.
.

26.7.19

Gatos que viram amizades improváveis

Marina Kater não teve, definitivamente, uma boa impressão de mim. Mais uma vez, eu havia largado o trabalho em São Bernardo para levar os gatos da dona Lourdes à veterinária do AUG, na Vila Mariana, onde Susan buscaria depois da castração para instalá-los em sua casa até a adoção — dona Lourdes foi a colecionadora quem me apresentou à proteção animal. Isso faz 12 anos.


Como todo acumulador, ela nem sempre estava receptiva. Aconteceu, inclusive, de abrir a porta improvisada de plástico e papelão só para me dizer que não liberaria bicho nenhum àquela semana. Quem transita por São Paulo sabe a felicidade de vivenciar essa experiência depois de uma hora de congestionamento quente e poluído.

Voltando à Marina, a ideia que ela tinha da autora dos textos engraçados e emocionantes deste blog não combinava em nada com a pessoa que deixou o carro esbravejando, enquanto segurava dois globos da morte em forma de caixas de transporte. Sorte que, contradizendo o ditado, a primeira impressão não foi a que ficou.

Aqui, cabe um parêntese para explicar o que um ser humano normal fazia no meio desse rolo. Marina deu lar temporário à Umaga, uma pretolina doada, devolvida e redoada — o caso da dona Lourdes durou um ano e envolveu todo tipo de emoção que um órgão molenga é capaz de pulsar.

Nós viramos, então, amigas. Daquelas que compartilham três gestações humanas, duas mortes felinas, uma separação, a mudança para o interior, projetos sonhados, realizados, em processo. Doze anos depois, ela finalmente veio conhecer os bigodes! Estou contando isso porque o Gatoca sempre foi generoso comigo — e este post talvez se transforme em série.

Nosso fim de semana teve visita ao "cat café" de Sorocaba....


...ioga...


...cigar box guitar.


E, claro, apertos no Mercv, o único que resiste a crianças.


O conteúdo do Gatoca é financiado por gente que acredita que o mundo pode ser melhor. Quer fazer parte da transformação? www.catarse.me/apoiegatoca

3 comentários:

Unknown disse...

❤❤❤
Ivalu

Maria disse...

Gente, que história linda!
Sem me dar conta, acabei ficando só com amigos ligados à proteção animal e estou muito bem assim.

Anônimo disse...

Linda história!
Que a amizade dure por toda a vida!