.
.

7.9.18

12 anos

Enquanto eu lia o pedido de ajuda encaminhado pela Fê, repetindo as palavras "desespero" e "choro", só conseguia pensar: "Esse casal vai para a Síria. Lutar na guerra". E o texto, de 45 linhas, ainda terminava com: "O coração está partido, mas nossa situação é mais difícil do que aparenta".

Só que, em vez da Síria, o avião pousaria na Itália. E, no lugar da guerra, rolaria um recomeço profissional, com direito a curso para alma. Sem os gatos, claro, adotados filhotes. Um deles, há 12 anos.

Essa é a história do Smely, um vovozinho que adora bolinhas de papel e não pode ver alguém sentado que já pede um colo. Foi acostumado, desde os 3 meses de idade, a passear de coleira peitoral e deixa muito cachorro com inveja.


Jujuba (Clara cover!) completou 6 anos e, apesar de ter sido resgatada morta de forme e sem o rabinho, segue dócil e ronronante.


Os irmãos moram em Bragança Paulista, mas a gente leva aonde precisar se a viagem valer a gasolina. Por favor, ajudem a divulgar: contato@gatoca.com.br. Esta é a imagem de um bicho que não faz ideia de que, em 23 dias, não terá mais família.


Difícil para quem?

12 comentários:

Alexy disse...

O pior de tudo é que nem é tão difícil assim levar os animais para a Itália, eles podem ir até na cabine, junto com os donos... e você paga só uma taxa bem menor que o valor de uma passagem...
Que triste gente assim, viu...

https://www.eurodicas.com.br/viajar-com-animal-para-italia/

Maria disse...

Mas será que não poderiam levar?
Conheço uma pessoa que levou oito e justamente para a Italia

Trio parada dura + duas. disse...

Vou torcer para que encontrem algum amor no coração e levem os dois para a Itália.

Di disse...

Quem quer dá um jeito, quem não quer arruma desculpas. Infelizmente.

Joyce disse...

Pois é eu trouxe duas pra Suíça, não é nada de tão complexo.

Anônimo disse...

É muita falta de compaixão mesmo.
Basta querer e tudo tem jeito.
Na verdade querem se livrar deles...

Claudia disse...

Por favor nos dê notícias.
Coração sangrando aqui...

Unknown disse...

Eu quero moro em Mongaguá litoral sul de São Paulo

Len@... disse...

Ja conseguiram lares????

Andressa Slwczuk disse...

Manda email informando que você quer adotá-los contato@gatoca.com.br

Anônimo disse...

Gente, acho isso muito sério. Alguém sabe a real situação destes tutores? É muito fácil dizer que eles estão indo embora e "largando" seus gatos sem preocupação com eles. Tive um primo que foi para a Europa a trabalho e precisou doar seu cachorro porque a família não pode ficar com ele e onde ele moraria não dava para levá-lo. Foi uma lamentação só e tristeza para os dois. Temos que ter muito cuidado ao apontar o dedo para as pessoas e julgá-los sem ouvir o seu lado da história. Só de ver essas fotos, percebemos o quanto os gatinhos devem ser bem cuidados e amados. Acho que é interessante, ao invés de criticá-los, é procurarmos um lar que recebam esses amadinhos com amor e que possam dar tranquilidade para os tutores, pois se for como aconteceu com meu primo, devem estar com o coração partido. Dá para ver isso, no início do texto da Bia, choro e desespero. Boa sorte a todos.

Beatriz Levischi disse...

Concordo em usar a energia para encontrar uma família bacana para os gatinhos, mas deixo aqui uma reflexão: se fossem filhos humanos, os tutores aceitariam esse trabalho? Para mim, pessoas e animais têm o mesmo peso.

De qualquer forma, podem acalmar o coração: os irmãozinhos parece que conseguiram um lar. Assim que tiver mais infos, compartilho com vocês. :)