.
.

21.6.24

O desafio de aquecer um gato que não entra em casa

Começou oficialmente o inverno, para a alegria de quem gosta de chocolate quente, cachecol e filme sob as cobertas ― se o aquecimento global permitir, claro. Para o Intrú, porém, significa dormir do lado de fora da porta de vidro da lavanderia a 9ºC, temperatura das madrugadas aqui de Araçoiaba da Serra. E, nas entrelinhas desse dilema, está a constatação de que, oito meses depois, ninguém se interessou em adotá-lo.


Como minhas velhinhas seguem inviabilizando a convivência com um gato FeLV+, lá fui eu quebrar a cabeça para esquentar o cafofo provisório do frajola. No Cluboca, nosso grupo maravilhoso de apoiadores, lembraram das casinhas comunitárias forradas com caixas de leite longa-vida. A internet sugeria bolsas térmicas de tamanhos variados. E Beto Spinelli, meu físico do coração, gravou dois áudios explicando os princípios da termodinâmica:

Você quer uma solução com capacidade térmica alta, que guarde muito calor e disperse em uma taxa constante, alta o suficiente para gerar calor para o bicho e baixa o bastante para durar. Por exemplo: se um sistema tem 100 calores, seu gato precisa de 10 por minuto para ficar feliz e ele só liberar um, até vai durar (100 minutos), só que não funcionou porque é pouco. Liberando 10 calores por minuto, por outro lado, esse sistema se esgotará em dez, o que também não adianta.

Para durar uma hora, então, você precisa de um sistema que guarde 600 calores, entendeu? Água é um bom jeito de cobrir a madrugada, porque tem bastante capacidade térmica. Se usar muita água, gastará muito tempo esquentando e, portanto, estará guardando muito calor. Aí basta colocar em um recipiente que liberará esse calor na taxa ideal.

Alumínio funciona, sim, porque reflete o calor que está dentro da casinha, seja do próprio gato ou da bolsa térmica, deixando escapar pouco. Ainda assim, você precisa de um isolante, tão importante quanto o sistema térmico, porque influencia na taxa de calor que se perderá para o ambiente ― uma casinha que concentra mais calor, demanda uma taxa menor de liberação. Forrar o telhado com papelão pode ajudar e cobertor isola ainda mais.


Como vegana não bebe leite e Araçoiaba levanta um poeirão de terra digno de distopia, fiz uma estrutura móvel de papelão no formato do telhado, colei papel alumínio de cozinha dentro e prendi com fitinhas, permitindo tirar para lavar.


Cobertor já havia comprado ― ele ama, amassa tanto que até baba! E, enquanto não chegavam as bolsas térmicas, duas de 1 litro e uma de 2 l, para testar a melhor configuração, quebrei o galho com garrafas pet ― é só colocar a água quente e ajeitar embaixo da coberta, para não queimar.


A bolsa azul está vazia, para vocês verem que não muda muito de espessura para as cheias. E encaixei na parte de baixo da casinha uma caixa de papelão sem teto e com paredes altas, exceto a da porta, porque Intrú gosta de observar o movimento durante o dia.


9 comentários:

Aline Silpe disse...

Intrú é tão fashion que ganhou até bolsas de água coloridas! Que luxo!!!! =^.^=<3<3

Laurelin Corsets disse...

Casinha conversível e ainda assim quentinha ❤️
Intrú merece

Vanessa

Anônimo disse...

Perfeita a adaptação para o inverno! Que bom que o Intrú -- que é fofo demais! -- recebe todo esse amor! A família que tiver a sorte de ser escolhida por ele terá de manter, no mínimo, esse amor todo.

Gaby Paschoalin disse...

Ah se não fosse essa meleca de Felv+.

Anônimo disse...

Estará protegido. Continuo fazendo pensamento positivo pela família que virá

Pena (Beto) disse...

Se eu soubesse que meus áudios seriam transcritos aqui eu teria caprichado mais nas explicações e no português hehee
Parece que o cliente aprovou hein.

Renata Beitum disse...

Tomara que ela segure bem o calor qdo o frio realmente chegar. Depois, se vc quiser, pesquisa sobre casinhas de cooler, assim como segura as bebidas geladas, tmbm segurará o calor nas noites mais geladas. Se precisar, a gente ajuda na compra de um cooler pro Intrú ficar protegido, enquanto sua família não chega. ❤️

wcris disse...

Que engenharia perfeita para a situação! Intru amou e nós só pedimos uma coisinha a mais: um lar para Intru!

Anônimo disse...

Intru sempre maravilhoso! E parece que amou a casinha