.
.

30.3.17

A primeira roda de conversa com adolescentes

Existe um negócio chamado k-pop. Se você nunca ouviu falar, tem a minha idade ou mais e zero filho/enteado adolescente. Trata-se da abreviação de korean pop, um misturerê de rock, hip hop, R&B e música eletrônica, com sul-coreanos de cabelos coloridos fazendo passinhos sincronizados ― a febre teen do momento.

Existem adolescentes apertáveis que organizam um evento de fanbase (o fã-clube moderno) para comemorar o aniversário de um dos integrantes de seu grupo favorito e, aproveitando a paixão dele por cachorros, resolvem arrecadar ração para o abrigo em que a presidente é voluntária. E existe esta jornalista pró-humanidade que, quando pedem ajuda ao Gatoca com divulgação, oferece logo um bate-papo.

Domingão (2 de abril), no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000, Paraíso), às 15h30. Bora trocar experiências sobre como deixar o mundo melhor? Levem a filharada ou apareçam só para dar uma força, porque eu não decorei a coreografia.

16.3.17

Gatos e HQs unidos para salvar o próprio mundo

Os personagens deste post têm o superpoder de fazer rir nos dias em que tudo dá errado, esquentar colos no inverno (e no verão também), encher a casa de bagunça amor. Mas, em vez de morar nas livrarias com cheiro de papel novo, amontoam-se em um barraco de favela em São Bernardo (SP). Quem topa ajudar a Cida, diarista que os resgatou, a combater o crime do abandono?

É só escrever para bialevischi@yahoo.com.br ou compartilhar as fotos tiradas no último domingo, quando os primeiros super-heróis conquistaram sua família ― sim, há uma cachorrinha-bônus na lista. :)

Tempestade, 3 meses
Jogada no lixo com dois dias de vida, perdeu os quatro irmãozinhos, mas não desistiu do ser humano ― ama colo.


Wolverine, 1 ano
Carinhoso e brincalhão, foi desovado nas vielas da comunidade pela filha quando a mãe entrou em coma.


Batgirl, 1 ano
Irmã do Wolverine (licença poética), precisa ser conquistada porque sente falta da tutora.


Viúva Negra, 9 meses
Encontrada quase morta em uma das intermináveis obras da cidade, adora um cafuné.


Vampira, 9 meses
Dócil e faladeira, conheceu o gostinho de ter uma família por apenas alguns meses.


Homem-Aranha, 8 meses
Preso na corrente a maior parte de sua curta existência, não desaprendeu a ronronar.


Mulher-Invisível, 1 ano
Dengosa e tranquilona, corria risco de atropelamento em uma avenida movimentada.


Feiticeira Escarlate, 3 meses e meio
Parida na caçamba de lixo bem no dia de Natal, é grudinha que só apertando.


Homem de Ferro, 3 meses e meio
Irmão da Feiticeira Escarlate (aqui pode), tem um grande potencial de chameguice.


Doutor Estranho, 3 meses e meio
Irmão da Feiticeira e do Homem de Ferro (não surtem), curte um agito sem compromisso.


Mulher-Maravilha, 7 meses
Supercarinhosa, foi resgatada desnutrida, acreditem, na feira.


Mulher-Hulk, 7 meses
Adotada filhotica, voltou para a rua aos 6 meses sem que a família se desse ao trabalho de inventar uma desculpa. Adora brincar, mas não tem espaço no barraco. Ainda sofre bullying dos cachorros maiores ― três em um único cômodo.

14.3.17

Ensinamentos de uma criança para barbados

Iris estudou comigo há duas décadas, mas, por causa da bobeira adolescente, nós não chegamos a ser amigas. Cida castrou boa parte dos animais da comunidade em que rolou nosso mutirão e só recebe o salário de diarista. Na semana passada, por uma daquelas coincidências franciscanas, ambas resolveram me escrever.

A primeira querendo adotar gatinhos (um singular, na verdade, que virou plural por insistência) e a segunda querendo doar gatinhos (um plural que, por causa do abandono, fica cada vez mais plural). E lá fomos nós, domingão, amassar barro nas vielas do DER para buscar Harry Potter e Luke Skywalker.


Fotos assim tem aos montes aqui no blog. O que vocês nunca viram é esta listinha de nomes com letra de criança.


Ou um montinho de brinquedos favoritos para dividir com os novos amigos.


Eric, o filhote humano da Iris, nem completou 7 anos e já sabe a responsabilidade que envolve adotar um animal de estimação ― estou pensando seriamente em usar esta imagem para educar alguns adultos.


Para ampliar, cliquem na imagem

Quando juntar coragem de pegar os pequeninos no colo (nhó!), publico outro post. ♥

P.S. A visita à favela rendeu seção de fotos de 12 bichos, que protagonizarão a próxima campanha de adoção do Gatoca. Preparem-se para compartilhar!

10.3.17

Morte também faz aniversário

Pelo menos a nossa. No domingo, Catrina completou um ano de rabugice na casa da Laís e da Lara Razza. E ganhou festinha com bolo de chocolate ― embora não tenha usufruído dele. As meninas contaram que ela está mais dócil, brincalhona e ronronenta, comprovando minha teoria de que todo animal é capaz de desabrochar na família certa. :)

Que venham mais duas dezenas de velinhas!


Epopeia da Catrina, La Muerte na busca por um lar:

:: Como tudo começou
:: Notícias da Morte
:: Lar temporário do lar temporário
:: Morte quer vida nova!
:: Chuchuia
:: Onde Está Catrina?
:: A gata mais azarada de Gatoca
:: Morte de vida nova!
:: A gata mais sortuda de Gatoca

7.3.17

Este é um post que eu devia ter feito há dez anos

Tem coisas que a gente deixa passar e não sabe bem por quê. Esta foi uma delas. Cá estou eu, então, uma década depois, me sentindo na obrigação de corrigir: além de girar baquetas nos solos rápidos bateria, escrever códigos de programação incompreensíveis e fazer brilhar tudo que as mãos arianas tocam, Jubão (Jon Levischi para as fãs) também batizou este blog.

Do nada, sem discussão conceitual ou brainstorming anterior, o little brother soltou "Gatoca". E acabou com qualquer possibilidade de discussão conceitual ou brainstorming posterior. Uma toca de gatos virtual soava perfeito. Gatoca continua soando perfeito, mesmo com uma das dez prateleiras vazia (snif!).

3.3.17

O desafio da alimentação natural para gatos

Eu convenci a veterinária nutróloga a fazer um pacotão para as nove criaturas, duas vezes por semana. Li atentamente a dieta prescrita e todo o material enviado por e-mail. No feriado de carnaval, tarde da noite, Leo e eu enfrentamos o supermercado e o abominável açougue.

Passamos quatro horas cozinhando carne, ovos, dois tipos de carboidrato (o arroz era integral!) e três de legumes, rascunhando cálculos desafiadores para uma jornalista, pesando as porções ― comprei uma balancinha só para isso.


Ainda cobrimos cada pote com caldinho de acém, pobre em fósforo, por causa da insuficiência renal quase coletiva.


A maioria dos bigodes sequer lambeu. E quem arriscou (Mercv e Guda) vomitou na sequência. Eu olhava para eles, para a pia cheia de louça e para os morrinhos de passaroca intocada segurando o riso histérico. Agora, tenho uma geladeira cheia de comida que não como. :\


Dicas de adaptação, preparo dos alimentos e legumes mais palatáveis são bem-vindas. Compartilhamento de experiências e incentivo moral também. rs

1.3.17

Mais política pública, menos politicagem

O prefeito João Doria prometeu, em seu perfil no Facebook, desenhar projetos voltados aos animais abandonados na cidade de São Paulo. Mas só ouviu empresários do setor pet. Bora cobrar ações que realmente resolvam o problema? Eu já deixei meu comentário. Curtam, compartilhem, escrevam também ― é só clicar aqui.

Às vezes, um mundo melhor está a alguns bytes de distância.


Para ampliar, cliquem na imagem