.
.

21.3.19

Um gatinho, um pit bull e a animação mais emocionante de 2019

A Pixar me faz chorar desde “Toy Story” ─ e, vocês vão se chocar, “Toy Story” é de 1995! Por isso enrolei para assistir “Kitbull”, curta escrito e dirigido por Rosana Sullivan, parte de um projeto do estúdio para dar oportunidade a novos talentos.


No texto de divulgação, eles dizem que animação retrata a improvável amizade entre um gatinho de rua e um cachorro pit bull. Mas o roteiro vai muito além, abordando com delicadeza questões pesadas como abandono e maus-tratos ─ porque improvável mesmo é a humanidade enxergar outros seres como iguais.

Vale o clique e o chacoalhão.

15.3.19

Inferno astral felino

Vocês podem nunca ter ouvido a expressão, mas, se fizerem uma retrospectiva dos últimos aniversários, provavelmente perceberão um período, diretamente anterior, em que tudo deu errado. Como boa gata geniosa, Clara completa 13 anos de resgate em abril. E seus dias, por culpa do carcinoma, andam assim.

13.3.19

36% para bater a meta!

A edição de março do Gramado da Fama de Gatoca é especial: além da Bárbara Toledo, amiga de 24 anos, tem a Laurinha, apoiadora mais nova do projeto e fã dos vídeos dos bigodes.


E nossa gata-abajur, que já arrumou um jeito de coçar o carcinoma encostando a cabeça no colar e fazendo-o vibrar com a pata traseira.


E 64% da meta do Catarse alcançada!

Obrigada, Adrina Barth, Alice Gap, Itacira Ociama, Regina Haagen, Renata Godoy, Leonardo Eichinger, Irene Icimoto, Tati Pagamisse, Roberta Herrera, Vanessa Araújo, Dani Cavalcanti, Eliane Bortolotto, Samanta Ebling, Bárbara Santos, Marina Kater-Calabró, Sonia Oliveira, Danilo Régis, Marcelo Verdegay, Denise Perin e Patrícia Urbano, Andreia Lyrio e Fernanda Leite Barreto! 💚

Para quem está chegando agora, Gatoca coleciona objetivos ambiciosos de despioramento de mundo e o financiamento continuado permite que, aos poucos, eles se tornem realidade. Nos últimos 12 anos, a gente fez tudo isso. Mas pode muito mais! E os apoiadores ainda ganham recompensas!

Olhem o tanto de amor envolvido nestes bits: www.catarse.me/apoiegatoca.

8.3.19

Dia da Mulher: convite felino à reflexão

Como feminista, ativista e vegana, eu poderia escrever linhas a perder de vista neste 8 de março. Já fiz algumas vezes, aliás. E faço ainda mais nos outros 364 dias do ano. Hoje, então, preferi deixar a Guda passar o recado, com sua delicadeza. Incisiva.

(Continuo colhendo feedbacks sobre a reação das gerações mais novas aos vídeos dos bigodes, para começar a conversa antes do processo de encouraçamento que acomete os seres humanos. Mães, madrastas, avós e tias gateiras, mostrem para seus pequenos e contem nos comentários?)

7.3.19

A arte do acolhimento

Na quinta-feira, enquanto eu editava o vídeo de Carnaval que ironizava a moleza dos bigodes, Clara apareceu com a cabeça escorrendo sangue ─ já contei sobre o carcinoma aqui. E eu não sabia se segurava a gata para parar de se coçar maniacamente, buscava algo para estancar a sangria, limpava as paredes ou chorava.


Acabei fazendo tudo meio que junto, enquanto cortava as garras das 12 patas e a criatura se debatia. Toda vez que o machucado ameaçava secar, ela metia o que havia sobrado das unhas de novo, para meu completo desespero. Até que apelei ao colar elizabetano.


Exausta e arrasada, escrevi para os irmãos, um a 134 quilômetros daqui, outra na margem oposta do Atlântico. Mariana respondeu primeiro, com a ilustração abaixo e o seguinte comentário: "Diga para ela que é a diva deste carnaval, então, precisa ter a melhor fantasia. Clara de Neve".


Eu comparava as imagens e ria, ainda com os olhos molhados.


Para acolher não precisa estar perto nem conhecer Heidegger. Basta sentir.

1.3.19

Nove gatos no Carnaval

Quem acompanha este blog sabe que eu não sou muito entusiasta da “festa da carne”. Minha última lembrança carnavalesca é do vestidinho de Pedrita que minha tia fez para a gente se sujar juntando confetes do chão na Associação dos Funcionários Públicos de São Bernardo. Há 30 anos.

E eu só me meteria num baile desses de novo em Veneza. Com máscara. Mas os bigodes são livres para aproveitar o Carnaval do jeito que quiserem. O esquenta em Gatoca já começou, aliás. E eu registrei em vídeo ─ uma tentativa de trazer as crianças para o canal também (me digam se funcionou, mães de humanos?).