.
.
Mostrando postagens com marcador Coração de pudim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coração de pudim. Mostrar todas as postagens

4.4.24

Intrú ganhou um cobertor e me emocionou

A foto de quando Intrú pisou no cobertor não tem a melhor qualidade e, apesar de a gente aprender no jornalismo que vale mais o registro histórico do que a plasticidade, achei melhor abrir este post com o clique das apresentações ― o frajola precisa de uma família e não podemos nos dar o luxo de contrariar os algoritmos, né?


Araçoiaba da Serra nesta época do ano lembra o deserto, com dias quentes e noites frias, o que me fez antecipar a compra do cobertorzinho. Seguindo as dicas das meninas no Cluboca, nosso clube maravilhoso de apoiadores, aliás, optei pela versão humana de solteiro, bem maior e mais barata do que as de pet ― ainda posso cortar e ter uma opção de troca para o dia da lavagem.

O pacote chegou quase junto com a criatura, que estava desaparecida há dois dias e meio ― seria muito triste segurar a manta de microfibra encarando a casinha vazia. Esperei anoitecer e mal tive tempo de ajeitar no chalé porque o peludo pulou para dentro, sem se importar com os cheiros estranhos.


A grande surpresa, porém, foi notar, já da lavanderia, a bundinha balançando do lado de fora. Saí de novo para confirmar e me deparei com esta cena:


Dez ataques depois, o encardido estava fazendo massinha (e mamando!) no seu primeiro cobertor. ❤️


Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua
:: Férias do Intrú
:: Procuram-se madrinhas
:: Intrú ganhou madrinhas e um chalé!
:: 59 dias sem acidentes!
:: O primeiro brinquedinho... que ele nem viu
:: Teste: o desaparecimento do frajola

3.4.24

Teste: o desaparecimento do Intrú

De todos os cuspes que me voltaram na testa durante estas quase duas décadas de proteção animal, ter um gato que vai para a rua lidera o ranking. Ok, Intrú não é exatamente meu, embora não concorde com essa interpretação dos fatos. E para sair de casa precisaria antes entrar, coisa que nunca aconteceu por causa da FeLV, que o impede de confraternizar com minhas velhinhas.

Tecnicalidades à parte, o frajola passa a maior parte do tempo por aqui, mas nenhum muro de 2 m de altura consegue segurá-lo no terreno quando bate "os cinco minutos" ― não sei do que, porque o cara de pau tem comida e roupa lavada. E está castrado!

Eis que no sábado à noite ele se jogou no mundo e não retornou para o café da manhã. Nem para o almoço. Nem para o jantar. Nem no domingo. Nem na segunda. Eu rodei o bairro chacoalhando o potinho de ração, conversei com o pessoal que está asfaltando a rua que desce, com os lixeiros, escrevi para o grupo de moradores, para a ONG, para os dois veterinários da cidade.

E chorei ― justo agora, que a pança estava começando a tomar forma?


Na terça-feira, ele brotou do solo com tanta fome que comeu a ração renal infestada de formigas que a gente havia deixado no jardim. E a ração dele. E um resto de sachê das meninas. E a latinha favorita da Pet Delícia. Nenhum arranhão. Entendi as mães que falam para os filhos que, se fizerem algo que coloque a vida em risco, vão matá-los. A sensação é essa mesmo ― alívio com nariz de palhaço.

De lá para cá, me pergunto sem sucesso: onde a criatura estava?

a) Com a segunda família, tóxica.
b) Vagando sem rumo ao bater a cabeça e perder a memória.
c) Preso em uma casa de veraneio, depois de filar a bacalhoada de Páscoa.
d) No caminho de Santiago de Compostela para ressignificar a existência.
e) Trabalhando uberizado com a pressão de quitar dívida de catnip.

Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua
:: Férias do Intrú
:: Procuram-se madrinhas
:: Intrú ganhou madrinhas e um chalé!
:: 59 dias sem acidentes!
:: O primeiro brinquedinho... que ele nem viu

20.3.24

Última visita da Chocolate ao tronquinho?

Minha foto favorita da Chocolate é a do aniversário do ano passado, em que ela curte o vento de olhos fechados, já surda, no seu lugar preferido do gatil: o tronco de árvore que Leo arrastou pelo bairro quando nos mudamos para Araçoiaba, depois de um dos surtos de poda sem critério da companhia de energia elétrica.

Foram dois anos e pouco de contemplação de paisagem, afiação frenética das garrafas, degustação de matinho ― sempre emoldurada pelas capuchinhas, a flor perfeita para quem prefere cuidar de gatos. Com a ataxia intermitente, porém, o equilíbrio da pequena ficou prejudicado e hoje me toquei que ela não consegue mais aproveitar o tronquinho.


Havia levado a peluda ao jardim para os cliques do Gramado da Fama e ela subiu sozinha, como nos velhos tempos, mas fez a travessia inteira se esforçando para não cair ― até desistir e voltar para a caminha. Veterinário da cidade e equipe de raio-x já passaram por aqui, conto com calma em outro post. Todo mundo elogiou os 17 anos da ranheta. Mas isso não me impediu de ficar chateada.


Obrigada triplamente por quem continua acompanhando o Gatoca nesta fase geriátrica! ❤ E especialmente aos apoiadores, que acreditam que a gente ainda pode despiorar o mundo juntos ― só estou tomando um ar, rs. No último mês, 10% das assinaturas do Catarse acabaram inativadas e essa grana faz diferença. :\

Bem-vinda, Isabella Cantelles! Espero que o Cluboca seja a acolhida que você buscava para a Jova e seu rim solo. Já Gabi e Vera Fromme podem botar o pé no sofá porque estão nos bastidores do projeto desde a adoção da Flea e do Snow ― 14 anos, gente!


Encerro com um aperto a distância nos resilientes Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto...

... Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Karine Eslabão, Michely Nishimura...

...Danilo, Klay Kopavnick, Glaucia Almeida, Ana Cris Rosa, Ana Hilda Costa, Lia Paim, Elisângela Dias, Ivoneide Rodrigues, Melissa Menegolo, Vanessa Almeida, Vivian Vano, Maria Beatriz Ribeiro, Elaigne Rodrigues, Simone Castro, Beatriz Terenzi, Viviane Silva, Regina Hansen, Arina Alba, July Grafe e Sandra Malacrida! 🤗


(Tem um troco sobrando, gosta do nosso trabalho e quer se tornar apoiador também? Dá uma fuçada nas recompensas da campanhaaqui fiz um resumo das principais ações, on e offline, destes 16 anos e meio de projeto. ❤)

8.3.24

O primeiro brinquedinho... que Intrú nem viu

Tem coisa mais frustrante do que ganhar presente que você precisa esperar para usar (porque ainda não serve, porque veio sem pilhas, porque te falta uma piscina)? Pois fazia tempo que eu namorava um puzzle toy para o Intrú, que sofre da síndrome do pote vazio, não sentir fome (ou assassinar meia fauna de Araçoiaba da Serra) quando a gente precisa passar o dia fora.


O problema é que as formigas do jardim avançam na ração antes mesmo de ele terminar de comer e fica difícil deixar qualquer coisa lá fora ― inclusive nossos corpos. Até do comedouro antiformigas da Tok&Stok elas riem!


Aí, Viviane comentou no Cluboca sobre as placas que sua família usa há 20 anos e me permiti sonhar: comprei três, com a ajuda das madrinhas do frajola, para apoiar bem o tabuleiro.


Logo de cara, precisei improvisar com fita adesiva porque a superfície, lisa demais, fazia o brinquedo escorregar, o que tornaria o desafio de movimentar as pecinhas para descobrir as guloseimas uma tortura.




Mas frustrante mesmo foi voltar de Sorocaba, horas depois, e encontrar o comedouro interativo intocado pelo gato e dominado pelas formigas.



Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua
:: Férias do Intrú
:: Procuram-se madrinhas
:: Intrú ganhou madrinhas e um chalé!
:: 59 dias sem acidentes!

23.2.24

Intrú: 59 dias sem acidentes!

Sempre que dizem que um mundo liderado por mulheres não teria guerras, o patriarcado esperneia, mas Intrú está aqui para provar que, 88 dias depois da castração e com 75% menos testosterona na cachola, os ataques cessaram. Quer dizer, ele mordeu quando Leo enfiou a mão dentro da casinha nova, só que invasão de propriedade privada é crime, né?


E anteontem afastou meus dedos do cafuné com os caninos porque o café da manhã estava atrasado, comportamento justificado, pois qualquer um fica mal-humorado com fome ― e nem saiu sangue. Cada dia mais carente, posso fazer carinho sem usar a comida como distração, que ele recebe de boca aberta e com uma cara de bobo irresistível.

Acabei não registrando a primeira vez que baixamos a guarda, humana e felina, quase três meses depois do início desta epopeia. Mas foi mais ou menos assim:


Continua faltando a família que possa amar o frajola FeLV+ do outro lado da porta de vidro da lavanderia (contato@gatoca.com.br).


Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua
:: Férias do Intrú
:: Procuram-se madrinhas
:: Intrú ganhou madrinhas e um chalé!

8.2.24

Intrú ganhou madrinhas e um chalé!

Ele tem até chaminé ― eu escreveria, se este post fosse um livro infantil. Mas, como se trata de vida real, preciso confessar que nosso pedido por madrinhas não conseguiu furar a bolha. Sorte minha poder contar com a comunidade maravilhosa de apoiadores do Gatoca, que apertou um tico mais para incluir o Intrú nas contas do mês.


Em janeiro de 2024, nascia Intrusoca, nosso grupo-amor no WhatsApp, com Telhado da Fama em agradecimento! Alice, Samanta, Renata, Vanessa, Paula, Elaigne, Bárbara, Melissa, Reginas, Solimar, Lorena, Michele, Adrina, Fernanda, Roberta, Viviane, Liliane, Neide, Glaucia, vocês sabem o valor dessa rede, né? E seja bem-vinda, Elisa Serikawa! 💙


A casinha, que eu já havia comprado porque o toldo não estava dando conta dos temporais, virou a primeira empreitada coletiva, pois só chegou depois. E o frajola surpreendeu todo mundo entrando assim que desembrulhamos! Escolhi um modelo desencaixável porque, se a criatura desconfiada não acostumasse com ela fechada, ao menos salvaria a parte debaixo.


Ainda paguei pelo tamanho de cachorro de porte médio! 😂


Para facilitar a adaptação, inventei a configuração "teto solar" ― Leo tentou convencê-lo a testar o formato original, logo no primeiro dia, e tomou uma mordida.


Intrú prefere criar livremente.



Mas, quando choveu feio, acabou cedendo ― mentira! Primeiro ele esgoelou, profundamente indignado.



Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua
:: Férias do Intrú
:: Procuram-se madrinhas!

26.1.24

Procuram-se madrinhas para o Intrú!

"É só deixar o potinho com a ração na porta que gato de rua come e vai embora", eles disseram. Corta para o final janeiro de 2024, três meses depois do início do Projeto Intruso:


Aqui em Gatoca, nem formiga come e vai embora, rs. E o frajola foi castrado, testado para FIV e FeLV (positivo para leucemia felina, infelizmente), despulgado, vermifugado. Acontece que o tempo passou, a família (ainda) não apareceu e os vermes voltaram. Os 200 pacotes começados de ração que minhas velhinhas abandonaram também acabaram. E os temporais pedem um abrigo.

Não vou deixar faltar nada disso ao pequeno. Mas está pesado, principalmente para quem colecionou dez bigodes idosos ao mesmo tempo ― e não se planejou para adotar mais um. Quem topa participar da rede de apoio que tornará a vida do Intrú do lado de fora da lavanderia o mais próximo possível deste lado de cá?


Pretendo manter a alimentação super premium para ajudar na imunidade e porque nunca fiz diferença entre amores fixos e temporários. O antipulgas e o vermífugo, pelo jeito, precisarão de reaplicação a cada dois meses. E a casinha já comprei, porque o coitado quer tanto ficar perto que prefere se molhar inteiro a se proteger embaixo do contêiner ― o toldo não tem dado conta das chuvas de vento.


Em troca, vou criar um grupo exclusivo no WhatsApp para compartilhar as peripécias do figura em tempo real. Mulherada que me escreveu confessando que gostaria de adotá-lo, mas não pode: eis a chance de se aprochegar! Mandem sinal de fumaça para: contato@gatoca.com.br ou me procurem nas redes sociais?

Intrusinho agradece! ❤


Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua
:: Férias do Intrú

19.1.24

Férias do Intrú

Dezembro e janeiro são meses de falência financeira por motivos de: Natal, impostos, material escolar. Isso para trabalhadores assalariados precarizados, porque Intrú, que nasceu com alma de CEO de startup, está curtindo a vida adoidado. De manhã, aproveita o sol na beira da piscina.


Depois, almoça sapo ou lagartinho assassinado, com sorvete de Pet Delícia.


E faz a sesta na suíte presidencial...


...equipada com ar-condicionado de lataria de contêiner.


Às quintas, tem bungee jump.


Às sextas, futebol...


...e cervejinha com os amigos.


Aos sábados, brincadeira de estátua.


...ou de caçar cortador de grama.


E, aos domingos, soneca na king size.


Para a experiência ficar completa, só falta ganhar uma família (contato@gatoca.com.br). ❤


Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra
:: O que acontece com gato que vai para a rua

10.1.24

Intrú e o que acontece com gato que vai para a rua

Quando bati o olho na versão terracota do Intrú, fiquei pensando: onde uma criatura que passa a maior parte do dia tomando banho se sujaria desse jeito? A resposta veio no primeiro carinho, em relevo: um corte de fora a fora nas costas mais vários machucados na cabeça, disfarçados entre os pelos.


O coração encolheu. Nunca tive gatos que vão para a rua, justamente porque eles podem levar a pior em brigas com outros gatos (e até cachorros), morrer atropelados ou envenenados por aquele vizinho que odeia bicho, pegar doenças sem cura como a FeLV ― um dos motivos pelos quais não posso colocar o frajola testado positivo para dentro de casa.

O barro demorou vários paninhos com sabonete neutro e água morna para sair ― como sempre, aproveitei o foco na comida e o coitado ficou receoso no começo, mas no final deixou esfregar até as orelhas. Pensem em um gato que nunca foi cuidado! Já as feridas persistem, uma semana depois e longe do reflorestamento da pelagem perdida.


Só não desanimei de vez porque hoje completam 44 dias da castração do encardido, exatamente quando a testosterona, hormônio responsável pela disputa por fêmeas e território, entra na meia-vida ― metade da concentração original, pela retirada dos testículos, até restar apenas os 10% que passarão a ser produzidos pelas glândulas adrenais.

O clássico xixi de marcação não o vejo fazendo há um tempo. Só que, sem uma família exclusiva (experiente, com enriquecimento ambiental e zero gato), o pequeno vai continuar morando do lado errado da porta de vidro da lavanderia, no mês dos temporais.



Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino
:: Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel
:: Nossos presentes de Natal, com penetra

5.1.24

2023

Em um misticismo exclusivo, os anos terminados em três marcam transformações profundas em mim. Foi em 2003 que precisei me dividir entre o trabalho e o hospital até dona Vera perder uma longa batalha contra o câncer, perto do Natal ― e que também tive de aprender a fazer arroz, lavar privada, cuidar dos irmãos mais novos, multiplicar dinheiro no supermercado.

Em 2013, deixei o casarão de uma vida inteira para caber com dez gatos, o Leo e, esporadicamente, as enteadas em um apertamento de 60 m2. Meu apertamento ― depois de uma reforma "faça você mesmo", apelidada de terapia. Uns meses antes, por causa das crises recorrentes de alergia e asma, já havia decidido parar com os resgates e redirecionar os esforços do Gatoca para a educação.

Se minha mãe estivesse viva, provavelmente confirmaria que em 1983 juntou coragem para se separar do alcoolismo do meu pai e nos mudamos para o prédio em que minha avó morreu antes de cumprir a promessa de sorvete toda a tarde, quando o shopping em frente ficasse pronto ― para voltar atrás pouco tempo depois. A mãe, não a avó.

E deve ter sido em 1993 que sofri um bullying persistente por nunca ter beijado na boca ― resolvi inventar um caso na viagem com as "amigas" à Caraguatatuba, que acabou desmascarado e só piorou tudo. Para dar uma ideia do impacto, o beijo de verdade tardou mais cinco anos ― e, por favor, não façam as contas.

Finalmente chegamos a 2023, assunto desta retrospectiva, com três gatas mortas em 15 semanas, a expectativa de um sabático ao final destas quase duas décadas felinas e um intruso estragando tudo. Guda partiu em março, com 17 anos, Pipoca em julho e Pufosa dois dias depois, ambas com 16.

Além da exaustão, sobrou um gosto amargo porque Pipoquinha chegou a reverter o primeiro derrame pleural ― que demandou uma releitura da escolha de Sofia de 11 anos atrás. E, pouco antes delas, já havíamos pedido o Mercv (com quem vira e mexe sonho) e a Clara, igualmente idosos.

A dinâmica da casa, acostumada a nove bichos preenchendo vazios e silêncios, mudou completamente ― ainda não acostumei a me referir à gangue no feminino. Sem a mãe e metade das irmãs, Jujuba virou uma gata carente e Keka deu para me acordar aos berros cada vez mais cedo ― 4h44 o recorde! Quem não mudou foi o Leo (amo essa foto!), parceiro de soro, de obra, de cova.

Comentei aqui no blog que envelhecer com os bigodes tem me feito enxergar o tempo de outra forma ― as adaptações demoram mais, o corpo não funciona do mesmo jeito, a gente precisa fazer um esforço ativo para não deixar a curiosidade morrer junto com o resto.

Eis que Intrú veio chacoalhar essa energia, com seu olho verde-vida, o pelo brilhante, o nariz rosinha ― lembra Mercv jovem, principalmente quando dorme de boca aberta. No dia 27 de outubro, começava o projeto castração, bem-sucedido, mas com pós-operatório turbulento e duas bombas: a idade e a FeLV. Mesmo assim, persisto na campanha de adoção, porque ele merece morar do outro lado da porta de vidro da lavanderia.

No ativismo, aliás, o ano prometia com a criação do Departamento de Proteção, Defesa e Direitos Animais pelo governo federal. E ficou só nisso mesmo. Eu diminuí o ritmo de publicação dos posts e a frequência de envio do boletim para conseguir dar conta de tudo ― rolou Gramado da Fama em fevereiro, maio e julho, mas aquém da ambição do nosso financiamento coletivo.

O blog perdeu o puxadinho no servidor de mais de uma década, passando justo o 1º de abril fora do ar. E ainda assistimos portão e telhado araçoiabanos voarem com o temporal de novembro ― que também nos deixou sem luz e água por três dias. Nos intervalos, porém, a gente comemorou.

Os dois anos de casa nova, os 16 do Gatoca (em dose dupla!), os aniversários da Chocolate e das Gudinhas (e o primeiro aniversário sem Guda, bem como o segundo sem Mercv, em homenagem), o Natal customizado ― com brinquedinhos para as peludas, lasanha de marmita em companhia do Intrú e Amigo Secreto de Talentos no Cluboca, o grupo de apoiadores mais maravilhoso do universo!

A geriatria dominou o conteúdo de serviço: gastrite por doença renal, cérebro cansado, fralda, artrose, ataxia, escova de bebê, patê lisinho para seringa. E desabafei sobre o difícil equilíbrio ao cuidar de bichanos. A série inspirada em O Encantador de Gatos, livro do Jackson Galaxy, ganhou dez capítulos inéditos: sobre os bigodes felinos, a visão e a audição, como eles caçam e o que comem, hábitos de limpeza e sono, arquétipos, lugares de confiança e esconderijos-casulos.

Também teve teste de latinha em molho e o controverso sabor peixe, e textos sobre alimentação úmida, o gosto da água e ração de insetos (+ novidades gringas). O enriquecimento ambiental foi turbinado com sofá e prateleiras repaginados, a primeira cama nuvem, arranhadores caseiros (com passo a passo) e parquinho vertical ― que rendeu uma miniobra!

O blog ainda alertou para os perigos do calor, garras que entram nas almofadinhas, a incompatibilidade de banho e antipulgas, inchaço que vira abscesso, os malefícios da imobilização pelo cangote. Ensinou a identificar dor, ronco e marcação fantasma, se declarar com os olhos, pesar seu amigo com precisão.

E, mesmo quebrada por dentro, não podiam faltar os posts de entretenimento: nossa experiência tragicômica com inteligência artificial, a briga com o ChatGPT, o desafio dos seriados, o ataque de um serial killer, a visita de pterodátilos, as releituras de Dalí, gatos fazendo gatices, a inviabilidade do nosso reality show, minha soneca com o inimigo, a Pimenta do clima e as vergonhas de gateiro.

Que 2024 bata mais leve ― porque a idade dos integrantes fixos e o gênio do temporário dão o spoiler de que fácil não será. rs


Retrospectivas dos anos anteriores: 2022 | 2021 | 2020 | 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

29.12.23

Nossos presentes de Natal, com penetra

Eu já contei aqui que não sou uma adulta natalina ― nem de rituais em geral. Gosto de marcar começos e encerramentos de ciclos, mas de um jeito que faça sentido para mim, não por imposição social. Na infância, inclusive, aproveitava o pacote completo do Natal, com pinheiro natural, presépio decorado, luzinhas na calçada, Papai Noel deixando rastro de brocal, uvas passas herdadas dos panetones alheios.

Depois deste 2023 desafiador, Leo e eu decidimos, então, ficar por aqui mesmo, em Araçoiaba, com lasanha de marmita e a companhia dos gatos sobreviventes ― de volta ao masculino porque Intrú fez questão de participar da ceia da tarde.


Pimenta foi a única que ganhou brinquedo, já que, 16 anos e 7 meses depois, ainda se diverte caçando bichos animados e inanimados. Batizei o ratinho de Topo Gigio, um sonho nunca realizado, pois a Bia criança queria uma versão que falasse e se mexesse sozinha, como a da televisão.


Chocolate curtiu a escovação-cafuné, compatível com seus 17 anos, e os croquetes no parquinho, em que ficou semanas sem conseguir subir por causa da ataxia.


Já Keka não conseguiu aproveitar nem os croquetes nem o parquinho, porque perdeu quase 1 kg desde o ataque do Intrú ― como as irmãs, ela também passou dos 16 anos, avançada na insuficiência renal. Mas compensei comprando uma ração nova, ainda mais cara do que a anterior, pois o céu é o limite para essa gente. E o paladar seletivo da frajola aprovou!


Jujuba teve seus arranhadores horizontais de papelão renovados.


E Intrú ficou com os de segunda mão, como todo irmão mais novo ― a caminha Leo improvisou por causa das noites frias. A ideia é ele acostumar com ela no seu cantinho favorito para depois a gente colocar em um lugar mais protegido.


No sachê especial a criatura nem tocou, preferindo a boa e velha Pet Delícia ― não sem antes me bater (story nos destaques do Instagram). Capacidade de lidar com a frustração: 2, cruzado de esquerda: 10. rs

Ainda rolou o Amigo Secreto de Talentos do Cluboca, nosso grupo de apoiadores, em que presenteei a Adrina com uma radionovela de O Gato e o Diabo, escrito por James Joyce ― foram três dias para gravar a narração (prefeitura asfaltado a rua com caminhões da Idade Média), incluir a trilha sonora e os barulhinhos todos, fotografar e tratar a imagem da Pips.

E da Vanessa ganhei esta ilustra com o Intrú, que ainda procura uma família para poder morar do outro lado da porta de vidro.


Também a versão digital do livro Relatos de um Gato Viajante, de Hiro Arikawa, um vídeo de bigodices e esta mensagem apertável:

Meus presentes são a razão disso aqui existir (de novo Bia!). Separei uma imagem que me fez pensar em você com o Intrú e aquele livro que falei: Relatos de um Gato Viajante. Não só porque os seus viajaram um bocado contigo (SBC, Sorocaba, Araçoiaba) como também porque tanto a vida quanto a passagem para o outro lado são uma viagem, e me conforta pensar que, de vez em quando, tanto nós quanto nossos amados gatinhos viajamos cruzando a fronteira entre os planos para matar a saudade. ❤️

Espero que o festerê por aí tenha tido a cara de vocês. A retrospectiva vai ficar para o ano que vem, quando todo mundo voltar à rotina de pagador de boletos, para compensar a trabalheira. :)

20.12.23

Cartinha de um gato excêntrico ao Papai Noel

Querido Papai Noel...

Ok, eu não sou mais filhote para acreditar em idosos obesos que cabem em chaminés, mas resolvi apelar porque Márcia disse que preciso de um milagre ― viu que estou por dentro dos memes das redes sociais?


Tive quatro anos de vida louca na rua: cacei todo tipo de bicho, passei o rodo geral, briguei sem perder um pedacinho sequer das orelhas. Só que estou cansado, sabe? Quando vi que é possível receber cafuné em vez de vassourada, poder comer devagar, sem medo e tomar sol largadão, confesso que tentei roubar essa família.


Outras gatas, porém, chegaram antes de mim. E elas são velhas, renais e apelonas. Acredita que meu clone frajola parou de comer só porque me vê pela porta de vidro? Bom, talvez ela se lembre que eu lhe dei uns sopapos quando invadi o gatil.

Mas não é justo, porque ela continua com a melhor parte! Posso dizer com propriedade, pois consegui entrar no quarto da Márcia esses dias. Precisa ver a cara dela, alérgica a gatos, saindo do chuveiro! Essa, na verdade, foi minha segunda aventura. Na primeira, ela ficou perplexa por me pegar deitado no chão e não na cama. Eu sei lá o que é cama!


Só queria companhia. Sigo a Márcia pelas janelas, mio para chamar a atenção, acontece que, se ela se mexe de um jeito que eu não esperava, lembro de todas as vezes em que me machucaram e o ataque escapa. Pelo menos da última não saiu sangue. Ela comemorou. Eu também, porque posso ganhar mais carinhos ― que faço questão de receber com a boca aberta.


Os xixis de marcação de território já superei. A castração também me tirou a vontade de paquerar as minas e sair na mão com os manés. Mas não me peça para passar a madrugada embaixo do contêiner porque também não virei padre, né? Márcia fica angustiada e fala que minha casa precisará de enriquecimento ambiental.

Ainda tem a tal da FeLV, que sequer entendi e, mesmo assim, diminui minhas chances de recomeçar. O que pode ganhar de patinhas de elefante?


Ah, sim, eu dou prejuízo na ração, não vou mentir. Mas sou um gato de gostos simples ― transformo pedra em travesseiro!


E, quando começa a chover, para aumentar a culpa da Márcia, pisco de um olho só. Me arruma um cover dela? Nunca te pedi nada!

Valeu, falou!

Intrú/Quino

P.S.: Estou publicando stories com frequência do figura no Instagram, todos reunidos nos destaques.


Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas
:: Um morto muito louco e perdão felino

1.12.23

Um morto muito louco e perdão felino

Stories da epopeia completa nos destaques do Instagram!

Amanhã, completa 18 anos que eu trouxe o primeiro gato para casa. Mercv mudou minha vida, mas morreu às vésperas dos 17 e quero usar este post para mudar a vida de um gato que não posso colocar para dentro de casa. Seguindo a epopeia de adoção do Intrú, faltou falar justamente dos desafios de um pós-operatório outdoor.


Grogue da anestesia até anoitecer, toda hora eu precisava tirar o coitado do sol, sem a facilidade de pegá-lo no colo. A boca só abriu para comer às 18h, ainda descoordenado. E, quando começou a chover (porque precisava fazer todas as estações no mesmo dia), ele sumiu. Na manhã seguinte, chegou atrasado para o café e desistiu na metade para se proteger em cima do muro do monstro que lhe providenciou uma brazilian wax vexatória.


Ainda voltou à noite, em busca da outra metade de ração, vazando sem querer saber de papo ― o sachê com que o atraí para dentro da caixa de transporte, aliás, nem lambeu. Mas devem ser poucas as ofertas de alimentação com carinho na região e na quarta-feira o marrento voltou a acampar na porta da lavanderia.



Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera
:: Intruso: 1 sucesso e 2 bombas

30.11.23

Intruso: 1 sucesso e 2 bombas

Stories da epopeia completa nos destaques do Instagram!

Capricornianos são bons planejadores de longo prazo. Quando decidi estreitar laços com o intruso, anotei na agenda a castração dele para 27 de novembro, exatamente um mês depois, almejando mais gordura e menos agressividade. Durante esse tempo, ele devorou cinco refeições por dia, cada uma delas como se fosse a última, me atacou seis vezes, diminuindo gradativamente a intensidade, ronronou e se esfregou outras tantas.


Faltando uma semana para o grande dia e aproveitando a concentração no pote de Pet Delícia, apliquei na nuca o combo de antipulgas + vermífugo ― os carinhos também funcionam melhor durante a comida. Coloquei a caixa de transporte do lado de fora para ele já ir se acostumando E, na noite da véspera, tive a sacada de recolhê-la para conseguir devolver de manhã com o pote já dentro, sem retalhação ― escolhi um sachê inédito bem apelativo.


Pois o cara de pau entrou na caixa tranquilamente (obrigada, Chicão!), limpou o prato e só se tocou que a porta estava fechada quando virou. Não gritou na hora, não gritou na viagem, (quase) não gritou na clínica ― acho que o pessoal não levou muito a sério meu aviso de braveza. Até precisarem tirá-lo de lá. rs


Aqui vale abrir um parêntese para explicar que optei por uma ONG, na verdade, que oferece atendimento veterinário, porque essa galera castra animal arisco de colônia, com técnica minimamente invasiva, sem necessidade de retorno para tirar os pontos e antibiótico injetável, dispensando medicações via oral.

Eles também entenderam que eu não podia marcar horário porque dependia de conseguir capturar a criatura com a comida, e levaria, portanto, um gato sem jejum, deixando-o para o final da fila. Ainda precisaríamos fazer todos os procedimentos no mesmo dia, desaconselhável no caso de bichos domesticados, sob o risco de nunca mais pegá-lo. Fecha parêntese.

A cirurgia foi um sucesso, mas veio acompanhada de duas bombas: Intrú (ou Quino, como Leo chama, insistindo numa abreviação de "inquilino" que só faz sentido na cabeça dele) não é o filhotão que apareceu aqui em dezembro do ano passado, porque já tem 4 anos ― idade que dificulta ainda mais a adoção de frajolas.

E o teste de FIV e FeLV deu positivo para FeLV, a estigmatizada leucemia felina, causada por um vírus que enfraquece o sistema imunológico ― por isso não vacinamos. Existe a chance de negativar, como a gente viu acontecer com a Catrina, só que depende de o organismo dele conseguir neutralizar o vírus.


Caso isso não ocorra, o pequeno só poderá ser doado para famílias sem gatos ou com outros FeLV+, restringindo ainda mais o leque de possibilidades para um bichinho assustado, que sonha em dormir do outro lado da porta de vidro da lavanderia.


P.S.: O link que compartilhei lá em cima sobre a FeLV é de um vídeo maravilhoso da Isa Gateira, que todo mundo precisa assistir para reverter preconceitos e dar uma chance aos peludos que terminam encalhados nos abrigos.


Epopeia do Intruso

:: Como tudo começou
:: Serial killers sempre voltam à cena do crime!
:: Ronrom, ataques e caos
:: Amansando a fera