.
.

13.7.18

A arte de negociar (e de unir pessoas por uma causa)

Eu passei algumas semanas pensando em como convencer a família a castrar o gato criado solto pelo bairro, que resolveu fazer serenatas de madrugada no telhado aqui de casa e acertar as roupas do varal com xixi ― já tinha conversado sobre as telas, mas sem sucesso.

Sim, pensei também em sequestrá-lo. A criatura chegou a cair na nossa garagem, única parte do terreno sem blindagem. E é um amarelão lindo e ronronante, fácil de doar. Mas fiquei com pena das crianças, que desfilam com ele para cima e para baixo, segurando daquele jeito desengonçadamente fofo.

Voltando... Ensaiei diálogos mentais, juntei links da internet, pesquisei o calendário lunar. Segunda-feira, mas precisamente às 2h17, o boêmio se pôs a brigar com outro, resistindo à mangueirada pacificadora ― isso porque eu já tinha resistido de abandonar o edredom quentinho por 50 minutos, respirando profundamente em vão.

Possuída pelo satã, de pijama e descabelada, bati então na casa dos vizinhos, mais descabelados ainda, e agendamos a bendita cirurgia. Agora, preciso de ajuda para pagar ― a família é simples (a gente mora na periferia de Sorocaba) e o marido estava desempregado até recentemente.

Se eu, tutora de nove gatos (estressadíssimos com o intruso, aliás) e dona de um projeto com animais perdi a compostura, imaginem quanto tempo esse bicho vai durar na rua, mijando na roupa alheia e deixando a vizinhança (que já ouvi atirar coisas para o alto) insone.

Quem topa trocar um almoço em fast food por um mundo melhor: doacoes@gatoca.com.br? :)

Nenhum comentário: