.
.

18.6.21

Larvas e bicheira em gatos: socorro!

Este é um post difícil de escrever. Primeiro porque soa incompetência ter um animal sob nossa guarda vítima de uma doença tão tosca. Depois porque, esteticamente, a miíase, nome pomposo da bicheira, também não ajuda — imaginem uma centena de larvas se requebrando dentro da cavidade ocular, com o Zé do Caixão ameaçando levar sua alma à meia-noite.

Em minha defesa, o carcinoma da Clara está em estágio avançado, dois veterinários justificaram que o cheiro é extremamente sedutor para as moscas (até ataque de formigas a coitada sofreu!) e tentei de spray natural de óleo de neem no pelo a coleira fortunosa (e polêmica) da Bayer — tampar o machucado aumentaria a coceira, que já causa bastante desconforto.


Depois do trauma de remover mecanicamente larva por larva, com a pinça travando no osso (eu, que desmaio fazendo exame de sangue!), fiquei expert em caça aos ovos e não os deixo mais evoluir. Antes de compartilhar todas as infos da jornada, porém, preciso explicar que decidi não levar a retalhinha à clínica para evitar o estresse, em um quadro já delicado, mas fui orientada a distância pelo vet. E não publicarei fotos do carcinoma porque impressionam.

Comecemos, então, pelo básico: falei em ovos e moscas, sem deixar clara a conexão, né? Moscas botam ovos em tecidos em decomposição, se alimentam de fezes, escarros, secreções, produtos animais e vegetais estragados, sempre mais ativas durante o dia, e vivem até um mês — sim, há milhares de espécies, que depositam o raio do ovo em outras, impossibilitado identificar a meliante, portanto basta dizer que este texto não serve para a berne (miíase furunculoide), uma nojeira diferente da bicheira.

Retomando: a prevenção da nossa (infelizmente) miíase foca em manter o ambiente higienizado, incluindo os banheiros dos gatos, e a comida tampada — até porque você tem gatos, rs. Se o peludo possuir lesão na pele, limpe diariamente, proteja com gaze, caso a região permita, use coleira ou spray antimosca (existem versões naturais de ambos) e tome cuidado redobrado em áreas rurais.

Os ovos dessas moscas são pequenos, durinhos, colocados sobrepostos e bem-fincados na pele — não estranhem. Quando o tecido está morto, fica mais fácil remover o bloco — se sobrar unzinho, dançou.


E não quero tocar o terror, mas eles eclodem em 24 horas — depois viram larva, pupa e mosca adulta. Quanto maior a temperatura e a umidade, mais rápido ocorrerá esse ciclo, que pode durar de dez a 14 dias. As larvas costumam ficar escondidas, principalmente porque conseguem entrar na pele.


E, como são muitas, acabei usando um ectoparasiticida para facilitar a remoção — não vão comprar kombucha, hein? A embalagem improvisada foi empréstimo de uma amiga.


Elas se mexem bastante, aliás, o que provoca coceira, um dos sintomas. Inchaço subcutâneo é outro. No caso da Clara, o local também passou a sangrar mais. E ela ficou tão incomodada que deve ter virado a madrugada em claro porque dormia comendo no dia seguinte. Imagino que a dor deixe alguns pets amuados e sem apetite.

O que mais falta falar? Ah! Bicheira não tratada pode causar abscessos, necrose, hemorragia, toxemia (acúmulo de toxinas) e até matar. Desde que a gente se mudou para Araçoiaba, já tirei algumas centenas de ovos do carcinoma da Clara. Enquanto ela puder aproveitar o sol no gramado, o patê na colherinha e o carinho no colo, vale a pena.



*

Agora em junho tem série nova! Todo mês, o Gatoca publicará dicas e curiosidades da bíblia "O Encantador de Gatos", escrita pelos especialistas em comportamento Jackson Galaxy e Mikel Delgado, com fotos e vídeos da gangue para ilustrar. Se quiser ser avisado, é só assinar nosso boletim ou entrar no canal do Telegram.

7 comentários:

Elaini disse...

Espero q vc não esteja se culpando, bicheira p9de estourar do nada, mto rapidamente. O q diferencia o bom do mau tutor é como reage. Que bom q ela está aproveitando o quintal.

Maria disse...

Obrigada por compartilhar experiência tão traumática. Certeza que ajuda muita gente desinformada

Unknown disse...

Admirável o seu respeito e paciência com a situação.

Anônimo disse...

Bia, não sei se é uma ideia completamente idiota, mas quando vi esse colar que parece ser mais ou menos rígido, fiquei pensando se não seria possível adaptar uma telinha mosquiteira por cima. Não o tempo todo, claro, para que ela possa comer e beber. Coragem! Sei como é cuidar de quem (gente ou bicho) não vai ficar bom. Beijo,
Regina Haagen

Felina disse...

Pobrezinha, q gente fica pra morrer e de mãos amarradas e coração partido! Que ela fique bem ❤️‍🩹

Giovanna disse...

Olá. Não se culpe.É muito dificil controlar 100% o ambiente e ainda mais com muitos animais para serem cuidados. Entendo o que está passando. Tivemos um cachorro que idoso teve um tumor na região anal, então imagina a dificuldade de manter a região limpa e inacessível ás moscas.Foram latas daquele spray roxo, muitos Capstar, além de criolina na seringa para lavar os orificios após usar pinça para remover todas as bandidas pq infelizmente nem sempre percebíamos a tempo que já haviam larvas pq o tumor volta e meia abria sozinho e vazava. Com o passar do tempo ele foi perdendo a mobilidade pois com 15 anos e muito grande já não tinha sustentação para o peso então passava mais tempo deitado e aí mantinhamos a região sempre coberta passando o spray em volta além daquela pomada contra bicheira mas era complicado.
Além de ter sido em uma época que passavamos por doença grave na familia também. Então, tenha certeza de que está fazendo o máximo e tratando-os com muito carinho e respeito. Fique em paz! (desculpe o falatório)

Beatriz Levischi disse...

❤️

Eu cheguei a cogitar o véu no colar, Regina. Mas achei que atrapalharia a visão, que já era parcial, além de impedi-la de beber água — a comida já ia na colherzinha mesmo. Enquanto Clara conseguiu aproveitar o jardim, mantive a caça aos ovos. Quando foi ficando mais fraca, passei a alternar a cobertura da cama entre o lençol, para os dias quentes, e o edredom, para a friaca.

Que barra vocês enfrentaram, Giovanna! :\