.
.

4.6.13

Notícia triste: pingando os is

Nestes 18 dias, desde que eu publiquei o post sobre a suspensão dos resgates em Gatoca, não faltaram demonstrações de carinho de vocês. Até terapia junguiana gratuita me ofereceram! Mas parece que alguns pontos precisam ser melhor explicados. Segue, então, uma listinha e, se ainda restarem dúvidas, não se acanhem em compartilhá-las nos comentários. :)

1) Os temporários agravam minhas crises
O organismo demora para se acostumar ao novo "alérgeno". Animais resgatados da rua precisam ficar isolados dos outros, geralmente em lugares pequenos, com pouca circulação de ar. E quanto mais gatos em casa, pior a alergia. Palavra de quem já cuidou de 19 bichanos ao mesmo tempo.

2) Banho não rola
Já não seria fácil ensaboar dez bigodes fofos semanalmente ― principalmente porque eu ganho dinheiro escrevendo, não pilotando chuveirinhos. Imaginem, então, enfiar as Gudinhas embaixo d'água. Pipoca amansou com o problema renal, mas as irmãs continuam bichos do mato.

3) Tratamentos alternativos são lentos
Eu acredito em um monte de coisa. E não desisti de tentar. Mas, na hora em que o ar para de entrar nos pulmões, só a injeção de corticoide na veia resolve. Quem nunca dirigiu até o hospital achando que não vai dar tempo de chegar dificilmente conseguirá imaginar a sensação de pânico.

4) Mesmo assim, eu não vou doar os bigodes
Pelo menos não enquanto puder me manter de pé com os remédios. Tomo o que for necessário, faço exames periodicamente, passo em consulta com todo o corpo clínico da Beneficência Portuguesa se precisar. No dia em que o último coração felino parar de bater sozinho (assim espero!), eu penso na hipótese de adotar um filhote de urso ou um elefantinho.

5) A ajuda jornalística segue
Eu continuarei a publicar dicas aqui no blog, a inspirar os leitores novatos a construírem um mundo melhor para bípedes e quadrúpedes, a produzir matérias (ou guias inteiros) que ensinem marinheiros de primeira viagem a cuidarem decentemente de seus animais de estimação, a escrever, editar e revisar textos para o Adote um Gatinho, ONG em que sou voluntária.

Só não sei o que farei quando cruzar com o próximo par de olhos assustados.


Pituca, a primeira resgatinha de Gatoca. E com final feliz!

6 comentários:

Anônimo disse...

q bom q vc não vai se desfazer dos seus peludinhos.eu sei como são estas crises de asma,pois minha mae tem,e as vezes as coisas ficam bem serias.e quando isto acontece ela acaba tendo q ficar internada algumas horas no posto de saúde,e tomando uma tonelada de remédios.e quanto ao banho,eu sei bem do q vc esta falando,aqui são 12q não suportam agua,ainda mais a do chuveiro.so eu sei o sufoco q foi ter q lavar eles todos,quando meu filho passou detergente de louças neles,coisas de criança,ele era pequeno na época.hoje,ele ama meus gatinhos,especialmente a sialata RUBI.mas q foi um sufoco,foi,lavar 12gatos de repente,e as pressas,mas ficou tudo bem no final.acho q foi por causa deste dia q eles ficaram mais traumatizados com a agua do chuveiro.DA GATEIRA DE CURITIBA><JAMILE

Muñekita Cat disse...

Olá!! encanta-me seu blog quisesse afiliarlo em meus sites e você enlaça ao mio, se aceita me responde com uma mensagem a emitacat@gmail.com
beijos!!

Emilia

Em busca de corpo e alma disse...

Beatriz, há outras formas de ajuda, vc sabe.
Pode-se ajudar a divulgar, colher medicamentos e até as rifinhas. Sei q não é a mesma coisa qdo o coração grita por uma outra ação.
Mas em um mundo até onde encontramos falsos protetores. As poucas referencias confiáveis são muito importantes. Outra, sem saúde sabemos q não se dá pra fazer nada. Procure se cuidar, até mesmo pq se caso encontrar algum par de olhos, tenha tido um folego para se recuperar.

Amanda Herrera Massucatto disse...

você respondeu, sem responder, a única pergunta que me restava no final do post. Torço por ti, linduca.

Isis disse...

Quando mais um Frank Sinatra aparecer, a gente vê o que faz ...

Beatriz Levischi disse...

:*