.
.

18.8.22

Feromônios e cheiros na comunicação felina| EG #12

Se tem um quesito em que os gatos perdem para os cachorros é no faro: 60 milhões de células olfativas contra cerca de 300 milhões, porque os bichanos se concentram em caçadas curtas, aproveitando suas habilidades de perseguição e corrida. Ainda assim, o narizinho deles dá um baile no nosso em 14 vezes.

E o cheiro se mostra essencial nas relações felinas, pois tem conexão direta com a região do cérebro responsável pelas emoções. Se esfregando em objetos e pessoas, seu amigo deixa mensagens com feromônios, sinais químicos imperceptíveis para nós, que revelam informações sobre o sexo (macho ou fêmea?), o humor (estressado?) e a condição reprodutiva (no cio?) — tudo para evitar conflitos.

Já os interlocutores conseguem detectar esses feromônios com o órgão vomeronasal conhecido como "órgão de Jacbson", localizado entre a parte interna da boca e o nariz — sabem quando eles fazem aquela careta de boca aberta? Ela se chama "reflexo de flehmen" e equivale à careta dos apreciadores de vinho.


Há glândulas de feromônios nas bochechas, testa, boca, queixo, rabo, patas, bigodes, almofadinhas, orelhas, flancos e mamas. Suas funções específicas seguem um mistério para a ciência, mas pesquisadores identificaram três dos feromônios faciais...

- F2: relacionado ao comportamento sexual.
- F3: envolvido em trocas sociais complexas e na marcação de território.
- F4: responsável por marcar indivíduos familiares (bípedes ou quadrúpedes), facilitando o reconhecimento e reduzindo a chance de treta.

A maneira como os bichanos se esfregam também diz sobre seu estado emocional. Usar as bochechas indica confiança, dar cabeçadas demonstra amor e arranhar é outra forma de marcar território, mas também pode significar alerta. Tem, ainda, a temida marcação com urina, comportamento sexual comum em animais não castrados e resposta a mudanças no ambiente — como sofá novo ou intrusos.

Estão curtindo a série inspirada no livro do Jackson Galaxy O Encantador de Gatos, financiada coletivamente pelos leitores do Gatoca? Considerem se tornar apoiadores também — aqui tem um resumo das principais ações (on e offline) destes 15 anos. ❤


CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história
CAPÍTULO 3: Como a humanidade se curvou aos bichanos
CAPÍTULO 4: Seu gato vem da América ou do Velho Mundo?
CAPÍTULO 5: 8 mudanças genéticas nos bichanos modernos
CAPÍTULO 6: 44 raças de gatos lindos, mas doentes
CAPÍTULO 7: O mistério do ronronar
CAPÍTULO 8: O que seu amigo quer dizer?
CAPÍTULO 9: 7 posições de rabo explicadas
CAPÍTULO 10: Decifre as expressões faciais do seu gato!
CAPÍTULO 11: Como é um abraço felino?
CAPÍTULO 13: Quem é o gato essencial? (estreia no dia 16 de setembro!)

12.8.22

Gata com tontura e desequilibrando, do nada!

Quando Pimenta não está embrenhada na moita de catnip do gatil, seu canto favorito da casa é a prateleira a caminho do escritório, onde ela pode ganhar carinho dos passantes e, ao mesmo tempo, tomar sol. E, como esse item indispensável para o enriquecimento ambiental nos acompanha desde São Bernardo, mudando apenas a roupagem, a frajola tem experiência no pulo.


Acontece que, na quarta-feira retrasada, ela se equivocou no cálculo e despencou em cima de mim, que, abaixada, reabastecia o potinho de ração. Achei estranho, mas segui nos cuidados matinais dos gatos — sete, idosos, com necessidades diferentes. Até que Leo me alertou para o caminhar cambaleante da pequena:


Durante quatro horas, ao menos, ela ficou assim, sem conseguir manter o equilíbrio, mesmo sentada — e, para evitar o tronco balançando, se encostava nos lugares feito bêbada. A tontura pode até ter sido causada pela queda da prateleira, mas tendo mais a acreditar que foi a causa da queda, já que a peluda nunca erra esse salto. E não aparentava sentir dor — apalpamos cada pedacinho do corpo.

Intoxicação também estava no radar do veterinário, apesar de não vir acompanhada de outros sintomas, como babação, vômito e diarreia. Nada de nistagmo também ou de sinal de otite — ouvidos limpinhos, sem movimentos suspeitos de cabeça. E chega a ser uma ofensa suspeitar de deficiência nutricional em um recinto com seis opções de ração, entre secas e úmidas.

Restavam os problemas mais sérios, como neoplasia (tumor), hipertensão (comum em animais mais velhos) e epilepsia (distúrbio que afeta o sistema nervoso central). Não sei se ela teve convulsão enquanto a gente dormia, mas me chamou a atenção a ligação com a doença renal, cujo diagnóstico conhecemos há oito anos — o funcionamento capenga dos rins pode alterar a composição do sangue, provocando as crises.

Pips segue em observação, já que o bamboleio se tratou de um episódio isolado. E espero que continue assim.

10.8.22

15º aniversário do Gatoca!

Este é um post sobre amor. Porque, sim, a história do Gatoca tem marcos importantes: 1.662 textos informativos, engraçados, emocionantes, mobilizadores — mais e-book, boletim, canal no Youtube. 115 gatos, oito cachorros, quatro aves socorridos e um mutirão de castração. Uma comunidade engajada, com experiências trocadas em 12 mil comentários.

Gente linda que comprou rifa para ajudar nos resgates e produtos da extinta lojinha, contribuiu para o financiamento coletivo, participa do nosso clube de assinaturas — falta 1% para bater a quarta meta! Projetos extrapolados indiretamente para a ONU, Sesc, Yahoo!. 27 parceiros ao longo da jornada, com destaque especial ao Wings For Change, à Pet Delícia e à prefeitura de Sorocaba.

Mas esses números não bastam para me roubar da cama nos dias chuvosos. Nem honram todos os boletos, sejamos honestos.

Eu continuo porque amo o universo que os bigodes pariram em mim e sei que o planeta nasceria outro se aprendêssemos a sentir os animais. Planto sementes em forma de jogo (Gatonó), livro (Depois da Quarentena), série (AssassiGato). Tomo porta na cara, desanimo frequentemente e então lembro que o tempo está ao meu lado — foram só 42 anos.

Desta vez, por causa da covid e da morte do Mercv, não consegui organizar o clássico festerê virtual. Mas comemorei com Leo, parceiro de vida, e com os bigodes, recomeço. E quem se inscrever no Cluboca até o fim do mês vai ganhar de presente todas as nossas superproducinhas!

Obrigada por despiorarem o mundo comigo nestes 15 anos! ❤




Festinhas anteriores: 2021 | 2020 | 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

5.8.22

Stray e os melhores jogos de gato, incluindo tabuleiro!

Meu último jogo de computador foi Carmem Sandiego e, no Phantom System piratão, cultivei a primeira gastrite com a fase da lava do Super Mario Bros. De lá para cá, só me arrisquei no FarmVille, por causa de uma matéria para a revista AnaMaria — sou uma pessoa facilmente viciável, com menos tempo livre do que gostaria.

Mas não dava para não falar de Stray, o assunto que uniu os universos gamer e gateiro, né? Com estética cyberpunk, trata-se da história de um tigrinho que acaba se separando da família e precisa explorar os becos de uma cidade futurista dominada por robôs para reencontrá-los, tendo como única companhia um drone voador chamado B-12.


Não falta texto e streaming na internet do lançamento mais bem sucedido da Annapurna Interactive. Escolhi compartilhar com vocês, porém, o vídeo em que o Jackson Galaxy, especialista em comportamento felino, analisa os movimentos realistas do bichano digital e o canal na Twitch da Viviane Silva, apoiadora querida que me ajudou neste post (junto com a Bárbara Santos, Vanessa Araújo, Simone Castro e Aline Silpe) — ainda faz propaganda do Gatoca nas lives!


Ah! Aqui tem a gata real que emprestou a voz ao personagem. ❤

E, como chego atrasada na conversa (furo de reportagem nunca foi meu forte, rs), compenso com mais dez dicas de jogos eletrônicos, de tabuleiro e para celular com peludos, assim vocês podem se divertir sozinhos, de galera e até com a criançada!

Há opções pagas e gratuitas, clássicas e recém-lançadas, todas muito bem-recomendadas pelas meninas. E vários links estão em inglês porque optei por divulgar os sites oficiais, em vez das lojas. Mas dá para escolher o idioma da maioria na hora de jogar. :)

ELETRÔNICOS

Fisti Fluffs (2021)
Os próprios desenvolvedores definem Fisti-Fluffs como um adorável e ridículo jogo de equipes, baseado em física, cujo objetivo é lutar com outros gatos e arruinar cenários em batalhas frenéticas e exageradas — dá para curtir sozinho também, embora perca parte da graça.

- Plataformas: PC (Epic) e Nintendo Switch
- Idade: 10+
- Número de jogadores: até 4
- $: pago


Catlateral Damage (2021)
Simulador de destruição doméstica felina, pede que você, um bichano doidão, derrube o máximo possível de pertences de seu tutor, tomando o cuidado de não deixar nenhum sofá ou cortina sem arranhões.

- Plataformas: PC (Steam), Xbox, PlayStation e Nintendo Switch
- Idade: 10+
- Número de jogadores: 1
- $: pago


Cats Organized Neatly (2020)
Quebra-cabeça delicado 2D, em que o jogador deve encaixar peludos de diferentes formatos e tamanhos em espaços feitos a mão, representando 80 níveis de dificuldade.

- Plataforma: PC (Steam)
- Idade: livre
- Número de jogadores: 1
- $: pago, mas baratinho


Calico (2020)
Você precisa reconstruir o café decadente da cidade, desde a mobília até as guloseimas que serão servidas, enchendo-o de criaturas apertáveis — tem magia, troca de roupas, itens colecionáveis e interação com animais fantásticos.

- Plataforma: PC (Steam e Epic), Xbox e Nintendo Switch
- Idade: livre
- Número de jogadores: 1
- $: pago


NintenDogs + Cats (2011)
Jogo de simulação que permite escolher entre cães e gatos com personalidades e interesses diferentes para cuidar e brincar — relevem o lance das raças! E, com a tecnologia de reconhecimento facial, os filhotes conseguem reconhecer seus tutores!

- Plataforma: Nintendo 3DS
- Idade: livre
- Número de jogadores: 1
- $: pago


TABULEIROS

Calico (2020)
Sim, existem dois criadores sem originalidade, que escolheram o mesmo nome para seus jogos — cálico, com acento em português, se refere à pelagem das gatas tricolores. O objetivo aqui é costurar uma colcha colorida e aconchegante para atrair os felinos.

- Idade: 14+
- Número de jogadores: 2 a 4
- $: bem-pago


Exploding kittens (2015)
No estilo roleta-russa e com humor nonsense, os participantes compram cartas até encontrar um bichano explosivo, que detonará tudo, a menos que surja uma carta de desarmar. E não basta escapar das situações de perigo, é preciso colocar os demais competidores em apuros.

- Idade: 8+
- Número de jogadores: 2 a 5
- $: pago


APPs PARA CELULAR

Simon’s Cat Games (2017 a 2021)
Do clássico Candy Crush à perseguição de borboletas, fugindo de ouriços e ratos, os jogos da franquia trazem o famoso gato do Simon, estrela de mais de 100 animações, em desafios costurados por histórias.

- Sistemas operacionais: iOS e Android
- Idades: 4+ e 9+
- $: grátis, com possibilidade de compras no aplicativo


Talking Tom & Friends (2012 a 2022)
Com mais de duas dezenas de versões (e série animada!), a molecada explora o mundo cantando no caraoquê, nadando, dançando, cuidando da horta ou preparando o jantar para os melhores amigos — há roupinhas e móveis colecionáveis.

- Sistemas operacionais: iOS e Android
- Idade: 4+
- $: grátis, com possibilidade de compras no aplicativo


Neko Atsume (2014)
O objetivo não é dos mais criativos: construir um ambiente confortável com almofadas, brinquedinhos e comida para atrair o maior número de peludos. Mas, como todo aplicativo fofo de celular, vicia. rs

- Sistemas operacionais: iOS e Android
- Idade: 4+
- $: grátis, com possibilidade de compras no aplicativo

3.8.22

Um ano sem Clara

Eu te dei papinha nas costas da colher por 270 dias, até o carcinoma derrotar a mandíbula. Reguei 16 semanas de girassóis multicoloridos para as formigas transformarem em graveto. Cinco meses depois, plantei Mercvrivs.

Final (quase) feliz.


Despedida da Clara:

:: Saudade
:: Nunca foi tão difícil plantar girassóis
:: Os primeiros 30 dias
:: Clara finalmente virou girassol!
:: Girassóis góticos de Halloween
:: Luto: tempo contado em girassóis