.
.

16.3.16

Sétima primavera

A festa de aniversário de doação da Pandora é o Natal de Gatoca. Eu começo a contagem regressiva dois meses antes, compro presente, capricho no prato que dividirá a mesa com quitutes da culinária alemã e este ano até arrisquei ir de vestido para ser carimbada pela cachorrada. De seus estimados 13 anos, Pan completou sete em uma família de filme, incluindo bípedes, quadrúpedes e o jardim com piscina, cada vez mais distante da história de terror que nos uniu.

E São Pedro, que frequenta o mesmo stand-up de arpa de Chicão, nos brindou com uma comemoração ensolarada até o último latido. Teve chacoalhada frenética de rabinho (não, ela não esquece), cavocada escondida no canto favorito do gramado (já careca), parabéns com bolo de três andares ― e nós herdamos um terço! A cama e o carrinho improvisado com toalha foram construídos pelo Detlev para a Pretinha, irmã canina que não consegue mais andar sozinha.

Alguém duvida que dias ainda mais incríveis aguardam a grisalhice da nossa pantera?



















Epopeia da Pandora na busca por um lar:

:: Caixa de esperança
:: Casa de esperança
:: Nascimento da ninhada
:: Morte da ninhada
:: Devolução
:: Boletim - 28 de novembro
:: Boletim - 1º de dezembro
:: Boletim - 8 de dezembro
:: Sítio temporário
:: Doação de conto de fadas
:: Primeira primavera
:: Segunda primavera
:: Festa em Sorocaba
:: Terceira primavera
:: Quarta primavera
:: Quinta primavera
:: Sexta primavera

4 comentários:

Silvia Balloni disse...

Este final de semana irá embora a auau resgatada no ultimo dia deste ano bissexto.
Irá para uma casa simples mas, torço para que tenha tanto amor como Pandora e como as outras 3 latinhas que foram encontradas em uma semana chuvosa do Natal de 2014.
Luma o nome que ganhou, terá um quintal pequeno e uma amiga humana em seu começo de vida. Quem sabe esse contato já plante boas coisas no coração do futuro. Os dias estão passando. E sábado estará logo ai. Estes 20 dias a completar mudaram a rotina da pequena kit do centro de São Paulo. Hoje sem os bigodes que alcançaram o tão sonhado gatil próprio e uma vida confortável como os tantos que passaram pelos poucos metros quadrados. Fotos, videos e saudades que ficam. E de certa forma esse resgate preencheu um pouco o vazio dos encalhadinhos. No entanto, a meta e o objetivo é encontrar lar para os por aqui passam. Adoção responsável com coleira de identificação, vacinas e castração. Hoje consigo deixar tudo em ordem, antes era somente a castração.Ver noticias boas e felizes nos faz bem. E ter esperanças :)

Andrea Sassaki disse...

Sete anos, Bia!!!
Quanto tempo! E eu ainda me lembro e choro com a sacola de salsichas....
Parabéns, Pandora!
Parabéns, Bia querida!
Que venham mais 70 anos! ��

Anônimo disse...

Que essa família seja muito abençoada sempre!

Anônimo disse...

Nêga mais linda...