.
.

6.2.08

Pomboca

O mundo é habitado por dois tipos de pessoas: as de bom senso, que acreditam que pombas destroem edifícios históricos com seus dejetos orgânicos, e as insanas, que gastam R$ 60 no veterinário especializado em animais silvestres para salvá-las.

Dia 21 de janeiro, quando eu estacionei o carro no templo da tortura moderna conhecido como "academia de musculação", reparei logo na criatura de penas negras, dando voltas sobre si mesma. Como uma hora depois ela continuava ali, liguei para o Eduardo, menino de infância curtida no campo, e constatei que não se tratava de comportamento padrão.

Tentei pegá-la com o caderno de veículos, oferecido pelo dono do lugar, mas o jornal fazia barulho e só aumentava a angústia da pobrezinha. Até que me senti obrigada a usar a blusa de pompom rosa, tão querida. Em uma manobra rápida, acomodei-a no braço esquerdo e, com o direito, rumei sem cinto de segurança para a clínica da Kennedy, que aceitara o corpinho endurecido da Wally, ano passado. Eles não entendiam de aves, mas me indicaram a Fauna e lá fomos nós, desajeitadamente.

Drª. Melissa diagnosticou cloaca prolapsada e explicou que ela provavelmente necrosaria em dois dias, levando à morte. A pomba precisava tomar injeções de antiinflamatório e antibiótico por três manhãs, além do soro, e manter-se aquecida. Se a hipótese de cuidar do ser alado junto a dez gatos parecia absurda, eu desisti de vez ao saber das moscas-de-pombo, que impregnam os cabelos feito piolho. Já pensaram uma infestação em Gatoca?

A alternativa seria entregá-la à Polícia Ambiental, que encaminharia o caso ao zoológico do Parque Estoril. Mas será que alguém, além de mim, perderia tempo com uma praga urbana? Sorte que Amanda, a estagiária, rendeu-se aos meus lamentos e concordou em ficar responsável pela enferma durante o tratamento inicial, contanto que eu levasse a comida: quirela de milho, frutas, verduras escuras e arroz.


Não encontrei a tal quirela, comprei farinha de milho que só serviria para a avó da veterinária cozinhar um cuscuz, roubei maçãs da geladeira em vez de opções moles, mais propícias, mas acertei no arroz! A pomba (que acabou sem nome por conta da ausência de dimorfismo sexual) pesava 320 gramas. Sua temperatura oscilava em torno de 42ºC. E, como qualquer animal de vida livre, ela podia colecionar bichinhos e transmitir doenças, nada, porém, exclusivo.

Sobreviveu à sutura com anestesia local e, depois de três dias, já sem moscas, pediram-me para continuar as compressas de arnica em casa: "Quem medica gatos, tira uma pombinha de letra", garantiu-me Drª. Melissa. Eu ajeitei a gaiola no banheiro do quarto dos fundos, devidamente blindado, preparei um pote de comida bem picadinha e fiquei com dó ao observar o pouco espaço que lhe restara.


Que mal haveria soltá-la em um cubículo um pouco maior?


Sim, eu ignorava completamente a falta de inteligência dos integrantes dessa espécie: a figura caminhava sobre o mamão como se nada existisse ali, derrubava água em si mesma, alagava as revistas, bicava as paredes, fazia cocô (mais fedido que dos dez bigodes juntos!) na escarola, na pia, na privada...


Sem contar que eu morria de medo dela ― tanto ou mais do que ela de mim. E, sempre que tentava segurá-la, era presenteada com a Dança da Pombinha, cujos passos laterais ligeiros acabavam sob o armário dos papéis higiênicos. Lia, a faxineira-anjo-da-guarda, ajudou-me com a primeira compressa e eu desencanei das outras.

No dia seguinte, feriado em São Paulo, Eduardo veio de Utinga até aqui para darmos o remédio da seringa oralmente. Eu mal toquei o êmbolo e a dose ultrapassou a prescrição veterinária. Ai!... Sábado, nem Mariana conseguiu pegá-la e a medicação teve de esperar até a noite, quando o namorado finalmente se livrara do trabalho. Para ser sincera, só no domingo nós cumprimos a meta de quatro compressas + remédio matinal.

Antes de partir, Eduardo ainda devolveu a arruaceira na gaiola, almejando facilitar a retirada dos pontos, na segunda-feira. Só que a infeliz capotou o recipiente de água e ficou toda espetada de frio, obrigando-me a ligar o aquecedor empoeirado (que a gente nunca usa porque gasta muita energia) a madrugada inteira!


Para melhorar, Drª. Melissa não poderia nos atender de manhã. Eu soltei a prisioneira novamente, esquecendo do remédio. Lia ofereceu seus préstimos como de costume, mas, dessa vez, caçou a bichinha pelas asas, fazendo-a gritar de dor e eu me contorcer de culpa.

Melhor me virar sozinha. Munida de toalha, eu parti para cima da fugitiva, dei um mau jeito absurdo na coluna (uma semana sem girar o tronco para a direita nem recolher coisas do chão!), mas consegui capturá-la. O martírio da limpeza do banheiro a cada duas horas estava chegando ao fim.

Drª Melissa desfez a costura de linha preta e bombardeou: a cloaca deveria ficar em observação por mais alguns dias. Se tornasse a prolapsar, restar-me-ia escolher entre a eutanásia e os R$ 450 da cirurgia. Eu respirei fundo e nós voltamos para casa. A pomba passava a maior parte do tempo escondida, recusando-se a comer. A gente tentou ovo cozido, pão integral, espinafre.

Quinta-feira (31.01), quando a chuva finalmente cessou e eu percebi que ela não saía do parapeito da janela, conferi a cloaca e decidi libertá-las. Tomei o cuidado, obviamente, de fazê-lo na rua da academia para evitar que elas reconhecessem o cativeiro e resolvessem aparecer para almoçar (ou serem almoçadas).

A pomba se livrou da toalha antes que eu pudesse preparar a máquina fotográfica, chacoalhou as plumas, contornou-me em despedida, abriu as asas e voou a perder de vista. Emocionada, eu depositei o resto da comida na calçada, caso ela sentisse fome mais tarde. Marombados e vizinhos olhavam-me com estranheza.

12 comentários:

Cris disse...

Vc eh um anjos!
Deus lhe abençoe!

Juliana disse...

Você está se superando!
Adorei a história.
Beijo,
Juliana.

Silvana disse...

Você não está só. Conheço estória semelhante. Meu terceiro gato, antes de ser adotado, passou meses morando em uma clínica e eu meses vizitando-o toda a semana até conseguir terminar a negociação lá em casa. Um dia cheguei e na gaiola de cima tinha uma caixa com uma pomba. A veterinária me contou que estava saindo à noite, depois de um dia daqueles, lava canil, 2 refeições para os internados, atende bicharada, exausta, e quando está fechando a clínica vê uma pomba, sozinha, subindo a rampa do estacionamento com uma das perninhas quebradas...o resto é só imaginar.

Gatinhos de toda parte disse...

Só você mesmo :-)

Gabi disse...

Bia, Bia, Bia... só você pra salvar uma peste dessas... se bem que um dia eu te conto do dia que não deixei matarem a galinha...

Fernanda disse...

Beatriz, fala a verdade: todas as vezes que olha para seu banheiro limpinho, sente saudades da "pomboca", não ? Só você mesmo...
Fernanda

Kiki disse...

Ah não! Não tem nada de insano em fazer uma ação tão linda como a que você fez! ;)

marina/umaga disse...

minha heroína!
quem dera eu tivesse coragem pra fazer uma coisa dessas!
já resgatei gatos, cachorros e uma maritaca, mas pomba nunca.
sempre fico com dó dessas "pestes urbanas" porque, apesar de elas serem sujas e infestarem a cidade toda, elas ainda são bichos que só querem comer e viver. tenho dó do que a cidade e nós fizemos com elas...
beijo e parabéns pela empreitada!

Silvana disse...

Deve haver um método de controle de natalidade desses bichos tb, todo desequilíbrio que existe na natureza é culpa nossa. Não dá para castrar pombos, mas deve ter um hormônio para colocar na comida.

Beatriz Levischi disse...

Estou começando a achar que São Francisco de Assis se apaixonou por mim, gente. rs

Gabi, quero saber essa história da galinha!

Se as pombas fossem seres adotáveis (e fizessem cocô num lugar só), acho que cuidaria numa boa, Fê. Principalmente porque o risco de apego fica bem próximo a zero! rs

Silvana, o primeiro link do texto fala sobre um preparado biológico que diminui a corrosão dos excrementos. Mas é na Alemanha.

Leti Abreu disse...

Também já acolhi uma pomba. Imagina a cena, eu me arrumando pra viajar a trabalho e uma amiga começa a gritar "caiu um pássaro aqui!!!" "Aqui" quer dizer em meio aos 30 gatos e 1 cachorro espevitado que habitam meu quintal, varanda, casa... Imagina o susto, imagina o caos!!! Como São Francisco ilumina, tinha uma gaiola esquecida lá em casa que um dia tinha nos sido emprestada para "capturar" uns gatinhos na rua e saímos as duas como umas doidas tentando pegar o tal pássaro; antes dos gatos e do cãozinho, é claro. Correrias depois, o tal pássaro feinho de doer engaiolado, a gente começou a discutir que bicho devia ser aquilo, meio despenado, meio esquisito. E fui eu atrás de tentar descobrir o que daria de comer para aquele pássaro (que no fim era uma pomba filhote). E quase que perdi meu voo. Meses depois, muitos cocos depois e nada do "patinho feio" aprender a voar ou virar cisne. Até que conheci uma senhora que cria pássaros soltos dentro de casa, soltos no quintal, em viveiros e ainda alimenta pombas na rua; enfim, uma pessoa louca por pássaros. Ela pediu pra que eu levasse a tal pomba pra lá. Foi engraçada a cara de choque dela quando viu a "patinho feio" (eu tentei explicar no telefone, mas ela achou que fosse uma rolinha). Enfim, patinho feio está lá até hoje; ganhou uma gaiola bem grande; algumas vezes é solta no quintal, mas até hoje não aprendeu a voar muito bem. Mas até o ser mais desengonçado e esquisito tem direito a ter um lar amoroso. E viva nossas pombas... e gatos! Conheça: http://gatosdoparque.blogspot.com.br/

Beatriz Levischi disse...

Quero foto da Patinho Feio, Leti!