.
.

7.6.17

Gato e lagartixa: pode ou não pode?

Depende. Aqui em casa, a parceria funciona bem porque os Garfields não se prestam ao papel indigno de correr atrás de qualquer coisa que seja. E porque lagartixas comem insetos, solução perfeita (e ecologicamente correta) para uma vegana-alérgica como eu. Mas quem tem gato caçador deve ficar alerta, já que as bichinhas podem portar o Platynosomum concinnum, vilão da platinosomose.

Quando ingerido, o parasita provoca lesões na vesícula biliar, fígado, pâncreas e intestino, um belo estrago ― lembram da batalha da Pretinha na UTI? Entre os sintomas da fase inicial da doença estão falta de apetite, vômitos, diarreia, perda de peso e anorexia. No estágio avançado, há anemia, icterícia (mucosas amareladas), líquido no interior do abdome e aumento palpável da vesícula e do fígado.

O diagnóstico ocorre por meio do exame de fezes e, se constatada a obstrução dos ductos biliares, por laparotomia (abertura cirúrgica da cavidade abdominal). Já o tratamento é feito com medicamento, sempre prescrito por veterinário.

Atenção, portanto, sim. Neurose, jamais.

Um comentário:

Anônimo disse...

Os meus ficam doidinhos qdo aparece alguma por aqui.
Nunca consegui ver se já pegaram ou não.