.
.

29.11.10

Pergunta vencedora!

Quem ganhou o concurso de novembro foi a Nice, que disse que usaria o tradutor de miados para perguntar ao Mingau por que ele só come a ração se enfileirarem os grãozinhos. Ela já recebeu o livro Tudo bem não alcançar a cama no primeiro salto, de John O´ Hurley, e mandou até foto do peludo mimado agradecendo.


Gatoca também gostaria de saber o que Mercv sonha quando tremelica inteiro, qual é o barato que o catnip dá na Clara, como os bigodes têm coragem de lamber o fiofó dos amigos e que bicho asqueroso Jujuba e Pimenta (as caçadoras do recinto) acham mais saboroso: barata, besouro ou lagartixa. Japoneses, mexam-se!

Para ampliar, cliquem na imagem

24.11.10

Como encantar bigodes

Depois que Snow saiu do cemitério da Baixada Santista, sua mãe teve outra cria. E um dos bebês cresceu tão medroso quanto ele. Patrícia me pediu ajuda e eu apelei à Guebis, que conta o segredo da socialização do branquelo neste e-mail fofo:

"É melhor você ligar e pedir o gato mais estragado que ela tem!". Essa foi a frase que eu ouvi de uma amiga quando descrevi o tipo de bigode que procurava para adotar: um peludo com poucas chances, talvez adulto, que já tivesse passado por um trauma e as pessoas rejeitassem.

Em março, começou a busca oficial. Entre as sugestões da Bia, cujo blog eu acompanhava há algum tempo, estava a duplinha Flea e Snow. Apesar de lindos, o branquelo era extremamente assustado. Deixara o cemitério com 5 meses e desconfiava de tudo. Mas eu não ligava. Ele teria o tempo que quisesse para se soltar.

Em junho, os bebês chegaram! Flea com 7 meses, super conversadeira, e Snow com 10, em silêncio, no fundo da caixinha de transporte. Na primeira noite, a oferecida já dormiu entre as cobertas, enquanto o bicho do mato se enfiou embaixo da cama.


Segunda-feira, eu passei o dia todo fora e, ao voltar para casa, encontrei o coitado preso atrás da geladeira. Fui buscar uma toalha, visualizando os pontos que tomaria tentando tirá-lo dali, e, para minha surpresa, ele não encostou uma unha em mim! Apenas correu para a "toca".

Lembro de pensar que havia perdido de vez sua confiança. Eu não podia estar mais enganada. E foi na madrugada de quarta para quinta que rolou o primeiro progresso: eu pendurei um cabinho na ponta da cama, puxei e o poço de timidez felino fisgou a isca!

Na semana seguinte, enquanto eu jantava, a criatura finalmente veio miando na minha direção. Sem me mover na cadeira, eu estiquei a mão e ele deu uma cabeçadinha. Depois, subiu pelos meus pés e ficou se esfregando atrás da tela do notebook. Vitória! Hoje, Snow é o gato mais carinhoso que conheço. Tagarela, adora um colo e carinho na barriga.

Quando eu olho as fotos do seu irmão, vejo a mesma carinha desconfiada do branquelo no início. E tenho certeza que ele vai desabrochar. Só precisa de alguém que lhe dê confiança, paciência e, principalmente, muito amor!


Se você está pensando em adotar um gatinho, por que não dois? Ter uma companhia fez toda a diferença na evolução do pequeno.



Quem topa o desafio? Preciso pedir um help na divulgação da Mila (trica) e do Raj (tigrinho)?

Para ampliar, cliquem na imagem

20.11.10

Show de Talentos

Lembram dos bigodes circenses? Pois Gatoca continua produzindo estrelas...

Mike canta, dança e sapateia.

E Chocolate, além de tocar violão com o pé, engana qualquer um com sua imitação de cabrita.

16.11.10

Afeto aos porcos

Phillip foi abandonado em frente à casa da Patrícia com o olho saltando da órbita e ronronando. A oftalmologista constatou perfuração e a lista gigantesca de remédios só serviria para segurar as pontas até a cirurgia, já que ele era tão pequeno que não conseguia nem comer sozinho.


Dois meses depois, com a retirada do globo ocular, o sofrimento do frajolinha finalmente terminou. Mas, por causa da redução do campo visual e da noção de profundidade, ele nunca mais enxergará como os outros gatos.


Um tiro de chumbinho roubou de Angel o controle sobre o xixi, aprisionando-a nas fraldas de bebê. Durante os últimos 30 dias, ela apresentou vaginite, trombocitose, hemorragia e um amor inexplicável pelo ser humano.


Como a comunicação entre as patas traseiras e o cérebro se perdeu nos estilhaços da bala, a única chance da vesgolina voltar a "andar" é comandada pela medula. Mas o neurologista disse que ela nunca mais correrá atrás das bolinhas de papel ou saltará na cama para ganhar um cafuné.


Dois bigodes extremamente carinhosos condenados a viver pela metade. Dois diagnósticos que salgaram a boca...



Phillip anda carimbando as paredes da casa da Suze com seu micro-colar-elizabetano. E Angel descolou um banheiro só para ela no apartamento da Michele. Se vocês divulgarem este post, eles têm chance de ganhar uma família até o Natal.

P.S.: Quem quiser ajudar com as despesas, mande sinal de fumaça para a Patrícia: cinzaeamarelo@gmail.com - eu só participei das idas ao veterinário e tirei as fotos.

12.11.10

O que você perguntaria a seu bigode?

O pessoal se empolgou com a invenção imaginária do tradutor de miados e eu vou precisar de ajuda, de novo, para escolher o vencedor do concurso de novembro. Dêem seu voto na enquete ao lado (abaixo do "quem somos"). Lembrando que vale a resposta mais criativa - e que elas tiveram de ser resumidas, por causa do espaço miserável.

P.S.: Ana C., obrigada pelo carinho! :)

8.11.10

Como dar remédio para gato

Todo mundo já deve ter recebido esse texto por e-mail e caído na risada, certo? Mas, quando os bigodes adoecem de verdade, a piada perde a graça. Sorte (de vocês, claro!) que Gatoca é um terreno fértil de experimentações e eu posso compartilhar todas elas aqui no blog.

Antes de a aventura começar, desarmem o peludo com uma bela sessão de manicure, escolham o cômodo da casa com menos buracos inacessíveis para a tortura e mantenham por perto um aplicador de comprimidos salvador.

Se não der para imobilizar a criatura segurando-a pelo cangote, tentem apoiar as quatro patas em superfícies antiderrapantes (como camas e sofás) e façam uma leve pressão com o corpo – toalhas de contenção só aumentam o estresse do selvagem, que odiará se sentir preso.

Quanto mais inclinada para o alto a cabeça, mais facilmente a drágea acertará a garganta. E fiquem espertos: enquanto não rolar aquela lambidinha nos lábios, o remédio corre sério risco de ser cuspido!

4.11.10

Bigodês

Lembram que o produto maluco vencedor do concurso de agosto foi o tradutor de miados? Pois está na hora de lançar o desafio de novembro! Se tivessem inventado o tal tradutor, o que você perguntaria a seu gato? Como sempre, o dono da resposta mais criativa ganha uma surpresa. ;)

1.11.10

Zé Bonitinho e Cascão

A maioria dos gatos não é muito fã de água. Mas, quando se trata de higiene felina, Gatoca tem bigodes nos dois extremos. Mercvrivs não pode ver a gente escovando o dente que sobe correndo na pia para ganhar a cuspida diária de pasta no cabelo. Já Simba morre de chorar toda vez que alguém entra no chuveiro, acreditando que o torturado só sairá de lá morto.