.
.

27.7.16

Receita para mudar hábitos alimentares

O título deste post poderia terminar em "hábitos", admito. Mas, como nós conversamos entre gatos e cachorros (e pombas e ovelhas e perus e lagartixas), achei melhor focar nas panelas. Para revolucionar o ato de comer é preciso quatro coisas: força de vontade, porque a tentação e o comodismo gritam conosco tempo inteiro, criatividade para substituir o que não cabe mais no prato (ou no bolso ou nos pneuzinhos), apoio de quem a gente ama e uma causa forte o suficiente para não desanimar.

Vegetariana há 9 anos e meio, eu tenho compartilhado os desafios do veganismo no Facebook, com os restaurantes bacanas que pipocam por São Paulo e as receitas que nem sempre dão certo aqui em casa. E vibro a cada relato de amigo que se animou a adotar a "Segunda Sem Carne" ― porque há que se começar de algum lugar, né? Bora incentivar o pessoal contando como foi (ou está sendo) a transição de vocês? :)


Zahra, criada na mamadeira pela Natali Zarth

7 comentários:

Vanessa disse...

Sou vegetariana há 11 anos e vegana há 2 anos e meio. Mas admito que com o veganismo é bem mais difícil algumas coisas, nem sempre relacionadas a alimentação, mas com produtos de higiene, beleza que nem sempre conseguimos substituição. Mesmo algumas vezes consumindo produtos por falta de opção melhor (veganas e acessíveis), levo pra vida o que li uma vez a respeito:

"Veganismo é uma filosofia e estilo de vida que busca excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade contra animais na alimentação, vestuário e qualquer outra finalidade; e por extensão, que promova o desenvolvimento e uso de alternativas livres de origem animal para benefício de humanos, animais e meio ambiente".

Também acho hoje em dia que o melhor ativismo que fiz em favor dos animais foi através do exemplo, pois naturalmente atraímos o interesse das pessoas em conhecer este movimento. Chegar com o dedo em riste como muitos fazem só afasta as pessoas da causa. Por isso tb apoio o Segunda sem Carne e acho magnífico cada pequena mudança, por exemplo, empresas que não são veganas começando a se preocupar em desenvolver alternativas veganas em suas linhas.

Minha saúde está boa, meu único problema é com a vitamina D, aquela do sol, pois aqui em Curitiba mal conseguimos supri-la (mesmo quem come carne e encontra esta vitamina em carnes tb tem problemas, o índice é bem preocupante em regiões frias e com pouco sol anual). É só esse o meu problema no momento, pois mesmo suplementando com suplemento vegano importado, sem sol suficiente pra absorção não tenho conseguido manter os níveis normais.Fora isso, está tudo bem :-)

Denise Pinheiro disse...

Querida Bia
Há anos eu venho percebendo que não gosto mais de carne. O paladar foi refletindo o que a consciência sentia... E fui diminuindo, diminuindo... Tem sido natural e sem sofrimento: não sinto vontade e vou chegar ao consumo zero. Gostaria que fosse assim para mais gente, para que fosse mais fácil a mudança de todo mundo que quisesse parar de consumir carnes.
O leite e os ovos eu ainda mantenho, por serem a base da confeitaria! Adoro doces e escolhi continuar com eles.

Beijo
D

Anônimo disse...

Estou fazendo exatamente como a Denise. Dá mais certo do que radicalizar.

Tati disse...

Comigo foi assim: um dia eu olhei ao meu redor na empresa onde trabalhava e vi aquelas várias pessoas em suas baias (e eu inclusa), exatamente como as vacas em suas curtas vidas até o caminho do abatedouro. Aquilo foi um despertar chocante e na sequência veio o nojo de todos os tipos de carne. Foi uma transição fácil para o vegetarianismo e instantaneamente notei os benefícios, me sentindo mais leve e alegre. Logo meu marido, também consciente, parou de comer carne. Agora flerto com o veganismo mas ainda não "virei a chavinha". Ainda chego lá, seguindo seus passos. ;)

Érika disse...

Sou vegetariana há 17 anos (ainda não consegui ser vegana). Eu sempre me sentia mal comendo carne, meio culpa, nojo, sei lá. Até que um dia pensei "por que ainda continuo comendo isso se nem gosto tanto assim?". Dai parei. Hoje em dia temos muito mais opções vegetarianas, mas há quase 2 décadas atrás, era bem complicado sair pra comer. Mas foi a melhor decisão que tomei na vida. :)

Lea disse...

Ovolactovegetariana há 28 anos, lutando bravamente pra me tornar vegana de vez. Mas a intolerância com essa "frescura" hj é bem menor. Infelizmente a casa de ferreiro o espeto é de pau; meu filho de 20 anos só come se tiver carne...já tentei conscientizar mas isso é uma escolha muito pessoal.

Cristina Almeida disse...

Eu acho que nasci vegetariana, odiava carne quando criança nos anos 70/80 e meu pai me obrigava a comer. Mas nunca comi muito por não gostar mesmo. Daí quando comecei na yoga virei vegetariana e tive anemia profunda, fiz transfusão de sangue e por isso voltei a comer. Sempre fui meio anêmica... a vermelha cortei total. Atualmente como muito pouco e fico 2 a 3 dias da semana sem carne. Adorei a segunda sem carne e adoro este blog.