

Mariana disse...

Oi, Beatriz!!
Tenho um gato de 3 anos (Matisse), que conviveu toda a vida com a minha outra gata, a Duda, de forma tranquila, embora não muito próxima. A Duda faleceu em setembro com 15 anos e resolvi adotar uma gatinha para fazer companhia a ele (que já é castrado!). A Margô, de 2 meses, chegou aqui em casa ontem e estou seguindo todas as dicas para a adaptação deles! Minha dúvida é a seguinte: o Matisse se acostumou a vir dormir comigo durante uns 30 minutos, de manhã, antes de eu acordar. Ele vem sempre naturalmente. A princípio, o cômodo em que a Margô deveria ficar seria também o meu quarto, mas estou com medo de ele sentir muito a perda do território. Será que seria bom se a Margô dormisse no meu quarto e logo cedo eu colocasse ela em outro cômodo, deixando o quarto aberto para o Matisse? Sentir o cheiro dela no território "dele" nesse momento é ruim ou ajuda na adaptação?

Alessandra disse...

Oi Beatriz, antes de mais nada, adorei seu blog, tenho um bb o Leko (siamês com persa) de 1 ano e 1 mês, estou pensando em pegar uma persinha bbm queria saber se a adaptação seguindo suas dicas será tranquila, afinal o persa tem um temperamento tranquilo, e isso realmente é verdade, o Leko é super tranquilo e amoroso, só fico com receio de ele mudar o comportamento com uma nova irmã, agradeço desde já.

Beatriz Levischi disse...

O ideal é escolher um cômodo que não seja importante para o veterano e deixar a novata se sentir segura nele, sem ficar mudando de lugar.

Não dá para prever como rolará a adaptação entre os bigodes, Alessandra. Geralmente, eles resistem no começo, mas acabam gostando da ideia de ter um parceiro de bagunça.

Luh Faria disse...

Olá pessoal... tenho uma gatinha há 3 anos, ela é docil mas muito assustada! Cerca de 3 meses atrás apareceu um gato na rua da minha tia, ele tava em pele e osso e todos na rua alimentavam ele... ele não saia do jardim do prédio e eu sempre quis pegar ele mas sempre tive medo de não se adaptar... ate que ha 2 dias ele apareceu com a patinha machucada, caidinho... e tava ao relento na friagem! Decidi arriscar... trouxe ele pra minha casa mas o isolei em um quarto... levei no vet, fiz o exame fiv e felv ( deu negativo, ainda bem) e agora estou pronta para adpatar ele com minha gatinha! Mas ela é muito assustada... tenho medo de mesmo depois disso tudo eles não se adptarem! ele tb é muito docil mas com outros gatos é brabo, na rua da minha tia, quando outros gatos se aproximavam ele botava pra correr!

Beatriz Levischi disse...

Antes de apresentar os bigodes, castre o novato, Luh. Essa "braveza" tende a passar com a cirurgia. E há vários outros benefícios, ó: http://blog.gatoca.com.br/2011/09/voce-castra-de-graca-e-ele-vive-mais.html.

Claudia disse...

Me ajudem please!
fazem 3 dias que castrei minha gatinha, ela esta bem, só que deu uma crise de nervos no gato macho, mia sem parar, não come, fica em cima da pequena mordendo o pescoço dela, vou castrar ele tbem, mas só semana que vem. O que faço pra acalma-lo?
Bjinhus!!!

Beatriz Levischi disse...

A castração é o melhor calmante, Claudia.

Nova Opção disse...

Oi Beatriz!
Eu tenho duas gatinhas de um 1 ano (Lola e a Alasca) e a mais ou menos uma semana adotei a Olívia de menos de 3 meses A Olívia já se acostumou comigo e com a casa e sempre que ve a Lola e a Alasca mia chamando atençao. Até hoje elas só se viram com a Olívia dentro da caixinha de transporte mas as duas morrem de medo da Olívia e não querem nem entrar dentro de casa mais por conta dela. Não sei como acostumar as três a conviverem juntas se quando veem a Olívia dentro da caixinha saem correndo e fazendo fuzzzz pra longe dela

Anônimo disse...

E da certo ? Porque eu tô sofrendo , tenho uma de 4 meses e adotei uma outra fêmea de 1 mês ... o que você fez ??

Bianca Foguer disse...

Olá Beatriz, tudo bem?
Tenho uma gata adotada (Laila) há 1 ano e 6 meses, castrada, ela é um dengo puro!!! Muito carinhosa. Há mais ou menos 3 meses atrás resgatamos um gato (Thor) castrei logo que peguei, tem em torno de 9 meses, no começo a adaptação foi um pouco conturbada mas sei que é normal.
O que acontece que o Thor, é muito bruto! Eles começam a brincar de correr e "se pegar" e de repente já escuto a Laila miando porque ele machuca ela! Já não sei mais o que fazer, tem dia que passo a manhã toda separando eles, e quando separamos ele (o Thor) nos ataca sempre!
Não sei o que posso fazer para tentar resolver.

Muito obrigada!

Beatriz Levischi disse...

Para facilitar a adaptação entre os bigodes, vocês devem seguir o passo a passo deste post, gente ― sem pular etapas nem improvisar. Paciência é o segredo.

Pela sua descrição, Bianca, Thor gosta de brincar, enquanto Laila prefere um colo com cafuné, certo? O ideal seria adotar um parceiro de bagunça para ele, assim a pequena fica em paz. Essa empolgação também vai diminuindo com a idade...

Duda Campos disse...

Olá, eu tenho duas gatas e uma cadela, a veterana é a cadela Pitomba, ela adorou a chegada tanto da primeira gata Jaca, quanto da segunda gata Amora. Só que Amora não quer amizade com Pitomba e eu percebi que Jaca também se afastou. E agora Pitomba tem se lambido muito, compulsivamente como quem tá ansiosa, e também elas aparwceram com machucados, em momentos diferentes e só uma vez. Ela pode tá deprimida? As gatas podem ta machucando e excluindo ela? Isso é normal?

Beatriz Levischi disse...

É normal que um animal que a gente resgata tenha escaldos, inclusive de cachorro, porque na rua eles sofrem todo tipo de violência, Duda. Mas não dá para saber a causa dos machucados e da lambedura sem examinar os peludos. Converse com o veterinário deles.

Gabriela Couto disse...

Bom dia, o problema lá em casa é que não tenho espaço físico suficiente para deixar um em cada cômodo, tentei o banheiro , mas o gatinho fica chorando e tentando sair.
O que faço?

Pedro disse...

Resgatei um gatinho abandonado de rua com 3 semanas. Tenho um dálmata de 10 anos. Eles se deram bem. O problema é que o gatinho tem tentado "mamar" na boca (canto do lábio) do meu cachorro. Faz até o barulhinho de mamar e afofa o lábio do cachorro com suas patinhas. O cachorro não se importa. É bonitinho de ver, mas tenho medo que isso vire um hábito. Além disso, meu cão tem tártaro e fico com medo de que o gatinho possa pegar bactérias. Ele está com 2 meses agora e já tomou a primeira dose da vacina quíntupla. Come bem e brinca pela casa. Devo tentar algo para que ele perca esse hábito de "mamar" na boca do cachorro? Obrigado. :-)

Beatriz Levischi disse...

Só o novato precisa ficar preso, Gabriela. E apenas nos primeiros dias, para facilitar a adaptação com o veterano. O chororô deve diminuir se você colocar uns brinquedinhos no banheiro, oferecer petiscos e visitá-lo sempre que der.

Dois meses ainda é filhotico, Pedro. Acho difícil ele levar esse hábito para a vida adulta. Quanto ao tártaro, melhor perguntar ao veterinário. (Eu não me importaria, já que os bichanos lambem o próprio bumbum. rs)

Anônimo disse...

Minga gata Mel deu cria e morreu semana passada deixando os filhotes c 42 dias hj tô sem saber o que fazer pois meu gato macho Max fica pegando os filhotes pelo pescoço e levando p debaixo da Minha cama.. fica miando... ñ sei o que fazer... a coitadinha de uma delas se mijou td ficou tremendo
porque será... que ele ta tendo esse comportamento

Beatriz Levischi disse...

Enquanto os gatinhos forem pequenos, é melhor deixá-los fechados em um cômodo da casa, sem contato com o Max ― até para evitar que se machuquem sozinhos. Eles já comem ração e usam a caixa de areia? O que aconteceu com a Mel?

Anônimo disse...

Nossa estou na mesma situação, a minha de 4 meses demorou aceitar, mas acabou aceitando depois, mas a pequena de 1 mês parece não aceitar de jeito nenhum.. a mais velha tenta brincar, mas a pequena insisti em "rosnar" para a mas velha. Eu deixei as duas soltas, elas estão numa fase de tapas e beijos.. com isso percebi que a gata mais velha está ficando mais brava. Será que é porque menorzinha não quer brincar com ela?! Bom vou deixar do jeito que tá. Acredito que com o tempo a aceitação vai ser um sucesso, afinal estou com a mais novinha a 2 dias.. no primeiro elas se viram. E no segundo deixe elas separadas o dia todo. Vou da o tempo, espero que se dêem bem. Rsrs..

Beatriz Levischi disse...

Dois dias é pouco tempo mesmo. Como as meninas estão?

Suely disse...

Boa Tarde Beatriz! Meu nome é Suely e estou desesperada! Há cinco meses, jogaram um gato no meu quintal, tampado de esporotricose, estava horrível, as patas dianteiras não tinha mais carne era só osso (literalmente aparecia o esqueleto dos dedos), olhos, orelhas, nariz e rabo, cheios de feridas), e cheio de pneumonia e passando fome. Fiquei desesperada quando o vi, pois tenho outros gatos e cachorro. Então o isolei no canil e comecei a tratar dele, ele me arranhou e também peguei esporotricose. Ficamos, em tratamento com itraconazol, e agora tivemos alta, castrei ele há 03 dias. Só que o gato virou uma jaguatirica, fui levá-lo do canil para dentro de casa, pois a noite ele fica no quarto de hóspede, porque é mais espaçoso, só que ele escapuliu das minhas mãos e tentou atacar todos os gatos com um barulho horrível, parecia que estava urrando, fui tentar segurá-lo e ele se encolheu todo e tentou me atacar. Lembrei que ele tem pavor de vassoura, acho que foi muito judiado quando estava com essa doença na rua, então se encolheu quando viu a vassoura e começou a berrar, fiquei com dó, peguei então uma vasilha com água e fui salpicando nele e o afastando com a vassoura pra ele não atacar ninguém, e assim, fui direcionando-o até ele achar o caminho do canil e entrar. Fiquei apavorada, pois nunca vi uma coisa assim, Tenho 16 gatos e 1 cachorro pastor belga e todos se dão super bem, teve o período de no máximo uma semana de adaptação. Não sei o que fazer com este, já pensei em soltá-lo na rua, mas estou com muita pena. No dia que aconteceu isso (22/09/2015), ele ainda estava meio sob o efeito da anestesia, e quando o peguei, acho que ele sentiu dor, e por isso escapuliu. Mas ele está muito bravo, não consigo mais levá-lo pra dentro de casa, pois quando ameaço pegá-lo ela risca fósforo pra mim (faz fuzz). Será que tem jeito pra ele, devo dar mais um tempo ou terei de abandoná-lo? Por favor, alguém me ajude!! Sou apaixonada por gatos, todos os meus 16 foram resgatados da rua, esse é o 17º, não quero abandoná-lo, o nome dele é Milagre, pois ele só está vivo, graças a um milagre, pois no estado que ele chegou, o médico não deu muita chance pra ele. Mais ele sobreviveu, perdeu 3 dedinhos da pata da frente, esta há 5 meses comigo, está lindo. Me ajudem por favor!

Beatriz Levischi disse...

Antes de qualquer coisa, respire fundo, Suely. O passo mais difícil, que é acolher um animal doente, você já deu. :)

Ele "virou jaguatirica" porque se sentiu vulnerável com a cirurgia e seus gatos. Castrado, logo ficará mais calmo. Deixe-o recuperar a segurança antes de começar a adaptação com os veteranos. Coloque caixas de papelão no canil para servirem de esconderijo, leve petiscos e brinquedinhos, não force colo ou carinhos.

E continue mandando notícias.

Suely disse...

Oi, Beatriz! Sou eu, Suely de novo. O Milagre começou a ficar mais calmo, consegui coloca-lo dentro de uma caixa e levá-lo pra dentro de casa no quarto de hospede. já consigo pegá-lo de novo. Mas ele ainda está bravo, um dos meus gatos mora dentro de casa, o nome dele é Pompom e é só ele chegar na porta do quarto de hóspede que o milagre faz (fuzz). Não sei ainda como vou colocá-lo no quintal, mas decidi que não vou abandonar meu Milagre. Vou dar mais um tempinho pra ele e depois vou tentar adaptá-lo aos poucos, vamos ver no que vai dar. Vou mandar mais notícias quando soltá-lo no quintal.
Um abraço e muito obrigada.

José Dias dos Reis Netto disse...

Na minha experiência, a gata/o gato mais velho tem do de bater no mais novo nas primeiras vezes.
Recentemente me mudei de casa aqui tem um gato de rua gigante que com certeza e mais velho que o meu que tem uns 7 a 8 meses.
No começo o meu rosnava e talz e o outro nem ligava ignorava até, então meu gato começou a atacar o outro nem ligou muito de começo ele desviava do meu e saia bem de boa, aí que vem meu gato fazendo isso fez o outro perder a paciência e levo uma bela surra.
E agora ele fica escondido a maior parte do tempo com medo do outro.
Oque eu faço?

Beatriz Levischi disse...

É normal, Suely. Gatos demoram para aceitar amigos. Não coloque o bichano no quintal sem seguir as dicas deste post, hein!

Mantenha o bigode dentro de casa, José. Esta matéria explica o motivo: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html. E eles acostumam, acredite.

wilhansouza1 disse...

Oi! Tenho um sialata de 1 ano e alguns meses e como achamos que seria melhor se nós arrumassemos um novo amiguinho pra ele, então minha mãe trouxe o Tom, um angorá de dois meses, super meigo diferente do Zeca que não é tanto assim. No primeiro dia, meus pais deixaram os dois juntos e o novato fez muito fuzzz enquanto o Zeca tentava cheirar ele e colocar a pata nele, talvez dar aquele famoso 'tapa', e ele acabou que conseguiu dar dois tapinhas na cabecinha do outro, separamos e o Zeca pareceu meio estressado. Só que hj parece que melhorou um pouco, só que não sei se o Zeca quer brincar ou matar o outro. Nunca tivemos animais de estimação principalmente gatos por isso não sei como eles normalmente brincam juntos. Ex: o Zeca não deixa o Tom em paz, só fica atrás dele e agora tenta morder o coitadinho, mas n parece ser forte, msm assim meu coração aperta. :/
Ele não fez mais fuzzz pro novato, nem pra nós, está bem tranquilo conosco só que não sei se isso q ele faz é uma brincadeira msm ou se ele está tentando machucar o Tom. Se os separamos, o Zeca vai atrás e fica miando para que abramos a porta pra ele ver o novato. O veterano cheira muito o novato e os locais onde o novato passa, mas a minha maior preocupação é que ele machuque o filhote, que é bem pequenino e mia pedindo ajuda quando o Zeca morde ele. Será que devo me preocupar? Não os deixo junto sem supervisão e estou tentando seguir os passos do post, mesmo que meus pais não gostem muito da ideia. Deixo-os separados para que possam dormir, já que quando estão juntos o Zeca não deixa o outro em paz e fica encurralando o coitado.
Aguardo resposta! Desde já agradeço ;)

Beatriz Levischi disse...

Se Zeca quisesse matar o novato, já teria feito, Wilhan. Gatos adoram brincar de lutinha. E precisam estabelecer quem manda, na nova hierarquia. Vocês só não podem permitir mordidas fortes. Mostre o post a seus pais. É importante respeitar o tempo de adaptação do bichinho.

Wilson Tiago disse...

Beatriz adorei seu blog. E tbm preciso muito da sua ajuda, como percebi que muita gente o visita vou deixar aqui um pedido de socorro pra vc e a todos Kkkkkk. Tenho uma gata chamada Mel a quase 1 ano e minha filha protetora dos animais achou ontem um filhote deixado aqui na rua, com isso trouxe o bicho pra dentro de casa, agora minha gata mel está doida está atacando todos dentro de casa, hoje ela machucou seriamente minha filha e minha esposa, estou deixando os dois em ambiente separados mas está impossível de manter. Não quero ficar com este filhote aqui, só que aqui na rua tem muitos cachorros e quase todas as noites vejo eles passando com gato grande na boca então imagino a tragédia que será se eu deixar este filhote na rua. Portanto me ajudem caso alguém queira adotar ele me informe. Segue meu email wilsontiago2@gmail mandem mensagens que envio fotos do filhote. Vou tentar permanecer com ele mais 2 dias aqui caso não ache ninguém irei enviar para zoonoses mas sei que lá os bichos não vivem bem. Por favor alguém me ajude. Moro em São Paulo zona leste penha e levo ele aonde for preciso.

Beatriz Levischi disse...

Sua filha fez a coisa certa, Wilson. Bebês na rua têm pouca chance de sobreviver. Obrigada por pensar no bichinho. :)

O comportamento da Mel é normal. Mas, se vocês seguirem as dicas deste post, ela e o pequeno logo estarão brincando juntos ― em oito anos de proteção, nunca vi adaptação com filhote dar errado.

Bigode que tem amigo vive mais feliz, ó: http://blog.gatoca.com.br/2011/01/dois-e-melhor-do-que-um.html.

Unknown disse...

Tenho uma gata que pariu dentro de casa e só criou uma gatinha e depois que a gatinha nova completou 4 meses arrumei outro filhote macho de 3 meses e a gata mãe não esta aceitando o novato em casa já a gatinha filha briga e brinca ao mesmo tempo o que fosso pra a gata mãe aceitar o gatinho novo.?por favor me ajudem

Beatriz Levischi disse...

Você seguiu as dicas do post?

Alessandra disse...

Olá! Tenho uma cadela de 3 anos, SRD, de porte médio, muito ativa, brincalhona e carinhosa. Minha filha adotou um gato de 4 meses, calmo e dócil, há duas semanas atrás. A cadela fica solta pela casa e o gato, por enquanto, num quarto separado. Ela fica desesperadamente na porta do quarto durante a maior parte do dia, e já tentamos algumas vezes mantê-los no mesmo ambiente, ela na coleira e ele dentro da caixa. Nestes momentos, ela se descontrola totalmente, mal conseguimos segurá-la...esses encontros não passam de 2 minutos de total agonia.
Desisto da aproximação por enquanto? Ou tento alguma outra tática?

Beatriz Levischi disse...

Como eu não entendo muito de cachorro, pedi ajuda a uma amiga especialista para escrever este post, Alessandra: http://blog.gatoca.com.br/2014/12/dicas-de-adaptacao-entre-cao-e-gato.html. Siga as dicas dela e me conte se deu certo.

Fernanda Cordeiro disse...

Olá! Sou Fernanda, adotei ha um mes a Lila, que tem cinco meses e como fico fora o dia inteiro, resolvi adotar a Lola, que tem 45 dias. Nesta sexta fez uma semana, e ainda não teve jeito da Lila aceitar a Lola. Isoladas, as duas sao muito meigas e gostam de brincar. Mas juntas, a Lila bota o pavor, fazendo a Lola se encolher e permanecer imovel. Ambas sao bebes, achei que seria muito mais facil. Minha ideia era trazer alegria para a mais velha e infelizmente,por enquanto, só rolou stress... Semana que vem, irei castrar a Lila. Espero que isso ajude.
Estou triste principalmente pela menorzinha estar tao acuada. O que posso fazer para melhorar esta situacao?
Obrigada!

Beatriz Levischi disse...

Lila precisa associar Lola a coisas boas, Fernanda. Quando as meninas estiverem juntas, ofereça petiscos, faça carinho (ao mesmo tempo nas duas) ou estimule brincadeiras ― cordinha costuma unir corações.

Fernanda Cordeiro disse...

Vou fazer o que vc indica. Espero que seja rapido!
Muito obrigada, Beatriz!

Unknown disse...

Olá! No meu caso e tenho a Nina de 1 e 3 meses, adotei a Pérola que agora tem 8 meses. A Nina sempre foi muito manhosa cheia de vontades, estranhou no início e agora convive (tem 2 meses que adotei a Pérola). Porém tem dias que a Nina (Veterana) tá atacada e fica correndo atrás da Pérola, mas tem dia que é tudo normal. A Pérola que é a novata é tão calma, que apesar de ser filhote, quase não quer papo com a Nina (não sei se isso que irrita a Nina, pq já peguei algumas vezes ela rolando no chão para chamar atenção da Pérola), mas a Pérola não se priva de nada na casa, age normal, mesmo com a perseguição da Nina. Não sei o que fazer com os dias de perseguição da Nina, já que não é todo dia. Tenho medo de quando a Pérola ficar adulta, elas acabem brigando sério, pq patadas de vez em quando se dão, mas sem fazerem barulhos ou gritos, só patadas mesmo. Ficam sozinhas e parecem que fica tudo em ordem, inclusive quando chegamos as duas juntas vem nos receber. Vocês sabem pq acontece essa perseguição de vez em quando? Ambas são castradas.
Obrigada!


Beatriz Levischi disse...

Essa "perseguição" não pode ser brincadeira? Como a Pérola reage?

susy disse...

Entao, tinha 3 gatos adotados em tempos diferentes que não tive problema com adaptação. Porém quando um deles morreu resgatei uma gata extremamente feia e maltratada "que hoje é uma princesa" e nunca se enturmou com nenhum dos outros dois já tem cerca de 8 meses e nada... Daí imaginei que por ela não ser mais filhote ela não ia acostumar, então tive a ideia de adotar um filhote para ver se ela o aceitava e nada. Já não sei mais oq fazer comprei feliway e nada...

Beatriz Levischi disse...

Eles só não se misturam ou rola briga, Susy?

Carla Calvo disse...

Olá, gente peguei um filhote de gatinho hoje, o nome dela é Alaska, bom sei que esse lance de adaptação demora, não tenho outros gostos, a Alaska chegou e se escondeu embaixo das camas dentro do armário, mais a tarde eu consegui fazer com que ela dormisse na cama e tals, até ao tudo bem, ela comeu e bebeu água, mas não fez as necessidades!! Isso é normal?? Será que ela estranhou a areia ou só está se adaptando pra depois fazer o xixi!!

Bom me ajudem aí!!
Beijos

Beatriz Levischi disse...

Cada gato reage a mudanças de um jeito, Carla. O importante é respeitar o tempo deles e não forçar colos e carinhos. Alaska já deve ter usado o banheiro, né?

Anônimo disse...

Olá. A Lola (gata) foi adotada quando tinha 2 meses e hoje ela está com 8 anos. A Nina (cachorra) é apenas 6 meses mais velha que a Lola. Elas foram criadas juntas e sempre se deram bem. Há um mês, largaram uma filhotinha na entrada do escritório onde trabalho e acabei levando a pequena ao veterinário (estava cheia de pulgas, assustada) e ela está lá em casa. Ela tem uns 3 meses é super mansinha com humanos e A-DO-RA brincar com seus brinquedos. Fiz a introdução do jeito recomendado: ela ficou sozinha num cômodo até se acostumar com a gente, apresentei primeiro a cachorrinha etc. A Nina adotou a pequena, que já aceita bem a cachorrinha. Mas a minha gata... Ela faz um barulho e muito fzzz, apesar de já tolerar a gatinha por perto - tipo menos de um metro de distância dela... Agora estamos compartilhando meia casa (quartos e banheiro), mas o maior problema é que a pequena fica atacando a Lola, ou chamando para brincar, não estou bem certa... Já teve patadas, mas a pequena continua insistindo... A Lola é muito pacata e na maior parte do tempo fica só de olho, mas se a pequena se aproxima e tenta tocá-la, ela faz fzzzz e se afasta. Estou usando o Feliway e não houve incidentes com xixi nem nada... Como posso acalmar a pequena? Ela será castrada em janeiro, será que depois melhora? Percebi que ela está tentando "marcar território", se esfregando nos móveis e já tentou usar a caixa de areia da Lola... Há alguma sugestão do que posso fazer - além de dar "tempo ao tempo"?

Licely Ranke disse...

Oi gente!!!
Então, eu tenho o Lyon de um ano e meio e puro amor, todo pretinho.
Ontem adotamos o Rico, todo branquinho e 3 meses.
Eles não se unham e nem rosnam, mas tô com medo do Lyon matar o bb. Ele agarra, morde o pescoço e a barriga parece ser brincando no início mas depois de um tempinho o pequeno reclama e meu marido e eu fazemos barulhos pra separar. Faz parte do processo mesmo? Estão dormindo separados mas tenho medo de ser tudo paranóia minha. Só deixo o bb em isolamento se for preciso, mas aí eles miam pela porta como se quiserem estar juntos e brincam por debaixo dela. Me ajudem rsrsrs

Tâmara Marchi disse...

Eu estou enfrentando um problema. Meu cachorro de 5 anos esta muito stressado com a chegada do Thor meu gatinho de 3 meses. Estou preocupada, me ajudem com dicas quem já passou por isso. Ele está muito nervoso.

Carlinha Araújo disse...

Eu tenho uma gata que está com 1 ano chamada Lilica e ganhei uma filhote siamês de 2 meses que batizei de Felicia. Depois que Felicia chegou Lilica não para em casa, estou preocupada, pois ela é uma gata calma, mansinha e ficava muito em casa. Minha casa é pequena e estou deixando a novinha solta pra se acostumar ao ambiente. É normal essa atitude de Lilica? Como devo proceder?

Beatriz Levischi disse...

Filhotes são cheios de energia mesmo. E Lola, com 8 anos, não parece estar muito no clima. O ideal seria adotar outro bebê para brincar com a novata e a veterana recuperar a paz ― ou esperar os primeiros anos até a pequena se acalmar.

Brincadeiras estabanadas são comuns, sim, Licely. Mas a gente não deve deixar que os bigodes se machuquem. Conforme o Rico for crescendo, aprenderá a se impor sozinho.

Você seguiu as dicas de adaptação, Tâmara? Dê uma lida neste post: http://blog.gatoca.com.br/2014/12/dicas-de-adaptacao-entre-cao-e-gato.html.

É normal esse estranhamento, Carlinha. O que você não deve permitir é que Lilica corra riscos indo para a rua: http://blog.gatoca.com.br/2012/03/telas-2-motivos-e-11-empresas.html. Neste post, tem dicas de como fazer os peludos se divertirem sem sair de casa: http://blog.gatoca.com.br/2015/02/xixi-fora-da-caixa-e-enriquecimento.html.

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 224   Recentes› Mais recentes»