.
.

30.11.16

Síndrome de homeless

Guda adora um telhadinho. A gente puxa a banqueta para tomar lanche e ela brota do piso. Basta deixar a tampa da caixa de areia no chão, durante a limpeza, que a criatura resolve brincar de tartaruga. Já a perdemos embaixo do fogão, da cama box, da lixeira capotada (por ela mesma) do escritório. Depois de morar um ano na rua, melhor ter dois tetos sobre a cabeça para garantir, né?

25.11.16

Quando o caminho esburacado é o certo

Na manhã em que escolhi trabalhar com educação, sabia que não esbanjaria fama, fortuna, milhões de leitores. Se os textos ajudassem a melhorar a vida de algumas dezenas de pessoas, porém, já teria valido a pena. Há nove anos, estendi esse olhar ao Gatoca. E o post sobre a doença que me roubou o leãozinho alcançou 188 mil usuários no Facebook, somando 4,9 mil compartilhamentos e 20 mil curtidas.

Pode ser pouco para memes de política, vídeos com filhotes de panda e fofocas da última separação de Hollywood. Mas, para um assunto sério (e chato), escrito por uma jornalista que nem subcelebridade é, significa muito. Se as dicas ajudarem a melhorar a vida de algumas dezenas de bichanos, já terá valido a pena.

22.11.16

Doença renal: 7 dicas que podem salvar seu gato

Hoje, faz um mês que o Simba morreu. Não deixei de pensar nele um único dia, de coração apertadinho. Os últimos 33 pores de sol da doença renal foram dos mais tristes da minha vida ― e olha que esta vida já viu tombar pai e mãe. Ainda não estou pronta para escrever sobre o tratamento no estágio terminal. Mas resolvi ressignificar parte da dor compartilhando o aprendizado que pode poupar outros bigodes desse desfecho.

Leve vômitos a sério
Rins com problema não conseguem filtrar as toxinas do sangue direito, provocando náusea, feridas no estômago e, consequentemente, vômitos. O único vômito bom é o de pelos, todos os outros merecem investigação. Antes de começar a vomitar comida, Simba deixava pela casa pocinhas espumantes assim (nem sempre em forma de coração):


Pese o bichano mensalmente
Enjoados, eles tendem a comer menos, emagrecendo lentamente. O gordinho perdeu 800 gramas em oito meses e meu olho, viciado, não percebeu. :\

Dê água na seringa
Sim, é trabalhoso e, não, os geniosos não curtem. Garanto, porém, que a rotina de remédios, alimentação forçada e fluidoterapia produz muito mais sofrimento para todos os envolvidos. Comece com 1 ml por dia até o peludo se acostumar com a manipulação. Aumente progressivamente para 20 ml e, se possível, repita a dose à noite, totalizando 40 ml diários ― neste post tem 13 macetes para facilitar as seringadas.

Compre potes de tamanhos diferentes
Cansei de ler, nestes 11 anos, que gato prefere tigela grande para não encostar os bigodes na borda, mas o potico que improvisei para o leãozinho fez o maior sucesso, mesmo sem a torre, e acabou virando oficial. Além dele e dos potões de cachorro, a gangue conta também com um bebedouro elétrico. Ingerir pouca água é a principal causa da doença renal, que mata 60% dos bichanos ― aqui tem um texto bem completo sobre o assunto.


Não economize na ração
Repita como um mantra. Marcas baratas possuem excesso de sal, que provoca disfunções urinárias, e de corante, que prejudica a absorção dos nutrientes, além de gerar um volume maior de cocô. A trupe come Farmina, parceira do Gatoca, porque a N&D e Vet Life não têm transgênicos nem conservantes artificiais, usam proteínas de melhor qualidade e os óleos e vitaminas entram só no final do processo, evitando que se percam com as altas temperaturas. Elas nem precisavam ser mais palatáveis. :)

Ofereça comida úmida frequentemente
Esqueça o tártaro (acredite, já vi essa discussão). Na natureza, os felinos caçam animais menores, com 70% de água em seus corpos, e não precisam beber o líquido morno parado no pote, juntando poeira e pelos. Por isso a falta de hábito, que a gente chama de frescura. Vale sachê, latinha e até alimentação natural, desde que preparada exclusivamente para eles, seguindo a orientação de um especialista.

Cuide da energia da casa
Dizem que plantas ajudam os bigodes na tarefa de filtrar nossa nhaca e a nhaca do ambiente. Se for mentira, espalhar uns vasinhos (não tóxicos!) pelos cômodos não prejudicará ninguém. Por fim, cultive menos rancor e mais amor. A vida é curta e às vezes cabe na palma da mão.

19.11.16

Ao infinito e além!

Não se deixem enganar pelo ângulo da fotografia. Nesta cadeira cabe, mal e porcamente, minha bunda. E minha bunda é proporcional aos menos de 50 quilos que frustraram duas décadas de esperança de salvar vidas doando sangue. Mas Guda e suas meninas não sabem disso. Quando a gente é gato sem padrões limitantes, pode tudo.

16.11.16

Pé de Pimenta quebra-tudo

Dizem que gatos filtram nossa nhaca ― se quiserem, claro, porque não se trata de um trabalho com carteira assinada, férias remuneradas, 13º, fundo de garantia, né? E que as plantas filtram a nhaca do ambiente, dando uma força aos bigodes na missão.

Só por isso eu topei comprar a suculenta para o Simba, que morreu duas madrugadas maldormidas depois, deixando o vasinho laranja de lembrança agridoce. Só por isso, dei de cara esses dias com Pimenta fazendo a Simbalenta de travesseiro, no maior conforto do universo.

Só por isso, a vida continua valendo a rega. Ainda que salgada.


Foto do Leo Eichinger ♥

11.11.16

Paciência tibetana

Em 2006, Clara só tinha olhos para o Mercv ― até porque ele era a única opção do recinto. Nos últimos dez anos, a população de bigodes foi aumentando de forma inversamente proporcional ao tamanho da casa, reduzida a um quinto, e o primogênito ficou sem o colo exclusivo, as guloseimas diárias, o amor da geniosa.

Podia ter queimado almofadões, feito greve de fome, desafiado Simba para um duelo de garras. Mas escolheu esperar. Uma década. 122 meses. 3687 dias. Meu colo continua disputado, principalmente no inverno. As guloseimas rarearam ainda mais com o diagnóstico quase-coletivo de doença renal. O coração da Clara, porém, é seu de novo.

9.11.16

Das coisas que realmente importam

Cilla Nolli não me conhece. Nunca comeu um bolo vegano em Gatoca nem apertou os bigodes ― pelo menos os que não se enfiam antissocialmente embaixo do fogão ou em cima da geladeira. Mas fez esta ilustra coisamaisfofadomundo na época em que o Simba estava doente, ainda completou com um post-afago em seu blog.

Ontem, quando fui buscar as cinzas que descansarão no jardim da nossa futura casinha (obrigada, Mari!), quis chorar os 33 dias de novo. E lembrei do leãozinho sorridente, no meu colo desenhado. Esse amor, bípede e quadrúpede, com que o projeto me cerca há nove anos é das riquezas mais caras que um ser humano pode colecionar.

4.11.16

Montinho de recomeço

Parece seis gatos juntos. Mas é vida que ensaia retomar o fluxo. O buraco do Simba segue na cama e no peito. Nove dias depois, porém, os bigodes voltaram a dormir pertinho.

1.11.16

Paranapiacaba no ventilador

O Gatoca denunciou a situação dos animais de Paranapiacaba em julho, vocês enviaram e-mails, o poder público ignorou, nós apelamos à Promotoria do Meio Ambiente, descobrimos uma ação civil pública contra a prefeitura e até agora, acreditem, nada mudou ― o prazo para cumprir a determinação do juiz termina no dia 17.

Mas este é um post "meio cheio". Nossa força-tarefa chamou a atenção da Vejinha, que me entrevistou em setembro, do SBT, que queria gravar para o SBT Brasil, mas acabou não rolando, de políticos da causa. E a assessoria de imprensa da prefeitura finalmente topou agendar uma conversa com um representante legal da vila (continuamos aguardando).

O novo prefeito assume no dia 1º de janeiro e se posicionou pró-bicho. As ONGs autoras da ação civil pública seguirão pressionando com a gente. Desgasta e desanima ter de cobrar o óbvio, sim. Mas 2017 há de ser um ano mais humano para os peludos andreenses.