.
.

16.9.21

Paradoxos do ativismo (com ou sem gatos)

Tudo começou com uma discussão acalorada no nosso grupo do WhatsApp, passou por várias pesquisas de público-alvo na internet e terminou com estas constatações:

1) Quanto pior a situação do país, menos dinheiro as pessoas têm para apoiar iniciativas que ajudam a melhorar a situação do país.
2) Historicamente, corações de pudim experientes doam mais, mas enfrentam mais dificuldade com a tecnologia.
3) Apenas 3% de toda a grana filantrópica vem de financiamento coletivo e azedamos uma pandemia eterna, sem possibilidade de organizar eventos de arrecadação.
4) Boa parte dos leitores do Gatoca ainda está no Facebook, só que o Zuckerberg não mostra os posts para ninguém.
5) Os jovens preferem o TikTok, que possui um alcance orgânico bem maior, mas não costumam financiar projetos sociais.

Queimando os neurônios porque não tivemos apoiadores novos no último mês. Está chovendo no Gramado da Fama — literalmente. E não vou fazer dancinha. rs


P.S.: Se você acha nosso trabalho relevante e pode contribuir para que ele continue existindo gratuitamente, ajudando quem não pode, clique aqui. Se precisa de socorro com a plataforma, manda mensagem que a gente faz junto: contato@gatoca.com.br. Se tem uma ideia bacana, vou adorar ler nos comentários! :)

10.9.21

Matatabi dá barato? Testamos com os gatos!

Actinidia polygama ou Silver vine, em inglês, é a planta que tornou o catnip cringe. De flores brancas e frutos que lembram o kiwi, ela cresce em áreas montanhosas do Japão e da China, podendo alcançar 6 m de altura. E os asiáticos usam como estimulante para os gatos há tempos! Aqui, a gente encontra no formato de tronquinho, com reação duas vezes mais potente do que a versão old school. Dizem.

O segredo está na combinação de nepetalactona (cinco variações) e actinidine, enquanto o catnip tem apenas uma variação de nepetalactona. Esses compostos químicos agem no sistema nevoso dos bichanos, provocando reações engraçadas como esfregação, babação, mordidas e roladinhas — alguns peludos ficam doidões e outros mais relaxados. Sem efeitos colaterais, o barato pode durar de 5 a 30 minutos.

Mas não se animem, porque não funciona com seres humanos — a menos que vocês pretendam usar na fermentação do saquê. Quem mandou os troquinhos de matatabi foi a Katia Zuter, do Gatolino, parceiro antigo do Gatoca e que tem nossa frajola no folder! — eles vieram junto com uma bombinha nova, porque o preço aqui está tão absurdo que quase transformei o bebedouro elétrico em vaso.

Mas chega de enrolação! Vocês acham que a gangue curtiu a viagem? Bom, Mercv só cheirou, Jujuba ficou desconfiada, Pimenta se pôs a tomar banho, Keka fugiu e Chocolate bateu na Pufosa, depois jogou o tronquinho embaixo do sofá — vou fazer uma superproducinha com as reações para os apoiadores!






Pelo menos a Pipoca saiu bonita na foto. rs


Vale contextualizar que os bigodes estão velhinhos, preferindo carinho e colo ao agito. E aproveitaram bastante os tempos de catnip. Se seu amigo tem menos de 15 anos (ou espírito jovem, rs), arrisca e me conta! A chance de sucesso é de 79%.

*

Todo mês, o Gatoca publica dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. ❤️ Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

9.9.21

O Gatoca que vocês não veem!

Em tempos de pandemia e desgoverno, os ativistas brasileiros precisam repetir para si mesmos, do momento em que acordam até a hora de dormir, que suas ações provocam um impacto positivo — e olha que o noticiário sempre foi desempoderador! Às vezes, a gente só morre antes de ver. rs

Depois das férias forçadas do início do ano, eu voltei pronta para a briga. Intelectual, claro, porque meu peso não permite sequer doar sangue — e com a sabedoria da Lidice-Bá, ex-chefe que dizia para a gente não trazer problemas e, sim, soluções. Minha primeira reação ao ler a matéria da "Folhinha" sobre testes em animais, confesso, foi confrontar a cientista nas redes sociais.

Mas ela não mudaria de opinião por causa de uma jornalista que não financia suas pesquisas e focar nas crianças costuma render melhores resultados. Escrevi, então, para o José Henrique Mariante, ombudsman da Folha de S.Paulo, apontando os equívocos do texto, destinado a esse público, e a parcialidade da biomédica Laís Berro, além de sugerir fontes acadêmicas para contar o outro lado, porque ninguém precisa acreditar em mim.

Que laboratório tupiniquim exibe "O Rei Leão" para cobaia, gente?


Para ampliar, cliquem nas imagens

Para a minha surpresa, a editora da "Folhinha" Marcella Franco concordou. E prometeu uma segunda reportagem, ouvindo não só cientistas como defensores da causa animal — ainda avisou da antecipação da publicação em outra mensagem.


No sábado, fiz questão de virar Araçoiaba do avesso para comprar o jornal — e quem acabou encontrando a única banca da cidade foi o Leo.


Texto à altura da polêmica, com fontes bacanas que eu desconhecia e alguns colegas, adolescentes apertáveis botando a mão na massa e o selo "Todo Mundo Lê Junto", indicando o compartilhamento por responsáveis e educadores com a molecada. ❤️


Esse também amplia ;)

Dá trabalho — mais do que cancelar o povo no Twitter. Mas é um caminho sem volta. E começa no pequenininho.

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

3.9.21

Os primeiros 30 dias

Atualizado às 21h08

Hoje faz um mês que a Clara começou a virar girassol.


E 26 dias que rego estas sementes de recomeço — nem sempre com a água da torneira.


P.S.: Eu sou de humanas e desconsiderei que agosto tem 31 dias. rs