.
.

13.1.17

Quando a morte se engana de alvo

Pretinha partiu. Não existe outra forma de começar um post destes. Ela morreu nova, gorducha, de pelo macio e brilhante. Um engano, claramente. Para quem está chegando agora, a pequena foi castrada no mutirão do Gatoca, em 2015. Um mês depois, teve anemia severa, infecção, hepatose. E sobreviveu ― me recebia com ronrons na favela, mesmo depois das consultas veterinárias, dos exames e dos remédios.

Perdeu o primeiro lar temporário por suspeita de calicivirose, que, na verdade, era infecção na traqueia. Mais veterinário, exames, remédios. E sobreviveu. No segundo lar temporário, apareceu um gânglio inflamado no pescoço. Veterinário, exames, remédios. E sobreviveu. Em busca da família de comercial de margarina, fizemos campanhas de Halloween e Black Friday. Até que os pais da Fernanda Abreu a escolheram para dormir na cama, de cobertor.

Surgiu, então, o problema dentário estrutural e a estomatite. Arrancaram todos os molares. E a pretolina sobreviveu. Em dezembro, recebi esta foto de "feliz Natal":


Alguns dias depois, ela teve uma reação alérgica à creolina usada no ralo contra baratas, que virou edema pulmonar e pneumonia. Sobreviveu de novo. Mas voltou ao hospital na virada do ano por causa de uma diabetes misteriosa e da hepatose, onde tudo começou. A gente piscava o olho e uma nova doença tomava a conversa.

Verme transmitido por lagartixas, pancreatite, canal do fígado obstruído, cirurgia de risco. E ela sobreviveu a tudo. Só que a pressão caiu e não estabilizou nem com a transfusão de sangue. No fim de semana do meu aniversário, consegui autorização da UTI para fazer um intensivão de homeopatia, orientada pela Drª Maria Eugênica Carretero.


A guerreira chegou a melhorar ― Cristiane Conti e as meninas da Catland ajudaram com o reiki a distância. Deu uma volta no cubículo e até tentou fugir da gaiola.


Convenci a equipe do plantão a continuar o tratamento de madrugada, com direito a instruções por escrito.


Mas ela não sobreviveu. Um engano, claramente.

P.S.: Como não posso ressuscitar a gorducha, gostaria de devolver parte do dinheiro gasto na Vet Support: R$ 17.096,60. Help: doacoes@gatoca.com.br? Perder quem a gente ama e sobrar com uma dívida astronômica dessas deve ser desolador. :\

9 comentários:

ValLindinha disse...

Esse verme transmitido por lagartixa é perigosíssimo!

Eu e meus Botões disse...

Bia, será que podemos ajudar a pagar essa divida com doação? O valor da da divida tá muito alto.
Meus sentimentos pela perda da gatinha. Foi uma guerreira na vida. Alice

Manu disse...

ValLindinha que verme é esse??? E que remédio dar para evitar?? Estou super preocupada pois os meus as vezes matam algumas mas não comem, mesmo assim estou preocupadíssima!!!

Edineide Francisco Xavier disse...

Meus sentimentos pela pretinha que sobreviveu à tantos obstáculos da vida 😢😢😢

Maria disse...

Gente, que tamanho de conta é essa?
Não entendi o que vc quis dizer com devolver parte do dinheiro gasto

Ana Costa disse...

Tem alguma conta de Banco do Brasil? Não tenho muito pra doar... mas pelo menos uma ajuda posso dar...

Gisela disse...

Manu, segundo a veterinária dos meus gatos, é prevenir com vermífugo que tenha a substância praziquantel (Profender, por exemplo. Aplico nos meus de 4 em 4 meses pq aqui tem muita lagartixa. Eles não comem, mas melhor prevenir, né?). Ou então pedir à veterinária dos seus gatos pra receitar um remédio concentrado de praziquantel, que varia de acordo com o peso do gato.
Espero ter ajudado.

Beatriz Levischi disse...

Eu não sabia, acredita, ValLindinha?

Vou escrever um post sobre isso, Manu.

A conta da UTI deu R$ 17.096,60, Maria. Queria ajudar a família a pagar.

Arrecadar o valor total acho difícil, Alice. Mas qualquer real a menos já alivia, né?

Tenho conta no BB, sim, Ana Costa. Me manda um e-mail para facilitar o controle: doacoes@gatoca.com.br?

Denise Candeira disse...

Sinto de mais. Que São Francisco de Assis a receba até sua volta.