.
.

14.12.17

Vamos arriscar o Instagram Stories!

A tecnologia evolui cada vez mais rápido e o Gatoca não quer ser o tiozão da internet. Só que esta jornalista-blogueira-protetora morre de vergonha de aparecer e precisa treinar com vídeos que somem em 24h antes de criar o tão-esperado canal no Youtube. Sigam o perfil-esquenta e deixem sugestões aqui nos comentários do que vocês gostariam de ver/ouvir em 10 segundos. :)

Doença renal: há vida pós-coração partido

Muita gente vem parar aqui no blog por causa dos diários que eu escrevi durante o estágio terminal da insuficiência do Simba ― para encarar de um jeito mais leve a despedida, me forçar a enxergar as pequenas coisas boas no meio do turbilhão, lembrar que fiz tudo que podia quando batesse a clássica culpa.

Foram 33 dias bem difíceis: rápidos para a vida virar lembrança, sem textura nem cheiro, intermináveis entre medicações, soro e alimentação forçada. Mas a primeira vez que meu coração se partiu por essa doença foi com a Pipoca, há cinco anos e meio. E ela continua desfilando sua arisquice por aqui ― sobreviveu, inclusive, a uma colite.

Sim, a ração é especial, a branquela come patê toda manhã para aumentar a umidade da dieta, toma água na seringa, homeopatia, repete o hemograma com função renal anualmente. E sei que, a qualquer momento, reviverei aquele filme de terror. Enquanto isso, porém, enxergo o coração partido passeando animado pela casa e sorrio.

Cada animal reage de um jeito ― não antecipem o luto. Este exato momento, do cafuné com olhos fechados, da corridinha desajeitada, do sono barulhento, é só o que importa.


Infos importantes:
:: Doença renal, pelo maior especialista em gatos do Brasil
:: 7 dicas que podem salvar seu gato
:: Como fazer o bichano beber água
:: 13 macetes para dar líquidos na seringa
:: O desafio da alimentação natural
:: Quando a alimentação natural não dá certo
:: Soro subcutâneo: dicas e por que vale o esforço

8.12.17

Gatoca e Celebridade Vira-Lata juntos pela causa

Foram quatro rodovias e cinco pedágios para buscar os calendários na casa da Luli Sarraf. Produzidos com um amor que transborda há quase nove anos, eles financiam os mutirões de castração que já beneficiaram 10 mil cães e gatos de comunidades de baixa renda em São Paulo ― e até ajudaram a gente no mutirão do DER.

Para chegar nas 100 mil cirurgias (e diminuir o número de bichos que sentem fome, frio e medo nas ruas), nós contamos com vocês! Quem comprar o calendário pelo Gatoca ganhará uma cartinha de agradecimento escrita por mim e pisoteada pelos bigodes. Eles custam R$ 25 (+ frete ou visita a Sorocaba, rs) e são só dez unidades exclusivíssimas: contato@gatoca.com.br.

Não, a Chocolate não está à venda.

6.12.17

Gatarctica

Nós viemos aqui para comer ou para conversar?


(Fui pesquisar a data desse comercial da Antarctica e estou até agora tentando entender como me lembro dele, rs.)

1.12.17

O latifundiário do meu coração

Quando Mercvrivs* chegou em casa, eu não gostava de bicho. E ele foi se esticando. Ocupou o estômago e me fez vegetariana. Desceu para os rins e me ensinou a reciclar ― lixo e relacionamentos. Subiu, então, para o fígado, onde o Gatoca começou a ser metabolizado. E logo alcançou os pulmões, que finalmente respiram aliviados no interior. Para se esparramar pelo coração foi um pulo.

E de cá nunca mais saiu.

Quando Mercvrivs chegou em casa, há 12 anos, eu achava que não gostava de bicho.


*Novelinha: Conheça a história do Mercv