.
.

5.2.13

Santa Inguinorança 7

Eis a primeira edição de 2013 das perguntas deduradas pelo Google Analytics que não cansam de trazer "gente diferenciada" ao Gatoca:

Como podar gatos?
Escolha um penteado que combine com o rosto do bigode neste blog.
Onde encontrar botijão de gás sorrindo?
Do outro lado do arco-íris, atrás do pote de ouro.
Quanto tempo uma gata castrada pode ficar fora de casa?
Depende do poder aquisitivo da bichana.
Há medicamento injetável de vermes?
No Brasil ainda não, mas você pode fazer o tratamento via oral.
Por que meu gato come ração xiskas e está doente?
Provavelmente porque os nutrientes chisparam da embalagem.
Existe simpatia para curar diarreia em gatos?
Coloque ração de boa qualidade na encruzilhada de dois cômodos, compre uma caixinha de vermífugo rosa e peça para um veterinário de confiança "exorcizar" o animal.
Como funciona uma cirurgia paraplégica?
Com cadeira de rodas manual ou motorizada?
Se a gata deu cria na cama, eu tenho que jogá-la fora?
Eu deixaria de herança para os bebês...
Onde fazer cirurgia de retirada de pênis?
Na penitenciária mais próxima de sua residência.
Como cuidar de furungoem?
Primeiro, é preciso saber o tipo de furungoem, lembrando que há os imaginários e os resultantes de 512 anos de sistema educacional deficitário.

Leia também:
:: Aprendendo a fazer buscas
:: Santa Inguinorança
:: Santa Inguinorança 2
:: Santa Inguinorança 3
:: Santa Inguinorança 4
:: Santa Inguinorança 5
:: Santa Inguinorança 6

12 comentários:

Larissa Veloso disse...

Oi Bia, tudo bem?
Você sabe que eu sou uma leitora quase fanática do Gatoca há uns 3 anos (aliás, sinto falta de textos mais longos). Mas confesso que sempre me sinto incomodada com essa seção.

E como estamos num espaço democrático, eis a minha opinião:

O que eu penso é que nós (eu, você, a maioria dos nossos conhecidos) somos pessoas muito privilegiadas nesse país. Nós tivemos acesso à escola, temos boa capacidade de aprendizado, tivemos pais que nos incentivaram a leitura (pelo menos no meu caso) e tivemos acesso ao ensino superior.

Além disso, somos jornalistas, temos a língua portuguesa como objeto de trabalho, o que nos dá o privilégio de saber muito sobre coesão textual e regras gramaticais.

Mas a maioria das pessoas não teve condições tão boas na vida. Muita gente não teve oportunidade de estudar, porque tinha um trabalho integral aos 12 anos. Outros até estudaram em bons colégios, mas têm problemas cognitivos. Outros ainda acabaram focando totalmente em outras áreas, por causa da dificuldade com o português e com as matérias de humanas.

Então quando a gente aponta o dedo e critica uma pessoa que não sabe escrever "Whiskas", a gente está fazendo isso de uma posição muito superior a elas, e isso, na minha opinião, é extremamente cruel. É como se você visse um cara sem um braço na rua e começasse a rir porque ele não consegue fechar o zíper do casaco.

Nós não conhecemos as pessoas que fizeram essas perguntas. Mas eu já conheci pessoas maravilhosas que têm tanta habilidade com textos quanto eu tenho com uma britadeira. E o que mais me dói é que isso é extremamente embaraçoso para elas.

Minha avozinha linda, por exemplo, nunca respondeu nenhuma das cartas que eu mandei, porque ela morre de vergonha de ser semi-analfabeta.

Essas pessoas sempre fizeram parte da nossa vida e tentaram esconder o fato de não dominarem a língua como nós (sem duplo sentido, please). Mas agora elas ganharam um computador, no qual podem perguntar e errar sem que ninguém veja e julgue.

Elas podem entrar no Google sozinhas no quarto e aprender, clique após clique, o que fazer com a gata que deu cria, porque o cachorro vomitou, ou até onde comprar aquela ração que o moço do supermercado falou que é boa, mas que ela não entendeu direito o nome e teve vergonha de perguntar.

Beatriz Levischi disse...

Lari, eu trabalhei nas maiores ONGs de educação do Brasil, escrevi para as principais publicações sobre o assunto e hoje tenho o privilégio de ajudar a melhorar a vida de 1 milhão de mulheres da classe C que leem a revista AnaMaria, da Editora Abril, semanalmente.

Aqui no Gatoca, ainda ofereço informações superapuradas sobre como cuidar de bigodes e focinhos, além de conscientizar o pessoal a não virar as costas para os bichos que esperam ansiosamente pela oportunidade de ganhar uma família de comercial de margarina.

O "Santa Inguinorança" é uma brincadeira, porque nem tudo na vida precisa ser árido. Quando qualquer criatura me envia um e-mail pedindo socorro, eu paro o que estou fazendo para responder, com o maior carinho do mundo. :)

Post em Branco disse...

Sou engenheira e técnica em processamento de dados. Duas das mais estéreis carreiras na área de leitura e redação.

Estudei em escola pública, e gosto de ler. Inclusive gibis.

Devo me sentir privilegiada? Ou posso ainda me considerar uma pessoa normal por falar e escrever corretamente no meu idioma?
Faça um favor, Larissa, menos mimimi, que esse mundo já está chato demais sem reclamações como as suas por aqui.

Suzana Tamassia disse...

Essa é a melhor coluna de Gatoca (brincadeira, todas são ótimas, mas essa é muito boa!! Morro de rir!)
Com tanta tragédia no mundo, fotos de gatos e cachorros estrupiados no facebook, história aterrorizantes de maus tratos, nada melhor que uma dose de descontração!!

Larissa Veloso disse...

Na verdade sim, "Post em Branco". Você pode se sentir privilegiada porque é parte dos 8% da população brasileira que teve acesso ao ensino superior, ou dos 50% que conseguiu terminar o ensino fundamental.

O que eu disse é só a minha opinião. Eu realmente acredito que piada sobre a santa inguinorança alheia não tem graça. Se vocês têm o despreendimento de rir disso, faz bem para o coração.

Se estiverem interessadas em refletir mais sobre esse assunto, dêem uma olhada nesse vídeo. Traz o depoimento de vários artistas e humoristas sobre o que nos faz rir.
https://www.youtube.com/watch?v=PRQ1LuBWoLg

Ah, e Bia, que tal publicar um post com dicas de como tirar fotos de gatos? As modelos aqui de casa não colaboram nada e as suas fotos sempre saem tão lindas!

Rose disse...

Daqui a pouco alguém vai pedir para a vítima desculpar-se com o ladrão. Sabe como é, a vítima teve oportunidades...

Anônimo disse...

Pelo amor, vamos dar risada, descontrair seja de situações ou de quem fala e escreve certo ou errado. E daí? Acho que tem coisa mais importante prá gente fazer, por ex.vamos cuidar dos gatos.
Todo mundo está sujeito a isso, até mesmo os graduados e pós graduados já cometeram uma gafe na linguagem. Grande coisa. Em tempo, sou graduada em Direito e dane-se a norma culta fora do meu expediente. bjs

Beatriz Levischi disse...

E viva as diferenças! :)

O segredo de um bom clique animal é a persistência, Lari. Cada foto que você vê aqui no blog tem umas 50 irmãs ruins. rs

RavenClaw~ disse...

Meu Deus. Como eu passei tanto tempo na minha vida sem o seu blog? Que post ótimo! Vou postar no meu facebook! Huahua adorei. Parabéns!

Marilia disse...

Cho-rei!!!!!
Quanta coisa inacreditável!

Adrina disse...

O que eu acho engraçado é imaginar o que as pessoas estavam pensando quando digitaram isso! Bujão de gás sorrindo???

Rita disse...

Eu ouvi semana passada: me disseram que aquele barulho (ronronado) do gato passa doença. Ai o Saraiva encarnou em mim e fui obrigada a dizer: pelo amor de Deus criatura, estamos em 2013, aquilo é ronronado, pdoe ser de felicidade ou qdo estão doente.
Santa nada, é burrice mesmo.