.
.

4.6.08

Retrato do abandono


Segunda-feira, quando Simba retalhou minha mão, vomitou o remédio para a giárdia e me fez sair chorando de nervoso rumo ao veterinário, eu dei de cara com um amontoado de costelas prestes a ser esmagado no asfalto. Estanquei o carro no meio da avenida, liguei o pisca-alerta e me joguei na frente da filha da puta que não parecia pretender frear.

Desesperado, o cachorrinho preto correu da minha asma a Vergueiro inteira e só parou no momento em que os ossos não agüentaram mais se mover. Mesmo morta de medo (já comentei que focinhos não são a minha praia, né?), eu me pus a acariciar sua cabeça, enquanto pedia ofegante para que alguém me ajudasse a pegá-lo.

Séculos depois, um anjo trouxe uma cordinha emprestada da barraca de cachorro-quente e, com muito esforço (além de boa dose de paciência), eu consegui obrigar o animal semi-enforcado a caminhar de volta. A exaustão, porém, era tamanha que o coitado recusou um par de salsichas ao se deparar com a altura do degrau Escort. E eu fiquei meia hora fazendo truques vãos para o corpo inerte na sarjeta, repleto de feridas e carrapatos.

Pelo rabo cortado, ele deve ter sido abandonado e não aprendeu a arrumar comida sozinho. As pernas tortas indicavam atropelamento anterior bem sucedido. Quando o CET apareceu mal humorado, eu respirei fundo, abracei a criatura rezando e alcei-a até o banco. Gato em pânico, cão moribundo e jornalista falida seguiram para Utinga, tomando um chá de cadeira de quase duas horas na clínica do Dr. E.

Para melhorar, as gaiolas estavam lotadas e a protetora que acolhera a Beatriz, também superlotada, fez questão de me lembrar que ninguém a quis nas feiras de adoção. Carente ao extremo, a cadelinha pede atenção o tempo inteiro, luxo inviável em uma população de 86 animais, e tem ficado cada dia mais triste no abrigo.

Eu paguei os remédios (R$ 30), a futura castração (R$ 55) e as vacinas (R$ 25) do Costelinha e ofereci mais R$ 100 para que a moça o medicasse durante duas semanas. Neste intervalo, preciso arrumar-lhe um lar temporário ou uma casa de verdade para a Bia. Se voltar para a rua, o negão não resistirá. Quando fui me despedir, ele ainda juntou um restinho de força, colocou as patas no meu colo e lambeu meu nariz em agradecimento. "Amar o belo é fácil. O verdadeiro amor, porém, tem o poder de transformar".

Cliquem na imagem para contar as costelas do Costelinha

22 comentários:

Beco dso felinos disse...

Que dor no coração, Bia... pobre cachorro. Mas agora, graças a vc, ele terá uma chance. Temos que fazer uma propaganda para ele e para a outra cadelinha, tb.

Estou torcendo por eles. E que vc seja muito abençoada, cada vesto seu, vale muito, viu!

bjs
Cláudia

Michelle disse...

Bia..que dor no coração..Fico assim tb qdo vejo animais nesse estado:( É muito triste, e o pior é que parece que só nós que nos importamos com os animais..a maioria das pessoas não se importa e parece não ver ou não querer ver...Mas temos que fazer uma campanha para ele arrumar um excelente lar.

Gisele G. disse...

Bia, vou repassar o link do Gatoca para divulgar o Costelinha e a Bia, ok?!
Beijão, Coração de Pudim!

Anônimo disse...

Puxa, querida...eu tambem fico morrendo de do...se morasse ai no Brasil, iria poder ajudar mais certamente...vou colocar seu site no meu blog...vamos ver se alguem que me visita de vez em quando pode ajudar. Tomara! beijos para vc e muita, muita saude....e Deus te Abencoe...
Hetie

Mama & Papa disse...

Prontinho, querida Beatriz.... conforme prometido, ja esta aqui:
http://mamaandpapainmiami.blogspot.com/

boa sorte!!!!
Beijinhos
Hetie

Anônimo disse...

ahhh ele é bonito Bia, tem uma mordedura forte. Tava esperando coisa pior! rs
E não sei pq achei que ele era marronzinho.
Vamos cuidar desse sortudo que te achou e encontrar um bom lar pra ele. bjs

Bella disse...

Era o dia de sorte desse cachorro, encontrou vc no caminho... e não uma pessoa que passasse o carro por cima sem nem olhar para trás. Anjos existem e estão por aí. Seja na forma de cão, ou na forma de gente que gasta tempo e $$ acudindo os bichos abandonados.
Vou colocar um post lá no "dias de cão" pra ajudar a divulgar o Costelinha e a Bia.
beijo e boa noite!

Luciana disse...

Bia, eu sei como é isto. Uma vez apareceu um na porta da minha casa, dava para contar as costelas (todo magrinho te o nome de Costelinha).... Alimentáva-o na porta da minha casa e com o tempo, ganhou a garagem. Depois de uma semana de casa própria, comida e muito amor, o pobrezinho não aguentou... Pelo menos teve dignidade e amor no fim da vida. Hj ele está enterrado no jardim da casa do pai da minha amiga. Até hoje me emociono quando me lembro da carinha dele... Bj Luciana

Leila disse...

Tadinho né? Que cachorro bonito... ele tem um belo porte (apesar de esquálido), lindos olhos e focinho. Que judiação! Como o ser humano sabe ser podre...
Que lindo isso que você fez, Bia, parabéns pelo coração de pudim e pela atitude! Eu mesma morro de pena mas faço muito pouco para ajudar os bichinhos!

Leila disse...

A propósito, eu tenho uma técnica boa pra dar remédio de comprimido: meu marido segura o Ozzy deitado no colo, com a cabeça pra baixo, eu abro a boquinha (mas ele não me morde muito) e enfio o comprimido na goela. Ele fica atrapalhado, não sabe se tenta se virar ou engolir o remédio, e acaba engolindo. Quem sabe não funciona?

venuss disse...

Aqui de longe, a única coisa que posso fazer é rezar pra que os cães encontrem um lar logo. Eu já salvei ou participei do salvamento de vários gatinhos de rua, alguns em condições bem ruim, mas eu nunca sei como agir em relação a cachorro, como disse a Susan do Adote um Gatinho uma vez: um cachorro sai da estrutura que a gente tem montada. É que como gateira, é mais fácil acomodar ou encontrar solução pra gatinhos. Não, não que eu feche os olhos pra cachorro de rua, mas é sempre mais difícil de ajudar (ao menos pra mim), a começar que não sei nem como me aproximar de um bichão desses, nem pra onde levar. Em último caso, vai pro hotelzinho da veterinária e o bolso vira um buraco sem fundo. O coração é sempre maior que o bolso, uma pena.

Guiga disse...

Ao mesmo tempo em que fico extremamente triste ao ver um bichinho nessas condições, fico extremamente feliz por existir gente assim como você!
Eu já fiz muita loucura por bicho de rua tb...hoje, infelizmente, como disse a Venus, o meu coração é muito maior que meu bolso. Ainda assim, ajudo como posso...sempre!
Segura as pontas aí por enquanto! Tenho certeza que ele e a Bia vão conseguir lindos lares!!!

Maria Amália Camargo disse...

Ai, que triste! O pior é que é sempre assim: quando a gente menos pode, outros aparecem... E não há como negar abrigo ou o mínimo de atenção...
O focinho é uma graça, espero que consiga logo uma casa!
Quanto aos remédios para os bigodes... Xi, não descem nem com reza braba!
Boa sorte, Beatriz, você merece!
Beijos!

Nice disse...

Bia,
vc é maravilhosa. Parabéns, por tanto carinho. E não tem jeito: eles sempre sabem retribuir. Pena que os humanos ainda não tenham aprendido com os animais esse amor incondicional.
Beijos. Mandei e-mail pra vc. Confere, tá?

Nice disse...

Bia,
eu de novo...nem pedi autorização, mas publiquei no meu BLOG e mandei pra uma listona de amigos.

Alessandra disse...

Olá Beatriz
Conheço uma pessoa q tem um abrigo de animais....na região onde moro...zona oeste...é tudo muito organizado....eles tem site...pegam os cães...castram...vacinam...e só depois doam.
Entra em contato comigo...pelo email ale_guerin@yahoo.com.br...q eu te passo o email dela...quem sabe vc consiga um lar temporário para o Costelinha.
Alessandra

Rita disse...

Oi meninas, ontem jogaram uma bebezinha aqui na frnete de casa. Uma gatinha lindíssima branca e preta, pele e osso, de menos de 1 mês. Uma fofura, só queria colo e tava morta de fome. Estava imunda e cheia de pulgas. Dai lá fui eu catar pulgas, brigar com minha mãe pela acolhida e esconder a bichinha dos meus pretuchos gigantes. Dei um banhinho, dei remédio de pulgas e FELIZMENTE achei uma casa pra ela.
Ai eu penso: que fdp é esse que faz esse tipo de coisa?? Abandona um bicho que foi seu, que conviveu, ou um indefeso. Como pode deitar a cabeça tranquilamente no travesseiro???

bjs à todas
bom final de semana

Cachorreira militante, louca por gatos disse...

Quem dera eu pudesse... Faz dias que leio o post, olho as fotos e fico de coraçào partido. Os 8 cães que compõe minha família canina, e também minha família humana, me deram um basta.

No entanto, Beatriz, se você precisar de mais R$ 100,00 ou R$ 200,00 coloque os dados bancários num post ou, se achar temerário, faça um post a respeito e eu me manifesto e contribuo.

mutante disse...

olá moça!
eu tb tenho coração mole assim, a minha cachorra Capitu eu peguei da rua tb, e tenho mais um outro e um papagaio. O problema é em breve vou mudar pra um apartamento, ainda terei que ver um q aceite meus filhos, pois jamais me separo deles. E depois tem dois bigodes que moram embaixo do meu carro e que tem direito a ração, água, tapetes, vermífugo e frontline, estes não poderei levar, com dor no coração, espero que outro vizinho os ajude como eu.
Muito linda sua atitude. Tentarei divulgar pra ajudá-la. Lá no multiply.com tô numa comunidade de bichos, vou postar lá.
abraços

mutante disse...

Oi eu postei lá não sei se vc consegue ver sem ser membro, mas esse é o link: http://amoranimais.multiply.com/journal/item/579
abraços

Beatriz Levischi disse...

Continuem divulgando, gente! Com a Alice deu certo. :)

As gateiras voluntárias do AUG me ajudaram a pagar as despesas com o veterinário, dona Cachorreira Militante. Mas se precisar de novo, prometo que peço.

Alessandra, já te mandei o e-mail.

Como você conseguiu essa adoção relâmpago, Rita? rs

Mutante, acho temerário contar com a ajuda dos vizinhos. Por que você não anuncia os gatinhos? Tem fotos? O link do Multiply é fechado para assinantes, mas obrigada mesmo assim.

Cachorreira militante, louca por gatos disse...

"As gateiras voluntárias do AUG me ajudaram a pagar as despesas com o veterinário, dona Cachorreira Militante. Mas se precisar de novo, prometo que peço."

Combinado.