.
.

18.5.18

Bicho gorducho é fofo, mas nem sempre saudável

Eu costumava brincar que Jacob tinha a síndrome do pote vazio: comia a ração até enxergar o fundo azul da tigela, não importava quantas vezes a gente tornasse a encher. E bateu os 8 kg, gordura corporal generosa para um gato de estrutura pequena. Quando deixou de caprichar na higiene pessoal e de subir nos lugares mais altos, nós apelamos à dieta.

Quase metade dos animais de estimação no Brasil são obesos, ou seja, estão 15% acima do peso ideal, por causa do excesso de comida, dos hábitos sedentários e de distúrbios comportamentais como a ansiedade. E esse quadro pode provocar diabetes, problemas nas articulações, doenças cardiovasculares e até alterações neurológicas.

Para prevenir, vale seguir a recomendação de consumo indicada na embalagem de ração, não oferecer restos de refeições humanas (alimentação natural pode!), evitar que os petiscos superem 10% da quantidade calórica diária e estimular atividades físicas por meio de brincadeiras, para os bichanos, e passeios, para os cachorros.

Quem tem vovôs caninos, jovens felinos, fêmeas de ambas as espécies e animais com distúrbios hormonais ou predisposição genética à obesidade, como labrador, beagle, basset hound, dachshund e cocker, deve redobrar a atenção, segundo a veterinária Keila Regina de Godoy. Fofinho, sim. Doente, não!


Foto da Glaucia Regina Xavier, que adotou o pequeno tigre

* Texto escrito para o Yahoo!

16.5.18

Aniversariante do mês - maio de 2018

Quando Guda* saiu na Folha Online, este blog teve mais acessos do que nos seis meses anteriores. Isso já faz um década! Mas o bigodão continua espanando os móveis, sem sinal de calvície aparente. Completar 11 anos de adoção em uma caixa de papelão interiorana é um privilégio. Espero que não faltem grilos e passarinhos (vivos!) nos próximos 11.


*Novelinha: conheça a história da Guda

Outros aniversários: 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

11.5.18

Desabafo

Há (quase) 11 anos, eu reinvento o Gatoca. De blog de crônicas para espaço de informação e sensibilização. De vitrine de adoção para ferramenta de mobilização. De financiamento coletivo para mutirão de castração. De redes sociais (1, 2 e 3) para e-book. E agora vídeos. Só que a gente perdeu o costume de entrar nos sites que gosta, delegando ao Facebook o serviço de lembrete eletrônico. E de curador ele passou a mercenário, divulgando só conteúdo patrocinado e meia dúzia de posts virais.

Enquanto escrevo este texto no parque, tentando disfarçar desânimo com pôr de sol, me pergunto: qual a chance de um projeto sem memes nem polêmicas se tornar viral? (Dinheiro eu prefiro gastar com bicho, Zucka.) Mesmo o Youtube, considerado a alternativa da vez, mudou sua política de remuneração e esmagou os canais pequenos.

Eu podia diminuir a pilha de livros acumulados na cabeceira da cama, visitar amigos espalhados pelo Brasil sem gastar um centavo além da passagem de ônibus, dobrar as aulas de ioga, voltar para o flamenco. Mas tenho uma necessidade absurda de melhorar o mundo. Pelo Mercv, que melhorou meu mundo. E por todos os Mercvrivs, que ainda podem melhorar o mundo de alguém.

A humanidade há de se harmonizar com os animais. Mas estou sem ideias de como continuar fazendo isso...

4.5.18

Itália, França e bichos (ou uma causa)

Foram 13 lugares em dez dias (Impruneta, Florença, Pisa, Viareggio, Lucca, Siena, San Gimignano, Arezzo, Cortona, Assis, Roma, Vaticano e Paris), um massacre. Mas, com a coluna descansada e o atraso do sono tirado, hei de admitir: um massacre incrível. Do salto de fé para conseguir embarcar eu falei neste post.

Hoje, compartilho 47 fotos e vídeos da aventura. Tem cenários maravilhosos (depois da musiquinha de encerramento!), comidas veganas sensacionais (endereços no pé do texto), dicas de improviso, entrevista-amor com sotaque italiano, gatos ― menos do que o blog merecia, mas é porque eles não passam fome e frio nas ruas como aqui.

E tem agradecimentos também! À Mariana Levischi, que ajudou no planejamento da viagem (inclusive avisando que visitar três vilarejos no mesmo dia era insano, mas eu não ouvi) e cuidou dos bigodes, à Tatiana Pagamisse, que emprestou guias e fez as legendas da Cinzia, à mãe do Leo, que levou e buscou a gente no aeroporto, e à Yone Sassa, que colaborou para o figurino faz-de-conta-que-sou-meiga com o colar felino. :)

Na próxima década, se nada der certo de novo, a gente arrisca outra maluquice.


ITÁLIA

B&B Locanda Degli Aromi
Via di Colline, 9 - 50023
Impruneta
+39 3338359787

Brac Libreria di Arte Contemporanea
Via de' Vagellai, 18 r
Florença
+39 0550944877

Gelateria Dondoli
Piazza della Cisterna, 4 - 53037
San Gimignano
+39 0577942244

Eden Caffè Pasticceria
Via Ignazio Persico, 78
Roma
+39 0651607623

So What?
Via Ettore Giovenale, 56 - 00176
Roma
+39 3298265250

Romeow Cat Bistrot
Via Francesco Negri, 15 - 00154
Roma
+39 0657289203

Soup in Town
Piazza San Giusto, 6
Lucca
+39 0583495739

Faltou no vídeo! A buddha bowl juntava arroz com legumes grelhados e um pesto delicioso!


FRANÇA

Hot Vog
10 Bis Rue Vavin
Paris
+33 142493669

Cloud Cakes
6 Rue Mandar 75002
Paris
+33 142339545

La Palanche d'Aulac
13 Rue Rodier
Paris
+33 980638369

Jay & Joy
5 Rue Paul Bert, 75011
Paris
+33 954647928

Apesar da cola, ficou de fora também! (Seis mil fotos para organizar, gente.) Os queijos veganos deles são espetaculares e, mesmo com nossa moedinha surrada, saem mais barato do que os daqui.

2.5.18

Coleção: plantações fracassadas

Depois da bad do catnip e dos piruás de milho de pipoca, chegou a vez do chá de xixi de hortelã! Um a um, os pezinhos foram sendo destruídos pelo excesso de ureia dos bigodes (notem que o lado esquerdo da foto já está careca), que também acabou com o gramado, até outrora carente de poda.

Me disseram que regar após as carimbadas resolve o problema, mas eu precisaria receber um salário para assumir a função de descarga do jardim em período integral. Outras ideias são bem-vindas. Contem nos comentários casos de sucesso envolvendo plantas e animais para reanimar a batalha de Gatoca!



25.4.18

5 motivos para ganhar uma lambida de gato

Acreditem, elas possuem significados diferentes. Batatinha, por exemplo, me lambia antes de se aninhar no colo, retribuindo o afeto que Penélope, a mãe felina, tinha com a ninhada de frajolas apertáveis. Abaixo, seguem as principais hipóteses para um ataque lingual:

1) Ser família
Como no caso do Batata, há bigodes que lambem seus tutores para construir e fortalecer vínculos sociais, demonstrando o carinho e a proteção aprendidos na infância.

2) Ter bicho possessivo
Marcar território com xixi não é a única forma de afastar a concorrência, já que a saliva dos bigodes também possui partículas que funcionam como assinatura. Só tomem cuidado com a lambeção compulsiva, que pode sinalizar problema de saúde.

3) Nascer com gosto bom
Quanto mais salgadinho, melhor ― suor, então, é banquete! Mas também há os doidões que curtem sabonetes e hidrantes.

4) Funcionar como calmante
Em situações de estresse e extrema ansiedade, os peludos podem se confortar nos lambiscando, sim. Isso ocorre bastante com filhotes separados da mãe muito cedo. E, às vezes, continua na vida adulta.

5) Ser amado
Não existe maior demonstração de amor para um bichano do que manter a higiene em dia. Banho de língua caprichado, portanto, equivale à declaração de amor.


* Texto escrito para o Yahoo!

20.4.18

Aniversariante do mês - abril de 2018

Os 12 anos da Clara* caíram entre a viagem ítalo-parisiense e o vídeo de hoje, que eu cheguei a gravar, mas não consegui editar a tempo (sorry!). Isso quer dizer que a gata de patchwork não foi apertada com a delonga merecida. E que aqui jaz uma tutora exausta e culpada, publicando post num horário em que ninguém mais vai ler. Estagiário de vida, cadê você?


*Novelinha: Conheça a história da Clara

Outros aniversários: 2017 | 2016 | 2015 |2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

18.4.18

As grandes questões da humanidade

― Simba foi seu primeiro gato, Bia?
― Não, o primeiro foi o Mercv, seu favorito.
― Mas por que o Simba morreu antes?
― Porque nem sempre morre o mais velho. Minha mãe, por exemplo, morreu com 56 anos e sua avó tem 75. Você sabe que 75 é maior do que 56, né?
― Sim. Só estou curiosa para descobrir por que isso acontece.

13.4.18

Enfim, casa!

Quando você fica duas semanas fora e vai a um bistrô italiano com gatos para ter a comida pisada e matar a saudade.






Na semana que vem, nós voltamos à programação normal!

27.3.18

Enfim, férias!

Se a gente é freelancer e tem dinheiro, não pode abrir mão dos projetos. Quando sobra tempo, a grana já se foi. Junte dez gatos no pacote e, em quase quatro décadas de vida, eu mal saí de São Paulo ― a viagem para o Canadá foi a trabalho e Argentina é uma São Paulo melhorada, né? O combo Itália + Paris estava na fila há anos.

Financiamento coletivo passou na frente, reestruturação do blog passou na frente, mutirão de castração passou na frente, e-book passou na frente, canal do Youtube passou na frente. Aí, veio a crise e, no pior de todos os cenários, a pessoa que compra roupa no supermercado sucumbiu à promoção da passagem aérea.

Se não houver psicopatas nas famílias que nos hospedarão, vocês terão imagens exclusivas de Assis, terra de São Francisco! Me despeço provisoriamente com esta foto do Simba, para lembrar aos leitores que também adiam sonhos que a vida é curta.

23.3.18

8 mitos felinos exterminados

Segundo o Houaiss, "exterminar" significa "destruir de maneira cruenta". Mas, como mamãe ensinou a não derramar sangue, resolvi fazer com argumentos mesmo (é só clicar na imagem abaixo). Tem bom humor, revolta, preguiça, foto antiga do Mercv e um dos últimos vídeos do Simba neste planeta. 💚

21.3.18

Mercv Caracolino, sem Rainha Perna-Fina

O temporal de ontem alagou o armário da cozinha, tombou o hibisco da horta e deixou Gatoca sem luz. Quando acendi as velas emergenciais, lembrei de um episódio da infância do Mercvrivs, envolvendo bigodes encaracolados, e resolvi fazer um vídeo sobre mitos felinos.

Contribuições nos comentários são bem-vindas. :)

16.3.18

Nosso primeiro vídeo!

Eu cansei de ouvir que deveria levar a palavra do Gatoca a outras mídias. Mas bastava me apontarem uma câmera que a voz ficava fina, o rosto assimétrico e os ombros desnivelados. Foram anos para vencer esse bloqueio ― na verdade, descobri que tenho a voz fina, o rosto assimétrico e os ombros desnivelados mesmo.

E o conteúdo deste blog não ficará mais restrito aos amantes de texto! Obrigada, Carol Costa e Cibele Kriedt, pelo incentivo para arriscar. Tati Pagamisse e Jon Levischi, pelas dicas de vídeo e áudio. Roberto Spinelli, pelas aulas de edição. Mari Levischi, pelas ideias todas. Leo Eichinger pela parceria de projetos e de vida.

E Clara Luz, pela direção de arte.


Para assistir ao vídeo, clique na imagem

14.3.18

Cuidado com o calor!

Qualquer ser humano sofreria de sobretudo com os termômetros marcando 30ºC. Imaginem os gatos, que não têm capacidade de liberar calor como a gente. O corpo pode superaquecer e até parar de funcionar de vez. Os sintomas mais comuns de hipertemia são vômito, desorientação, cansaço, respiração intensa e aumento dos batimentos cardíacos. Mas não precisa esperar por eles, né? Para garantir o bem-estar dos bigodes...

Compre um bebedouro elétrico
Hidratação nesta época do ano é essencial e os felinos, que extraíam das presas a quantidade de água que o organismo precisava para funcionar direitinho, não se animam muito com os potes mornos, de pelos boiando.

Coloque pedrinhas de gelo
Além de tornar mais sedutora a missão de ingerir 60 ml por quilo de peso, elas ajudarão a regular a temperatura corporal. Só não vale esquecer a tigela ou o bebedouro no sol.

Mantenha o carro ventilado
Se precisar levar o peludo ao veterinário perto da hora do almoço, abra os vidros ou ligue o ar-condicionado. E não o deixe preso no veículo quente nem por alguns minutos.

Instale redes nas janelas
De abafado já basta o clima, que não dá para controlar. Com as telas (inclusive nos vitrôs), a casa pode ficar aberta durante nossa ausência, sem perigo para os inconsequentes.

9.3.18

Finalmente um canal do Gatoca!

Não, eu não tenho porte/voz/roupas de apresentadora do Jornal Nacional. Nem um superconhecimento de edição de vídeos. Muito menos grana para pagar uma produtora. Mas sobra conteúdo neste blog (1288 posts, mais precisamente), que não está chegando na geração Z (já?) e pode deixar o mundo menos pior para bípedes e quadrúpedes.

2018, portanto, é um ano de superar barreiras pré-históricas e espero ser acolhida mesmo descabelada ou com as folhas retorcidas. O tripé para celular já está comprado! (Sem grandes expectativas, lembram?) Agora, preciso que vocês compartilhem quais assuntos sentiram que ficariam melhor explicados em vídeo ou que ainda não foram abordados aqui e merecem ganhar som e movimento.

Até o YouTube! Ou o próximo post. rs

7.3.18

Ser anatômico na vida

Observar os gatos (nove por aqui) me proporciona muitos insights. Já repararam, por exemplo, na habilidade dos peludos de se moldar a todos os tipos de colo? Se o espaço é pequeno, eles se amassam. Precisa ficar pendurado? Não tem problema. Quando há um desnível, se entortam e segue o ronco. Bichanos não perdem tempo brigando com a vida. Eis uma lição.

2.3.18

Mais calendários patografados despiorando o mundo

Eu prometi encontrar lares amorosos para dez calendários da Celebridade Vira-Lata. E Luli teve de mandar mais seis pelo correio porque as cartinhas pisoteadas pelos bigodes, que foram junto na primeira leva, fizeram sucesso. Guda contou com a ajuda do além para passar sua mensagem à humanidade, enquanto a guarda-costas cuidava para que nenhum fã se aproximasse.

E mais algumas centenas de cães e gatos de comunidades de baixa renda se somarão aos 10 mil já castrados pelo projeto, deixando as ruas de São Paulo menos castigadas pelo frio, pela fome e pelo medo ― leiam os benefícios da cirurgia aqui.

Só restam dois calendários em Gatoca. Mas vocês poderão continuar comprando até esgotar o estoque na Fnac, na Livraria Cultura e direto com a ONG. :)

28.2.18

Aniversariante do mês - fevereiro de 2018

Sabem aquele lance de que o melhor caminho para a iluminação é o do meio? Siddhartha definitivamente não conheceu a Chocolate*. Quando ela acorda de mau-humor, reclama até exorcizar o último demônio. Se vê uma caixa de papelão (pode ser figurativa), dá um jeitinho de caber, ainda deita. No dia do catnip, quase se afoga em baba.


O melhor caminho para a iluminação pode até ser o do meio. Mas, para a microgata que ganhou uma segunda chance de vida terrena há 11 anos, é a intensidade.



*Novelinha: Conheça a história da Chocolate

Outros aniversários: 2017 | 2016 | 2015 | 2014 | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008

23.2.18

Como estimar a idade de um gato

A mágica dos veterinários nós nunca saberemos, mas Gatoca não deixa vocês pagarem mico amamentando filhote barbado ou levando vovô para cirurgia cosmética. :)

Recém-nascido
Até os três dias de vida, os bigodes ainda têm o restinho do cordão umbilical cortando pela mãe ― depois disso, ele cai naturalmente.


Gudinhas na manhã seguinte ao parto

Entre 10 e 15 dias
Os olhinhos (sempre azul-acinzentados) se abrem pela primeira vez, embora ainda passem a maior parte do tempo fechados. Com duas semanas, também começam a nascer os microdentes, brancos como grãos de arroz.


Pimenta com 9 dias, arteira-precoce

3 semanas
As orelhas ficam visivelmente maiores, porque o canal auditivo só se abre após uma semana do nascimento.


Lindinha com 20 apertáveis dias

6 ou 7 semanas
Os olhos assumem a cor definitiva ― azuis continuam azuis, só que de um tom diferente. Até a sétima semana, a arcada dentária também deve estar completa.


Pimenta agora com 8 semanas e farolões verdes

7 meses
A vampirice de leite da foto abaixo passa a ser substituída pelos dentes permanentes, ainda branquinhos.


Batatinha com 3 meses e meio

2 anos
Toda a dentadura começa a amarelar.

Entre 3 e 5 anos
Os dentes traseiros se mostram mais amarelados do que os demais.

Mais de 6 anos
Rola também um desgaste natural da dentição.


Mercv com 9 anos e cárie felina

13 anos ou mais
O pelo já não tem o mesmo brilho e a região do focinho tende a engrisalhar. Mas nosso amor segue inabalável.


Simba com 13 anos e seu casaco punk

21.2.18

Nunca duvidem do instinto felino

A madrugada de domingo foi tensa por aqui. Um grilo, aparentemente inofensivo, resolveu fazer serenatas de megafone e não deixou ninguém dormir. Sim, um grilo. A gente acendia a luz e o bicho emudecia. Era voltar para a cama que a cantoria enlouquecedora recomeçava. À noite, ouvi o infeliz esquentando os motores e decidi encontrá-lo nem que fosse no inferno.

Atravessei Chocolate olhando vidrada para o trilho da porta de vidro, me perguntei como ela podia errar tão feio a origem do cricrilar e dei início à caçada no jardim: vaso por vaso, embaixo de cada folha da horta, entre os galhos do pinheiro e da primavera. Nada. Na segunda investida, mais tarde, a lanterna do celular iluminou sem querer a porta e os olhinhos reluziram junto com o insight.

O grilo estava dentro de casa! Escondido no pedaço do trilho que adentrava a parede, como Choco havia descoberto horas antes. E foi preciso uma força-tarefa de três pessoas para conseguir levá-lo vivo até o matinho da calçada, onde o cortejo cumpriria seu objetivo e nós poderíamos descansar com música ambiente, não hardcore.

Nunca duvidem do instinto felino. Mesmo que eles lembrem bichinhos de pelúcia.

16.2.18

Paranapiacaba: uma luz no fim do trilho

Em julho de 2016, a imagem da cadela prenhe bebendo água na poça de lama de Paranapiacaba dividiu o travesseiro comigo. A situação dos animais abandonados na vila precisava mudar e o Gatoca foi até a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente ― depois de ter sigo ignorado pelo Centro de Controle de Zoonoses de Santo André, pela Vigilância Sanitária e pela Secretaria de Gestão de Recursos Naturais de Paranapiacaba e Parque Andreense.

Lá, descobrimos a ação civil pública que já corria contra o município, aberta por duas ONGs, e a liminar do juiz Marcelo Franzin, que dava três meses para que os animais em situação de risco (atropelados, doentes, idosos, prenhes e filhotes) de TODO o perímetro da cidade, incluindo a vila, fossem recolhidos. Mas o juiz também ficou falando sozinho.

E eu segui recebendo denúncias de gente que esperava curtir o fog andreense e acabava se deparando com dezenas de bichos negligenciados, por causa desta matéria da Vejinha. Em dezembro do ano passado, soube que a diretoria da Vigilância Sanitária havia mudado e resolvi tentar mais uma vez ― obrigada Rosa Yukari pela ponte! A resposta veio no dia 6 deste mês, finalmente, e a gestão atual parece genuinamente sensibilizada com a causa.

Compartilho a entrevista completa abaixo e convido os leitores da região a continuarem monitorando. Juntos, nós somos chatos. :)

Vale contar também que, nestes 19 meses, a ONG Canto da Terra levou 40 gatos e 110 cachorros para serem castrados em sua sede, na zona norte, com dinheiro doado por gente como a gente, sem qualquer apoio do poder público. Ajudar quem ajuda, portanto, é sempre uma boa pedida.


A prefeitura tem algum projeto para reduzir o abandono na região?

Nossas ações no sentido de redução de abandono são:

- A castração gratuita para os munícipes de Santo André, que foi retomada e reformulada em 2017, ampliando o investimento no projeto de R$ 20 mil para R$ 30 mil ao mês.
- A feira de adoção "Eu amo, eu adoto", realizada todo último domingo do mês no Parque Central. Inclusive, em 2017, Santo André foi a cidade que mais promoveu adoção em todo o Grande ABC, totalizando 389 animais.
- Visitas pós-adoção para verificar a adaptação da família e do animal que era tutelado pelo canil/gatil municipal, projeto iniciado em 2017.
- Trabalhos educativos de guarda responsável.
- Vistorias zoosanitárias.

E para os animais que vivem nas ruas da vila?

Em julho de 2017, realizamos ações referentes aos animais de Paranapiacaba (partes alta e baixa), incluindo domiciliados e que vivem nas ruas. 353 receberam coleira contra pulgas e carrapatos, sendo 249 cães e 104 gatos. Houve vacinação contra raiva para 275. E também realizamos trabalhos educativos de guarda responsável. A vacinação foi complementada em agosto, durante a Campanha de Vacinação Contra Raiva em Cães e Gatos.

Está em nosso cronograma a realização de um senso para nos certificarmos da quantidade de animais castrados e a continuidade das campanhas de vacinação, bem como a sequência dos trabalhos educativos de guarda responsável.

Há arrecadação/distribuição de ração?

O Banco de Alimentos de Santo André, na Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André (Craisa), recebe doações de ração animal que são destinadas a protetoras independentes cadastradas e a pessoas que estejam passando por dificuldades financeiras e tenham animais. As rações são retiradas no próprio Banco de Alimentos.

E plano de instalar casinhas coletivas para protegê-los do frio? Paranapiacaba é patrimônio histórico, certo? Como funciona essa burocracia?

O CCZ é uma gerência do Departamento de Vigilância à Saúde, ligada à Secretaria de Saúde, sendo regido pela Lei 8.080/1990, que criou o Sistema Único de Saúde. Isso quer dizer que todas as verbas do departamento devem ser empregadas visando a saúde humana e só conseguimos utilizar arte delas para as castrações com a justificativa epidemiológica de prevenção de zoonoses. Não há possibilidade legal, portanto, de a Secretaria de Saúde investir na aquisição de casinhas. Mas a prefeitura está implementando projetos dessa natureza em outras secretarias.

Os mutirões de castrações voltarão a ocorrer? Quando? Para quantos animais (cães e gatos)? Em parceria com quais clínicas/ONGs?

A prefeitura está realizando o levantamento e demais ações necessárias ao chamamento público para efetivar parcerias que possibilitem mutirões por toda a cidade.

E as campanhas de vacinação?

A campanha de vacinação antirrábica está agendada para o mês de agosto de 2018, em vários postos fixos no município. Na Vila, teremos posto fixo na parte baixa, posto volante na parte alta e vacinação de casa em casa.

Os leitores do blog podem ajudar de alguma forma?

Não há impedimento legal para a realização de trabalho voluntário junto aos animais de rua.

E o Gatoca, com a expertise em educação, conscientização e mobilização?

Qualquer parceria com a prefeitura deve ser realizada por meio de edital de chamamento público, porém, não há impedimento legal para que qualquer entidade realize de forma independente trabalho voluntário junto aos animais de rua.

Contamos com vocês para divulgar aos leitores informações de utilidade pública, como campanhas de vacinação animal, castração e feiras de adoção. A prefeitura compartilha esse conteúdo nos sites e redes sociais, mas sabemos que alcance será muito maior se pudermos contar com veículos parceiros como o Gatoca.

A gestão atual pagou a multa pelo não cumprimento da determinação judicial na ação civil pública aberta contra a gestão anterior?

Não, porque o último parecer no processo foi favorável à prefeitura.

[O Ministério Público considerou "efetivo empenho" demonstrado na solução do caso e concedeu um aumento no prazo para a implementação das novas políticas, segundo o site do Tribunal de Justiça de São Paulo.]

9.2.18

Fechado por motivos de Carnaval

Eu pensei em um tema importante para o texto hoje. Mas vocês não devem estar mais aí. Para aumentar o drama, os termômetros de Sorocaba marcam 29°C (são 21h30!) e nós tivemos a brilhante ideia de usar a panela de pressão. Para onde se olhe, há gatos derretidos, lembrando os quadros de Dali.

Decidi, então, só desejar um Carnaval serpentinado, com ou sem samba, bloquinho, desfile. E a ONG Canto da Terra emprestou o Natalino, que ficou meio desatualizado, mas caprichou na fantasia para compensar ― dia 24 tem megabazar por lá, para renovar as energias, o guarda-roupa e a missão de deixar o mundo melhor. Alalaô!

8.2.18

O primeiro gato de joelhos da história!

Jujuba, na verdade, é uma gata. E a manchete deste post (alguém aí ainda sabe o que significa manchete?) engorda o grupo das fake news. Mas ver a ferinha nesta posição me fez lembrar que, há cinco anos, ela presenteava tentativas de aproximação com cicatrizes ― destaque para o massacre da caixa de transporte.

Eu insisto nesse case de sucesso porque as pessoas tendem a rejeitar animais de personalidade menos dócil e, na maioria das vezes, eles só precisam da família certa para desabrochar. Este cafuné largado, por exemplo, levou dez anos. ― colo vai ficar para a próxima encarnação, já que escolhi a habilidade de medicá-la.

Deem uma chance, portanto, aos antissociais. ♥

2.2.18

Das voltas que o mundo dá

Há oito anos, Flea e Snow eram filhotes e moravam em um banheiro. Guebis fazia faculdade de veterinária em Jaboticabal e morava em uma kitnet. Eu tinha 19 gatos (dez fixos e nove temporários) e morava em São Bernardo.

Nestes 2.915 dias, os pequenos se mudaram para a capital do amendoim e desabrocharam. Guebis se formou, casou e voltou para Sorocaba, em um sobrado fofo com jardim. E eu vim de mala e caixas de transporte para cá também, com nove bichanos concretos e um Simba abstrato.

Na quinta-feira retrasada, a gente combinou o tão esperado reencontro. Os bigodes nunca lembram de quem trocou a viagem de férias e a harmonia da família por mais um resgate ― a careta das fotos comprova.


Mas ver as barrigas trabalhadas no patê e no carinho sempre enche meu coração.



31.1.18

Gata de cura

Conversas esotéricas geralmente me fazem bocejar. Mas eu acredito no poder dos bichanos de filtrar nossas nhacas. Há três anos, ouvi que o curandeiro da casa sempre tem o maior bigode e o da Pimenta quase forma um coração, com as pontinhas prestes a se juntar lá embaixo.

Quando a gente senta no sofá, doente, mal-humorado ou só desanimado mesmo, ela vem pertinho, encosta a cabeça na nossa, dá umas patadas e o mundo parece entrar nos eixos ― depois a criatura se põe a lamber o creme para cabelos cacheados, mas vou omitir esse detalhe para não estragar o clima do post.

26.1.18

Upgrade

Em cinco meses, o gramado dos bigodes virou uma floresta com ecossistema próprio. E, como ele é pequeno demais para fazer o cortador de grama passar na frente da sorveteira na lista de desejos, eu tive de apelar à tesoura de papel ― que também já usei para aparar o cabelo.

Foram 40 minutos de trabalho tibetano, que renderam olhares incrédulos dos peludos e me colocaram em um patamar inédito de ser humano: o que combina adaptabilidade e obstinação.

19.1.18

Calendários que viraram castração

Lembram que eu prometi enviar cartinhas pisoteadas pelos bigodes para quem comprasse os calendários do Celebridade Vira-Lata, que já esterilizaram 10 mil cães e gatos de comunidades de baixa renda? Dois deles foram postados ontem no correio! Bárbara Santos e Eliane Bortolotto, abram espaço na mesinha. :)

Marina Kater-Calabró já tinha recebido o dela com aperto-presencial. E Amanda Herrera e Gabriela Fromme ganharam de presente de aniversário e salva-vidas, respectivamente. Restam só cinco unidades (R$ 25 + frete ou visita a Sorocaba): contato@gatoca.com.br.

Quem topa despiorar o mundo com a gente?

17.1.18

Vidência felina

Gatos têm poderes premonitórios, vocês provavelmente já repararam. Basta colocar a mesa do almoço que eles acertam onde a gente vai sentar e se esparramam na cadeira antes. Isso serve também para a sessão de filme com pipoca no sofá, o trabalho no computador, o travesseiro na hora de dormir.

12.1.18

Caixa de madeira DIY e sincronia

Na esperança de se livrar da favelinha de papelão dos bigodes, Leo construiu este loft de madeira gourmet super premium, com as ripinhas que sobraram de um outro lance "faça você mesmo". A ideia do post era contar que os pequenos adoraram o espaço arejado, com vista para a horta alagada, e incentivá-los a reviver o prézinho das esculturas com palito de sorvete.

Mas, no momento do clique, Pimenta e Guda me deram este Pulitzer (um dos maiores prêmios de fotografia do mundo) e resolvi escrever sobre como estar no lugar e na hora certos muda a vida da gente. Parem para pensar: quantas coisas precisaram se encadear para que vocês chegassem até aí? (Esse "aí" pode ser um local, uma carreira, um estado de espírito.)

Se me dissessem que eu teria um projeto com animais, há 15 anos, eu ficaria dividida entre cair na gargalhada e fazer cara de nojinho. Mas existiu um (ex-)namorado, e uma gata comunitária, e o Mercv, e a dona Lourdes, e o Adote um Gatinho, e vocês. Às vezes, demora uma eternidade para ligar os pontos. Resta a certeza, porém, de que todo esforço contrário é absolutamente inútil. :)

Abracem seus pacotes! E os companheiros-quadrúpedes de viagem também.

10.1.18

Gatos são 3D

Diferente dos cachorros, que se contentam com o chão, os bichanos ocupam também as alturas. E todas as latitudes de uma casa.

5.1.18

Todos nós já fomos ignorantes

Lembro de quando ouvi alguém dizer que jogava o granulado higiênico dos gatos na privada e resolvi fazer o mesmo, 12 anos atrás. Só que o granulado que eu comprava era de argila, misturado com xixi e cocô de dez bigodes. Dez. Bigodes.

E a massa que entupiu o vaso não se desfazia de jeito nenhum. Cheguei a testar gravetos de tamanhos diferentes do jardim, resultado diretamente proporcional à perda da minha dignidade. Quando alguém fizer uma pergunta ou pedido cretino, portanto, busquem esse momento dentro de vocês ― principalmente quem atua na causa animal.

E vivamos em paz. :)