.
.

28.9.18

Abrir mão do controle: um exercício sofrido

Há semanas, eu acompanho a luta da passaroca que escolheu nossa primavera para fazer seu pequenino ninho. Os galhos, repletos de folhas e flores...


...encarecaram de repente. E, como se não bastasse ter virado presa fácil para os gatos que passeiam soltos no bairro, desandou a chover. Dias seguidos.


Sem drama, a bichinha abandonou o ovo solitário no ninho inseguro...


...e começou tudo de novo deste lado da árvore:


Eu me pus a correr na terça-feira para subir a campanha de financiamento recorrente do Gatoca hoje (nós voltaremos ao Catarse!). Acordei com o galo do vizinho, fui dormir depois do Leo, esqueci de almoçar. O nervoso era tanto que o cortisol liberado na corrente sanguínea acabou com as crises de alergia ― tudo tem seu lado bom. rs

Não deu. E doeu. Mas o mundo vai continuar girando no seu tempo.

26.9.18

A primeira websérie do Gatoca!

Porque eu cansei de reclamar que só bobeira viraliza. Porque o talento dos bigodes não podia continuar sendo desperdiçado. Porque o Leonardo Eichinger estava dando sopa na sala. No dia 5 de outubro (anotem na agenda!), vocês têm um crime para resolver. Suspense tragicômico (ou comédia suspensodramática) para gateiro nenhum torcer o focinho.


Petisco abaixo!

21.9.18

Hospitais veterinários gratuitos de São Paulo

Eu tenho guardadas as notícias do lançamento de cada hospital veterinário público em São Paulo, o primeiro deles há seis anos. Mas, quando a gente precisou socorrer o Guerreiro, nenhuma pesquisa de internet esclareceu nossas dúvidas ― nem as ligações telefônicas nem as mensagens para a amiga da Alemanha, com contato estratégico em uma das equipes.

O peludo seria atendido tarde da noite e sem senha? Valia a pena atravessar a cidade com um animal recém-atropelado? E se a gente não chegasse a tempo? Guerreiro acabou em um hospital fortunoso do Ipiranga, foi para a ONG Canto da Terra na noite seguinte e não resistiu ao terceiro dia de batalha contra a lipidose hepática.


Eu segui atormentando a Anclivepa, responsável pelas três unidades da cidade, para responder as questões levantadas, na esperança de ajudar outros bichos (compartilhem o post!). E eles acabaram me encaminhando para a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde.

As informações abaixo valem para os hospitais do Tatuapé, na zona leste, e da Parada Inglesa, na zona norte, porque o da Vila Sônia, na zona oeste, embora igualmente gratuito, não tem parceria com a prefeitura ― e, 46 dias depois, a Anclivepa não se dignou a retornar meu e-mail.

*

Os hospitais veterinários públicos funcionam 24h?
Não. O atendimento ocorre de segunda a sexta-feira, exceto feriados. E as senhas são entregues entre 6h e 10h, com início do atendimento às 7h.

Emergências precisam de senha?
Os hospitais permanecem abertos para emergências até as 17h e, nesses casos, o atendimento é feito de forma imediata.

O que pode ser considerado emergência?
Casos em que o animal está em risco iminente de morte, como atropelamentos e outros acidentes graves.

Se precisar de cirurgia, ele já fica internado?
A internação ocorre de acordo com a avaliação do veterinário. Se não for um caso urgente, o animal fica apenas na internação do pós-cirúrgico.

Há previsão de uma unidade na zona sul?
Não.

Para usar o serviço, o tutor deve morar na cidade de São Paulo, certo?
Sim. E apresentar RG, CPF e comprovante de residência.

Estes endereços e telefones estão atualizados? (Não tive sucesso com os telefones.)
Os endereços e telefones, assim como outras informações, estão disponíveis neste link.

[Para facilitar, colei tudo abaixo. Se eles ficarem desatualizados de novo, consultem direto no site da Anclivepa.]

Hospital da zona leste
Av. Salim Farah Maluf, esquina com a Rua Ulisses Cruz, lado par, Tatuapé
(11) 2291-5159
Funciona até o último animal com senha ser atendido.

Hospital da zona norte
Av. Gen. Ataliba Leonel, 3194, Parada Inglesa
(11) 2478-5305
Também funciona até o último animal com senha ser atendido.

Hospital da zona oeste
Rua Manuel Jacinto, 249, bairro de Vila Sônia
Só atendem 30 bichos por dia, segundo o site. As senhas são distribuídas das 6h às 8h e o animal precisa estar junto.

*

Para encerrar o textão, uma notícia triste e outra feliz:

A triste é que eu conversei com uma senhora que esperou seis horas para passar o gatinho em consulta no hospital da zona norte ― e parece que a fila quilométrica domina todas as unidades. A feliz é que a Anclivepa vai inaugurar também um hospital em São Bernardo do Campo, onde o Gatoca nasceu, totalmente free. :)

19.9.18

Segundo aniversário sem aniversariante

Clara tem o miado mais angustiante do universo felino. Você não sabe, exatamente, o que ela quer. Mas sente o bolo no estômago. E, do jeito que vem, a miação se vai ― aparentemente sem causa, motivo, razão ou circunstância. Não esta semana.

De tempos em tempos, a retalhinha parece retomar as homenagens ao amigo que completaria 12 anos em Gatoca (e 15, estimados, de mundo), se tivesse vencido a doença renal. Podem ser palavrões também. De pelos dourados, o barrigão do Simba* era seu lugar favorito da casa.

E meu lembrete de que basta um passo contrário para reescrever qualquer história.


*Novelinha: Conheça a história do Simba

Outros aniversários: 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

Diários de despedida: #1 | #2 | #3 | #4| #5 | #6 | #7 | #8 | #9 | #10 | #11 | #12 | #13 | #14 | #15 | #16 | #17 | #18 | #19 | #20 | #21 | #22 | FIM

14.9.18

Eleições 2018: advogando em causa (animal) própria

A situação do país está complicada, é preciso fazer algo para mudar e ajudar cães e gatos (e galinhas, vacas, porcos, ornitorrincos) também melhora a vida dos seres humanos. Gatoca juntou referências que todo mundo deveria consultar para votar com consciência no dia 7 de outubro. E coloca os bigodes no fogo por dois amigos queridos. :)

Esqueçam a polarização entre esquerda e direita, o mantra de que político nenhum presta, as evocações divinas e assistam ao vídeo de coração aberto ― os links para consulta estão todos na descrição. Não vou mais pedir curtidas e inscrições no canal porque contratei três estagiários!

12.9.18

Notícia boa x notícia triste

Smely e Jujuba, os gatinhos que não estavam cabendo na mudança, conseguiram um cantinho para esperar os tutores se ajeitarem na Itália e devem se juntar a eles em seis meses. Essa, logicamente, é a boa notícia. A triste é que o post dos bigodes alcançou mais de 15 mil pessoas no Facebook, só duas manifestaram interesse em adotá-los e ambas sumiram.




Quindim e Zula, aliás, passaram pelo feed de 26,7 mil seres humanos e, três meses depois, continuam sem família ― a criatura que topou tomar conta deles quando os tutores se mudaram para a Austrália, em 2016, avisou que não poderá mais a partir de dezembro.


Onde a razão enxerga aumento da conta no veterinário por eventuais doenças da velhice, o coração deveria ver dois animais que precisam de um lar justamente por causa da velhice. Simba não chegou aos 14 anos...

7.9.18

12 anos

Enquanto eu lia o pedido de ajuda encaminhado pela Fê, repetindo as palavras "desespero" e "choro", só conseguia pensar: "Esse casal vai para a Síria. Lutar na guerra". E o texto, de 45 linhas, ainda terminava com: "O coração está partido, mas nossa situação é mais difícil do que aparenta".

Só que, em vez da Síria, o avião pousaria na Itália. E, no lugar da guerra, rolaria um recomeço profissional, com direito a curso para alma. Sem os gatos, claro, adotados filhotes. Um deles, há 12 anos.

Essa é a história do Smely, um vovozinho que adora bolinhas de papel e não pode ver alguém sentado que já pede um colo. Foi acostumado, desde os 3 meses de idade, a passear de coleira peitoral e deixa muito cachorro com inveja.


Jujuba (Clara cover!) completou 6 anos e, apesar de ter sido resgatada morta de forme e sem o rabinho, segue dócil e ronronante.


Os irmãos moram em Bragança Paulista, mas a gente leva aonde precisar se a viagem valer a gasolina. Por favor, ajudem a divulgar: contato@gatoca.com.br. Esta é a imagem de um bicho que não faz ideia de que, em 23 dias, não terá mais família.


Difícil para quem?

6.9.18

Trolada pelo meu próprio blog

Em algum momento de maio, eu fiquei falando sozinha. Culpei o algoritmo do Facebook, que privilegia memes e conteúdo de qualidade duvidosa, senti mágoa das gerações mais novas, que preferem vídeos a textos, quebrei a cabeça pensando em estratégias para continuar espalhando a palavra de Gatoca.


Eis que, na semana passada, o Blogger (ferramenta que hospeda este blog) me perguntou, como quem não quer nada e com quase quatro meses de atraso, se eu gostaria de continuar recebendo o aviso dos comentários por e-mail. Lá estavam 56 pedidos de ajuda, mensagens de carinho, doações para castração, desabafos.


Para ampliar, cliquem na imagem

Desculpem se cheguei tarde ― foram horas respondendo uma a uma com carinho. E nunca mais me abandonem, ainda que involuntariamente, porque terapia custa caro.