.
.

27.7.18

Quando tudo dá certo e, mesmo assim, dá errado

A batalha começou na quarta-feira, com a Nathália Vieira me ligando para pedir ajuda para um tigrinho atropelado no Ipiranga, bairro da amiga alérgica a gatos, que não conseguiu virar as costas. De Sorocaba, eu instruí as duas a colocá-lo na caixa de transporte, arisco por causa da dor, e escrevi para um monte de gente perguntando onde ele poderia ser socorrido àquela hora.


Ninguém soube dizer se os hospitais veterinários públicos atendem emergência sem senha e se funcionam 24h ― nem a assessoria de imprensa, cujo contato espero há dois dias. As meninas acabaram em um particular, na região. E os caras queriam cobrar R$ 1,9 mil pela consulta, uma noite de internação e meia dúzia de exames, que não eram a cirurgia ortopédica.

Pagamos a consulta e a internação (R$ 735), de puro desespero, e continuamos a correria no dia seguinte ― elas lá e eu cá. Nenhum dos hospitais públicos atendia o telefone. Só o da zona oeste caía na gravação, que também não esclarecia nossas dúvidas.

O hospital da riqueza deu início à pressão de que o animal tinha convulsionado, precisaria de transfusão de sangue por conta da anemia e só sairia de lá de ambulância. Mas negligenciou a alimentação, com a desculpa de que colocar a sonda seria agressivo.

Muitas mensagens e ligações depois, a Canto da Terra aceitou receber o peludo e a veterinária Maria Eugênia Carretero esperou-o com a ONG já fechada. Nati largou o trabalho no Itaim, voltou para o Ipiranga (tentaram nos arrancar mais R$ 200 de medicação) e seguiu de coração apertado até a zona norte. Guerreiro queria viver.


Ficou enroladinho na coberta, de soro e vitamina na veia, se sentindo amado por uma noite ― era um gatinho idoso.


Hoje de manhã, a lipidose hepática venceu.

Das lições amargas que ficam:

1) Lugar de bicho é dentro de casa! Ainda que vocês morem em uma vila, que o bairro cuide dele comunitariamente, que ele tenha vivido solto um tempão.

2) A gente sempre pode fazer algo. Mesmo sendo alérgico, morando longe, ganhando pouco (deem uma força na vaquinha, por favor: doacoes@gatoca.com.br).

3) Só levem animais a hospitais particulares se tiverem grana para pagar contas de quatro dígitos à vista ― ainda vou fazer um especial sobre o assunto.

4) Sim, o sistema está errado, privilegiando uma parcela minúscula da população. Mas a gente não pode desistir de lutar.

5) Ajudem as ONGs! Elas assumem a função do poder público, sem um centavo dos nossos impostos. E não barganham com vidas.

Nenhum comentário: