.
.

25.1.08

Carta à dona Lourdes (ou Um dia de fúria)

Acabei não contando que, apesar de sair de mãos abanando do cortiço quinta-feira passada, consegui convencer dona Lourdes a entregar a ninhada recém-nascida na semana seguinte (quando os filhotes estivessem mais fortinhos) e a castrar os esqueletinhos* restantes na outra. Hoje, Susan foi buscar os pacotinhos. Eu ficaria responsável pelas cirurgias. Para a minha surpresa, porém, a velha confessou-lhe que preferia que alguém menos insistente, e que não lhe enchesse de cobranças, o fizesse. "O Roger [marido da Meg incumbido de levar ração duas vezes por semana lá], é que é amigo", comentou. Fiquei com vontade de chutar o portão e dizer-lhe um monte de verdades. Mas só os gatos sairiam perdendo. Resolvi, então, escrever esse desabafo (já aviso, de antemão, que tenho sangue correndo nas veias e não pretendo, nem de longe, ser politicamente correta):

Cara dona Lourdes,

Gostaria que a senhora soubesse que tirei os R$ 77 da primeira compra de supermercado que lhe entreguei do meu bolso, quando estava sem freelas há dois meses. Também arquei com o custo do primeiro saco de ração Cat Meal, que pesava incarregáveis 30 kg e só era vendido em São Caetano. Naquele domingo em que nos conhecemos, deixei de almoçar com o meu namorado na Paulista para buscar comida para os seus gatos esqueléticos em São Bernardo. Nem o jantar desceu, de tristeza. Liguei para Deus e todo mundo, procurando uma ONG que pudesse acolher 30 corpos doentes e famélicos. Ignorava as mazelas da proteção animal. Recorri, então, às listas de discussão, quando Meg me colocou em contato com a Susan, que ofereceu uma visita para diagnosticar a situação do cortiço e acabou abraçando o caso com o maior coração do universo. Continuei articulando parcerias, captando doações, divulgando apelos, prestando contas aqui no Gatoca. Consegui um quadro de R$ 1,2 mil para organizar a rifa dos bigodes famosos e vários Frontlines da Merial. Enquanto a maioria dos meus amigos passeava nos finais de semana, eu agüentava suas mudanças de humor, rodeada de baratas, numa espelunca cheirando à urina. Perdi a comemoração de aniversário do Eduardo para te levar cesta básica. Ainda gasto boas horas do meu dia com essa novela porque sonho em dar às vidas que a senhora coleciona, sem a menor condição e bom senso, um pouco de paz. Detalhe: sou jornalista e não protetora. Talvez, agora, a senhora me julgue melhor. Ao menos pense com carinho.

Beatriz Levischi



*História completa dos montinhos de ossos da dona Lourdes, constantemente atualizada.

13 comentários:

mlicursi disse...

Realmente...
desanima...

Mas que desabafo, hein?

beijo

Anônimo disse...

Já pensou em denunciar essa mulher pra Luisa Mell?
O que ela está fazendo com esses gatos é crime! Ela já foi ajudada e não quer saber, então acho que está na hora de tomar medidas mais sérias a esse respeito... talvez uma denúncia e a polícia obrigue ela a deixar retirar os gatos...

Patricia Massuia

Anônimo disse...

Aqui no interior qdo alguém quer fazer barulho chama uma emissora de Tv. A equipe de reportagem, que adora sensacionalismo,se encarrega de fazer o escândalo merecido.
Ligue já.
Denise

cris disse...

Infelizmente, eu acredito que a situação da Dona Lourdes é irreversível. Mesmo castrando todos os gatinhos e tirando-nos de lá, acho que em pouco tempo ela arruma um monte de gatos de novo, para viver nas mesmas condições. Isso porque ela não vê problemas na maneira como os gatos vivem, nem na maneira como ela vive. Difícil dobrar uma senhorinha com tanta idade...

Anônimo disse...

Eu acredito que seja difícil de dobrar sim, mas a idade não é justificativa pra tamanha crueldade. Mesmo porque não acredito que haja tempo dela arrumar mais gatos, uma vez que o imóvel está à venda e aquele parente dela quer desocupar o lugar. Temos que pensar nos gatinhos que estão sofrendo, porque a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, que é o deles, que não podem se defender. A ajuda já foi ofertada e ela não quis, se ela tem saúde mental pra entender o que acontece, recusar ajuda e ainda reclamar, também tem saúde mental pra responder pelo mal que faz a esses pobres gatinhos. Acho uma boa mandar a história pra produção do programa late show.

Patrícia Massuia

Juliana disse...

Respire fundo e tente pensar que no final de tudo voce tera conseguido fazer MUITO pelos gatos. Gente louca eh assim mesmo. Seus degrauzinhos no ceu estao garantidos, e poder dormir com a consciencia tranquila eh o mais importante de tudo. Cada um que arque com as suas consequencias. E quanto ao LateShow, tambem sou a favor, mas pra chamar a atencao para o problema dos gatos, porque acho que no final ela pode acabar saindo na fita como coitadinha...
Sei la...
Forca aih.
Beijo,
Juliana.

Kdmeuratinho disse...

velha ignorante hein?!
Devia ter falado isso na cara dela.
Coragem!

P.S. Que bom que o gianechini nao foi devolvido =)

Beatriz Levischi disse...

Estou melhor, gente! Obrigada pela força. :)

Quanto à denúncia, precisamos da colaboração da dona Lourdes porque não temos onde enfiar dez esqueletinhos de uma vez. Nosso trabalho, nesse caso, é de formiguinha. E sabemos que existe grande possibilidade dela acumular mais gatos, mas não conseguimos nos furtar a ajudá-los por isso. Nenhuma vida merece morrer naquele cortiço.

Vi Voce disse...

Beatriz, eu acho que ela está usando estes gatinhos pra obter ajuda de vocês. Acho isso pelo fato dela querer ficar com 3, ou seja, sempre haverá um elo. Vcs não vão conseguir deixá-los para trás, sempre buscarão notícias e levarão alimentos.... Nossa, se eu pudesse ficaria com um, mas moro há 300 km de distância e um gatinho neste estado, nem aguentaria o stress da viagem.

Força!!!
Luciana

Anônimo disse...

Eu também acho que a D. Lourdes está usando os gatos para obter ajuda, e que de boba ela não tem nada. Eu sugeri o Late Show porque todas as vezes que eu vi eles resgatando animais de maus tratos, eles arrumaram abrigo para os mesmos.Assim, acho que caso seja feita a denúnia, eles não deixariam os gatinhos ao deus-dará. E eles também prestam assistência veterinária aos animais. Sei lá, fica como sugestão de uma alternativa. Mas sinceramente, estou ficando com raiva dessa mulher.
Bia, paciência, vai dar tudo certo.
Beijos

Patrícia Massuia

Anita disse...

a velha historia da velha louca rodeada de gatos. nao sei de quem tenho mais dó se da velha ranzinza ou dos gatos... acho que dos gatos.
te invejo! queria ter essa força!!
parabéns!!

Anônimo disse...

Hoje dia 22.09/2010 recebi um email de uma amiga protetora , a qual denuncia a Dona Lourdes como uma bruxa malvada, disse que tem uma empresa ao lado da casa dela que já denunciou e que é normal ver ela batendo nos caozinhos, inclusive contou que um dia ela ficou batendo na carinha de um cachorrinho e ele ficou gritando e mesmo depois de parar ele continuou gritando. CHEGA NÉ PESSOAL!!!!!! concordo que todo mundo fala , mas ninguem recolhe os animais que estão por aí.Agora ter os bichinhos para maltratar ou para se promover em cima.Como faz???? denuncia??? e quem vai lá resolver???

Beatriz Levischi disse...

Essa dona Lourdes não é a mesma dos esqueletinhos. A dona Lourdes que me tirou do sério várias vezes seria incapaz de maltratar um animal. E ela tinha gatos, não cachorros. Sua casa foi vendida no ano passado, aliás, depois que a Susan (AUG) resgatou os últimos bigodes. Quanto à denúncia, dá uma olhada no site da PEA: http://www.pea.org.br/denunciar.htm.