.
.

29.11.13

Natal com espírito

Um tico antes de São Francisco me arrastar pelos cabelos para a proteção animal, eu descobri o trabalho incrível das meninas do Adote um Gatinho. Faz seis anos. Seis anos que os esqueletinhos da Dona Lourdes ganharam uma segunda chance. Seis anos que, em retribuição, eu doo o que sei fazer de melhor para a ONG: escrever. Seis anos de correria e suadeira vendendo canecas, cadernos e camisetas para arrecadar fundos nos bazares de Natal.

E dezembro chegou de novo! Prestigiem nosso esforço, ajudem a salvar outras vidas, presenteiem os amigos e a família com produtos lindos e exclusivos ― nesta edição, a agenda traz curiosidades que nem eu sabia sobre os bichanos e o calendário conta histórias emocionantes de transformação dos resgatinhos. Cada palavra foi escolhida com o maior carinho por mim. :)

E "mim" também ficará feliz de trocar abraços natalinos. Ah! O bazar rola neste domingão, das 10h às 18h, no Clube Homs (Av. Paulista, 735). A entrada é gratuita, para ninguém sair de mãos vazias.

26.11.13

TV para gatos

Bigodes e máquina de lavar nunca haviam coabitado. E, na estreia da nova aquisição, eu me arrependi de ter levado as roupas sujas para a lavanderia, em vez da câmera fotográfica. Chocolate se aproximava do eletrodoméstico rastejando e dava pulos imensos para trás a cada chacoalhada de calcinhas.

Depois de me fazer rir umas dez vezes, sentou em frente à porta redonda de vidro e ficou assistindo, imóvel, à programação de lavagem. Quando o ciclo terminou, rumou para o porta quadrada do forno, como quem muda de canal. E logo Clara se apossou do controle remoto.

21.11.13

Quando o toalete vai a Maomé

As caixas de areia dos bigodes nunca me incomodaram. Até a gente mudar para o apertamento e o escritório virar praia ― sem mar nem caipirinha. Nascia um novo sonho de consumo: banheiros fechados para gatos. Eu escrevi "sonho de consumo" porque não se junta R$ 600 fácil depois de ter passado 12 meses reformando. Mas era fato que o sofá havia caído para o segundo lugar da lista de prioridades.

Estava planejando as horas extras, quando a assessora de imprensa da Chalesco, que engloba a American Pets, pediu meu endereço para enviar alguns lançamentos da Pet South America. As duas marcas importavam banheiros. Grandes, coloridos, com portinhas! Sugeri então que, em vez dos produtos, eles doassem ao Gatoca quatro Cathy Filter. E eles toparam!

A portinhola de desenho animado não rolou porque os caipiras não entenderam que devem empurrá-la para entrar no banheiro. Mas a cobertura já dá outra cara (e cheiro) para o ambiente. Pufosa gostou tanto da novidade que passa o dia dormindo na areia. Se eu soubesse, não tinha feito irmão e namorado subirem dois lances de escada carregando minha cama de solteiro.

14.11.13

Aconchego provisório

Apesar do calor que transformou o Facecook em muro das lamentações, as noites continuam frias aqui na terra das batatas. E eu decidi dar um fim solidário às últimas caixas de papelão da mudança: recheei-as com as roupas puídas da reforma e a toca doada pela Fê, esperei escurecer e rodei a cidade em busca de cantinhos que tivessem bichos e fossem protegidos da chuva e da indiferença dos seres humanos ― para garantir, colei um lembrete jurídico, seguindo a sugestão da Isis. Espero que as casinhas durem enquanto durarem as madrugadas geladas.


Para ler o cartaz, cliquem na imagem

12.11.13

Aniversariante do mês – outubro de 2013

Eu não vou mentir. Passei o aniversário do Mercvrivs* com outro. Cleiton instalou os spots na sala da casa nova, o filtro d'água na cozinha, a porta sanfonada na despensa, consertou o vazamento do boxe do banheiro, reforçou as prateleiras dos livros no escritório. E depois veio a arrumação das últimas malas (que quase fixaram residência embaixo da cama). E a faxina de 13 horas. E o supermercado. E novembro.

Eu só me toquei que o gato que acha que é gente havia completado 8 anos ontem, ao me deparar com a cena que ilustra este post. Foi difícil reformar, foi difícil mudar e ainda está sendo difícil acostumar com a vida a 60 degraus do solo. Mas Mercv ganhou de presente mamão nos cafés da manhã, vento nos bigodes enquanto cochila na almofada e os pores de sol mais lindos de São Bernardo. Compensa o atraso na comemoração, né?

*Novelinha: Conheça a história do Mercv

Outros aniversários: 2012 | 2011 | 2010 | 2009 | 2008 | 2007

6.11.13

Vira-lata com pedigree

Dia desses, eu almoçava de costas para a cozinha quando ouvi, orgulhosa, um barulhinho empolgado de língua no pote d'água ― quem tem gatos vive assombrado pelo fantasma da insuficiência renal. Me virei devagar, para não assustar o bigode exemplar, e dei de cara com a Guda equilibrada no fogão, tomando sopa de feijão como se não houvesse amanhã.

Com acesso ao cômodo dos prazeres da gula, ela está impossível! Toda santa refeição, planta as quatro patas ao lado da banqueta, ciente da minha falta de coordenação, e, se eu deixo cair uma migalha, pingo ou grão de comida, ataca feito um tubarão. Antes de eu pensar em abaixar, a Gata de Botas já está me encarando com aquele par de olhos enormes, à espera da próxima porcaria.

1.11.13

Blindagem de presente

Antes de pensar se valia a pena comprar o micro-ondas com grill, a geladeira frost free ou o aspirador de pó sem saco coletor, eu já havia tirado todas as medidas das janelas do apertamento para orçar a instalação das telas ― bicho feliz não tem acesso aos perigos da rua. E liguei direto para a Redes 2000, empresa que atende mais gateiros do que famílias com crianças pequenas.

Edmundo não só doou as telas para o projeto como mandou também três meninos fofos, o Aurélio, o Cleiton e o Milton, para fazer o serviço cuidadoso. E na basculante do banheiro e nos vitrôs da cozinha, pontos impossíveis de telar por fora, eles colocaram limitadores, que impedem a passagem do cabeção do animal.



Daqui, os bigodes só saem para a próxima casa ― com jardim, por favor, São Francisco.