.
.

21.8.19

Quando uma pulga te faz chorar

No dia em que eu subi o post da Pandora, Guebis me escreveu contando que Flea também havia morrido. Estou compartilhando só hoje porque o coração não deu conta — nessa semana, que poderia facilmente ser rasgada do calendário, teve ainda um enterro de gente querida. Para quem não se lembra, a pulga veio do cemitério de Santos, há quase uma década.

Um cisco de gata perebenta, que adorava mamar na minha mão. E a única ser vivente responsável por tirar o Snow de trás da privada — mas que também passou micose para ele, para mim e outros cinco bigodes, rs. Num golpe de sorte, eles foram doados juntos para Jaboticabal. E voltaram para Sorocaba, onde eu pude matar a saudade no ano passado.

Flea perdeu uma batalha sofrida para a insuficiência renal. Na impossibilidade de pontuar mais esta história, tomo emprestada a despedida da Guebis:

Este não é um post feliz. Resolvi colocar aqui no Instagram porque muita gente conhecia e gostava da Fleazinha. E escolhi essas duas fotos porque são ela: ficar perto o máximo possível e também engraçada, às vezes parava em cantos aleatórios da casa e em outras ficava nos espiando com meia cara escondida na quina das paredes.

Em fevereiro, descobrimos uma doença renal crônica já bem avançada (para os colegas vets: a creatinina dela já estava acima de 5 e ureia acima de 100). Manejamos durante quase seis meses. Muitos remédios ao dia, dieta diferente. Seis meses foi o que ela nos presenteou a mais.

Na madrugada de quinta para sexta-feira, em uma semana que já havia passado muito mal, corremos para a internação. No sábado à tarde, em meu colo, a deixei partir. Peço desculpas para todos que eu deveria estar contactando individualmente, mas é dolorido demais ficar repetindo várias e várias vezes.

Fleazinha, obrigada por esses anos todos. Obrigada por ser puro amor com todos. Conhecidos, estranhos, adultos, crianças, você sempre queria mesmo só um colo e uns tapas na bunda. Você está fazendo muita falta aqui. Nos vemos em breve. Te amamos!
🧡




O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o planeta pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

5 comentários:

Unknown disse...

Nossa. Que semana...😢
Ivalu

wcris disse...

Semanador. É ruim demais. Por mais preparo, consciencia espiritual e tal, o coração desmancha e pronto. Leva um tempo... Leva uma estação... Os demais não nos deixam durar muito nesse luto, com suas demandas vão nos colocando de volta às rotinas felinas. Um abraço amiga, força e paz

Anônimo disse...

Será que existe alguma terapia que nos prepare pra enfrentar esses momentos?

Patrícia Sloi Urbano disse...

Perder um dos nossos animais é sempre devastador. Nunca vou me acostumar com isso. O que me consola é pensar no tempo maravilhoso que tivemos com ele e que tiveram uma vida digna e cheia de amor. Muita luz e força!

Maria disse...

Momento mais difícil da vida de um tutor e nada no mundo nos prepara para ele.
Tente pensar no tempo feliz que ela teve, graças a vc, aos outros envolvidos no resgate e à maravilhosa adotante