.
.

19.2.08

PCC: pânico em Gatoca

Essa madrugada, Mariana me acordou segurando o celular com uma mão, contando o dinheiro da carteira com a outra e dizendo que era um seqüestro. Sem entender como alguém podia ter pego o Mercv e ainda querer resgate (graças ao crachá de funcionário do mês), fui atender o telefone fixo já com tremedeira. Do outro lado, "Bruninho do PCC" ameaçava dar um tiro na cabeça do meu irmão. Opa! A sonolência, aliada ao coração de mãe, me fizera incluir bigodes inexistentes na história.

E nós acabávamos de virar estatística: tratava-se do velho golpe do terror psicológico, aplicado por bandidos de dentro dos presídios (!), que costumávamos criticar quando algum ingênuo morador de Marte caía. Sorte que recebi esse spam umas 200 vezes e consegui falar com o João, enquanto me fingia de autista para o Bruninho. Mariana confessou, porém, que ouvir o cidadão chorando desesperadamente e repetindo que ia morrer, como se fosse um parente nosso, deixa os nervos em frangalhos e você esquece completamente a razão.

Bando de filhos da puta que tiraram meu sono (e o do Mercv)!

7 comentários:

Tati Mentzingen disse...

puta sacanagem isso. Ainda bem que você é espeta!

Desejo noites mais tranquilas para você!

Camila disse...

Gaaata, que punk! Melhoras pros nervos de vocês...

Gabi disse...

Acredite se quiser: ontem ligaram pra minha mãe e falaram que tinham me sequestrado... ela me ligou assustada e depois desligou na cara do bandido. Yeah!

Anônimo disse...

Bom, nem vou começar o meu discurso "Que país é esse?" e "Ninguém merece".
Ainda bem que, pelo menos, vc não está nas estatística de quem caiu no golpe.
Idiotas, Babacas!! Eu me revolto com isso!!!!!!!
Kalu

Lina Gatolina disse...

Aqui no interior ainda não tem disso. por enquanto.
Denise

Anônimo disse...

oi Bia, já passei por isso tb... e o cara ainda disse que ia matar meu filho (coisa que não tenho), morrendo de sono respondi: "isso, mata mesmo esse FDP que só me trás desgosto"... o cara desligou na minha cara!!!! nunca mais recebi trote!

Beatriz Levischi disse...

A coisa parece boba vendo de fora, mas os caras gritam de um jeito com a gente, que os nervos ficam completamente à flor da pele. Horas depois, meu coração ainda palpitava. :\