.
.

7.4.09

Hay que endurecer, pero sin perder la ternura

Eu não pretendia contar esse causo, porque sei que os leitores do Gatoca preferem protagonistas de bigode. Mas como a Débora perguntou nos comentários, aí vai:

Quinta-feira retrasada, a caminho da academia, eu quase fui atropelada por um cachorro desgovernado. A maioria das pessoas juraria que o filhotão Duracell fugira de casa. Essa jornalista calejada pensou logo em abandono – com direito à gravatinha amarela, para que o primeiro coração de pudim do bairro se sentisse obrigado a resgatá-lo.

Botei o peso-pesado no colo e saí tocando as campainhas da rua. Todo mundo se sensibilizava com a história, mas ninguém podia ajudar. Suspeito que os arquitetos modernos andam cometendo a gafe de projetar mansões sem banheiros. Passei também em vários pet shops e veterinários (esses, por incrível que pareça, só faltavam torcer o nariz).

Na última tentativa, a moça da recepção confirmou que o focinho havia tomado banho lá, bem no dia anterior. Ligaram para a responsável, só que ela que estava ocupada demais para atender o telefone. Vinte minutos depois, enquanto eu encarava o rostinho machucado do pequeno, já pensando em desistir da busca, a fulana retornou.

Fiz questão de entregá-lo pessoalmente, graças à carona de uma cliente da clínica, para avaliar as chances de nova desova, em local ainda mais distante. Eis que Obama havia mesmo escapado. E fora recebido com festa, por uns seis indivíduos diferentes. Eu perdi a musculação (e a fisioterapia*), mas minha esperança na humanidade ganhou duas colheres de açúcar àquela tarde.

*Joelho direito e esquerdo resolveram tirar férias juntos, por tempo indeterminado, após quatro anos de dedicação exclusiva ao flamenco. :\

13 comentários:

Fabiana - Mopi Bichos disse...

sorte sua... eu acredito cada vez menos. tem um cachorro que foi abandonado numa praça aqui perto, um fofo, bem pequeno, peludo, carinhoso. uma moça colocou ele pra dentro de casa, e surpresa! como ele fugia pra passear, em vez de castrar e trancar o portão, ela botou ele pra fora... agora ele fica numa casinha numa escadaria, o vigia da rua põe água e comida pra ele... uma fofa essa moça, né?

Marianne disse...

Poxa, que bom que esse cachorrinho teve um final feliz! Uma vez encontramos um poodle na minha rua e saímos com ele no carro procurando o dono. Sim, ele estava de gravatinha. E entrou todo contente no carro como se estivesse bem acostumado a isso. Não encontramos o dono e ele passou a noite na minha casa. Na manhã seguinte ele foi à veterinária, que viu que o pobrezinho era velhinho e tinha uma doença que eu não me lembro qual. O coitadinho morreu naquele mesmo dia. E a veterinária nos contou que é bem comum o golpe da gravatinha. Fiquei com ódio mortal dos cretinos que se desfizeram do cachorrinho só porque ele estava velhinho e doentinho, à beira da morte.

Desculpe-me pelo comentário gigante.

Louca dos Gatos disse...

que maravilha bia! sábado fui eu, que "colhi" três gatinhos de uma árvore na vila mariana: kiwi, figo e amora. foram castrados hoje! a gente atrai... vai por mim!

Louca dos Gatos disse...

hahaha eu vou tirar amanhã. são 2 machos pretos lindos, macios e carinhosos e 1 frajola no cio. ainda bem que não estava grávida. foi um sufoco. todos no carro sem caixa de transporte =D. mas pelo menos estão salvos ;)

Angelique disse...

Olá. Vc foi o primeiro blog que visitei quando estava montando o meu e me surpreendo com vc e suas estórias ou digo histórias? afinal são reais não são? Sou sua fã e seguidora, silenciosa mas sempre que posso te visito e gosto de ler você. Parabéns por tudo e uma Feliz Páscoa. Fique com Deus e muita paz e amor em seu coração. Lambidas da Nina e da Missy

O Time do Tigor disse...

Em outros países, o cãozinho estaria microchipado (mais por cuidado dos donos que o amam do que por exigência de lei), e na primeira pet shop teria sido possível descobrir quem era a família dele.

Por aqui, quem gasta R$ 50,00 para ter essa segurança para o seu bichinho?

Beijos,
O Time do Tigor

Jon Levischi disse...

Finalmente um caso que surpreendeu e não foi para o lado negativo!
Esse mundo ainda tem jeito, certeza...
E o que me faz acreditar com mais força, é ver gente como você, Bia!
:o)

Guiga disse...

É...o final foi feliz mas eu acho que se eles estivessem preocupadíssimos atrás do cachorro a pet shop já saberia, né! Mas bem...quem sou eu pra julgar! Pelo menos ele voltou ao lar!
Tem coisas que só a Bia faz pela humanidade! E espero que tu conserte os joelhos! ;)

disse...

ai, que sorte desse bicho! :)

Anônimo disse...

Sortudo esse cachorro, parabéns pela sua atenção ao fucinho.Feliz Páscoa. Thereza e peludos

d_bonnie disse...

Muuuuuuito obrigada pelas notícias do Obama, nós aqui da escola ficamos muito felizes.

Débora e Rafael.

Admiro muito seu trabalho, espero que existam mais pessoas como você no mundo. Sonho com o dia em que terei condições de fazer este tipo de trabalho.

Beatriz Levischi disse...

condições ninguém tem, débora. sempre vai faltar tempo, espaço ou dinheiro. mas a gente acaba cedendo ao coração. e ajuda sem pensar muito.

Suênia disse...

Parabéns Bia!