.
.

10.10.18

Vamos construir pontes!

Leitores que estão pensando em escolher o Bolsonaro no segundo turno, existe um jogo de manipulação de informação rolando nestas eleições e vocês têm todo o direito de sentir medo, raiva, frustração. Mas façam o esforço de abrir o coração para as linhas abaixo e, se elas não ressoarem aí, podem fechar de novo, combinado?

Em 28 anos de mandato na câmara, o deputado Jair Bolsonaro apresentou 171 projetos de lei e só conseguiu aprovar dois (isenção de Imposto sobre Produto Industrializado para bens de informática e autorização para o uso da fosfoetanolamina sintética, a "pílula do câncer"), o que significa que não tem muita influência entre seus pares.

E daria para fazer coisa para caramba nesse tempo, com um cargo político. Em duas décadas, por exemplo, esta jornalista trabalhou em uma ONG que pautou a criação de diversas políticas públicas na área da educação, escreveu matérias que deixaram um tico melhor a vida de milhares de leitoras das classe C e D (éramos recordistas de cartas e e-mails na editora), fundou o Gatoca, que reescreveu a história de centenas de animais e suas famílias.

Não, o Partido dos Trabalhadores também não era minha primeira opção. Justamente porque ficou 13 anos no poder e não teve coragem de realizar as reformas necessárias para diminuir a desigualdade social no país. Mas nós não estamos "comendo nossos cachorros", né? Nem na Venezuela estão, embora a situação lá seja realmente triste.

Essas mentiras, cuidadosamente arquitetadas, pretendem instaurar o pânico, desumanizar quem enxerga as coisas diferente, transformando em inimigo, e, sem que a gente se dê conta, eleger um cara que flerta com o fascismo italiano. E vocês não são fascistas. Eu também não sou bandida, feminazi, vagabunda. Vamos conversar. :)

Amigos que pretendem escolher o PT no segundo turno, dialoguem com seu entorno ― 20,3% da população se absteve de votar no primeiro turno. Haddad tem boas propostas de governo (neste especial da BBC, dá para comparar os candidatos) e uma delas é promover um amplo debate para a construção de políticas públicas nacionais de proteção e defesa dos animais, em especial na área de educação (página 58).

Não, eu não esqueci que ele vetou o projeto de lei que proibia o aluguel de cães para guarda, quando foi prefeito de São Paulo, justificando que cabia à União decidir a questão. Mas sua gestão também sancionou as leis que permitem animais no transporte público, autorizam moradores de rua a levar seus peludos para os abrigos e proíbem a produção e comercialização de foie gras na cidade ― essa a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes derrubou, infelizmente.

Teve ainda a inauguração do Hospital Veterinário Público no Tucuruvi e do novo Centro Municipal de Adoção de Cães e Gatos, em Santana, ambos na zona norte. Bolsonaro, por outro lado, quer acabar com o Ministério do Meio Ambiente, abrir a Amazônia para exploração desenfreada, liberar a caça e comemorar esse retrocesso todo com rodeios e vaquejadas (detalhes e vídeos do próprio candidato fazendo essas afirmações neste post).

Não leiam robôs, de bits ou de carne e osso, que compartilham os mesmos clichês, textos sem embasamento, vídeos grosseiramente editados. E toneladas de ódio. Leiam pessoas que vocês sabem que estão na luta de mangas arregaçadas, com respeito às diferenças.

O deputado disse no Jornal Nacional, aliás, que vai botar "um ponto final em todos os ativismos no Brasil" (vídeo aqui). E, em entrevista à Jovem Pan, insistiu que "ativismo não é benéfico" (vídeo aqui). Gatoca faz ativismo há 11 anos. E quer continuar fazendo.

Compartilhem este post-convite. Vamos construir pontes!

2 comentários:

enarducci disse...

Muito bom!!!

Unknown disse...

O Brasil ta caminhando por caminhos sombrios. So ta preocupado com banqueiros e os donos dos bois.