.
.

3.1.14

Aprendendo a lidar com as adversidades #not

Este post era para ter a foto de uma jardineira de grama cercada de gatos mastigando felizes. Eu arrumei um cantinho para a dita cuja aqui na garagem do prédio e enfrentei a escadaria dias a fio com um regador improvisado, justamente para poupá-la do ataque dos bigodes.

Eis que a vizinha que passa as tardes na janela tomando conta da vida dos outros fez o serviço: jogou a terra repleta de sementes no lixo, colocou uma lama do pântano no lugar, replantou o cacto que estava em um vaso com esfagno, já que é uma espécie do deserto, e, pasmem, sequer me consultou.

Ilha deserta, aí vou eu!


Mercv pelas lentes de Leonardo Eichinger ♥

6 comentários:

Alexandra Faro disse...

Oi, Bia !
Como será o tratamento do Sparky ? Pelo que li, ele fará fisioterapia.
Ele é um filhotão ainda ?
Obrigada.
Beijos

Anônimo disse...

Vai se acostumando Bia,viver em apartamento e este inferno mesmo...vizinhos intrometidos,q tomam conta de tudo,inclusive do q não e deles...apartamento igual a privacidade zero...falo por experiência própria,moro em apartamento fazem 29anos,e eu tenho 30...DA GATEIRA DE CURITIBA><JAMILE

Anônimo disse...

Maledeta vizinha...


Rose

Em busca de corpo e alma disse...


As vezes penso que a sina de qualquer capricorniano é ter um AVC. Dizem que é o signo mais paciente do zodiaco.
E sinceramente, não sei se a educação das pessoas tem sofrido modificações drásticas. Ou são meus fios brancos, que não deixam mais acompanhar as mudanças comportamentais.
Por muito tempo fui atrás de literaturas de sabedoria. Tentei compreender o Cosmos e até já tive horas sentada em um banco para desligar da vida e tentar entender a razão da convivência humana.
E sempre acabo tendo Darwin na cabeceira da cama.
Já busquei espiritualidade, virei vegana, aprendi a contar composições de números até onde minha existência diária permitiu, fazia trabalho voluntário e até aboli o uso do carro.
E largando essa "selvageria" em busca da compreensão da humanidade percebi que Lenine sempre esteve certo.
Hoje mesmo acendendo incenso e mentalizando o mantra. Tenho uma vontade louca de adquirir uma "12" e dar uns tiros no teto. E muitas vezes vem sentimentos de arrependimento. Um deles foi o pq não fiz uma ex-vizinha engolir o "racumin" que ela colocou na janela da minha casa.
Eu não sei se esse mundo um dia irá melhorar. Espero de coração. Mesmo que não chegue a ver. :/

Patricia disse...

Já morei em apartamento e só tenho um comentário: nunca mais.

Beijo!

Beatriz Levischi disse...

Sparky está com uns 8 meses, Alexandra. Se a recuperação continuar nesse ritmo, parece que não vai precisar de fisioterapia. Por quê?

Morar em apartamento não foi bem uma opção, gente. Dar tiros no teto deve funcionar melhor do que fazer terapia!