.
.

31.8.21

'Abaporu', de Gatinha do Amaral

Se Tarsila tivesse pintado Chocolate no seu "Abaporu", ele não ficaria datado como o símbolo do Movimento Modernista Brasileiro — e faria muito mais sucesso no TikTok!


P.S.: Sim, eu sei que "homem que come gente", tradução do tupi-guarani, é o quadro brasileiro mais famoso. Mas confesso que quase caí de costas quando li que está avaliado em US$ 200 milhões. De dólares! A BBC conta a história interessantíssima dele aqui.


P.S. do P.S.: No ano passado, antes de a pandemia desgastar nossa existência, Leo e eu entramos na brincadeira de recriar pinturas famosas, vocês viram? :)

27.8.21

Como a humanidade se curvou aos gatos | EG #3

Da selva aos "apertamentos", até que não demorou tanto... para que a gente se adaptasse aos bichanos. O primeiro concurso de raças ocorreu em 1871, no Reino Unido, e os EUA copiaram em 1895 — vamos falar sobre a crueldade do processo nos próximos capítulos desta série, inspirada no livro O Encantador de Gatos, escrito pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado.


Em 1876, surgiu a primeira marca de ração (Spratt), também no Reino Unido, que demorou quase duas décadas para chegar aos EUA. Mas foram os norte-americanos, claro, que enlataram a comida, em 1930. E o racionamento de carne, na década seguinte, impulsionou o desenvolvimento da versão seca, feita com restos tanto de carne quanto peixe.


Se você tem pais nascidos antes de 1950, eles assistiram à explosão desse mercado — não ria, geração Z, porque você também entrará na linha do tempo! E a invenção da caixa de areia por Ed Lowe, empresário de Michigan, em 1947. Antes disso, usavam-se cinzas, terra ou areia de praia — e boa parte das famílias deixava os peludos darem um rolê.


As castrações se iniciaram em 1930, ainda pouco populares — e se manteriam assim pelas próximas quatro décadas. Indicava-se a anestesia geral, mas, acreditem, não era obrigatório. Nessa época, aliás, nasceu a lenda que aterroriza protetores até hoje de que as gatas deveriam parir pelo menos uma ninhada.


Antes de 1969, quando nasceu em Los Angeles a primeira clínica de esterilização popular, o número de bichos sacrificados impressionava. E foi só em 1972 que a Sociedade Americana de Prevenção Contra Crueldade com Animais passou a exigir a castração pré-adoção — e os veterinários começaram a recomendar também a criação dentro de casa, para o bem da fauna, da flora e dos próprios felinos.

Sim, caros leitores, eu vi tomar forma o conceito de CED: Captura, Esterilização e Devolução — 1990 lá fora e 2013 aqui. E o primeiro castramóvel rodar em Houston, no Texas, em 1994, porque muitas pessoas precisavam do serviço, mas não podiam ir até uma clínica. E West Hollywood proibir a remoção cirúrgica de garras, em 2003.

Ah! Em 1999, a organização In Defense of Animals (IDA) lançou a "Campanha do Guardião", almejando mudar a linguagem e o estatuto jurídico dos pets para que deixassem de ser tratados como objetos com donos. Mas não rolou na maioria dos países. Ainda. :)


CAPÍTULO 1: Existe um canto do planeta sem gatos?
CAPÍTULO 2: A primeira gateira da história
CAPÍTULO 4: Seu bichano vem do Novo ou do Velho Mundo? (estreia no dia 24 de setembro!)

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br

20.8.21

Estátua viva felina em 5 etapas!

Resgate uma gata prenhe, que dá à luz cinco filhotas ariscas. Espere 13 anos por um ronrom da pior delas, chamada primeiro de Vaquinho, depois de Jujuba, porque era menina. Mude-se, então, para o interior do interiorrr, em um terreno gramado. Improvise um gatil com bambus do vizinho, telas velhas e macarrões de piscina, pois a grana acabou. Aí, é só pedir para a figura posar para sua campanha — reparem na linguinha! 😂😂😂


A estrela do Gramado da Fama deste mês é Liliane Garcia, patrimônio histórico do Gatoca há, pelo menos, uma década. E tutora do Micefufe, que compete com o Mercvrivs em extravagância batismal e viveu quase 19 anos!


O financiamento coletivo, reforço aos novatos, me permite investir em projetos alternativos, como a série nova sobre O Encantador de Gatos, inspirada no livro dos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com dois capítulos já no ar — "Existe um canto do planeta sem bichanos?" e "A primeira gateira da história".

E vocês ganham recompensas! Uma delas é o Cluboca, grupo com apoiadores espalhados pelo Brasil (que mandam foto de neve em Curitiba ao mesmo tempo em que reclamam dos 28ºC à noite na Paraíba), de experiências de vida variadas (como historiadora-bancária, farmacêutica-ambientalista e advogada de TI) e que compartilham dicas de pipeta para alimentação forçada à persiana antigarras.

Obrigada, aliás, Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Patrícia Urbano, Fernanda Leite Barreto, Bárbara Toledo, Solimar Grande, Aline Silpe, Lucia Mesquita, Michele Strohschein...

...Ana Fukui, Marilene Eichinger, Guiga Müller, Sérgio Amorim, Gatinhos da Família F., Luca Rischbieter, Rosana Rios, Lilian Gladys de Carvalho, Regina Hein, Paula Melo, Paulo André Munhoz, Marianna Ulbrik, Cristina Rebouças, Lorena da Fonseca, Amanda Midori, Karine de Cabedelo, Michely Nishimura, Ana Paula de Vilas Boas, Danilo, Klay Kopavnick, Glaucia Almeida e Ana Cris Rosa, pela acolhida nestes meses pavorosos! ❤️

18.8.21

Luto: gatos sentem a morte do amigo? O que fazer?

Quando Simba entrou no estágio terminal da doença renal, Clara continuou grudada nele: dormia junto no tapetinho higiênico, cobiçava as comidas diferentes, dava banhos caprichados — os outros gatos acabaram se afastando porque os feromônios mudam, tornando o animal combalido praticamente um estranho, e o instinto tende a protegê-los de possíveis infecções.


Nas últimas semanas, foi a vez de a retalhinha entrar no estágio terminal do carcinoma. E Mercv retribuiu o amor que mantém o Gatoca de pé em tempos tão difíceis — nesta foto ela ainda estava gordinha, três meses atrás, mas escolhi porque o abraço no rabinho me transborda.


Clara morreu ao lado de seu Romeu peludo, na terça-feira mais triste deste mês, e durante três dias ninguém conseguiu convencê-lo a deixar o cantinho deles — Julieta embaixo do edredom, fugida dos insetos.


À noite, eu embrulhava o frajola feito um burrito, para atravessar a madrugada solitária, e o encontrava descoberto e gelado pela manhã.


No quarto dia, Guda emprestou seu calorzinho.


E o resto da gangue foi chegando aos poucos. Mas fiquei pensando como fazem as famílias com escassez de bigodes. Resolvi, então, entrevistar a Amanda Alano, veterinária especialista em comportamento felino e dona do meu perfil favorito no Instagram, o Território Felino.


É importante ressaltar que nem todos os gatos sofrem com a partida do outro. Depende muito da relação que eles tinham. "Quando Snow e Lelão morreram, Luke desenvolveu uma dermatite por lambedura e se tornou mais introspectivo. Já Pierre, que não se dava com os irmãos, se aproximou da gente e passou a chamar para brincar. É comum rolar essa mudança no grupo social", explica Amanda.


(Luke, Snow, Lelão e Pierre, se fazendo de difícil)

:: Os estágios do luto

Assim como nós, os animais também ficam enlutados, mas o processo consiste em três etapas:

1) Fase ativa
Quando começam a vocalizar, cheirar os cômodos e procurar o companheiro.
2) Fase passiva
Reina a introspecção e muitos acabam optando pelo isolamento — precisa tomar cuidado porque alguns param de comer de tristeza.
3) Aceitação
Momento em que pode ocorrer também alterações de personalidade — tem bichanos que se tornam mais carentes, por exemplo.

A intensidade e duração de cada estágio mudam conforme o indivíduo e não há necessidade de bingar a cartelinha — Mercv saltou direto para o segundo. Amanda pontua, ainda, que o luto tende a se prolongar quando a morte é do tutor. "Dependendo da idade, o animal sofre tanto que não se recupera". Em tempos de pandemia, inclusive, muitos gatos que perderam suas famílias por covid estão sendo divididos entre amigos, uma situação ainda mais delicada.

:: 4 formas de amenizar a tristeza

1) Mantenha a rotina
Continue oferecendo ração e petiscos na mesma hora, brinque com seu amigo mesmo sem vontade, respeite os momentos de soneca. A previsibilidade é importante para os bichanos.

2) Segure a limpeza
Evite sair lavando tudo assim que o peludo morrer porque o feromônio, uma substância volátil, que diminuirá com o passar dos dias sem novas esfregações, ajuda a tornar mais real a percepção da ausência.

3) Cuide da energia
Florais e homeopatia demonstram bons resultados em questões comportamentais.

4) Seja paciente
Assista ao tempo fazer seu trabalho — "muito ajuda quem não atrapalha", já dizia o ditado.

:: Principais erros

- Forçar interações
Não adianta mimar um bicho que não curte o movimento só porque ele está chateado. Deixe o grupo social se reestabelecer sozinho e os bigodes irem ocupando os espaços — só interfira em caso de conflito.

- Correr para adotar outro
Cada gato é um ser único. E adaptações geralmente envolvem uma dose de estresse, né? Tentem pensar com a cabeça do peludo: ele gostaria de uma companhia nesse momento? Depende do contexto também. No caso de idosos, por exemplo, Amanda sugere um parzinho de filhotes para brincarem sem incomodá-lo. E, se ele sentir vontade, participa, já que não possui o mesmo pique.

Por fim, permitam-se viver o luto — está liberado chorar, faltar no trabalho, ignorar quem não entende sua dor. E cerquem-se de pessoas que enxergam os animais como iguais e te ajudarão a recolher os caquinhos. O Gatoca está aqui para isso. :)

*

Todo mês, o Gatoca publica dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. ❤️ Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

13.8.21

Nunca foi tão difícil plantar girassóis

Eu terminei a carta de despedida para a Clara acreditando que amanheceríamos com a janela do quarto florida em amarelo. E Leo até saiu para comprar os girassóis naquele dia esquecível, enquanto meu peito rachado arrancava o resto do carcinoma das paredes, piso, almofadas e edredom. Mas girassóis crescidos não vingam no chão e mesmo no vaso não ultrapassam dez dias.


Antes de continuar, preciso explicar que enterrar a Clara no jardim já não havia sido uma decisão fácil. Percebi um apego ao corpo, ainda que vazio, e a ideia de jogar terra em cima dela ou tropeçar em alguma parte sem querer, após meses, me angustiava. Mas o reiki da Tati Spinelli dizia para transformar a dor em semente e 26 anos de estoque não cabiam mais nos 47 quilos de peso — esta matéria da Mundo Estranho também ajudou (sim, eu fiz essa pesquisa).

Leo, que não encontrou os girassóis, voltou então com uma caixinha fofa, toda trançada. Só que Clara não coube nela. E entendi que a retalhinha merecia um final livre — Chocolate certamente aproveitará melhor a caixinha. A escavação do solo duro rendeu bolha na mão e rega espontânea.


Um lado meu estava aliviado e o outro, destroçado. Clara me acompanhou em mais de um terço da vida — um namoro, um rolo e um casamento, três mudanças de casa, algumas dezenas de frilas, menos viagens do que gostaria. E é impressionante como a gente se acostuma até com as rotinas de doença — cheguei a ir e voltar de um velório em São Paulo em menos de cinco horas para não perder a segunda refeição dela.

Na sexta-feira passada, pegamos a estrada rumo à feira das flores, no Ceagesp de Sorocaba, e escolhi um girassol simbólico, que os bigodes passaram a semana chacoalhando — e perdeu parte do prumo, mas ainda resiste.




Também comprei dois saquinhos de sementes, surpresa com a existência da versão vermelha.


Fiz um vídeo do plantio, só que comecei a chorar e estraguei tudo — talvez, compartilhe com os apoiadores. E aproveitei o domingo para botar a energia para circular ressuscitando as plantas abandonadas e acrescentando mais cores à nossa casa de aço, concreto e terra.


As sementes seguem adormecidas. Há uma possibilidade de os passarinhos terem nos roubado. Mas sempre posso tentar de novo.

*

O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor — aqui tem um resumo das principais ações do projeto. Quer fazer parte dos despioradores? Assine nosso clube no Catarse ou doe um cafezinho em forma de PIX: doacoes@gatoca.com.br ❤️

10.8.21

14º aniversário do Gatoca!

Atualizado em 16 de agosto de 2021, com a foto do festerê

A vida já estava difícil com a pandemia — tanto que passei a investir mais em conteúdo leve e divertido por aqui. Aí veio a mudança para Araçoiaba da Serra com a casa inacabada, depois de tomar um golpe da empresa de contêineres que quase enterrou o Gatoca. E, na semana passada, Clara morreu — exatamente 12 meses depois de eu escrever que ela começara a escurecer.

Mas um projeto que resiste há 14 anos, o mais longevo desta jornalista freelancer, merece um esforço comemorativo, né? Desde a primeira crônica, com pretensões exclusivamente literárias, até o quase-resgate de uma vaca, que acabei contando só no Cluboca, foram muitas frentes:

:: Educação e disseminação de informação
1.576 posts, sem fugir de tabus ou polêmicas, série nova, inspirada na bíblia O Encantador de Gatos, boletim e canal no Youtube, lives com Raul Marcelo e Gabriel Bitencourt + Mônica Campiteli, livro adotado pelo clube de leitura da ONU, oficina no Sesc, roda de conversa no CCSP, projeto com crianças, puxadinho no Yahoo!, entrevista na Rádio Bandeirantes, e-book.

:: Engajamento e formação de comunidade
11.554 comentários, 6.324 seguidores no Facebook, nosso primeiro milhar Instagram e mais uma meia-dúzia no Twitter, 27 parceiros ao longo da jornada, com destaque especial à Pet Delícia, pelo quarto ano consecutivo, e o maravilhoso grupo de apoiadores, que relutei em criar e virou meu porto-seguro.

:: Ativismo mão-na-massa
115 bigodes, oito focinhos e quatro bicos socorridos (dos esqueletinhos da dona Lourdes, que me transformaram em protetora, ao filhote de rolinha, que ensinei a voar), mutirão de castração para 50 cães e gatos da comunidade do DER, em São Bernardo do Campo (SP), denúncia no Ministério Público pelos animais abandonados em Paranapiacaba — que demorou três anos para caminhar.

:: Captação de recursos
Quatro dígitos arrecadados em financiamento coletivo, com 240 apoiadores e o apadrinhamento do Wings For Change, lojoca em versão beta, pausada no momento, clube de assinaturas quase batendo a terceira meta (16%!).

:: Projeto Amigão Bicho
Iniciativa em parceria com a prefeitura de Sorocaba, aprovada no edital do Condeca (Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente), esperando o final da pandemia para sensibilizar o olhar de estudantes de escolas públicas localizadas em regiões de vulnerabilidade social da cidade.

:: Entretenimento
Gatonó, o primeiro dominó de gatos do mundo (grátis!), recriação de pinturas famosas com o Leo, quiz Bichanos x Família, enquete do peludo falante, Depois da Quarentena, antologia idealizada pela Rosana Rios, AssassiGato, um suspense-drama-comédia felino, a ressurreição da série Vida com Gatos.


Nada disso seria possível sem vocês!

No sábado (14), aliás, rolou o festerê virtual. E os apoiadores, que acompanharam todo o perrengue dos últimos meses, em 24 capítulos apócrifos, compartilhados no grupo do WhatsApp, finalmente conheceram a casóca. Eu fiz faxina até a hora da videoconferência, porque ficamos sem água na sexta e ainda não deu para instalar a caixa. Choveu em cima da roupa lavada três vezes. E não sobrou tempo nem para um batonzinho. Mas me diverti demais!


Para ampliar, cliquem na imagem

Obrigada pela companhia, e especialmente pelo suporte, destes 5.114 dias! ❤

Festinhas anteriores: 2020 | 2019 | 2018 | 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

3.8.21

Saudade

Você foi meu parto ao contrário. E, quando decidi te chamar de Clara Luz, não fazia ideia disso. Era uma homenagem a um livro de infância, sobre uma fada que não queria seguir as regras do livro das fadas. Nossa história toda, aliás, foi avessa a regras, né? Você quem me adotou, há 15 anos e (quase) quatro meses, enroscando as garras, de dentro da gaiolinha do pet shop, na minha blusa de lã.


E eu, que só tinha o Mercv, perguntei para a atendente se poderia te devolver caso a adaptação não desse certo — você, recém-abandonada em um saco de lixo com toda a ninhada! Se dependesse do seu gênio ariano adotivo, não daria certo mesmo. Mas Mercv te amou desde o primeiro instante. Hoje eu olho esta foto, que nomeei inexperiente como "beijo", e dou risada: você cogitava um ataque.


Aí, depois de sete anos e meio sem pegar um resfriado, apareceu um tumor, retirado com sucesso. E a hiperqueratose inofensiva, em 2015, que ninguém imaginou virar um carcinoma. Uma sorte, porque a quimioterapia te proporcionaria uma sobrevida de dois anos e você só baqueou nos últimos nove meses.

Nossa gestação ao contrário começou com o colar elisabetano, porque o machucado que nunca cicatrizaria passou a coçar cada vez mais e você transformou o escritório em um filme do Tarantino. Sem conseguir comer direito, a gente inventou de bater a ração úmida da Pet Delícia no processador e te dar de colherinha. 270 dias. Você curtiu cada um deles. E, quebrando a tradição mais uma vez, preferia lamber as costas da colher.

Não bastassem as limitações impostas pelo colar, ainda rolou um quase enforcamento com a coleira. Eu tentei muitos modelos e acabei te deixando o mais solta possível, com algumas derrotas para o carcinoma, porque você descobria novos jeitos de se libertar. Ninguém aproveitou tanto o terreno da nossa casa nova, aqui em Araçoiaba da Serra — o resto da gangue precisou se contentar com o gatil. Eu via seu colarzinho espetado no gramado, ao longe, e te chamava de girassol, lembra?


A primeira bicheira não demorou a nos aterrorizar. E tirei tantos ovos da sua cabeça depois dela que não sei de que jeito a segunda conseguiu evoluir. Você só desistiu dos passeios há quatro semanas, quando ficou cega de vez — o olho direito o carcinoma já tinha roubado no início da nossa gestação ao contrário. Como sobraram os insetos, criei as coleções "primavera-verão" e "outono-inverno". Várias vezes por dia alternava a "cobertura" entre o lençol e o edredom. Sempre com o Mercv colado — eu sei que sua paixão era o Simba, mas ele aceitou o segundo lugar com elegância.


Seus irmãos se afastaram porque seu cheiro mudou. Ele não se importava. E, quando eu limpava seu rosto com o paninho úmido quente, precisava tirar pus e sangue do pelo do coitado.


Me desculpa por ter gritado na noite em que você fez xixi na coberta? Era desespero de te deixar com frio. E, enquanto a máquina de lavar trabalhava, eu esquentava o lençol com secador, na esperança de me redimir. Bateu 2ºC naquela manhã — não esqueço porque esfreguei o colar no tanque com os dedos adormecidos.


Tentei colocar alarmes a cada duas horas para te levar ao banheiro. E fomos bem até o dia da diarreia. Eu só tinha experiência com fralda + gato paraplégico e fralda + bebê humano sem garras. Não foi fácil. Insistia só para te ver devorar feliz a xicrinha de patê. Esse era nosso acordo: aproveitar a comida, o sol no jardim, ainda que no colo, o carinho.


Anteontem você não conseguiu. Parece que o carcinoma chegou na mandíbula e a gente quebrou o galho com a pipeta, depois ficou só na água e ontem não desceu mais nada. Você miou sofrido quando sentei no gramado, dando a entender que preferia voltar. E nunca mais ronronou. Eu procurei um veterinário para te ajudar a descansar, mas quis dar a chance de ir sozinha primeiro. 24 horas, muitas lágrimas, meia oração, porque também não sou boa com protocolos.

Ajeitei seus 2,35 kg (de 6!) no meu quarto, aquele que ninguém entra porque sou uma gateira alérgica a gatos. Acordei nas três vezes em que você engasgou, botei no colo, arremessei o colar — você não precisava mais. Quando amanheceu, te trouxe para o sol e Mercv tratou de reassumir seu posto:


Foram dez minutos. Você gritou, eu te embalei e nublou.

Amanhã, quando abrir a janela do quarto, você será girassol.


*

Antes de morrer, sonhei que Clara tentava por três vezes, bem baixinho porque estava fraca, me dar um recado: "Se desesperar... Se desesperar... Se desesperar... pega uma bandeira e coloca no altar". Foram 12 dias quebrando a cabeça até me tocar que bandeiras representam coletivos — ordens religiosas, templárias, torcidas de futebol, brasões familiares.

E, quando pedi, a ajuda veio. Minha mãe e meu pai em sonho também, Tati Spinelli com um reiki que só fiquei sabendo depois (estrelado por Santa Clara e Pachamama!), Amanda Herrera perguntando se estava tudo bem, Mari Levischi mandando um vídeo sobre o tempo das coisas que importam. E Rose Hacklaender com a intermediação para a eutanásia desnecessária.

Eu não teria conseguido cuidar da Clara assim, aliás, se trabalhasse fora. Devo esse privilégio aos apoiadores do Gatoca, que me acolheram emocionalmente muitas vezes também. Ao Edu e à Maru, veterinários que viraram amigos, vieram ao interiorrr para consultar a retalhinha e responderam inúmeras mensagens fora do horário comercial. E à Mônica Campiteli, que nos socorreu no episódio da bicheira, uma das coisas mais desafiadoras que encarei na vida.

No final dessa gestação ao contrário, precisei apelar às drogas. E voltei para o corticoide, depois de cinco anos limpa e uma madrugada sufocando no hospital. Dr. Vagner passou semanas me acompanhando a distância, por texto e videoconferência, até desistir de cobrar pelas consultas — que loteria nenhuma no mundo pagaria, na verdade.

E, em todos esses momentos, cá estava ele: Leo Eichinger, o Mercvrivs que Chicão mandou para mim. ❤️