.
.

17.2.11

7 mitos sobre adoção de cães e gatos

Bicho de raça aprende mais rápido? Telar as janelas é bobeira? A castração judia do animal? Descubra a verdade por trás dessas e outras lendas antes de escolher seu amigo de quatro patas

Quem decide adotar uma criança pensa logo em um recém-nascido, loirinho e de olhos azuis, como os das capas de revista. Com os animais a coisa não foge ao padrão. As pessoas preferem os filhotes, peludos, clarinhos, perfeitos. E se esquecem de que nós somos diferentes, assim como os bichos.

"O importante é descobrir o companheiro ideal para você, levando em consideração o temperamento, não a aparência", ensina Fabiana Pino, representante do Movimento dos Protetores Independentes. Confira abaixo os sete principais mitos sobre o assunto.

1) Animais de raça são melhores
Em testes realizados por pesquisadores estrangeiros, os cachorros sem raça definida (SRD) é que se mostraram mais inteligentes, apresentando melhor noção de espaço e resolvendo desafios com mais facilidade. Bichos que vivem nas ruas também ficam mais resistentes a doenças, enquanto as fêmeas com pedigree estão sujeitas a cruzar com parentes próximos, gerando filhotes portadores de problemas de saúde variados.

2) Adultos dão mais trabalho
Quem passou fome, frio e medo por tantos anos sabe reconhecer o valor de uma casa e tem um senso de gratidão imenso pela família que lhe deu abrigo. Bigodes e focinhos adultos já estão socializados, com tamanho e comportamento definidos. Costumam ser mais tranquilos, obedientes e independentes que os filhotes, além de se adaptarem rapidamente ao ambiente e às pessoas. Ah! Eles raramente destroem as coisas.

3) Dois aprontam em dobro
Você já ouviu dizer que cabeça vazia é oficina do diabo? A bicharada concorda com o ditado e tende a dar uma folga (para você e os móveis da casa) se tiver um amigo da mesma espécie. Com companhia, eles ficam mais seguros e felizes, dificilmente entram depressão e se divertem sem depender dos humanos. Termina a agitação, a falta de apetite e os miados e latidos excessivos.

4) Cães e gatos se odeiam
A internet está aí para provar que os desenhos animados nem sempre correspondem à realidade. Em uma busca rápida, você encontrará uma porção de vídeos dos peludos dormindo abraçados ou fazendo bagunça juntos. Tudo depende da personalidade dos animais envolvidos e de como os donos realizam a apresentação – principalmente se eles já forem crescidinhos.

5) Castrar é maldade
Eis o maior tabu relacionado à adoção. Há quem acredite que castrar deixa o bicho bobo, gordo e preguiçoso, que se trata de um ato cruel, que vai contra as leis da natureza. Será que largar a ninhada na rua é menos cruel? A esterilização não serve apenas para impedir crias indesejadas: ela também aumenta a expectativa de vida e reduz os riscos de infecções e o aparecimento de tumores, além de acabar com as demarcações de território. A cirurgia é simples, rápida e indolor.

6) Animais substituem brinquedos
O ursinho de pelúcia do seu filho tem necessidades e interesses próprios, dá trabalho por 20 anos e te obriga a gastar dinheiro com ração e veterinário? Então, tire essa ideia da cabeça! Bigodes e focinhos são seres vivos e sensíveis, não bonecos que a gente descarta quando ficam velhos. E dependem de cuidados, já que não cozinham a própria comida, não tomam ônibus até o hospital e não puxam a descarga para se livrar do coco.

7) Telar as janelas é frescura
Ao contrário do que imagina o senso comum, gatos caem de prédios perseguindo borboletas ou, simplesmente, porque perderam o equilíbrio. E se arrebentam inteiros! Na maioria das vezes, não há segunda chance (muito menos sete). Bichos que passeiam sozinhos pela rua também correm riscos: eles podem ser envenenados por vizinhos descontentes, atropelados por motoristas apressados, contaminados por doenças sérias. O planeta anda caótico demais para acreditarmos no mito da liberdade animal, né?

:: Abrigos não são lugares perfeitos
- Eles não recebem incentivos do governo, vivem superlotados e dependem de doações sobreviver.
- Por mais boa vontade que os voluntários tenham, fica difícil dar atenção, carinho, guloseimas e brinquedos para todo mundo.
- Em populações numerosas de cães e gatos as brigas se tornam constantes.
- Quando um animal pega uma doença contagiosa, o grupo inteiro se contamina e o controle vira um inferno.


* Texto escrito para a revista AnaMaria, da Editora Abril.

22 comentários:

Lúu Novaski disse...

É a Guda ai de boca aberta??

Lúu Novaski disse...

Vou criar uns flyers bem maneiros desse seu texto e distribuir por ai :D

Anônimo disse...

Owwww que lindos, amei o texto, mas os peludos estão de mais. Quem é esse de rabo peludo?
Bjs
Rose

Regina disse...

Amiga, o último item deveria ser " abrigos SÃO lugares perfeitos" já que a lista é de mitos, não é? Abraços!

Repositório disse...

Muito bom!!!!
Parabéns pela matéria!

Cristina disse...

Oi Bia!!!Que vontade de estar ai no meio dos bigodes!!!!Amooooooooooo... que coisa mais fofa,sinto o cheirinho deles!!!

Beijinhos em todos!!!

Amor e Miados disse...

aqui em casa, tenho um gato adotado quase com um ano de idade, SRD orgulhosamente, castrado, criação 100% indoor, um dos espiritos mais nobres e uma das melhores personalidades que já tive o prazer de conhecer em minha vida :)

não troco ele por nenhum sangue azul e a opção de tê-lo ao meu lado tb me compromete a dar tudo o possivel para que a vida dele seja feliz comigo tb

muito bom o post e lindissima a foto com os filhotes :)

ValLindinha disse...

Posso usar esse texto com os devidos créditos no seu blog? Acho perfeito e importantíssimo para a posse responsavel

Anônimo disse...

Que foto linda!!!!
São as Gudinhas?
Ótimo texto.
Abs.
Ana - Araça

mcrdg disse...

Oi amei o blog sou gateira de santos tenho 7 peludos sendo que 5 ficaram na casa da minha mãe quando casei dai adotei mais 2...quero mais um mas eu e minha filha Gabi estamos em processo de convencer meu marido...sou louca por um amarelo igual ao simba nunca tive um amarelo, mas se um dia um cruzar meu caminho pego com certeza...vou acompanhar o blog amei =^.^=

Dyzinha disse...

Parabéns Bia, ficou ótimo o texto!
tentei adotar o frajola pra fazer cia pra Buffy ( que está aqui disputando o teclado comigo) mas ele só faz é brigar com ela, e sendo ele o triplo do tamanho dela, acho que vou desistir, a coitada tá até com medo de sair de casa...rs... vou deixar comida pra ele bem longe da area dela, e ele ficar por aqui até ela ficar maiorzinha bem, senão ampem. Até eu fiquei com medo dos xiados dele pra cima dela...rs...

Bruna disse...

Otimo texto!
Aconteceu algo horrível comigo essa semana, não tem a ver com o post atual mas serve de alerta pra quem tem os peludos em casa. Eu estava saindo "atrasada" como de costume para o trabalho, entrei no carro na garagem e vi q esqueci o celular, entrei correndo pela sala e nem percebi que deixei a porta entre aberta, voltei para o quintal, tranco a porta, entro no carro (até então eu achando que meus 3 bichanos estavam seguros dentro de casa), dou a partida e saio, do nada escuto um berro de um gato e senti o carro passando em cima de alguma coisa, pronto, minhas pernas amoleceram, desco do carro e procuro sangue, eu já chorando desesperada procurando, meu mais novinho, o Simba, de 4 meses, encolhido no canto da garagem, ai vc já adivinha, nem fui trabalhar, corri pro veterinário! No q deu? 3 costelas quebradas e uma pequena hemorragia interna, eu completamente traumatizada com o carro e com o maior remorso do mundo... Acho que foi um dos dias mais aterrorizantes da minha vida... Graças a Deus ele sobreviveu e estou cuidando dele para melhorar... Só contei isso pra tomarem cuidado, que por um descuido meu por deixar a porta 1 segundo aberta, atropelei meu próprio bebe. Tomem muito cuidado com carros e garagem, eles se enfiam que a gente nem vê! E olha, vcs nunca vão querer passar pela situação que eu passei.

Veri Gravina disse...

Bia, Como voce juntou todos os peludos na almofada? E Quem eh um siamesinho de costas?

Amei o texto. A parte do racismo eh a melhor: que catzo esse povo querendo os louros anglicanos!!! Argh.

Rose disse...

Tenho 10 cães, por acaso 3 deles são de raça. Em nada diferem dos outros. Todos tem um tipo de inteligência especial, como os humanos, e todos são capazes de aprender tudo que se tenha vontade e paciência para ensinar. O bebê mais novinho veio para nós ao 37 dias, uma lindeza de imensos olhos azuis e uma capacidade de fazer cocô espirrar por toda a casa que nos pôs loucos por vários meses. O bebê que adotamos com mais idade, veio para nós aos 5 ou 6 anos, uma lindeza sofrida e sóbria, que aos poucos deu lugar a uma cadela maravilhosa. A idade, como nos humanos, não faz diferença. E minha expriência concorda: um cão dá infinitamente mais trabalho do que 2, ou 3... OK, 10 já dão um pouco mais de trabalho. Como animais gregários que são, sentem-se melhor em matilha. Se não houver outros cães, a matilha vai ser a família. Portanto, se tiver um cão, adote logo outro, sua vida vai ficar mais fácil. E abrigos são lugares muito tristes. Como orfanatos.

Regina disse...

Meu deus, Bruna. Eu sempre estou com pressa, e morro de medo que algo assim aconteça. Eu sou tão aterrorizada com essas coisas , que cada vez que saio de casa checo de novo e de novo aonde as minhas duas estão, e só tranco a porta sabendo exatamente aonde ficaram... Pena que aconteceu, e que bom que seu gatinho vai se recuperar! Só pense em coisas boas agora!

Beatriz Levischi disse...

A repercussão deste post nas redes sociais me impressionou. Os bigodes e focinhos genéricos agradecem a divulgação, pessoal. :)

Eu devia ter legendado a foto, né? São as gudinhas com a Guda (de boca aberta) e a Clara (grudada nela). Ah! E a dona do rabo peludo, de costas, é a Pufosa.

Ninguém consegue juntar os dez bigodes de Gatoca, Veri. rs

Regina, o box dos abrigos não faz parte da lista dos 7 mitos. Pode ver que ele não está numerado.

Autorização para republicar a matéria concedida, ValLindinha. ;)

Dyzinha, se você quiser ficar com o frajola, deve colocá-lo para dentro, levar para castrar e vacinar, esperar que ele se acostume com a casa e a família novas e, só então, tentar a adaptação com a Buffy. Parece trabalhoso, mas o olhar de gratidão que o peludo lançará para você todos os dias, durante anos a fio, fará o esforço ter valido a pena, acredite.

Seja bem-vinda ao blog, MCRDG!

Bebês são terríveis mesmo, Bruna. Como o Simba está?

Regina disse...

Oi, Beatriz! Desculpe, pensei estar ajudando. O seu blog é muuito legal!!!

Beatriz Levischi disse...

Pode puxar a orelha sempre que você achar que deve, Regina. Eu sou cuidadosa, mas também tropeço. ;)

Thiago França disse...

PERFEITO. É isso e mais coisas que falo para as pessoas, como limpam as orelhas uma das outras, se grudam no frio etc etc etc as minhas 3 tem 3 anos e nunca ficaram doentes.

Beatriz Levischi disse...

Animais de rua são mais resistentes mesmo, Thiago. Caso contrário, não durariam uma semana.

Anônimo disse...

Oi, Bia!

Curiosidade que "não" matou o gato (eeeeh) ou "a pergunta que não queeeer calar", como queira: você que puxou a orelha do seu Gilberto Braga na tirinha da Ana Maria (não é a Braga, é a Revista mesmo, rss)?!

Espero que sim, eu e uma montanha de gateiras ficamos no aguardo pela resposta, he he he!

Tomara que a Editora "Abril" tenha "aberto" os olhos de muitas grávidas pra não caírem em tamanho besteirol televisivo.

Gateiras e Gateiros: crescei e multiplicai-vos!!! Nas Editoras, inclusive!

Leila Piffer =^:^=

Beatriz Levischi disse...

Fora a escrita, eu não tenho nenhum dom artístico, Leila. Mas fiz campanha para as meninas abordarem o assunto no site e na revista, sim. Afinal de contas, estamos falando de 1 milhão de leitoras-noveleiras atingidas só com a versão impressa, né? ;)