.
.

16.1.13

Voo de liberdade

Kiwi chegou em Gatoca no fim de maio de 2012, imóvel e sem expressão, e passou semanas morando sob a pia do banheiro, me fazendo duvidar que curtiria a ideia de ganhar uma família. Durante 76 dias, porém, eu me entortei sobre o piso frio para tentar convencer-lhe, com cafunés tímidos e argumentos de gente que conversa sozinha, que dos seres humanos não vinha apenas sofrimento.

E, quando ele caminhou até meu colo com o rabinho entre as pernas e o coração acelerado, o meu quase parou. Foram só alguns segundos fora do bunker, mas eles serviram como lembrete de que o amor só não consegue acertar os números da loteria. Em setembro, ao enxergar um pedaço de papel higiênico pendurado no rolo, o pequeno brincou pela primeira vez. E trocou miados cheios de simpatia com a Pipoca, hóspede do quarto ao lado.


Os gritos de madrugada deixaram de ser um protesto pela liberdade privada para se transformar em pedido desesperado por companhia. Durante a limpeza da caixa de areia, ninguém desgrudava a criatura de mim. E a adoção, agendada há cinco meses, finalmente se concretizaria. A sorte do peludo havia mudado.

Pelo menos era o que eu pensava até receber a notícia da desistência da adotante. O bigode azarado e sua coleção de medos apodreceriam no banheiro. Arrasada, eu apelei às meninas do AUG, donas da vitrine de gatos mais privilegiada da internet. Tirei 165 fotos, caprichei no texto de divulgação e não acreditei quando Melissa Menegolo me escreveu três horas depois, apaixonada pelo bichano.


Cliquem na imagem para ampliar

No dia 18 de novembro, Kiwi rumou para o Morumbi Sul, sem precisar repetir o desfecho trágico da animação que lhe batizou. A gateira novata tinha um caminhão de dúvidas práticas, mas dois e meio de vontade de fazer as coisas darem certo.


Nós trocamos inúmeros e-mails, telefonemas, SMSs. Até que meus olhos se desmancharam entre as linhas desta mensagem:

Bia, tudo bem?

Há tempos eu não mando sinal de fumaça (e não te encho), né? Tenho boas noticias: Kiwi já se sente em casa! Come na cozinha com o Michelangelo e a Monalisa, usa a caixa de areia na lavanderia, dorme um pouco na cama comigo e depois vai para a caminha dele.

Hoje, quando cheguei, ele veio me encontrar na porta da sala. Até deu uma espiadinha tímida no hall do andar. Eu fiquei imensamente feliz por ele estar bem com a gente. Ele ainda se esconde de vez em quando, mas eu acredito que logo ficará super "dado" como os irmãos. E a melhor notícia é que ele parou de miar de madrugada!

Eu queria te desejar de coração um feliz Natal (atrasado) e que o ano de 2013 seja de muita paz, saúde e alegria. Saiba que você é uma pessoa iluminada. Obrigada por dividir sua experiência com os bigodes e ajudar nos meus desesperos de marinheira de primeira viagem ― eu agradeço muito por ter te conhecido!

E obrigada pela oportunidade de ser a mãe do Kiwi. Ele é tudo de bom! Pode divulgar a adoção no blog, porque daqui ele não sai mais ― só não me abandone, por favor (rs). Eu não sei mais como seria minha vida sem os três.

Ah! Estamos esperando sua visita! Quem sabe ele te recebe na porta de casa...

Mais uma vez obrigada!



Sem a língua esquecida fora da boca, as massinhas marchadas, as roladinhas no cobertor, as mordidas de dedo, as cabeçadas no meu queixo e a bunda para a lua em busca de carinho, o banheiro voltou a fazer eco. Mas, se a gente parar para ouvir com a alma, esse eco vira música.


Epopeia do Kiwi na busca por um lar:

:: O gato indecifrável
:: Três sinais
:: Quem avisa amigo é

14 comentários:

ארינה - Arina disse...

Ai, chorei tanto com a história dele e a mensagem. Estou imensamente feliz que o Kiwizinho conseguiu uma casa onde será amado e bem cuidado.

Ruthy disse...

Que lindo! Me emocionei tbm! Que Kiwi e sua família sejam mto felizes!

Karina disse...

Sempre torço pelo final feliz dos bigodes que passam pelo Gatoca! Por eles e por você que não mede esforços pra fazer a diferença!
Beijos (ainda enxugando as lágrimas)

Melissa Menegolo disse...

Bia ficou muitoo lindo, já vi o vídeo várias vezes, e faz uma meia hora que estou chorando... Você tinha razão tem que ver o vídeo em casa, para não chorar no trabalho (já basta a vergonha de ter chorado no post da retrospectiva né!)..rs. Obrigada de coração, como já disse você é uma pessoa iluminada!!! Agora vou apertar e mimar um pouco nosso Kiwi.. e venha logo para vê-lo.. Bjs meus e do Kiwi.. estamos imensamente felizes.. Obrigada!

Rose disse...

Que sorte tem enjeitadinhos que chegam às suas mãos, Beatriz.

Juliane Rocha disse...

Só de ler o texto já estou me desmanchando de chorar... O vídeo vai ficar pra ver em casa, pq a teimosa aqui abriu no serviço... rsrsrs

Carol Costa disse...

Bia, mas o Kiwi é a cara do Grafite! o.O

Beca disse...

Até chorei. Tadinho, que carência. Chorei, chorei de soluçar. Ai Bia, que bom que no mundo existe vc pra salvar esse pequeno. Que Deus te proteja.
Te vi no bazar, mas fiquei sem jeito de falar com vc. Fica com Deus.

Livia Luzete disse...

Quem lê a história toda, é para chorar???
\º - chorei,mas com sorriso nos lábios de mãe gateira que sou!
Que bom que vocês existem!

Anônimo disse...

ah, Beatriz, escrevendo com o coração desse jeito, não tem que não chore mesmo... felicidades a vc, ao Kiwii e a mãe dele!!
Ilka

Beatriz Levischi disse...

:*

Kiwi é o Grafite pós-spa, Cá.

Eu não mordo, viu, gente? Pelo contrário: adoro ver as carinhas de vocês ao vivo. Podem chegar perto sem medo. rs

Guiga disse...

Bia sempre nos desidratando...

Tu és a prova de que não há doação impossível! :)

Beatriz Levischi disse...

:)

Maria Cecília disse...

Feliz da vida por ouvir isso!!!!