.
.

27.10.17

Keka virou folder!

Não basta ganhar bebedouro-bafo. Nossa frajolica tímida foi eternizada pelo pessoal do Gatolino e já está passando de mão em mão nas exposições de São Paulo. Para comemorar o lançamento do folder ostentação, ela deu estas roladinhas, capturadas com exclusividade pelas lentes do Gatoca.



26.10.17

Aniversariante do mês - outubro de 2017

Mercv* não sabe, mas a vida, nestes quase 38 anos, recomeçou três vezes: quando perdi minha mãe, quando pedi demissão da carteira assinada para escrever de casa e quando amoleci com a bolotinha frajola de pelos arrepiados que me encarava dentro da caixa de papelão.

Mercv também não sabe, mas, nos últimos 12 anos, foi terapeuta, melhor amigo, chefe, clown, bombeiro, aquecedor de colo, ansiolítico, antidepressivo, guia espiritual, padeiro gourmet, professor extracurricular, família.

O amor é intraduzível. Mas isso ele sabe.


*Novelinha: Conheça a história do Mercv

Outros aniversários: 2016 | 2015 (extra!) | 2014 (extra!) | 2013 | 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

20.10.17

Soro subcutâneo: dicas e por que vale o esforço

Depois de amanhã, completa um ano que Simba morreu ontem. Trinta e três dias antes da derrota para a insuficiência renal, eu perguntei à veterinária se daria tempo de mudar para Sorocaba e devolver ao tigrinho o jardim perdido. Não deu. Mas aproveitei todas as oportunidades dos últimos 12 meses-voadores para conscientizar sobre a doença e evitar outros desfechos assim (links no fim do post).

Relembrar ainda me encharca o coração. A data, porém, precisa ser ressignificada. Quando desabei sobre este teclado pós-tentativa fracassada de fluidoterapia, vocês me ensinaram macetes para facilitar a aplicação, gravaram até vídeo e a missão se tornou um tico menos amarga. É minha vez de retribuir ― passem para frente!

Encarar o desafio do soro vale muito a pena porque ajuda a diluir o excesso de ureia no sangue, herança do funcionamento capenga dos rins, amenizando o enjoo e as úlceras, na boca e no estômago, que matam o apetite. E a aplicação caseira estressa bem menos o bichano, além de sair muito mais em conta.

Comece com o veterinário
Só ele pode prescrever a quantidade ideal de soro para o animal e tem expertise para orientar a primeira aplicação.

Compre equipo e bolsas pela internet
A diferença de preço compensa o frete.

Arrume um fiel escudeiro
Eu distraía o leãozinho com carinho, enquanto Leo fazia o serviço sujo, e sobrava com as mãos livres para conter as tentativas de fuga. Mas hei de confessar que tem leitora-mulherão que dá conta do recado sozinha, imobilizando o peludo pelo cangote.

Escolha um cantinho confortável
Não esqueça, porém, que o soro precisará ficar pendurado.

Vista uma jaqueta jeans
Ela protege braços e peito dos arranhões, sem tecnologia espacial.

Esquente a bolsa
Uns 30 segundos no micro-ondas bastam, porque o líquido geladão entrando no corpo assusta.

Use escalpe em vez de agulha normal
Essa dica merece beijo na boca! Como a agulha do escalpe é mais curtinha, não há risco de sair do outro lado da pele na pinça nem de perfurar algo importante. E fica mais bem fácil segurar pela borboletinha.

Encare o calibre grosso
Ao contrário do que a maioria das pessoas imagina, dói menos do que o fininho, porque o soro, ardido, corre mais rápido. A gente comprava escalpe 19, branco.

Aplique na lateral do corpo
A bolota que se forma incomoda menos nessa região e dá para ir alternando os lados. Nos casos de aplicação-solo, vale centralizar a picada no cangote para evitar que o soro desça para uma das patas.

Tenha paciência
As primeiras vezes são difíceis mesmo, mas o bichinho acaba acostumando ― e a gente também.


Infos importantes:
:: Doença renal, pelo maior especialista em gatos do Brasil
:: 7 dicas que podem salvar seu gato
:: Como fazer o bichano beber água
:: 13 macetes para dar líquidos na seringa
:: O desafio da alimentação natural
:: Quando a alimentação natural não dá certo

19.10.17

O melhor arranhador do mundo

O primeiro arranhador dos bigodes tinha uma casinha no topo e, como todo imóvel com vista panorâmica, custou uma fortuna. Eles nunca usaram. Nem a casinha nem o tronco de sisal, curto demais para afiar as garras esticadão. Esse é o segredo de um bom arranhador, novatos.


Quando Neise doou o cone de peixinhos para uma rifa do Gatoca, eu fiquei de cara com o combo sucesso + simplicidade. E, há sete anos, só mudo as cores dos peixinhos ― ela abortou a produção faz tempo, mas sempre acaba abrindo uma exceção para o meu chororô. No fim de semana, chegaram os modelitos sorocabanos. Vejam a felicidade da criatura e copiem sem culpa. :)

13.10.17

Socialização de gatos ariscos ou muito medrosos

No post da familinha de ferais que Gabi e Julio herdaram com a mudança, eu comentei que Kuka Fischer, do Stray Cats, tinha nos dado um monte de dicas bacanas, lembram? (O projeto dela castrou mais de 200 bichanos assim.) Pois chegou a hora de compartilhá-las! Se você precisa encarar o desafio de encantar um bigode, pegue papel e caneta ― ou print esta tela mesmo.

A primeira estratégia de sedução passa pela barriga: coloque um potinho com sachê/patê/petisco apelativo a um metro de distância e deixe o peludo comer e sair correndo, sem tentar tocar ou fazer movimentos bruscos. Quando eles perceberem que não serão atacados, tendem a relaxar ― tanto que alimentador de colônia consegue encostar até nos piores ferais.

Se programe para ficar um tempo por dia na área em que o gato está. Vale bater papo com alguém, ler um livro, tomar sol. Quanto mais contato visual melhor. Kuka chegou a dormir no banheiro para servir de Guliver a uma ninhada antissocial. Em dois dias os pequenos já arriscavam cheirá-la, em cinco entenderam que não virariam banquete. O segredo, ela enfatiza, é se mexer o mínimo possível porque eles interpretam errado.

E a castração, citada no começo do texto, termina de acalmar os humores ― saiba os benefícios e lugares que operam de graça aqui. Se não rolar atrair o animal para a caixa de transporte com comida (uma amiga pedia sangue, argh!, no açougue e fazia um rastro), apele à gatoeira (várias ONGs emprestam) ou contrate um laçador fofo como o Niko (contato por e-mail).


Ah! No Felinos Urbanos tem uma tradução importantíssima do Neighborhood Cats, projeto pioneiro de CED, explicando que há ferais que jamais viverão felizes em "apertamento", constantemente apavorados e estressados. Se rolar uma suspeita de que pode ser o caso aí, melhor castrar e soltar no mesmo local da captura.

11.10.17

Paz

De quem trocou a poluição da Anchieta por pores de sol, as buzinas de motoboy por cigarras e passarinhos, o trânsito noturno pelo som da própria respiração. 💚






6.10.17

Jardim de "dorgas"

Os bigodes já curtiram uma brisa com o clássico catnip desidratado, com vasinhos de catnip, almofadinhas de catnip e até spa de catnip ― se você desconhece a erva do gato politicamente correta, clique aqui. Mas nunca tiveram uma plantação inteira para deitar e rolar, literalmente. E eu não seria uma tutora antenada sem realizar esse sonho.

O dia de plantar as mudinhas entrou para a história de Gatoca.




A blindagem improvisada, na esperança de rolar um enraizamento plantístico, também: durou menos de 24 horas.




E o que restou, 26 pores de sol depois, foi esta terra arrasada.

5.10.17

As aglomerações de Gatoca

Tradicional favela felina.


Favelinha hipster.